dre demonstrativo do resultado do exerc cio n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
DRE- DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO PowerPoint Presentation
Download Presentation
DRE- DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 34

DRE- DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - PowerPoint PPT Presentation


  • 60 Views
  • Uploaded on

DRE- DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO. Definição de Receitas.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'DRE- DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO' - mattox


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
defini o de receitas
Definição de Receitas

“Receita é o ingresso bruto de dinheiro, contas a receber ou outros valores que surgem no curso das atividades normais de uma empresa pela venda de mercadorias, prestação de serviços e pelo uso por terceiros de recursos da empresas, geradores de juros, royalties e dividendos”

IASB – International Accounting Standards Board

defini o de receitas1
Definição de Receitas

“Entende-se por receita a entrada de elementos para o ativo, sob forma de dinheiro ou direitos a receber, correspondentes, normalmente, à venda de mercadorias, de produtos ou à prestação de serviços. Uma receita também pode derivar de juros sobre depósitos bancários ou títulos e de outros ganhos eventuais”.

Equipe de Professores FEA/USP - 1973

defini o de receita
Definição de Receita
  • Caracterizam-se em geral, pela venda de bens ou prestação de serviços. Podem derivar ainda de juros ativos, descontos obtidos, aluguéis ativos;
  • As receitas provocam variações positivas no PL, tendo em contrapartida aumentos no Ativos
receitas classifica o
Receitas - Classificação
  • Receitas operacionais
  • Receitas não operacionais
  • OS: Verificar Plano de Contas
conceito de valor
Conceito de Valor

“A receita, independente de como seja definida, deve ser medida, termos ideais, pela valor de troca do produto ou serviço da empresa. O valor de troca representa o valor de caixa, ou o valor presente de direitos monetários a serem recebidos, em conseqüência da transação que gera a receita.”

Hendriksen

receita operacional
Receita Operacional

“Receita operacional somente deveria englobar a parcela proveniente do produto principal e dos co-produtos da empresa (ou serviços)”.

Ou seja, apenas os produtos e serviços que constituem finalidade fundamental da empresa deveriam ser incluídos na categoria de receita operacional.

dedu es de receita operacional
Deduções de Receita Operacional

“Receita operacional somente deveria englobar a parcela proveniente do produto principal e dos co-produtos da empresa (ou serviços)”.

Ou seja, apenas os produtos e serviços que constituem finalidade fundamental da empresa deveriam ser incluídos na categoria de receita operacional.

dedu es de receita operacional1
Deduções de Receita Operacional

Deveria ser reduzida da Receita Operacional todas aquelas diminuições do patrimônio líquido que na verdade são ajustes da receita operacional bruta.

  • Impostos proporcionais a receita
  • Descontos comerciais (desde que contabilizado separadamente)
  • Devoluções e abatimentos de vendas
  • Despesas de transporte de vendas (do vendedor)
  • Comissões sobre venda (% fixo sobre o volume de faturamento) ²
  • Provisão para devedores duvidosos ²

2 – considerado por alguns autores

reconhecimento da receita
Reconhecimento da Receita

Em geral, de acordo com o IASB (IAS11, IAS 18):

Satisfeitas as três seguintes exigências:

- pode ser medida com segurança;

- é provável que os benefícios econômicos da transação fluam para a empresa;

- os custos (incorridos e futuros) podem ser medidos de modo confiável.

reconhecimento da receita1
Reconhecimento da Receita

Em relação aos bens, de acordo com o IASB:

- os riscos relevantes e benefícios foram transferidos para o comprador;

- não há ingerência contínua pelo vendedor sobre os bens vendidos;

- não há controle efetivo sobre os ativos vendidos.

reconhecimento da receita2
Reconhecimento da Receita

No Brasil, (Pronunciamento XIV do Ibracon)

Em geral, a receita é obtida quando os seguintes critérios são atingidos:

- o processo de realização de receita está virtualmente completo;

  • a transação ocorreu.
reconhecimento da receita3
Reconhecimento da Receita

No Brasil, (Pronunciamento XIV do Ibracon)

Em relação aos bens, a receita é reconhecida nadata da venda que corresponde normalmente, à data na qual a propriedade do bem foi transferida ao comprador.

A venda de produtos e serviços normalmente é reconhecida quando a nota fiscal é emitida.

realiza o da receita entrega do bem servi o
Realização da ReceitaEntrega do bem/serviço

- O ato da entrega, em geral, tem representado o registro da receita.

  • No momento da entrega, a certeza, os custos e as despesas são quase que totalmente conhecidos.
realiza o da receita antes do bem servi o exce o
Realização da ReceitaAntes do bem/serviço ( exceção )
  • Normalmente envolvem serviços
  • O montante da receita é determinado por contrato ou acordo.
  • Embora o montante não seja faturado, cria-se um direito válido contra o cliente/inquilino.
realiza o da receita antes do bem servi o exce o1
Realização da ReceitaAntes do bem/serviço ( exceção )

Exemplos:

- alugueis de longo prazo;

  • comissões de vendas;
  • contratos de longo prazo ( construção civil );

- crescimento ( reservas, florestais, gado, etc );

realiza o da receita depois do bem servi o exce o
Realização da ReceitaDepois do bem/serviço ( exceção )

Ocorre basicamente em dois casos:

a) quando é impossível medir com precisão razoável os ativos recebidos em troca da transação;

b) é provável que haja despesas adicionais significativas associadas a transação, e estas não podem ser estimadas com preço razoável.

slide18

Esquema - despesas

Demonstrativo de Resultado do Exercício

Produtos ou

Serviços

Elaborados

Custos

DESPESAS

Consumo associado

à elaboração do

produto ou serviço

Consumo

associado

ao período

Investimentos

Gastos

slide19

Definições

  • GASTO: Sacrifício financeiro que a entidade arca para a obtenção de um produto ou serviço qualquer, sacrifício esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro).
  • INVESTIMENTO: Gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro (s) período (s).

(E.Martins, ed. Atlas, Contab. de custos)

defini o de despesas
Definição de Despesas
  • “utilização ou consumo de bens e serviços no processo de produzir receitas”

Iudícibus

slide21

Definições

Princípios contábeis – IBRACON (2ª edição – atlas, 1992:112)

  • Despesa – Corresponde a decréscimo de ativo ou acréscimo nos passivos, reconhecidos e medidos em conformidades com os princípios de contabilidade geralmente aceitos, resultantes dos diversos tipos de atividades, e que possam alterar o patrimônio líquido.
  • Decréscimo nos ativos e acréscimo nos passivos, designados como despesas, são relativos a eventos que alteram bens, direitos e obrigações.
  • O CPV é uma despesa, porque o resultado líquido da venda é uma mudança no PL. Por outro lado, a exigibilidade incorrida na compra de um ativo não é despesa.
slide22

Definições

Princípios contábeis – IBRACON (2ª edição – atlas, 1992:112):

  • Despesa não operacional – Corresponde ao evento econômico diminutivo ao PL, não associado com a atividade principal da empresa, independentemente da sua freqüência. Ex.: Despesas de capital correspondentes a transações com imobilizado ou com investimentos de natureza permanente, desde que não relacionadas com a atividade principal da empresa.
princ pios x despesas
PRINCÍPIOS X DESPESAS
  • Princípio do confronto das despesas com as receitas e com os períodos contábeis:
  • “Toda despesa diretamente delineável com as receitas reconhecidas em determinado período, com as mesmas deverá ser confrontada; os consumos ou sacrifícios de ativos (atuais ou futuros), realizados em determinado período e que não puderam ser associados à receita do período nem às dos períodos futuros, deverão ser descarregados como despesa do período em que ocorrerem ... “

(FIPECAFI, 2003:64)

princ pios x despesas1
PRINCÍPIOS X DESPESAS
  • A Lei das S/A ratifica este princípio conforme Art.187, no seu parágrafo primeiro, nas letras A e B:
  • “Parágrafo Primeiro. Na determinação do resultado do exercício serão computados:
    • a) as receitas e os rendimentos ganhos no período, independentemente da sua realização em moeda; e
    • b) os custos, despesas, encargos e perdas, pagos ou incorridos, correspondentes a essas receitas e rendimentos“.
cfc resolu o 750 93
CFC – Resolução 750/93

Art. 9º As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do período em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente de recebimento ou pagamento.

§ 4 ­º Consideram-se incorridas as despesas:

I - quando deixar de existir o correspondente valor ativo, por transferência de sua propriedade para terceiro;

II - pela diminuição ou extinção do valor econômico do ativo;

III - pelo surgimento de um passivo, sem o correspondente ativo.

despesas pr operacionais
Despesas Pré Operacionais
  • São aqueles que ocorrem na fase da constituição da empresa. Referem-se a gastos com registros de documentos, pagamentos de taxas, aquisição de livros, pinturas, reformas no imóvel, pagamentos a empregados, etc...
despesas pr operacionais1
Despesas Pré Operacionais
  • Antes da MP 449/2008, convertida em Lei 11.941/2009, essas despesas eram classificadas no Ativo Diferido, posteriormente por meio de amortização, o montante dessa despesas era rateado para integrar o resultado de vários exercícios.
despesas pr operacionais2
Despesas Pré Operacionais
  • A partir de 1º de janeiro/ 2009 – esses gastos devem ser contabilizados em contas de despesas operacionais, para compor o resultado do exercício em que forem incorridos
despesas operacionais
Despesas Operacionais
  • Todas as despesas que ocorrem a partir do momento que a empresa começa a operar e que sejam necessárias ao desenvolvimento de suas atividades
despesas operacionais1
Despesas Operacionais
  • Segundo o inciso III do art.187 da Lei 6.404/76, as despesas devem ser agrupadas:
    • Despesas com Vendas
    • Despesas Financeiras
    • Despesas Gerais ou Administrativas
    • Outras Despesas Operacionais
despesas n o operacionais
Despesas Não Operacionais
  • A legislação tributária considera como não operacionais os resultados auferidos na alienação, na desapropriação, na baixa por perecimento, extinção, desgaste, obsolescência, ou na liquidação de bens do Ativo Não Circulante ( art. 418 do RIR/99)
despesas n o operacionais1
Despesas Não Operacionais
  • Esses resultados, denominados “ ganhos ou perdas de capital”, quando negativos correspondem a despesas não operacionais e quando positivos correspondem a receitas não operacionais
a lei das sociedades por a es e o conte do da dre
A Lei das Sociedades por ações e o conteúdo da DRE
  • Art. 187 da Seção V da Lei No. 6404:
  • 1. A receita bruta;
  • 2. As despesas com as vendas, as despesas financeiras, deduzidas das receitas, as despesas gerais e administrativas e outras despesas operacionais;
  • 3. O lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais etc.
bibliografia
Bibliografia
  • ANTEPROJETO DA NOVA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS.
  • HENDRIKSEN, Eldon S.; VAN BREDA, Michael F. Teoria da Contabilidade, 5ºed.- São Paulo: Atlas,1999.
  • IUDICIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos – Introdução à Teoria da Contabilidade, 3ª ed.- São Paulo:Atlas, 2002.
  • _________, Sérgio de –Teoria da Contabilidade, 9ª ed.- São Paulo:Atlas, 2002.
  • _________,Sérgio de;MARTINS, Eliseu;GELBCKE,Ernesto Rubens –Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações, 6ª ed.- São Paulo:Atlas, 2003
  • MARION, José Carlos Marion, revista de contabilidade do CRC, Ano III nº 8 – jun/1999.
  • RIBEIRO, Osni Moura.Contabilidade Intermediaria. São Paulo: Saraiva, 2009.
  • PRINCÍPIOS CONTÁBEIS - 2a. edição - São Paulo : Atlas, 1992IBRACON - Instituto Brasileiro de Contadores