slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
DOM CASMURRO PowerPoint Presentation
Download Presentation
DOM CASMURRO

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 21

DOM CASMURRO - PowerPoint PPT Presentation


  • 131 Views
  • Uploaded on

DOM CASMURRO. MACHADO DE ASSIS. Contexto histórico. “ Eu sou um peco fruto da capital, onde nasci, vivo e creio que hei de morrer, não indo ao interior senão por acaso e de relâmpago” ( Machado de Assis ).

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'DOM CASMURRO' - marvin


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

DOM CASMURRO

MACHADO DE ASSIS

slide2

Contexto histórico

“ Eu sou um peco fruto da capital, onde nasci, vivo e creio que hei de morrer, não indo ao interior senão por acaso e de relâmpago” (Machado de Assis)

Numa sociedade marcada por divisões sociais muito rígidas (como já era o Brasil na época de Machado de Assis), o indivíduo nasce com seu destino social mais ou menos determinado pela origem e, pela raça, e até pela possibilidade ou não de freqüentar escolas.

A sociedade era marcada pelas teorias racistas do séc. XIX, e o preconceito, muito mais presente devido à existência da escravidão. Isso tornava difícil a ascensão intelectual de Machado, que era mulato. A vida intelectual do subúrbio era muito diferente da vida intelectual da Corte, com a qual teve contato trabalhando na Rua do Ouvidor. Nesta as pessoas detentoras de poder se encontravam, se divertiam, exibiam suas roupas importadas da Europa.

slide3

Contexto histórico

  • Fatos históricos importantes:
  • 1822 – Independência do Brasil
  • de 1826 a 1885 são aprovadas leis contra a escravidão no Brasil por pressão da Inglaterra.
  • Em 1888 é assinada pela princesa Isabel a Lei Áurea
  • Guerra do Paraguai (1865 a 1870)
  • 15.11.1889 – Proclamação da República
  • Economia do país:
  • Com base na cafeicultura.
  • Grande propriedade
  • Voltada para atender o mercado externo
  • Aspectos sociais:
  • extinção da escravidão
  • Imigração européia para a cafeicultura
  • Migração interna (Boom da borracha 1870-1910)
  • Teorias racistas sobre a superioridade da “raça” branca sobre as demais.
  • Divisões sociais rígidas.
slide4

Contexto histórico

Acima: Morro do Livramento onde nasceu Machado de Assis

Ao lado: Largo da Carioca, em fotografia de 1906. Nesse tempo os moradores já assistiam ao surgimento de uma nova metrópole.

slide5

Contexto histórico

1900 – A então capital do país não era como hoje. As praças, os bondes, tudo era exatamente como Machado descrevia.

slide6

Contexto

histórico

Abolição da escravatura:

Enquanto o povo comemorava, Machado analisava o problema da escravidão em suas crônicas, contos e romances.

slide7

Contexto histórico

Foi assim que a revista ilustrada de 28 de julho de 1885 sintetizou o desmoronamento do império.

Na ilustração ao lado, alegoria da proclamação da República.

slide8

Sobre o autor

Quem foi Machado de Assis

  • 1839 – Joaquim Maria Machado de Assis nasce no Rio de Janeiro, a 21 de junho.
  • 1855 – Publica seu primeiro trabalho, a poesia “A Palmeira”, na Marmota Fluminense.
  • 1858 – inicia suas colaborações em jornais e revistas, o que manterá por toda a vida.
  • 1864 – Publica seu primeiro livro: Crisálidas (poesias)
  • 1867 – É nomeado para o cargo de ajudante do diretor do Diário oficial
  • 1869 – Casa-se com Carolina Augusta Xavier de Novaes
  • 1881 – Publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas e início da fase realista e do Realismo no Brasil
  • 1897 – É eleito presidente da academia brasileira de Letras, fundada no ano anterior
  • 1908 – Falece no Rio de Janeiro, a 29 de setembro
slide9

Sobre o autor

Análise Estilística.

As duas fases de Machado de Assis:

Romântica : Preparatória

Ressurreição (1872)

A Mão e a Luva (1874)

Helena (1876)

Iaia Garcia (1878)

Realista : Fase da Maturidade

Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881)

Quincas Borba (1891)

Dom Casmurrro (1899)

Esaú e Jacó (1904)

Memorial de Aires (1908)

slide10

Sobre o autor

Análise Estilística.

As duas fases de Machado de Assis:

  • Primeira Fase:
  • linear
  • lógica do tempo
  • foco narrativo em terceira pessoa
  • tônica: composição do quadro
  • delineamento psicológico
  • conflitos / paixões / história
  • enredo
  • desvendar (expectativa)
  • imaginação
  • Segunda Fase:
  • não linear
  • lógica do autor
  • foco narrativo em primeira ou terceira pessoa
  • personagem
  • aprofundamento psicológico
  • análise do comportamento
  • homem
  • analisar
  • observar
slide11

Sobre o autor

Análise Estilística.

A linha de pensamento do autor

Características Gerais:

Linguagem simples, enxuta

Personagens sem problemas econômicos - ociosos - disponíveis

Análise da burguesia endinheirada com fumos de nobreza

Espaço: Rio de Janeiro - universal e brasileiro

Tempo: século XIX – sociedade patriarcalista: o favor, o compadrio, as influências

Método: análise/observação da realidade física,

Psicológica – comportamental.

slide12

Sobre o autor

Análise Estilística.

Obras de maior importância:

Quincas Borba

Memórias póstumas de Brás Cubas

Dom Casmurro:

slide14

Sobre o livro

- resumo da obra

D. Casmurro foi publicado em 1900 e é um dos romances mais conhecidos de Machado. Narra, em primeira pessoa, a história de Bentinho que por circunstâncias várias, vai se fechando em si mesmo e passa a ser conhecido como Dom Casmurro. Sua história é a seguinte:

Órfão de pai, criado com desvelo pela mãe (D. Glória), protegido do mundo pelo círculo doméstico e familiar (tia Justina, tio Cosme, José Dias), Bentinho é destinado à vida sacerdotal, em cumprimento a uma antiga promessa de sua mãe.

A vida do seminário, no entanto não o atrai, já de namoro com Capitu, filha dos vizinhos. Apesar de comprometida pela promessa, também D. Glória sofre com a idéia de separar-se do filho único, interno no seminário. Por expediente de José Dias, um empregado da família, Bentinho abandona o seminário e, em seu lugar, ordena-se um escravo.

Correm os anos e com eles o amor de Bentinho e Capitu. Entre o namoro e o casamento, Bentinho se forma em Direito e estreita sua amizade com um ex-colega de seminário, o Escobar, que acaba se casando com Sancha, amiga de Capitu.

Do casamento de Bentinho com Capitu nasce Ezequiel. Escobar morre e, durante seu enterro, Bentinho julga estranha a forma pela qual Capitu contempla o cadáver. A partir daí, os ciúmes vão aumentando e precipita-se a crise. À medida que cresce, Ezequiel se torna cada vez mais parecido com Escobar. Bentinho chega a planejar o assassinato de sua esposa e do filho, seguidos pelo seu suicídio, mas não tem coragem. A tragédia dilui-se na separação do casal.

Capitu viaja com o filho para a Europa, onde morre anos depois. Ezequiel, já moço, volta ao Brasil para visitar o pai, que apenas constata a semelhança do filho com o antigo colega de seminário. Ezequiel volta a viajar e morre no estrangeiro.Bentinho, cada vez mais fechado em suas dúvidas, passa a ser chamado de Casmurro pelos amigos e vizinhos põe-se a a história de sua vida (o romance).

slide15

Sobre o livro

Personagens

Personagens principais:

Bentinho

Capitu

Escobar

Personagens secundários:

D. Glória

tia Justina

tio Cosme

José Dias

Pais de Capitu

Sancha

Ezequiel

Capitu, protagonista de Dom Casmurro, transposta em tela através da imagem captada pelo artista J. da Rocha Ferreira de sua descrição no livro.

slide16

Sobre os personagens

Bentinho

O perfil do protagonista masculino pode ser acompanhado em três fases distintas:Bentinho, Dr. Bento Fernandes Santiago e Dom Casmurro.

Bentinho revela-se unia criança/adolescente marcado pela timidez, sem muita iniciativa e bastante dependente da mãe. Tinha uma imaginação fertilíssima, como no capitulo XXIX (O Imperador). Levado para o seminário para ser padre (promessa da mãe - D. Glória), quando trava amizade com Escobar, Bentinho, com ajuda de José Dias, abandona a carreira sacerdotal e ingressa na Faculdade de Direito, em São Paulo.

Formado aos vinte e um anos, ele é agora o Dr. Bento F. Santiago, bem posto na vida, rico (riqueza muito mais de herança do que de trabalho), casado e feliz com Capitu, quando canta na ópera da vida um “duo terníssimo”.

      Depois, surge o filho (Ezequiel) e começam a aparecer os problemas: o

      “duo terníssimo” da ópera da vida vai cedendo lugar ao melodrama do “trio” e “quattuor” das dúvidas e incertezas. É a vez da fase casmurra, marcada pela solidão, pela mágoa e pela amargura.

Escobar - Ezequiel - Bentinho

slide17

Sobre os personagens

Capitu

Ao longo dos anos, Capitu tem desafiado a crítica com seu enigma, sutilmente criado por Machado de Assis. Até hoje, ainda devora quantos tentam decifrá-la, pairando a dúvida: Capitu traiu ou não traiu Bentinho? A pergunta continua sem resposta, pois a versão que temos para julgá-la nos é dada por um narrador suspeito - um marido envenenado pelo ciúme e de imaginação bastante fértil, como revelam muitas passagens do livro. Por outro lado, revelando um dos traços mais marcantes da psicologia feminina - a capacidade de dissimulação de que é dotada a mulher, Capitu, com seus “olhos de ressaca” e de “cigana oblíqua e dissimulada”, contribui ainda mais para fortalecer a dúvida: ela sabe sair-se bem de situações difíceis - ela sabe dissimular, como no episódio do penteado e da inscrição no muro.

slide18

Sobre os personagens

Capitu

“Olhos de ressaca

Enfim, chegou a hora da da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos. Muitos homens choravam também, as mulheres todas. Só Capitu, amparando a viúva, parecia vencer-se a si mesma. Consolava a outra, queria arrancá-la dali. A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas caladas...

As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela; Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou as carícias para a amiga e quis levá-la; mas o cadáver parece que a retinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem o pranto nem palavras desta, mas grandes e abertos como a vaga do mar lá fora, como se quisesse tragar também o nadador da manhã.”

slide19

Sobre os personagens

Escobar

Muito amigo de Bentinho (colegas de seminário), Escobar era casado com Sancha e revela-se um tanto quanto misterioso: teria participado do “trio” cantado por Dom Casmurro, formando o triângulo amoroso da suspeita do narrador? Fica a dúvida e a mágoa, como revela Dom Casmurro no capitulo final, já que Escobar foi tragado pela morte (afogamento), sem possibilidade de defender-se da acusação.

Cartaz do filme Dom, adaptação atual de Dom Casmurro

slide20

Sobre o tempo da narrativa

Tempo cronológico: É o tempo real dos acontecimentos da narração. Corre de acordo com a cronologia da narrativa, ou seja, descreve a vida dos personagens em seqüência lógica dos fatos.

Tempo psicológico: São os chamados flash-backs. Ocorrem quando a narrativa é interrompida por uma lembrança de acontecimentos anteriores, que precisam ser relatados para o entendimento e continuidade da história. É o tempo da memória.

slide21

Capitu era inocente?

"Na vida há dessas semelhanças assim esquisitas ."

Trecho de Dom Casmurro

" A resposta de Machado de Assis vem discreta e amena, sem surpreender, nem decepcionar: ‘Talvez culpada. Quem sabe se inocente?’"

Entrevista com Machado de Assis