mobilidade internacional e retorno de cientistas portugueses n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Mobilidade internacional e retorno de cientistas portugueses PowerPoint Presentation
Download Presentation
Mobilidade internacional e retorno de cientistas portugueses

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 18

Mobilidade internacional e retorno de cientistas portugueses - PowerPoint PPT Presentation


  • 68 Views
  • Uploaded on

Mobilidade internacional e retorno de cientistas portugueses. Margarida Fontes INETI/DMS. 2ª Conferência Nacional sobre Emprego Científico – 13 Outubro 2006. Abordagem. Ligação óbvia: condições retorno / emprego cientifico

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Mobilidade internacional e retorno de cientistas portugueses' - marisa


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
mobilidade internacional e retorno de cientistas portugueses

Mobilidade internacional e retorno de cientistas portugueses

Margarida Fontes

INETI/DMS

2ª Conferência Nacional sobre Emprego Científico – 13 Outubro 2006

abordagem
Abordagem
  • Ligação óbvia: condições retorno / emprego cientifico
  • Contexto: debate sobre impacto da mobilidade científica em países com sistemas de C&T mais fracos
  • Questão do retorno ao país de origem

Caso de Portugal – paradigmático!

  • Importância de informação & debate para correcta formulação dos problemas e definição de políticas

Portugal: escassez dados/ ideias feitas / debate??

  • Investigação exploratória caso português:
    • Recolha preliminar de dados (nova metodologia)
    • Base empírica limitada mas 1ºs resultados interessantes!
mobilidade cient fica ou fuga de c rebros
Mobilidade científica ou fuga de cérebros ?
  • Mobilidade é parte dos processos contemporâneos de produção e circulação transnacional de conhecimento
  • Crítica à ênfase excessiva na “fuga cérebros”: relação linear entre mobilidade e transferência de conhecimento...

“Circulação de cérebros”:

  • Saída nem sempre perda líquida ou retorno ganho líquido!
  • Retorno sem condições vs. não retorno imediato, mas ligação ao país -> redes científicas de “diáspora”
  • “Migração” vs. ciclos de mobilidade ao longo da carreira.
  • Mas fluxos demasiado desequilibrados prejudiciais para países com sistemas C&T fracos
  • Principal risco: perda de cientistas mais prometedores
portugal mobilidade internacional
Portugal: mobilidade internacional
  • Vista como oportunidade:
    • Aquisição conhecimento avançado em novas áreas
    • Exposição a contextos de excelência
    • Integração em redes científicas

Perspectiva:

  • Elevado investimento formação avançada de cientistas...
  • ... retorno & aproveitamento capital humano/social

Resultados?

  • Contribuiu p/ desenvolver e internacionalizar ciência
  • Mas...dificuldade crescente em atrair / reter cientistas
  • Problema tende a ser minimizado no discurso político

Ausência de informação!

an lise impacto mobilidade
Análise impacto mobilidade ?
  • Portugal: Falta de informação sobre a situação real
    • Ideias feitas: “maioria regressa” – dados??? (escassos!)
    • Mas quem regressa (qualidade/areas/evolução) ? E sobretudo QUEM NÃO regressa e PORQUÊ ?

Importante compreender:

  • Extensão e contornos do fenómeno de não retorno
  • Qualidade vs. quantidade: perda de cientistas mais prometedores tem maior impacto no sistema
  • Cientistas “expatriados”:
    • Situação, perspectivas e motivações
    • Grau de ligação com o país / papel na criação e manutenção de “redes de diáspora”
necess rio saber mais
Necessário saber mais!

Mais informação indispensável para:

    • Permitir debate informado
    • Obstar à “negação” do problema a nível político
    • Suportar definição de políticas adequadas:
      • apoio ao retorno (tímidas e falhando o alvo...)
      • reforço redes de diáspora (vs. voluntarismo)
  • Sucesso em promover & aproveitar retorno de talentos ou as redes de expatriados não se pode dissociar do grau de absorção / nível de desenvolvimento do sistema C&T nacional

Políticas ajustadas = formulaçãocorrecta do problema

Ultrapassar ausência dados:

Investigação exploratória!

investiga o explorat ria
Investigação exploratória
  • Foco na qualidade: Metodologia p/ identificar e localizar cientistas produtivos em domínios/organizações de ponta

Inventores portugueses em patentes pedidas por organizações estrangeiras em biotecnologia (residentes no estrangeiro à época da patente)

      • Patentes medida de produtividade científica em sectores baseados na ciência (medida alternativa: publicações...mas não utilizáveis para este fim)
      • Biotecnologia: proximidade da ciência / crescimento patentes académicas / forte investmento formação no estrangeiro / elevada mobilidade / atracção centros de excelência internacionais.

Método

  • Identificação de cientistas/inventores e sua localização
  • Recolha de informação preliminar sobre: a) situação e trajectórias; b) atitude em relação ao país de origem
amostra
Amostra
  • Indentificação:
    • Total 126 patentes com PT como inventores (1997-2005)
    • 97 casos de pedidos estrangeiros/ inventores fora país
    • Unidade análise: 59 (55) inventores portugueses
  • Pesquisa exaustiva na Net permitiu localizá-los:
    • 41 no estrangeiro(77.4%) [+2 não encontrados]
    • 12 regressados a Portugal(22.6%)

...e obter dados para começar a traçar trajectórias.

  • Inquérito: percurso / perspectivas / laços
    • Resp= 37:29 no estrangeiro + 8 regressados
    • 72.5% taxa resposta + extensos comentários!
situa o actual cientistas inventores
Situação actual cientistas/inventores

Localização actual (país)

Situação profissional

Grau mobilidade

cientistas inventores expatriados quem s o
Cientistas/inventores expatriados: quem são ?

População inventores biotecnologia (55):

  • Várias gerações: cientistas estabelecidos, por vezes em posições seniores; post-docs; a terminar PhD.
  • Sobretudo em IC&Ts, mas pequeno grupo em empresas ou envolvidos em spin-offsacadémicos.
  • Destinos: predomínio US, UK e França.
  • Elevada mobilidade entre organizações e países: circulação intensa entre Europa e US.
  • Frequenteslaços com PT & evidência de “diasporas” em actividade (ex: Cambridge; Paris /INSERM).
  • Perfis muito genéricos: necessário completar c/ dados adicionais & qualitativos (inquérito + novo projecto).
respondentes ao inqu rito perfil
Respondentes ao inquérito: perfil

Idade

Posição

13.8

Primeira saída país

Basicamente 2 gerações:

Maioria: jovens (30/35); post-docs; mobilidade recente (mid-90s/2000)

Pequeno grupo de cientistas mais velhos em posições seniores.

slide12

Expatriados: Perspectivas de regresso

De portugueses só temos a nacionalidade, somos investigadores sim, mas do mundo. Somos portugueses quando se fala de estatísticas. Portugal poderia aproveitar melhor os seus recursos... [post-doc]

slide13

Regressados: Porque regressou ?

Futuro ?

5 pretendem ficar em PT

3 pretendem voltar a sair (1 já saiu)

slide14

Expatriados: Tipos de relações mantidas

Com relações de qualquer tipo 76%

“Tradição” de ida de portugueses para sua instituição: 70%

conclus es preliminares
Conclusões preliminares

Geração mais nova:

  • Tende a ficar no estrangeiro após PhD
  • Maioria não prevê voltar, pelo menos a curto prazo
  • Desejo de regressar e “dar contribuição” moderado por avaliação das dificuldades
  • Pragmatismo mas alguma frustração...

Geração mais antiga (senior):

  • Estabelecida e sem intenção de regressar
  • Contribuição materializado em variedade laços
  • Alguma evidência de “redes de diáspora”

Globalmente: baixa propensão para regressar …

conclus es gera o a n o perder
Conclusões: Geração a não perder ?
  • Resultados não generalisáveis para população ...
  • ... masobjectivo:focarcientistas produtivosemárea científica c/ forte atracção centros excelência
  • Relutância em voltar prevalecente entre os que:
    • Têm oportunidade ficar em centros excelência
    • Têm mais a perder se voltarem sem condições
    • Podem dar contribuição importante na sua área
  • Mais que “brain-drain” perda de uma geração ?
  • Geração 30s: a chegar a estádio vida/carreira onde se tomam decisões de futuro...
    • Ter em conta na definição políticas de mobilidade!
    • Aprofundar investigação sobre comportamento!
vozes quem n o volta
Vozes: Quem não volta...

E com satisfacao que fico a saber que alguem se interessa sobre o destino dos investigadores portugueses que por falta de oportunidades deixam o país.

O meu cepticismo tem sido comprovado pelas noticias que recebo de colegas que ao contrario de mim decidiram um dia voltar a Portugal para tentar a sua sorte. A maioria estagnou profissionalmente com a falta de oportunidades e emprego estavel.

Sem as garantias necessarias sera impossivel voltar, uma vez que para alem do aspecto profissional muitos de nos temos uma vida familiar que nao podemos comprometer.

vozes quem volta contrariado
Vozes: Quem volta contrariado...

A minha volta para Portugal tem a ver com assuntos puramente do foro pessoal, caso contrário não era minha intenção voltar de imediato. Isto porque é bastante difícil arranjar bolsas para projectos em Portugal e há menos instituições a que se pode recorrer [...] Para cientistas que queiram um dia dedicar-se a um emprego numa empresa as hipóteses são praticamente inexistentes.

Portugal é sempre a ‘minha casa’ mas é bastante triste que haja tanto interesse em formar doutorandos sem considerar a realidade de que simplesmente não há emprego para tanta gente, se um dia todos pretenderem regressar ao país!