clima urbano n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Clima Urbano PowerPoint Presentation
Download Presentation
Clima Urbano

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 8

Clima Urbano - PowerPoint PPT Presentation


  • 106 Views
  • Uploaded on

Clima Urbano. Maior parte da população mundial (inclusive brasileira) vive em centros urbanos, justificando o estudo com vistas ao entendimento do clima criado nesses centros, que apresentam inúmeras peculiaridades Meio urbano:

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Clima Urbano' - manchu


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
clima urbano
Clima Urbano

Maior parte da população mundial (inclusive brasileira) vive em centros urbanos, justificando o estudo com vistas ao entendimento do clima criado nesses centros, que apresentam inúmeras peculiaridades

Meio urbano:

  • Espaço remodelado pelo homem no qual os vários elementos primários, orgânicos e inorgânicos – entre eles o ser humano- são afetados por esses novos padrões
    • modificações refletem-se na própria composição da atmosfera, e portanto no seu comportamento
    • atmosfera da cidade: um dos elementos mais atingidos no processo de urbanização
slide2
Expansão urbana: ao apropriar-se de novos espaços impõe uma nova estruturação horizontal na ocupação, alterando a cobertura original e incorporando novos elementos nova dinâmica no lugar
      • aumento do tamanho físico: acompanhado por crescimento demográfico, interesses imobiliários e muitas vezes ausência de políticas públicas de ordenamento do território verticalização, um dos principais agentes modificadores do meio urbano, contribuindo para que o indivíduo perca a noção de espaço (o horizonte não está a vista)
      • impõe uma rugosidade peculiar, formando corredores de circulação artificiais (“canyons urbanos”, Oke, 1981) alterando o padrão climático
slide3
Estudos de clima urbano visam:
    • avaliar o papel da urbanização na criação de um ambiente climático especial: sistema aberto, singular, complexo, evolutivo caráter aplicativo, com vistas ao planejamento do espaço territorial
      • crescimento das cidades incompatível com a conservação do ambiente
    • destacar a associação dos fatos atmosféricos aos demais atributos geográficos na organização urbana
  • Primeiros estudos: civilizações grega, romana; também na Idade Média. Grandes impulsos: advento da instrumentação e após a 2a GM
slide4
Estudos de clima urbano: encaram a urbe como um ecossistema peculiar:
    • produção e consumo de energia secundária / importação e canalização de água e de outros materiais / alterações no solo e na topografia (pavimentos, cortes, escavações)/ contaminação do ar, água e solo / mudança na fauna e flora (+ adaptadas, - autóctones)

alteração da rugosidade temperatura, pressão atmosférica, ventos (direção e velocidade), albedo, turbulência, convecção, umidade, evaporação, evapotranspiração, nebulosidade, precipitação

  • Principal diferença entre atmosfera urbana e rural: composição, sendo muitos dos componentes catalizadores, i.e., propiciam reações químicas
slide5
situações atmosféricas: mais ou menos propícias para a dispersão de poluentes
    • AP de inverno: induz inversão térmica, + pronunciada no começo do dia; concentração de 03: > no meio do dia
  • determinados sítios urbanos: favorecem a dispersão
  • balanço de radiação e hídrico da cidade: bastante diferenciado
  • cidade: além da radiação solar: calor antropogênico (indústria, transporte, calefação, iluminação...)
  • radiação de onda curta incidente: alterada (até 20% <)
  • aumento da radiação difusa, diminuindo a visibilidade e percepção das cores
  • altera a reflexão de acordo com o tipo e cor dos materiais e da geometria da cidade, em geral <
  • menos vegetação < evaporação/ evapotranspiração
slide6
Ilha de Calor: termo usado pela 1a. vez em 1958

cidades mais quentes do que seus arredores, especialmente após o por do sol e no inverno, com isotermas concêntricas ao redor do centro urbano

    • armazenamento de calor de dia devido às propriedades térmicas dos materiais urbanos, com devolução noturna
    • produção de calor antropogênico, > de dia
    • diminuição da evaporação
    • > absorção de calor (materiais, cores...) / < albedo
    • aumento da radiação de onda longa recebida e emitida
    • intensidade e forma em dependência:
      • hora, estação fatores meteorológicos (vento, nebulosidade...), sítio
slide7

Temperatura em Melbourne, Austrália, em uma noite clara e calma

(ilha de calor configurada no centro da cidade)

slide8
Conseqüências:
    • meteorológicas: convecção urbana pelo aquecimento, > nebulosidade e precipitação (< nival, mas chuvas ácidas), criação de brisa urbana (periferia-centro), > temperatura, < UR (ilhas de secura)
    • socioeconômicas: < calefação em áreas frias, > demanda de refrigeração no verão, aumento de doenças respiratórios, preço da terra,característica da habitação...
    • biológicas: espécies adaptadas em detrimento das originais; alteração no período de florescimento, proliferação de aves, insetos vetores de doenças...

Vegetação urbana: importante papel no conforto, com grandes interferências na radiação, temperatura, umidade, ventos, etc. Propicia filtragem de partículas e gases contaminantes e interfere nas condições hidrológicas e pedológicas