Escola Superior da Magistratura - PowerPoint PPT Presentation

escola superior da magistratura n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Escola Superior da Magistratura PowerPoint Presentation
Download Presentation
Escola Superior da Magistratura

play fullscreen
1 / 179
Escola Superior da Magistratura
153 Views
Download Presentation
lloyd
Download Presentation

Escola Superior da Magistratura

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Escola Superior da Magistratura • Curso de Especialização em Processo Penal • A ação penal e civil. A competência. As questões e processos incidentes.

  2. Ação Penal • Conceito. “[...] uma ação correspondente ao exercício do direito à jurisdição criminal”, para reconhecimento ou satisfação, da prevalência, enfim, do jus puniendi estatal ou do ius libertatis do ser humano envolvido numa persecutio criminis (Rogério Lauria Tucci. Teoria do Direito Processual Penal: jurisdição, ação e processo penal. São Paulo, Revista dos Tribunais, 2002, p. 82).

  3. Ação Penal • É a manifestação expressa do Estado, através do Ministério Público ou do ofendido, com o objetivo de trazer à esfera judicial o cometimento, em tese, de uma infração penal e indícios de sua autoria, após o quê será instaurado um processo que, em sendo aceito, culmina com a aplicação de uma sanção penal, absolvição do acusado ou extinção de sua punibilidade, com base no contraditório e devido processo legal.

  4. Ação Penal • São distintos o direito material e o direito ao processo respectivo. Ainda segundo Lauria Tucci: “[...] Trata-se, destarte, e enfim, do exercício de um direito subjetivo de índole processual, instrumentalmente conexo a uma situação concreta.” (Op. cit., p. 84)

  5. Ação Penal • Elementos: subjetivos e objetivos. • Subjetivos: Partes. Ministério Público, querelante e acusado ou querelado. (Sujeito ativo e passivo) • Objetivos: Pedido e causa de pedir. É a utilidade almejada com o seu exercício. No processo penal, há o pedido de condenação somente caso haja a presença dos requisitos a serem analisados no decorrer do feito. Pede-se, em verdade, o exercício da jurisdição penal.

  6. Ação Penal • Condições da Ação Penal • 1) Possibilidade jurídica do pedido. Há discussão acerca de sua natureza. De início, Liebman a defendeu, como integrando da tríade, juntamente com interesse e legitimidade. Porém, reformulou sua teoria enquadrando-a no conceito de interesse. Tem relação direta com o princípio da legalidade penal, pois incumbe ao Ministério Público ao apresentar a denúncia-crime a classificação do crime (art. 41 CPP). Envolve a impossibilidade de agravamento de penal em revisão criminal, condenação formulada em habeas corpus, etc.

  7. Ação Penal • 2) Interesse de agir. Diz respeito à necessidade de se recorrer ao Poder Judiciário para a afirmação de um direito alegado. Envolve o conceito de interesse adequação, pois o instrumento processual há de ser adequado e idôneo à pretensão de direito material e interesse necessidade, que, em sede processual penal, é sempre estatal, ante a proibição de vingança privada, ressalvados os casos de excludentes e ilicitude.

  8. Ação Penal • 3) Justa Causa. Consistente na presença de requisitos mínimos de autoria e materialidade que viabilizam a propositura de ação penal. O art. 395, III, CPP diz: “Art. 395. A denúncia ou queixa será rejeitada quando:(...) III - faltar justa causa para o exercício da ação penal.” • No julgamento do HC-RO 106.359/MG; Segunda Turma; Rel. Min. Ayres Britto; Julg. 22/02/2011; DJE 10/06/2011, o Supremo Tribunal Federal decidiu:

  9. Ação Penal • “[...] 2. Dois são os parâmetros objetivos do exame da validade da denúncia: Os arts. 41 e 395 do código de processo penal. O art. 41 indica um necessário conteúdo positivo para a denúncia. Já o art. 395, esse impõe à peça de defesa um conteúdo negativo. Se no primeiro (art. 41) há uma obrigação de fazer por parte do ministério público, no segundo (art. 395) há uma obrigação de não fazer; ou seja, a peça de denúncia não pode incorrer nas impropriedades de que trata o art. 395 do diploma penal adjetivo.”

  10. Ação Penal • 4) Legitimidade de agir. • Em casos de delitos de ação penal pública, seja de natureza incondicionada ou condicionada, o titular é o Ministério Público, no segundo caso quando autorizando legalmente por intermédio de representação. Em delitos de natureza privada, o querelado, ou titular do bem jurídico respectivo, deve apresentar a queixa-crime, havendo disponibilidade em seu exercício. • Terceiros ainda podem ofertar a queixa-crime subsidiária em caso de inércia do Ministério Público.

  11. Eugenio Pacelli de Oliveira destaca a presença de pressupostos de existência do processo e da relação jurídica processual e requisitos de validade de seu regular desenvolvimento (Curso de Processo Penal. 13ª ed., Rio de Janeiro, Lumen Juris, 2010, p. 135). • O art. 363 CPP diz: “Art. 363. O processo terá completada a sua formação quando realizada a citação do acusado.”

  12. Pressupostos de existência do processo – o órgão investido de jurisdição; • Requisito de validade – • São objetivos(objeto da ação penal – pretensão) e subjetivos (Juiz e partes). • Subjetivos – quanto ao juiz: competência e ausência de hipóteses de suspeição, impedimento e incompatibilidade; quanto às partes: a) legitimatio ad processum, passiva e ativa; b) capacidade postulatória (representação por advogado)

  13. Objetivos – a) citação válida. Sua ausência é caso de nulidade absoluta (art. 564, III, “e”, CPP) e b) atendimento às regras legais quanto aos requisitos da denúncia ou queixa (art. 41 CPP); c) inexistência de coisa julgada; d) ausência de litispendência. • A ausência dos requisitos de validade do processo é caso de nulidade processual (art. 564 ss CPP), já a ausência de pressupostos e/ou requisitos processuais é causa de rejeição da denúncia (art. 395, II, CPP)

  14. Ação Penal • Classificação da Ação Penal • De acordo com o órgão legitimado para apresentá-la, podendo ser: a) pública; b) privada e c) subsidiária da pública. • Não há no sistema jurídico brasileiro, em regra, a ação penal popular tal como prevista, por exemplo, no sistema espanhol. Há exceção no art. 14 da Lei 1.079/50, em relação a crimes de: “Art. 14. É permitido a qualquer cidadão denunciar o Presidente da República ou Ministro de Estado por crime de responsabilidade, perante a Câmara dos Deputados.”

  15. Ação Penal • O art. 101 da Ley de Enjuiciamento Criminal (http://www.boe.es/aeboe/consultas/enlaces/documentos/leyes_procesales/ley_enjuiciamiento_criminal.pdf) diz: • “Artículo 101. La acción penal es pública. Todos los ciudadanos españoles podrán ejercitarla con arreglo a las prescripciones de la Ley.” • Artículo 102. Sin embargo de lo dispuesto en el artículo anterior, no podrán ejercitar la acción penal: 1.º El que no goce de la plenitud de los derechos civiles. 2.º El que hubiera sido condenado dos veces por sentencia firme como reo del delito de denuncia o querella calumniosas . 3.º El juez o magistrado.

  16. Ação Penal • Los comprendidos en los números anteriores podrán, sin embargo, ejercitar la acción penal por delito o falta cometidos contra sus personas o bienes o contra las personas o bienes de sus cónyuges, ascendientes, descendientes, hermanos consanguíneos o uterinos y afines. Los comprendidos en los números 2.º y 3.º podrán ejercitar también la acción penal por el delito o falta cometidos contra las personas o bienesde los que estuviesen bajo su guarda legal.

  17. Federal Rulesof Criminal Procedure: http://afcca.law.af.mil/content/afcca_data/cp/us_federal_rules_of_criminal_procedure_2007.pdf • Rule 7: • RULE 7. THE INDICTMENT AND THE INFORMATION • (a) When Used. • (1) Felony. • An offense (other than criminal contempt) must be prosecuted by an indictment if it is punishable: • (A) by death; or • (B) by imprisonment for more than one year. • (2) Misdemeanor. • An offense punishable by imprisonment for one year or less may be prosecuted in accordance with Rule 58(b)(1).

  18. Ação Penal • A ação penal pública servirá iniciada pelo Ministério Público Federal ou Estadual, dentro de suas atribuições, que possuir titularidade para isso (Art. 129, I, CF/88) através da DENÚNCIA CRIME. A ação penal privada deve ser ofertada pelo titular do bem jurídico violado. Já a ação penal subsidiária da pública há de ser ofertada por interessados diante da ausência de oferta de denúncia-crime pelo Ministério Público após o prazo legal.

  19. Ação Penal • Ação Penal Pública • Principíos. A doutrina traz princípios, isto é, diretrizes para a sua compreensão, aplicáveis às ações penais públicas em geral. São eles: • 1) Princípio da Obrigatoriedade. Tendo em mãos documentos suficientes que indiquem a realização de um crime e sua autoria, o Ministério Público deverá iniciar a Ação Penal Pública através da Denúncia-crime Obrigatoriamente. Não podem se recusar a isso por política criminal, sentimentos pessoais, diante da relevância de suas atribuições.

  20. Ação Penal • É discutida a presença de uma discricionariedade regrada com a publicação da Lei 9.099/95, em seus arts. 76 e 77 e 95 quando presentes os requisitos para a transação penal ou suspensão condicional do processo. • Firmou-se no âmbito dos tribunais superiores que a decisão acerca da aplicação desses institutos incumbiria ao Ministério Público. Em caso de discordância, haveria a aplicação do art. 28 CPP. A súmula 696 STF diz:

  21. Ação Penal • “Súmula nº 696. Reunidos os pressupostos legais permissivos da suspensão condicional do processo, mas se recusando o promotor de Justiça a propô-la, o juiz, dissentindo, remeterá a questão ao procurador-geral, aplicando-se por analogia o art. 28 do Código de Processo Penal.” • Ainda no âmbito do STF, destaque-se o HC nº 75.343 – 4/MG:

  22. Ação Penal • HC 75343 / MG - MINAS GERAIS HABEAS CORPUSRelator(a):  Min. OCTAVIO GALLOTTIRelator(a) p/ Acórdão:  Min. SEPÚLVEDA PERTENCEJulgamento:  12/11/1997           Órgão Julgador:  Tribunal Pleno • EMENTA: Suspensão condicional do processo (L. 9.099/95, art. 89): natureza consensual: recusa do Promotor: aplicação, mutatismutandis, do art. 28 C. Pr. Penal. A natureza consensual da suspensão condicional do processo - ainda quando se dispense que a proposta surja espontaneamente do Ministério Público - não prescinde do seu assentimento, embora não deva este sujeitar-se ao critério individual do órgão da instituição em cada caso. Por isso, a fórmula capaz de compatibilizar, na suspensão condicional do processo, o papel insubstituível do Ministério Público, a independência funcional dos seus membros e a unidade da instituição é aquela que - uma vez reunidos os requisitos objetivos da admissibilidade do sursis processual (art. 89 caput) ad instar do art. 28 C. Pr. Penal - impõe ao Juiz submeter à Procuradoria-Geral a recusa de assentimento do Promotor à sua pactuação, que há de ser motivada.

  23. Não se confundem com a desistência, porém, o pedido de arquivamento do inquérito policial em caso de ausência dos requisitos básicos para a propositura da ação penal, ou ainda quando estejam ausentes elementos claros para a tipificação penal, por exemplo, princípio da insignificância.

  24. 2) Princípio da Indisponibilidade. Iniciada a ação penal, o Ministério Público não pode desistir dela ou fazer alguma transação com o acusado, exceto nos casos do art. 76 da Lei 9.099/95 em que é prevista a figura da transação penal. O art. 42 CPP diz: “Art. 42. O Ministério Público não poderá desistir da ação penal.” Tal proibição é extensiva ao recurso penal ofertado: “Art. 576. O Ministério Público não poderá desistir de recurso que haja interposto.”

  25. 3) Princípio da Oficialidade. Os órgãos executores do direito de punir do Estado são públicos, não se admitindo um Promotor particular ou uma polícia privada. São necessariamente autoridades públicos, decorrendo desse princípio o da Autoritariedade. Destaque-se o art. 57 da Lei 6.001/73 (Estatuto do Índio): “Art. 57. Será tolerada a aplicação, pelos grupos tribais, de acordo com as instituições próprias, de sanções penais ou disciplinares contra os seus membros, desde que não revistam caráter cruel ou infamante, proibida em qualquer caso a pena de morte.”

  26. 4) Princípio da Oficiosidade. As autoridades que investigam e realizam a punição criminal não precisam esperar provocação nos crimes de ação pública, exceto os casos que precisam de representação ou queixa-crime.

  27. Princípio da Divisibilidade. Se houver dois indiciados, porém o Ministério Público entender só haver prova contra um deles e suspeitas contra o outro, denunciará o primeiro e investigará com mais cautela o outro. • Não se admite acusação seletiva, ou escolha de acusados quando haja provas indiciárias suficientes contra todos os envolvidos, o que pode constituir “abuso de direito de acusar.”

  28. Princípio da Intranscendência. A ação penal só é apresentada contra aquele que realizou o crime, não outras pessoas. Não há acusação penal contra o responsável pelo ressarcimento civil, que deverá ser demando em ação própria.

  29. Espécies de ação penal • A ação penal pública pode ser INCONDICIONADA, isto é, quando o réu é processado por crimes que não dependem de qualquer interesse da vítima ou de terceiras pessoas para a investigação e punição. Assim, se houver um roubo, a autoridade policial e o Ministério Público devem apurar o fato e iniciar a ação penal sem aguardar manifestação da pessoa lesada. Basta o conhecimento do caso.

  30. Pode ainda ser CONDICIONADA, isto é, para ser iniciada o ofendido ou terceira pessoa devem manifestar interesse na investigação e na ação penal, através da REPRESENTAÇÃO ou da REQUISIÇÃO. Ressalte-se que elas não vinculam o Ministério Público que se entender pela inexistência de crime e apresentar o arquivamento das peças não proporá a denúncia crime.

  31. Representação. É a manifestação de vontade da vítima ou de seus representantes legais autorizando o início da investigação e a futura ação penal. Não se exige fórmula sacramental ou formalidade. Por exemplo, se alguém é ameaçado de morte (Art. 147 CPB), pode procurar a autoridade policial, denunciar o fato e pedir providências. Instaura-se o inquérito e depois a ação penal. Há um prazo, porém. O art. 38 CPP é claro: “Art. 38. Art. 38. Salvo disposição em contrário, o ofendido, ou seu representante legal, decairá no direito de queixa ou de representação, se não o exercer dentro do prazo de 6 (seis) meses, contado do dia em que vier a saber quem é o autor do crime, ou, no caso do artigo 29, do dia em que se esgotar o prazo para o oferecimento da denúncia.” 06 meses do conhecimento da autoria. Se for após, haverá a DECADÊNCIA, que é causa de extinção de punibilidade (Art. 107, IV, CPB).

  32. Nos termos do art. 39, ela pode ser feita à autoridade que realizará o inquérito policial, ao Juiz ou Promotor que, nesses casos, podem requisitar o inquérito ao Delegado, após tomar por termo, ou seja, escrever a representação e o autor a assinar. Se o Ministério Público já tiver elementos suficientes para a denúncia crime poderá fazê-la desde logo.

  33. Ela pode ser feita pessoalmente ou por procurador com poderes especiais (Art. 39, §1º CPP). Em morte do ofendido ou declaração judicial de ausência, o direito de representação passa ao “cônjuge, ascendente, descendente ou irmão” (Art. 24, §1º CPP) nessa ordem. Até ser realizada a denúncia, quem representou pode desistir (Art. 25 CPP). Se a vítima for maior de 18 e menor de 21 anos, a jurisprudência do STF entende que há 02 PRAZOS, UM PARA O REPRESENTANTE LEGAL E OUTRO PARA A VÍTIMA, SÓ COMEÇANDO ESTE QUANDO COMPLETAR 18 ANOS. A súmula 594 do STF diz: “Súmula 594 STF - Os direitos de queixa e de representação podem ser exercidos, independentemente, pelo ofendido ou por seu representante legal”.

  34. Requisição do Ministro da Justiça. Há crimes em que o Ministro da Justiça deve requisitar a instauração de inquérito policial e a ação penal. Por exemplo: “Art. 7º (...) §3º A lei brasileira aplica-se também ao crime cometido por estrangeiro contra brasileiro fora do Brasil se, reunidas as condições previstas no parágrafo anterior: a) não foi pedida ou foi negada a extradição; b) houve requisição do Ministro da Justiça”. Também nos casos de crimes conta a honra do Presidente da República ou Chefe de Governo estrangeiro (Art. 145, parágrafo único do Código Penal). Não há prazo de 06 (seis) meses para a apresentação da requisição.

  35. Crime de Injúria Racial, segundo a Lei 12.034/2009 é delito de ação penal pública condicionada à representação: “Art. 145. Nos crimes previstos neste Capítulo somente se procede mediante a queixa, salvo quando, no caso do artigo 140, § 2º, da violência resulta lesão corporal. Parágrafo único. Procede-se mediante requisição do Ministro da Justiça, no caso do inciso I do caput do art. 141 deste Código, e mediante representação do ofendido, no caso do inciso II do mesmo artigo, bem como no caso do § 3º do art. 140 deste Código.”

  36. Importante: crime contra a honra de funcionário público no exercício de suas funções. Art. 141, II, e art. 145, parágrafo único CP. • “Súmula nº 714. É concorrente a legitimidade do ofendido, mediante queixa, e do Ministério Público, condicionada à representação do ofendido, para a ação penal por crime contra a honra de servidor público em razão do exercício de suas funções.”

  37. Ação Penal nos crimes contra a dignidade sexual. No capítulo I, há os crimes contra a liberdade sexual e no capítulo II os crimes sexuais contra vulnerável. Os crimes contra os costumes tiveram grande alteração com a Lei 12.015/2009. O crime de atentado violento ao pudor, por exemplo, foi incorporado ao estupro (art. 213 CP), o de sedução foi revogado. Em regra, esses delitos são apurados por meio de ação penal pública condicionada à representação O art. 225 CP diz: “Art. 225. Nos crimes definidos nos Capítulos I e II deste Título, procede-se mediante ação penal pública condicionada à representação.”

  38. Os crimes dos títulos I e II são: estupro, violação sexual mediante fraude, assédio sexual, estupro de vulnerável, corrupção de menores, satisfação de lascívia mediante presença de criança ou adolescente, favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual de vulnerável. • Porém, segundo o art. 225, parágrafo único CP, qualquer desses delitos deve ser perseguido mediante ação pública incondicionada se: a)a vítima for menor de 18 anos ou b) pessoa vulnerável.

  39. Denúncia crime. É o mecanismo desencadeador da ação penal pública. É um pedido do Ministério Público para a instauração da ação penal e imposição de pena ao indiciada que tomará doravante o nome de Acusado ou imputado. Seus requisitos básicos estão no art. 41 CPP: “I – exposição do fato criminoso, com todas as suas circunstâncias; II – qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos quais se possa identificá-lo; III – a classificação do crime e, quando necessário, o rol das testemunhas”

  40. I - Exposição do fato criminoso, com todas as suas circunstâncias. O acusado deve ter conhecimento do que está sendo argüido contra ele. Deve ser mencionado o dia, hora, local, vítima, instrumentos do crime, o porquê, se existente, a fim de que ele possa exercer o seu direito de ampla defesa (Art. 5º, LV, CF/88). Se a denúncia for obscura ou confusa gerando prejuízo ao acusado, ocorrerá a INÉPCIA, com a sua rejeição e conseqüente nulidade da ação penal que ela houver iniciado. Assim, caso três pessoas tenham roubado um banco, a denúncia deve mencionar quem entrou e estava armado, quem colocou o dinheiro num saco, quem ficou no carro, quem ficou vigiando, a fim de que eles possam se defender.

  41. O STF, porém, tem suavizado essa exigência quando, no início da ação penal, não se pode ter a conduta de cada um especificamente, o que se denomina DENÚNCIA GENÉRICA (CRIME MULTITUDINÁRIO) ou quando todos fizeram a mesma conduta com distinções mínimas. Por exemplo, se uma empresa frauda o INSS, os sócios gerentes e contadores serão denunciados. Ao longo da instrução, suas participações serão esclarecidas e, se culpados, serão punidos.

  42. II – qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos quais se possa identificá-lo. A denúncia deve trazer o nome do acusado, identidade, CPF, nome dos pais, endereço, apelido, endereço e outros dados. Em certos casos, não se tem o nome exato, somente o apelido, porém há certeza de quem se trata. Nesses casos, a denúncia crime pode trazer o apelido do acusado. Por exemplo, “Neném da Favela Beira-Mar”, “Chapolim”. A certeza imprescindível, a fim de não denunciar cidadãos comuns pela prática de crimes, o que geraria direito à indenização estatal.

  43. III – a classificação do crime e, quando necessário, o rol das testemunhas. O Ministério Público deve mencionar o crime cometido. O Juiz está proibido de alterar ou corrigir a classificação quando recebe a denúncia, só podendo realizar isso quando da sentença. Deve haver ainda o nome das testemunhas. Esse é o momento para arrolá-las, junto com a denúncia, não se podendo fazer depois, exceto nos crimes que serão julgados pelo Tribunal do Júri.

  44. Justa causa. Segundo Julio Mirabete, “é realmente necessário que a inicial venha acompanhada de um mínimo de prova para que a ação penal tenham condições de viabilidade, caso contrário não há justa causa para o processo”(Código de Processo Penal Interpretado, 10ª ed., 2003, p. 208). O Superior Tribunal de Justiça entende: “Para o exercício regular da ação penal pública ou privada, é indispensável, entre os pressupostos do art. 43 do CPP, a justa causa, expressa em suporte mínimo de prova da imputação. A credibilidade da ação decorre de prova evidente do fato. (RSTJ 36/17). Assim, caso haja um crime de furto e alguém for preso, será denunciado se tiver algum indício de participação, porém, se não estava presente no local e a coisa subtraída não foi encontrada com ele, não há justa causa.

  45. Extinção da punibilidade. É o término do direito de punir do Estado em vista da ocorrência de fatos que o autorizam. O Estado tem um prazo para processar e punir alguém. Se ele expira, ocorre a prescrição e mesmo que o indiciado seja culpado, nada poderá ser feito criminalmente. Há outros casos de extinção da punibilidade além da prescrição, por exemplo, a morte do agente, esvaimento do prazo para representação, se o fato deixou de ser crime, etc.

  46. Ocorrendo a qualquer momento durante o processo, será declarada de ofício pelo Juiz (Art. 61 CPP). Se Promotor, querelante ou réu pedirem, mandará que se autue em apartado, ouvirá a parte contrária e, se crer necessário, faculta prazo para a prova em 05 dias e em outros cinco julga ou então, caso não queira julgar logo, julga na sentença. No caso de óbito, só diante da certidão de óbito, a punibilidade é extinta (Art. 62 CPP). Há julgados do STF possibilitando a reabertura da instrução criminal em caso de certidão de óbito falsa (RTJ 93/986, RT 104/1.063)

  47. Ilegitimidade ou falta de condição legal. Se uma ação pública estiver sendo feita por quem não seja membro do Ministério Público ou se o Promotor fizer a denúncia em um crime de ação privada, a queixa ou denúncia, respectivamente, serão rejeitadas. Porém, se foi corrigido o equívoco, oferecida a representação, se for o caso, a peça inicial será acolhida com o início da ação penal.

  48. Recursos. A decisão do Juiz que recebe a denúncia é irrecorrível, porém, se não houver justa causa, o acusado poderá usar o “habeas corpus”. Se não a receber, existe o RECURSO EM SENTIDO ESTRITO.

  49. Arquivamento. É possível que o inquérito policial não traga ao Ministério Público dados suficientes para o inicio da ação penal. Se já diligenciou pelo retorno dos autos à autoridade policial (Art. 16 CPP) e, mesmo assim, não vislumbrou os elementos respectivos, peticionará ao Juiz propondo o arquivamento dos autos. Se o Juiz concordar, isso será feito. Se não, os autos serão enviados ao Chefe do Ministério Público, Procurador Geral da República (área federal) ou Procurador Geral de Justiça (área estadual) a fim de que se manifeste. Caso haja concordância com o arquivamento, o Juiz arquivará necessariamente. Se não, será designado outro membro do Ministério Público que proporá a denúncia crime, não se admitindo recusa do segundo Promotor.

  50. É a regra do art. 28 CPP. O Poder Judiciário não tem o poder de arquivar inquéritos sem manifestação do Ministério Público. Segundo a súmula 524 do STF: “Arquivado o inquérito policial por despacho do juiz, a requerimento do promotor de justiça, não pode a ação ser iniciada sem novas provas”. Surgindo novas provas, a denúncia crime poderá ser apresentada. Nos casos de crime contra a saúde pública e contra a economia popular, sempre que houver arquivamento do inquérito, os autos serão enviados para reexame por parte do Tribunal de Justiça.(Art. 7º, Lei 1.521/51). Nas contravenções penais dos arts. 58 e 60 do Decreto-Lei 6.259/44 em caso de arquivamento, será admissível recurso em sentido estrito (Art. 6º, parágrafo único da Lei 1.508/51), jogo do bicho e corrida de cavalos não autorizada.