slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Desenho de um projeto estruturante para a Indústria de Química Fina no Brasil PowerPoint Presentation
Download Presentation
Desenho de um projeto estruturante para a Indústria de Química Fina no Brasil

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 69

Desenho de um projeto estruturante para a Indústria de Química Fina no Brasil - PowerPoint PPT Presentation


  • 106 Views
  • Uploaded on

Desenho de um projeto estruturante para a Indústria de Química Fina no Brasil. ABIFINA - 22/01/2002. Prof a . Adelaide M. S. Antunes EQ-UFRJ. Equipe SIQUIM:. Profª Adelaide M S Antunes Coordenadora SIQUIM EQ/UFRJ Clarice D Gandelman Ext Universidade Empresa SIQUIM EQ/UFRJ

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Desenho de um projeto estruturante para a Indústria de Química Fina no Brasil' - libitha


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Desenho de um projeto estruturante para a Indústria de Química Fina no Brasil

ABIFINA - 22/01/2002

Profa. Adelaide M. S. Antunes

EQ-UFRJ

slide2

Equipe SIQUIM:

Profª Adelaide M S Antunes Coordenadora SIQUIM EQ/UFRJ

Clarice D Gandelman Ext Universidade Empresa SIQUIM EQ/UFRJ

Suzana Borschiver Eng, Doutoranda EQ/UFRJ

Ana Amélia Martini Eng, Doutoranda EQ/UFRJ

Claudia Canongia Eng, Doutoranda EQ/UFRJ

Cristina d´Urso S Mendes Eng, Mestranda EQ/UFRJ

Ana Carolina Mangueira Estagiária EQ/UFRJ

Nicomedes Descio P Neto Estagiário EQ/UFRJ

Max Arnor Estagiário EQ/UFRJ

slide3
Estrutura Industrial
    • Firma;
    • Indústria;
    • Mercado;
    • Cadeia Produtiva;
    • Complexo Industrial
  • Sistema produtivo
    • Segmentação do Setor
    • Cadeia produtiva – vinculada a produtos, indústrias e/ou mercados específicos
  • Variáveis para análise da cadeia produtiva:
    • Importação e Exportação (valores);
    • Destino de exportação (Mercosul, blocos econômicos);
    • Maiores importadores e exportadores mundiais;
    • Principais produtos exportados;
    • Balança Comercial (déficit x superávit dos elos da cadeia);
    • Produção nacional por segmento;
    • Evolução do número de indústrias e empregos
siquim

ALCANCE DA COMPETITIVIDADE

Inteligência de Negócios

Experts

Conhecimento

Informação

Dados

SISTEMA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

SIQUIM

Bases de dados e estudos prospectivos de setores e segmentos do Complexo Químico

Detecta-se PRODUTOS ESTRATÉGICOS e SINERGIAS através de metodologias (text mining e data mining) e softwares

Agrupando variáveis

FATORES INTERNOS

(infraestrutura tecnológica)

FATORES EXTERNOS

(mix de produtos exportados)

grupos de produtos com importa o acima de us 10 milh es 1997 a 1999

- Defensivos;

- Fármacos;

- Intermediários Orgânicos

Grupos de produtos com importação acima de US$ 10 milhões (1997 a 1999)
slide9

1 Oxidação

2 Esterificação

Acrilato de butila

(19 produtores)

Propeno, oxigênio e butanol

  • 1 Carbonilação

(B) 1 Oxidação

Ácido acético

(144 produtores Brasil 8)

CO e metanol (A) ou Etanol (B)

  • 1 Oxidação

(B) 2 Hidrólise ácida

Propeno e oxigênio (A) ou acrilonitrila e ácido sulfúrico (B)

Ácido acrílico

(30 produtores)

1 Hidrogenação

Metanol

(175 produtores Brasil 2)

Gás de síntese

1 Sulfonação

2 Hidrólise

Isopropanol

(54 produtores)

Propeno

Intermediários orgânicos

Insumo (s)

Processo (s)

Produto

slide10

1 Aminação

2 Alquilação

3 Bromação

4 Eterificação

5 Alquilação

6 Acetilação

tolueno, metoxiamina, eteno, acetona, ácido acético e cloro

Metolaclor

(2 produtores)

1 Oxidação (A) ou alquilação (B)

2 Redução (A) ou oxidação (B)

3 Cloração (A) ou (B)

4 Esterificação (A) ou (B)

5/6 Esterificação (A) ou (B)

7 Hidrólise (A) ou (B)

anilna (A) ou fenol (B), Ácido propiônico

Haloxifop

Defensivos

Insumo (s)

Processo (s)

Produto

slide11

1 Formação de anel piridínico

2 Oxidação

3 Cloração

4 Tioeterificação

5 Amidação

6 Oxicloração

7 Amidação

8 Carbonilação/eterificação

9 Condensação

10 Oxidação

11 Cloração

12 Eterificação

13 Condensação

Acroleína, propanal, amônia, uréia, cloroacetado de etila, etanol e CO

Nicosulfuron

(3 produtores)

Herbicida à base de Nicosulfuron

(Formulação)

Nicosulfuron

Defensivos formulados

Insumo (s)

Processo (s)

Produto

slide12

Fármacos

Insumo (s)

Processo (s)

Produto

1 Condensação

2 Diazotação

3 Cicloadição

4 Alquilação

5 Nitração

6 Nitrosação

7 Condensação/Sulfonação

Acetato de etila, anilina e nitrato de sódio

Dipirona

(35 produtores)

Entre os 5 mais vendidos

1 Ciclização

2 Acetilação

2,3,5-trimetil-hidroquinona e isofitol

Acetato de -tocorerol (Vitamina E)

(21 produtores)

1 Condensação

2 Hidrogenação

L-alanina, L-prolina, 2-oxo-4-fenil-butirato de etila

Enalapril

(21 produtores)

slide13

Produção Descontinuada

  • Intermediários para Fármacos
    • Aspartame (Monsanto)
    • Metildopa (IQT)
    • Metionina (UNIRHODIA)
    • Dipirona (Hoescht)

Importação: US$ 90 milhões

  • Defensivos Agrícolas
    • Deltametrina (Quimio)
    • Atrazina (Rhodia Agro)
    • Benomil (DuPont)

Importação: US$ 43.5 milhões

slide14

Sinergia

Insumos

Cadeia produtiva em cada setor

Processos

Produtos

X insumos

Y Processos

94 Produtos

Acima de US$ 10 milhões

Visão holística da cadeia produtiva

Matérias-primas, intermediários e processos

slide15

Carbofuran, dibutilamina monocloreto de enxofre

Tioaminação

Carbosulfan

(4 produtores)

1 Nitração (A) ou eterificação (B)

2 eterificação (A) ou ciclização (B)

3 Ciclização (A) ou amidação (B)

4 Redução (A)

5 Diazotação (A)

6 Amidação (A)

Fenol (A) ou Catecol (B)

Carbofuran

(26 produtores)

Defensivos

Insumo (s)

Processo (s)

Produto

slide16

Intermediário / defensivo / formulado

Insumo (s)

Processo (s)

Produto

1 Cloração

2 Alquilação

3 Condensação/

fosforilação

Ácido fosfonometiliminodiacético

(2 produtores - Brasil: 1)

(US$ 95.772.797,00)

Ácido acético, cloro, amônia, formaldeído, ácido ortofosforoso

Ácido fosfono-metiliminodiacético

(Intermediário estudado)

Oxidação

Glifosato

(53 produtores - Brasil: 3)

(US$ 35.599.448,00)

Herbicida a Base de Glifosato

(US$ 95.772.797,00)

Formulação

Glifosato

slide17

(hidrogenação)

Ivermectina

(18 produtores)

(US$ 24 milhões)

Abamectina

(fermentação)

Abamectina

(4 produtores)

(US$ 19,5 milhões)

Streptomyces avermetilis

Fármacos Veterinários

Insumo (s)

Processo (s)

Produto

slide18

Sinergias

Clorimuron etílico (US$ 30,5 milhões)

Nicossulfuron (US$ 13 milhões)

slide19

Produtos

Grupo

Processos

Principais

24

Defensivos

40

Cloração (12) e Condensação (11)

14

Fármacos

31

Condensação (11) e Halogenação (7)

21

Polímeros

24

Polimerização (14) e Halogenação (4)

9

Int. Orgânicos

10

Oxidação (3) e Halogenação (2)

7

Fertilizantes

9

Digestão (3) e Neutralização (2)

5

Borracha

7

Halogenação (5) e Polimerização (3)

6

Int. Inorgânicos

6

Dupla troca (3) e Neutralização (2)

Processos por grupos

slide20

Integração

Integração

Integração

Principais gargalos – Solução: Parceria

Defensivos e Fármacos:

Universidade e centro de P&D

Atualizar e ampliar o conhecimento tecnológico interno das empresas

Monitorar o patenteamento (Lei de Patentes de 1997)

Universidade/INPI

Governo

Tempo e valor do registro sanitário

revers o do quadro da balan a comercial
Reversão do quadro da balança comercial

Agregar valor na Agro Indústria

Aumento das Exportações

A Indústria Química pode integrar a Agro Indústria à produção de produtos químicos de alto valor, tornando-o auto suficiente em setor econômico estratégico.

slide22

Óleos Essenciais

Exportação

US$ FOB 12,03 / Kg

Importação

US$ FOB 16,49 / Kg

Óleo Essencial de Laranja

-metil-ionona

Exportação

US$ FOB 17.177.408

US$ FOB 0,97 / Kg

Importação

US$ FOB 1.794.860

US$ FOB 13,03/ Kg

Ind. de alimentos (bebidas não alcoólicas, sorvetes, doces)

Pseudo-ionona

Óleo Lemon-Grass (Óleo de Capim Santo)

Importação

US$ FOB 1.782

US$ FOB 9,63 / Kg

CITRAL

Exportação

US$ FOB 330.984

US$ FOB 22,22/ Kg

Importação

US$ FOB 49.857

U$ FOB 15,89 / Kg

Importação

US$ FOB 302.492

Aroma e intermediário na síntese de  e  ionona

 ionona

Acetato de Vitamina A

 e  ionona

Óleo de Citronela

Importação

US$ FOB 860.727

US$ FOB 15,29 / Kg

Exportação

US$ FOB 49.302

US$ FOB 41,08 / Kg

Importação

US$ FOB 6.746

US$ FOB / Kg 17,89

Exportação

EXP US$ FOB 8.718

US$ FOB9,67 / Kg

Importação

US$ FOB 37.974

US$ FOB 5,64 / Kg

Cremes de Tratamento facial

ÁcidoRetinóico ou vitamina A

Importação

US$ FOB 26,4 / Kg

US$ FOB 11.166

Óleo de Limão

Importação

U$ FOB 2.632.819

US$ FOB 10,11 / Kg

slide23

Óleos Essenciais: Cravo

Óleo de Cravo

Eugenol

Isoeugenol

Produzido na região de Valença, Taperoá e Ituberá na Bahia

Exportação:

US$ FOB 54,3 / Kg

US$ FOB 6.136

Importação:

US$ FOB 8,47 / Kg

US$ FOB 368.178

Exportação:

US$ FOB 1,34 / Kg

US$ FOB 322

Importação:

US$ FOB 11,83 / Kg

US$ FOB 47.705

Vanilina

Exportação:

US$ FOB 146.066

US$ FOB 12,14 / Kg

Importação:

US$ FOB 9,86 / Kg

US$ FOB 3.212.612

Aromatizantena síntese de princípios ativos de medicamentos

slide24

Cana de Açúcar

Sucroquímica (sacarose)

Bagaço

Energia

Alcoolquímica

Alimento gado

Glicose

Sorbitol

Polpa Papel

Exportação:

US$ FOB 0,48 / Kg

US$ FOB 446.740

Importação:

US$ FOB 0,54 / Kg

US$ FOB 3.116.200

Etanol

+

Furfural

Ác. Láctico

Glicerina

Exportação:

US$ FOB 2,26 / Kg

US$ FOB 1.560

Importação:

US$ FOB 0,86 / Kg

US$ FOB 1.225.901

Exportação:

US$ FOB 1,04 / Kg

US$ FOB 5.766.641

Importação:

US$ FOB 1,39 / Kg

US$ FOB 1.228.727

Exportação:

US$ FOB 1,44 / Kg

US$ FOB 99.600

Importação:

US$ FOB 1,29 / Kg

US$ FOB 2.072.540

Xilose

Glicose

Exportação:

US$ FOB 3,19 / Kg

US$ FOB 3.250

Importação:

US$ FOB 3,34 / Kg

US$ FOB 811.392

Manitol

Lactitol

Exportação:

US$ FOB 1,91 / Kg

US$ FOB 8.132.269

Importação:

US$ FOB 4,69 / Kg

US$ FOB 158.859

Exportação:

US$ FOB 0,80 / Kg

US$ FOB 30.665

Importação:

US$ FOB 6,88 / Kg

US$ FOB 4.174.250

Xilitol

Exportação:

US$ FOB 2,72 / Kg

US$ FOB 57.286

Importação:

US$ FOB 1,98 / Kg

US$ FOB 2.003.073

slide28

"ESTUDO PROSPECTIVO DO SETOR QUÍMICO-FARMACÊUTICO"

FOCO - ESTUDO PILOTO SOBRE CÂNCER DE MAMA

  • contribuir para consolidar competência em prospecção tecnológica, no país;
  • constituir-se em instrumento de apoio à tomada de decisão para investimento em inovações através de mapas de conhecimento.

CANCERLIT(1995-2000);

IPA (International Pharmaceutical Abstracts);

World Patent Index (Patentes Européias e Americanas);

Merck Index;

World Drug Index;

slide29

Quadro 3 Exemplo da saída da base Cancerlit, pela interface Silver Plater:

TI (TITLE): Retinoids in chemoprevention and differentiation therapy.

AU (AUTHOR): Hansen-LA; Sigman-CC; Andreola-F; Ross-SA; Kelloff-GJ; De-Luca-LM

AD (ADDRESS): Laboratory of Cellular Carcinogenesis and Tumor Promotion, Division of Basic Sciences, National Cancer Institute, National Institutes of Health, Bethesda, MD 20892-4255, USA.

SO (SOURCE): Carcinogenesis. 21(7):1271-9 2000

PY (PUBLICATION YEAR): 2000

PT (PUBLICATION TYPE): JOURNAL-ARTICLE; REVIEW; REVIEW,-TUTORIAL

AB (ABSTRACT): Retinoids are essential for the maintenance of epithelial differentiation. As such, they play a fundamental role in chemoprevention of epithelial carcinogenesis and in differentiation therapy. Physiological retinoic acid is obtained through two oxidation steps from dietary retinol, i.e. retinol-->retinal-->retinoic acid. The latter retinal-->retinoic acid step is irreversible and eventually marks disposal of this essential nutrient, through cytochrome P450-dependent oxidative steps. Mutant mice deficient in aryl hydrocarbon receptor (AHR) accumulate retinyl palmitate, retinol and retinoic acid. This suggests a direct connection between the AHR and retinoid homeostasis. Retinoids control gene expression through the nuclear retinoic acid receptors (RARs) alpha, beta and gamma and 9-cis-retinoic acid receptors alpha, beta and gamma, which bind with high affinity the natural ligands all-trans-retinoic acid and 9-cis-retinoic acid, respectively. (...)

MIME (MESH* MEDICAL SUBJECT HEADINGS): Animal-; Cell-Differentiation-drug-effects; Human-; Neoplasms-pathology

MJME (MAJOR MESH* HEADINGS): *Anticarcinogenic-Agents-therapeutic-use; *Antineoplastic-Agents-therapeutic-use; *Neoplasms-drug-therapy; *Neoplasms-prevention-and-control; *Retinoids-therapeutic-use

ISSN (INTERNATIONAL STANDARD SERIAL NUMBER): 0143-3334

SB (CANCERLIT SUBSET): MEDLINE; CORE

AN (ACCESSION NUMBER): MEDL20334515

Nota:

*MESH - MEDICAL SUBJECT HEADINGS

slide30

Banco Original-CANCERLIT*

11510 documentos distintos

Contendo RN

5779 Documentos

(1516 substâncias)

Não Contendo RN

5730 Documentos

8332 Indexadores Macro

Outras Fontes contendo drogas comerciais e em desenvolvimento, para câncer em geral ou específica para o de mama:

FDA

MERCK

PHRMA

Breast-Neoplasm-Drug-Therapy (B-N-D-T)

4266 documentos

RN

2414 Documentos

626 Substâncias

-Princípio Ativo

-Hormônios

-Enzimas

-Inibidores de Hormônio,

-Anticorpos,

-Enzimas, inibidores de,

-Outros

30 substâncias já conhecidas para tratamento do câncer em geral

Freqüência e Ocorrência de Indexadores e Substâncias

Estatísticas do Banco

Resultados Obtidosda Base CANCERLIT

slide34

IDENTIFICAÇÃO DE ESPECIALISTAS PARA O DELPHI E CONSTRUÇÃO DE BANCO DE DADOS DA REDE DE CONTATOS

Foram identificados 431 profissionais, entre médicos, pesquisadores e profissionais que atuam no combate ao Câncer de Mama, em hospitais, instituições de pesquisa e empresas farmacêuticas.

Análise e Convergência de dados

Substâncias selecionadas pelos respondentes:

pol ticas de produ o de antibi ticos no brasil
Políticas de Produção de Antibióticos no Brasil
  • Classe de fármacos mais receitada.
  • Emprego em diversas finalidades:
    • Combate à infecções sistêmicas, circulatórias, respiratórias, geniturárias, gastrintestinais, oftálmicas, ósseas, tópicas etc.;
    • Profilaxia de infecções em indivíduos sadios e doentes;

Antibióticos:

classifica o dos antibi ticos

CarbapenemasCefalosporinas Cefamicinas Monobactamas Oxacefemas Penicilina

Classificação dos Antibióticos

Biossíntese:

  • Antibióticos derivados de aminoácidos;
  • Antibióticos derivados de carboidratos;
  • Antibióticos essencialmente derivados de acetatos e propionatos;
  • Antibióticos diversos.
  • Classe Clínica:
  • Antibióticos Bactericidas:

Aminoglucosídeos

Anfenicóis

Ansamicinas

-Lactamas

Lincosamídios

Macrolídios

Polipeptídios

Tetraciclinas

Outros

  • Antibióticos Antifúngicos:
    • Poliênicos
    • Outros
  • Antibióticos Antineoplásicos
perfil do com rcio exterior de antibi ticos
Perfil do Comércio Exterior de Antibióticos

Período: 1996 a 2000

Família: NCM 2941- Antibióticos (58 produtos)

Estudo Estatístico - Variáveis estudadas:

I(96a00) – Valor Total das Importações

UI(96a00) – Preço Unitário dos Produtos Importados

E(96a00) – Valor Total das Exportações

UE(96a00) – Preço Unitário dos Produtos Exportados

perfil do com rcio exterior de antibi ticos1
Perfil do Comércio Exterior de Antibióticos

Faixas de Valores das Variáveis (média dos valores de 1996 a 2000)

Total de Importação (US$)

Faixa 0: 0 – 100.000

(5 produtos)

Faixa 1: 100.000 – 1 milhão

(18 produtos)

Faixa 2: > 1 milhão

(35 produtos)

Total de Exportação (US$)

Faixa 0: 0 – 3.000

(25 produtos ???)

Faixa 1: 3.000 – 100.000

(25 produtos)

Faixa 2: > 100.000

(8 produtos)

perfil do com rcio exterior de antibi ticos2
Perfil do Comércio Exterior de Antibióticos

Preço Unit.de Importação (US$/kg)

Faixa 0: 0 – 20

(1 produto)

Faixa 1: 20 – 150

(0 produtos)

Faixa 2: > 150

(57 produtos)

Faixas de Valores das Variáveis (média dos valores de 1996 a 2000)

Preço Unit.de Exportação (US$/kg)

Faixa 0: 0 – 10

(18 produtos)

Faixa 1: 10 – 50

(23 produtos)

Faixa 2: > 50

(17 produtos)

cluster 1 14 produtos

Exportação: Sem ou pouca;

Importação: pouca ou Intermediária

Cluster 1 (14 produtos)
cluster 2 17 produtos

Exportação: Sem ou pouca;

Importação: Interm., alto valor unit.

Cluster 2 (17 produtos)
slide46
Comércio Exterior do Setor Químico:

Produtos Estratégicos

BRASIL X BLOCOS ECONÔMICOS

  • Blocos Econômicos:
    • MERCOSUL; - NAFTA;
    • ALADI; - União Européia;
    • Tigres Asiáticos
  • Capítulos da NCM analisados: 27 ao 40
  • Valores de Importação e Exportação (US$ FOB) e Preços Médios
    • Por produto;
    • Por família de produtos
slide49

Valor total de exportação baixo em todos os anos.

Preço unitário de exportação baixo em todos os anos.

Valor total de importação intermediário em todos os anos.

pesquisa de alinhamento estrat gico da gest o do conhecimento

Pesquisa de Alinhamento Estratégico da Gestão do Conhecimento

Profa. Adelaide M. S. Antunes

Comissão de Tecnologia ABIQUIM

Área de Gestão e Inovação Tecnológica - EQ/UFRJ

Mabel Alves Augusto

Mestranda COPPEAD/UFRJ

pesquisa de alinhamento estrat gico da gest o do conhecimento1

FUTURO ORIENTADO

Inteligência de Negócios

Experts

Conhecimento

Informação

Dados

SISTEMA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

Pesquisa de Alinhamento Estratégico da Gestão do Conhecimento
  • Motivação da Pesquisa:
  • - Necessidade de incrementar a capacidade de inovar e de transformar conhecimento em riqueza para a sociedade brasileira
aprendizagem tecnol gica 1990 a 1994
Aprendizagem Tecnológica – 1990 a 1994
  • Pesquisa sobre o comportamento da Indústria Química Brasileira realizada no período pós abertura
          • Infra-estrutura das empresas;
          • Aprendizagem Tecnológica;
          • Fatores impeditivos ao desenvolvimento;
          • Aspectos relevantes da questão ambiental;
          • Fatores geradores de respostas inovadoras de produtos e processos;
          • Relações externas, e outros como carteira de clientes, ociosidade, direcionamento de exportações

51 empresas químicas e 27 petroquímicas

  • Ativas
  • Pró-ativas
  • Reativas
  • Passivas

Resultado:

Diferentes perfis

pesquisa de alinhamento estrat gico da gest o do conhecimento2
Pesquisa de Alinhamento Estratégico da Gestão do Conhecimento
  • Pesquisa Junho-Julho 2001:
  • Questionário enviado pelos profissionais que participam do GETIQ 2001, respondido via e-mail por 53 executivos:
  • 39% Diretor Industrial/ Gerente de Produção;
  • 26% Diretor/ Coordenador Comercial;
  • 13% Diretor/ Gerente de Tecnologia (P&D);
  • 11% Desenvolvimento Empresarial;
  • 11% Gerente de Qualidade

29 empresas químicas e 24 petroquímicas

Para tratamento das respostas, foi utilizada a metodologia de Análise de Clusters, que permite diferenciar diferentes perfis.

pesquisa de alinhamento estrat gico da gest o do conhecimento3
Pesquisa de Alinhamento Estratégico da Gestão do Conhecimento
  • Objetivo:
  • Avaliação das características de empresas do setor químico no Brasil:
    • Processo de planejamento;
    • Ótica de RH;
    • Gestão do conhecimento:
      • Infra-estrutura de TIC;
      • Capacitação Tecnológica;
      • Portfolio de patentes: uso e resultados;
      • Direcionamento para o futuro
  • 80% das empresas afirmam que parte relevante de seus lucros são gerados pela redução de custos proveniente da otimização de processos
  • Para 72% das empresas, parte relevante do lucro da empresa é gerado pela venda de produtos e/ou serviços desenvolvidos nos últimos 5 anos

INOVAÇÃO

Fase de transição

processo de planejamento
Processo de Planejamento

Engloba os aspectos relativos à formulação do planejamento, seleção entre projetos e o controle gerencial dos projetos de investimento

1 cluster

Maior flexibilização

Conclusão:

  • Para 94% das empresas ficou evidenciada a necessidade de mudanças e seus benefícios nos projetos de investimento
  • 92% do controle gerencial das empresas têm conhecimento dos diferentes negócios (visão mais holística)
direcionamento dos recursos humanos
Direcionamento dos Recursos Humanos

Mede a ênfase da área de Recursos Humanos na seleção de profissionais empreendedores e com habilidades relativas às questões de desenvolvimento e liderança

1 cluster

Profissionais com foco em prospecção

Conclusão:

  • 75% das empresas possuem líderes que motivam para a visão de futuro pretendida
  • 84% das empresas incentivam e recompensam a postura criativa e empreendedora de seus profissionais
gest o do conhecimento
Gestão do Conhecimento

Infra-estrutura TIC: Gestão da Informação e Comunicação

3 clusters

Comunicação e alinhamento das ações de curto prazo

gest o do conhecimento1
Gestão do Conhecimento

Capacitação Tecnológica

Core Competences

Ênfase à receita ao invés das despesas

2 clusters

slide64

Gestão do Conhecimento

Portfolio de patentes: Uso e resultados

Geração de riqueza e posicionamento estratégico

  • 8% gera parte relevante do lucro em venda de patentes; 4 empresas (3 são multinacionais)
  • 12% utilizam suas patentes para excluir concorrentes do mercado; 6 empresas (4 são multinacionais)
  • 26% comercializam produtos através da exploração de monopólio; 13 empresas (10 são multinacionais)
  • 32% utilizam suas patentes para ganhar acesso a nichos de mercado; 16 empresas (9 são multinacionais)
  • 34% formam alianças visando a troca de tecnologias; 16 empresas (9 são multinacionais)
  • 59% avaliam o valor econômico de suas patentes 30 empresas (16 são multinacionais)

1 cluster

slide65

Gestão do Conhecimento

Direcionamento para o futuro

3 clusters

Avaliação da visão ededicação às questões estratégicas

reas de atua o na cadeia produtiva

1 elo

  • Básicos
  • Intermediários
  • Produtos finais
  • Especialidades

2 ou 3 elos

  • Básicos + Intermediários
  • Intermed. + Prod. Final
  • Intermed. + Prod. final + Especialidades
  • Prod. finais + Especialidades
Áreas de Atuação na Cadeia Produtiva

Aprendizagem Tecnológica (1990-1994)

Gestão do Conhecimento (2001)

55%

55%

29%

45%

45%

1 ou mais elos + SERVIÇOS

  • Básicos + Serviços
  • Intermed. + Prod. Final + Serviços
  • Prod. final + Serviços
  • Especialidades + Serviços

0%

16%

mapa do futuro identifica o das core competences

Processo

Número de Empresas

Polimerização

16

Oxidação

5

Craqueamento

4

Alquilação

3

Eletrólise

3

Esterificação

3

Reforma catalítica

3

Hidrólise

2

Hidrogenação

2

Mapa do futuro – identificação das corecompetences

21 diferentes processos utilizados nas empresas

Outros:

Acilação, Aminação,

Carboxilação, Dupla troca,

Etoxilação, Fundição,

Grignard, Isomerização, Lixiviação, Sulfatação, Sulfonação, Ustulação

pesquisa de alinhamento estrat gico da gest o do conhecimento4
Pesquisa de Alinhamento Estratégico da Gestão do Conhecimento
  • Instrumento de orientação para o alcance de competitividade sustentável.
    • Empresas: na elaboração de suas estratégias;
    • Estado: na elaboração de políticas;
    • Associações: na promoção de fóruns que catalisem o desenvolvimento
slide69

Desenho de um projeto estruturante para a Indústria de Química Fina no Brasil

ABIFINA - 22/01/2002

Profa. Adelaide M. S. Antunes

EQ-UFRJ