a gest o de sistemas e de servi os de sa de tend ncias e desafios n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
A GESTÃO DE SISTEMAS E DE SERVIÇOS DE SAÚDE: TENDÊNCIAS E DESAFIOS PowerPoint Presentation
Download Presentation
A GESTÃO DE SISTEMAS E DE SERVIÇOS DE SAÚDE: TENDÊNCIAS E DESAFIOS

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 29

A GESTÃO DE SISTEMAS E DE SERVIÇOS DE SAÚDE: TENDÊNCIAS E DESAFIOS - PowerPoint PPT Presentation


  • 82 Views
  • Updated on

A GESTÃO DE SISTEMAS E DE SERVIÇOS DE SAÚDE: TENDÊNCIAS E DESAFIOS. Desafios para a melhoria da qualidade: o papel da gestão baseada em evidências, das diretrizes clinicas e da avaliação. ANA MARIA MALIK 08/06/05. Introdução. Melhoria na qualidade Da assistência médica Da gestão

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

A GESTÃO DE SISTEMAS E DE SERVIÇOS DE SAÚDE: TENDÊNCIAS E DESAFIOS


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
  1. A GESTÃO DE SISTEMAS E DE SERVIÇOS DE SAÚDE:TENDÊNCIAS E DESAFIOS

  2. Desafios para a melhoria da qualidade: o papel da gestão baseada em evidências, das diretrizes clinicas e da avaliação ANA MARIA MALIK 08/06/05

  3. Introdução • Melhoria na qualidade • Da assistência médica • Da gestão • Dos resultados: para quem? Quem tem interesses nos resultados? • Pode ser um sem o outro? Há um stakeholder mais importante que o outro?

  4. Qualidade na assistência médica Definições e atributos • Atributos de qualidade técnica: eficácia, efetividade [é o grau baseado nas estratégias mais eficazes, em que, ao se implementar melhorias, pode-se conseguir a excelência no cuidado na prática assistencial rotineira] e eficiência • Estrutura, processo e resultado • Critério: componente ou aspecto da estrutura, processo ou resultado do cuidado em saúde que está relacionado a ou discrimina a qualidade desse cuidado • Padrão: é uma medida precisa, explicitada num valor que significa determinado grau de qualidade

  5. Diretrizes Clínicas • Contexto • Definição – Institute of Medicine (Field, 1990) “Modelos/padrões/recomendações desenvolvidos de forma sistemática, com o objetivo de auxiliar profissionais e pacientes na tomada de decisão em relação à alternativa mais adequada para o cuidado de sua saúde em circunstâncias clínicas específicas”.

  6. Diretrizes - produção científica • Desenvolvimento • Atributos IOM – validade, reprodutibilidade, aplicabilidade, flexíbilidade, multidisciplinar, clareza, documentado e atual • Avaliação - AGREE – (Appraisal of Guidelines for Research and Evaluation) instrumento validado internacionalmente – • www.agreecollaboration.org • Implementação • Impacto - Avaliação econômica/dos resultados assistenciais (qualquer melhora a qualquer custo???) • Diretrizes propriamente ditas • Para quem servem as diretrizes?

  7. Implantação • Participação dos profissionais no processo de desenvolvimento • Validade e legitimidade da equipe de desenvolvimento • Intervenções multifacetadas • Avaliação com AGREE – melhores notas para as diretrizes oncológicas, falta de teste piloto e notas menores para aplicabilidade

  8. Uso de diretrizes para avaliação • O caso do IAM • Critérios definidos • Indicadores consagrados • Inclusão em sistema de Acreditação • O caso do AVC • Critérios em construção • Indicadores (processo) similares aos de IAM www.qualitymeasures.ahrq.gov www.jcaho.org

  9. Uso de diretrizes para avaliação • Câncer de mama • Vários países com diretrizes em câncer para câncer de mama • Impacto dos programas de rastreamento  aumento na Incidência e diminuição na mortalidade • Sobrevida como principal indicador • Canadá apresenta proposta desenvolvida recentemente –implantação 2004 com indicadores de processo • Escócia e Inglaterra – investimento em relação entre GP e referência

  10. Projeto Diretrizes – AMB/CFM • Limitações • Potencialidades • A diretriz para câncer de mama – prevenção primária, secundária e diagnóstico e tratamento • Contexto brasileiro • Protocolos clínicos hospitais públicos e privados www.amb.org.br

  11. Avaliação de sistemas de serviços de saúde • Monitoramento da qualidade assistencial • Pesquisa e proposta PROADESS • Dimensões de avaliação – efetividade, acesso, eficiência, respeito ao direito das pessoas, aceitabilidade, continuidade, adequação e segurança • www.proadess.cict.fiocruz.br relatório final de pesquisa, ago 2003

  12. Indicadores – Hospital Report 2002 - Canadá Construído sob a perspectiva de quatro quadrantes: • Integração e Mudança: Habilidade do hospital em se adaptar à mudanças no processo de cuidado da saúde. • Indicadores Clínicos e de Resultado: Descrição da performance dos hospitais como acesso aos serviços, eficiência clínica e qualidade do cuidado • Satisfação do Cliente: Percepção sobre serviços e instalações segundo a visão do paciente. • Desempenho Financeiro: Análise do gerenciamento financeiro e de recursos humanos www.cihi.ca

  13. Indicadores Clínicos e de Resultado • Indicador de acesso à angiografia em infarto agudo do miocárdio • Taxa de readmissão de pacientes pós IAM, insuficiência cardíaca, pneumonia, asma , hemorragia gastrintestinal, histerectomia, prostatectomia e colecistectomia. • Taxa de acesso de colecistectomia ao Centro Cirúrgico Ambulatorial • Taxa de acesso da cirurgia do túnel do carpo ao Centro Cirúrgico Ambulatorial • Tempo médio de permanência de pacientes com IAM, insuficiência cardíaca, pneumonia, asma, sangramento gastrintestinal, AVC e submetidos a histerectomia ou prostatectomia. • Taxa de complicações nos grupos de pacientes com IAM, insuficiência cardíaca, pneumonia, asma, sangramento gastrintestinal, histerectomia, prostatectomia e colecistectomia. www.cihi.ca

  14. Indicadores Clínicos e de Resultado • Taxa de Infecções do Trato Urinário após procedimentos cirúrgicos • Pneumonia adquirida durante a permanência institucional • Taxa de Cesariana em Primigesta • Razão de histerectomia vaginal/abdominal • Taxa de cirurgias de revascularização em pacientes IAM • Ressonância magnética ou tomografia computadorizada em pacientes diagnosticados ou em tratamento de AVC www.cihi.ca

  15. Agency for Healthcare Research and Quality (AHRQ) Trabalho da Universidade da Califórnia - São Francisco (UCSF) – “Stanford Evidence-based Practice Center (EPC)” resultou nos “Agency for Healthcare Research and Quality (AHRQ) Quality Indicators” A seleção de indicadores foi feita baseada em levantamento bibliográfico e critérios definidos Apresenta 3 módulos de análise para avaliação da qualidade do cuidado em hospitais: • 1. Indicadores de qualidade relacionados a prevenção: consistem em condições de assistência ambulatorial “sensíveis” tais como admissões hospitalares cuja evidência sugere que podem ser evitadas através de assistência ambulatorial de alta qualidade ou que refletem condições que podem ser menos graves se tratadas oportunamente e de forma adequada ambulatorialmente. Guide to inpatient quality indicators – june 2002 (tradução livre) www.ahrq.gov

  16. AHRQ 2. Indicadores de qualidade hospitalar: indicadores refletem a qualidade do cuidado dentro dos hospitais. Incluem mortalidade institucional, procedimentos nos quais costuma ocorrer inadequação na utilização; e volume de procedimentos nos quais há evidência de que o alto volume de procedimentos está associado a diminuição de mortalidade. 3. Indicadores relacionados a segurança do paciente: indicadores centrados em situações que podem ser prevenidas, associados a situações de risco potencial aos pacientes, tais como complicações cirúrgicas e outros eventos iatrogênicos. Os indicadores estão divididos em três tipos: • volume • indicadores de mortalidade institucional relacionados a procedimentos hospitalares • indicadores de mortalidade relacionados a situações clínicas dos pacientes e indicadores de utilização www.ahrq.gov Guide to inpatient quality indicators – june 2002 (tradução livre)

  17. Assistência materno infantil Prevenção secundária – Câncer de colo de útero, mamografia Assistência ambulatorial  Taxa de internações, diagnósticos e agravos sentinelas Indicadores ANS

  18. Tendências internacionais • “Acreditação” da atenção para doenças selecionadas • Indicadores segundo diagnóstico – critérios extraídos de diretrizes válidas com abrangência nacional • Dimensões de avaliação • Processo assistencial – linha de cuidado • Efetividade • Segurança • Oportunidade • Humanização, acolhimento, paciente no centro do cuidado cd-rom com referências / www.qualitytools.ahrq.gov -

  19. Indicadores Assistenciais • Farmácia • Eventos adversos de medicamentos • Erros de medicação – erros de aplicação e de prescrição • Nutrição • Conformidade com indicação de nutrição enteral e parenteral • Proporção de pacientes Obesos (IMC>=35) • Caracterização da população segundo necessidade de assistência nutricional • Enfermagem • Avaliação de risco • Índice de flebite • Índice de Úlcera de pressão • Índice de queda

  20. Indicadores ambulatoriais Para cada tipo de ambulatório (especialidade): • % Consultas novas/ realizadas • % Faltas / Consultas agendadas • % Consultas de triagem/total de consultas • Exames laboratoriais/ consultas • Índice de re-coleta de exames • Número de exames por paciente • Exames radiológicos/consultas • Concordância com comparações externas • Número exames por paciente

  21. Indicadores • Sistemas de comparação nacionais  CQH, SIPAGEH, SINHÁ e QUATI • Sistemas internacionais • USA – qiproject, AHRQ, NNISS www.qiproject.org ; www.cdc.gov www.qualitymeasures.ahrq.gov • Canadá – hospital report • Proposta metodologia avaliação Sistema de saúde brasileiro www.proadess.cict.fiocruz.br

  22. E se fossemos avaliar a gestão? • Os indicadores são constatados, avaliados ou administrados? • No Brasil, quem olha para estes indicadores? Onde? • Quem se preocupa com tempo de espera até o primeiro atendimento? • Quem seleciona os indicadores de gestão? Por exemplo, quantas pessoas circulam na organização é um indicador de que?

  23. Existem best practices na gestão? • Quem as define? • Servem para qualquer organização? • Têm a ver com processos e/ou com resultados?

  24. BSC – se adequa à área da saúde? • População: disponibilidade de atendimento, qualidade, serviços associados • Sociedade: produtividade, políticas, continuidade no atendimento • Processos internos: pessoas, contratos, instalações • Crescimento/aprendizado: informação gerencial, clima

  25. Como viabilizar indicadores de desempenho? • Na organização: quem é o responsável? • Distorção: produção de fatos/produção de dados/produção da informação • estrutura/processo/resultado/desempenho • desempenho clínico/econômico financeiro • eficiência médica X administrativa X usuário • Prescrição X expectativa X realidade

  26. Quem avalia o que acontece com o paciente? Alguém está preocupado com ele? Este é o maior desafio

  27. Obrigada Anamalik@fgvsp.br