SÍNTESE PROTEICA Continua... - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
SÍNTESE PROTEICA Continua... PowerPoint Presentation
Download Presentation
SÍNTESE PROTEICA Continua...

play fullscreen
1 / 32
SÍNTESE PROTEICA Continua...
353 Views
Download Presentation
hateya
Download Presentation

SÍNTESE PROTEICA Continua...

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. SÍNTESE PROTEICA Continua...

  2. 2º) TRADUÇÃO A biossíntese de proteínas insere-se no dogma central da biologia molecular Ácido desoxirribo-nuclêico Sede da informação Processo comprovado Ácido ribonuclêico

  3. Tradução • Segunda e última etapa da síntese proteica; • Ocorre no citoplasma • 3 RNAs envolvidos (RNAm, RNAt, RNAr) DNA RNA PROTEÍNA TRANSCRIÇÃO TRADUÇÃO

  4. RNAm • Leva a informação da seqüência protéica a ser formada do núcleo para o citoplasma, onde ocorre a tradução. • Ele contém uma seqüência de trincas correspondente a uma das fitas do DNA. • Cada trinca (= 3 nucleotídeos) no RNAm é denominada códon e corresponde a 1 aminoácido na proteína que irá se formar

  5. 1 códon = 3 nucleotídeos no RNAm 1 2 3 4 5 6 7 7 códons = 21 nucleotídeos

  6. Características do código genético • TRIPLO: baseado em trincas de nucleotídeos, permite a formação de 64 códons diferentes, sendo 61 ativos e 3 inativos (stop codon); • SEMI-UNIVERSAL: O mesmo dicionário de codificação é válido para quase todos os seres vivos (vírus, procariontes e eucariontes); • DEGENERADO: o código genético é repleto de “sinônimos”. Um único aminoácido pode ser codificado por vários códons diferentes. Ex: Prolina (CCC, CCG, CCU, CCA). Exceção: Metionina (AUG) e Triptofano (UGG)

  7. Características do código genético • NÃO TEM AMBIGUIDADE: Cada trinca especifica 1 único aminoácido • O código contém 1 sinal de “iniciação” (#) e 3 sinais de “terminação” (*) que são trincas que, respectivamente, dão início (START CÓDON = AUG) e põem fim (UAA, UAG e UGA = STOP CÓDON) à tradução. Obs.: Os códons de terminação (STOP CÓDON) não especificam aminoácidos • Nesse códon, não há pontuação interna (tipo “vírgula”). Por isso, diz-se que o código é desvirgulado. Depois que a tradução do mRNA começa, os códons são lidos em sequência, sem interrupções entre eles, até ser alcançado um sinal de terminação

  8. Características do código genético A correspondência entre uma trinca de nucleotídeos e um aminoácido é chamada de código genético

  9. * * #

  10. RNAt– ATIVAÇÃO DE AMINOÁCIDOS • É o agente desta etapa e está ligado de forma específica a cada um dos 20 aminoácidos encontrados nas proteínas Obs.: Cada um dos 20 aminoácidos tem pelo menos um tipo de RNAt a ele designado, e outros têm vários RNAt. • Levam os aminoácidos para o RNAm (códon) durante o processo de síntese protéica. • As moléculas de RNAt apresentam, em uma determinada região, uma trinca de nucleotídeos que se destaca, denominada anticódon. • É através do anticódon que o RNAt reconhece o local do RNAm onde deve ser colocado o aminoácido por ele transportado. • Cada RNAt carrega um aminoácido específico, de acordo com o anticódon que possui

  11. RNAt Sítio de ligação ao aminoácido RNAt = Uma ponta dessa molécula carrega o aminoácido e uma outra ponta consiste de uma seqüência de três nucleotídeos conhecida como anticodon U A C Anti-códon

  12. RNAt -Estrutura secundária com grampos e alças formando um trevo -Alto número de bases modificadas depois da sua transcrição

  13. RNAr São componentes dos Ribossomos, organela onde ocorre a síntese protéica. Os ribossomos são formados por RNAr e proteínas

  14. Aminoácidos ????? • Moléculas que dão origem às Proteínas. R H O N C C OH H H GRUPO CARBOXILA GRUPO AMINO

  15. Ligação Peptídica ??? • É a ligação covalente entre 2 aminoácidos. • Quando poucos aminoácidos estão ligados  Peptídeo • Quando muitos aminoácidos estão ligados  Proteína

  16. O grupo OH do ácido carboxílico de um aminoácido se liga em um dos Hidrogênios da amina do outro aminoácido, formando uma molécula de água. R R H H O O N N C C C C OH OH H H H H H2O

  17. Um dos carbonos de um aminoácido agora está instável porque está fazendo apenas três ligações, ao invés de quatro. O mesmo está acontecendo com o nitrogênio do outro aminoácido, pois esse está fazendo duas ligações, ao invés de três. R R H H O O N N C C C C OH H H H

  18. Então uma ligação covalente entre o carbono de um aminoácido e o nitrogênio do outro acontece. • Essa ligação é a Ligação Peptídica. R R H H O O N N C C C C OH H H H Ligação Peptídica

  19. Então, voltando a Tradução... • Também chamada de Síntese de Proteínas • Quando o RNAm chega ao citoplasma ele se associa ao ribossomo. • Após essa associação os RNAtlevam os aminoácidos, que serão ligados, formando assim a proteína.

  20. 1- Quando o RNAm chega ao citoplasma, ele se associa ao ribossomo. 2- Nessa organela existem 2 espaços onde entram os RNAt com aminoácidos específicos. RIBOSSOMO RNAt Anti-códon U A C A A A A U G U U U C U U G A C C C C U G A RNAm 3- Somente os RNAt que têm seqüência do anti-códon complementar à seqüência do códon (RNAm) entram no ribossomo. Códon de Iniciação = Metionina

  21. 4- Uma classe de enzimas presentes na subunidade maior do ribossomo realiza a ligação peptídica entre os aminoácidos: RIBOSSOMO Subunidade maior Aminoacil-RNAt- sintetase U A C A A A A U G U U U C U U G A C C C C U G A RIBOSSOMO Subunidade menor

  22. Então... O RNAm tem sua seqüência de códons lida, e para cada códon respectivo, o RNAt é atraído até os ribossomos, Pela complementariedade de bases é feita a ligação entre o códon (do RNAm) e o anticódon (do RNAt), Liberando o aminoácido carregado pelo RNAt que é, então, ligado à cadeia crescente do polipeptideo.

  23. 5- O RNAt “vazio” volta para o citoplasma para se ligar a outro aminoácido. U A C A A A A U G U U U C U U G A C C C C U G A

  24. 6- O ribossomo agora se desloca uma distância de 1 códon. 7- O espaço vazio é preenchido por um outro RNAt com seqüência do anti-códon complementar à seqüência do códon. U A C A A A G A A A U G U U U C U U G A C C C C U G A Deslocamento do Ribossomo

  25. 8- A enzima (Aminoacil-RNAt - sintetase ) presente na subunidade maior do ribossomo realiza a ligação peptídica entre os aminoácidos. U A C A A A G A A A U G U U U C U U G A C C C C U G A

  26. U A C A A A G A A A U G U U U C U U G A C C C C U G A 9- O RNAt “vazio” volta para o citoplasma para se ligar a outro aminoácido. 10- E assim o ribossomo vai se deslocando ao longo do RNAm e os aminoácidos são ligados.

  27. 11- Quando o ribossomo passa por um códon de terminação nenhum RNAt entra no ribossomo, porque na célula não existem RNAt com seqüências complementares aos códons de terminação. G G G Códon de terminação A U G U U U C U U G A C C C C U G A

  28. PROTEÍNA G G G 12- Então o ribossomo se solta do RNAm, a proteína recém formada é liberada e o RNAm é degradado. A U G U U U C U U G A C C C C U G A

  29. ETAPAS DA TRADUÇÃO • INICIAÇÃO • ALONGAMENTO • TERMINAÇÃO

  30. Uma proteína  + de 70 aminoácidos ligados. • 1 códon  3 nucleotídeos no RNAm • 1 códon  1 aminoácido na proteína • Nº de ligações peptídicas  Nº de aminoácidos – (menos) 1.

  31. 1 anticódon  3 nucleotídeos no RNAt • O anticódon é complementar ao códon • Cada RNAt leva consigo apenas um tipo de aminoácido  quem determina qual aminoácido será transportado é o anticódon.