Download
tumores odontog nicos n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Tumores Odontogênicos PowerPoint Presentation
Download Presentation
Tumores Odontogênicos

Tumores Odontogênicos

832 Views Download Presentation
Download Presentation

Tumores Odontogênicos

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Tumores Odontogênicos Yuri Pinto Nunes Acadêmico de Medicina – 5º Semestre Membro da Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

  2. ODONTOGÊNESE

  3. Odontogênese • Início na 6ª semana • Origem embriológica: ectoderma oral (esmalte), mesoderma e células da crista neural (demais tecidos) • Espessamento do epitélio oral forma as lâminas dentárias

  4. Estágio de Broto • Brotos dentários surgem a partir de 10 centros de proliferação da lâmina dentária • Brotos de dentes decíduos: 7ª semana • Brotos de dentes permanentes: 10ª semana

  5. Estágio de Capuz • Início na 8ª semana • Invaginação do mesênquima para o broto dentário, formando a papila dentária • Início da produção de esmalte pelo órgão do esmalte • Mesoderma em volta do germe dentário forma o folículo dentário, que é o primórdio do cemento e do ligamento periodontal

  6. Estágios de Broto e de Capuz

  7. Estágio de Sino • Início na 10ª semana • Diferenciação dos odontoblatos a partir da papila dentária adjacente ao epitélio interno do esmalte • Diferenciação dos ameloblastos a partir do epitélio interno do esmalte • Início do desenvolvimento da raiz do dente • Diferenciação dos cementoblastos a partir do folículo dentário

  8. Estágio de Sino

  9. Estágio de Sino

  10. TUMORES ODONTOGÊNICOS

  11. Definição “São neoplasias que se desenvolvem exclusivamente na mandíbula e na maxila, originando-se dos tecidos odontogênicos por proliferação de tecido epitelial, mesenquimal ou de ambos”

  12. Classificação

  13. Considerações Iniciais • 2% do total de biopsias orais (odontomas – 65%; ameloblastoma – 11%; tumor odontogênicoadenomatoide – 3%; mixoma odontogênico – 3%; demais – 2%) • Tumores benignos são, tipicamente, assintomáticos • Tumores malignos são muito raros • Múltiplas nomenclaturas podem induzir ao erro no tratamento

  14. AMELOBLASTOMA

  15. Características Gerais • Benigno • Origem epitelial • Localmente agressivo • Alta taxa de recidivas • Intra-ósseo ou extra-ósseo (periférico) • Entre 30 e 50 anos • Homens ligeiramente mais acometidos • Porção posterior da mandíbula mais acometida

  16. Aspectos Clínicos • Crescimento lento, de consistência dura à palpação • Adelgaçamento das corticais linguais e vestibulares • Dentes deslocados • Trismo • Obstrução nasal • Dor ou parestesia

  17. Aspectos Radiológicos • Radiotransparente • Unilocular ou multilocular • Halo esclerótico • Bem delimitado • Lesões em “bolhas de sabão” ou em “favo de mel”

  18. Aspectos Radiológicos

  19. Aspectos Radiológicos

  20. Aspectos Histológicos • Semelhante ao retículo estrelado do órgão do esmalte • Brotamento de células tumorais semelhante ao desenvolvimento dentário • Diversas Variantes • Folicular: idade mais avançada • Acantomatoso: derivado ou não do folicular; mais agressivo • Plexiforme: jovens; melhor prognóstico; tratamento conservador • De células granulares: agressivo com tendência a recidiva • De células basais: mais raro • Unicístico: cístico; líquido seroso na punção; pouco agressivo • Desmoplásico: localização anterior; margens irregulares

  21. Aspectos Histológicos

  22. Diagnóstico Diferencial • Depende da imagem radiográfica • Forma multilocular: ceratocistoodontogênico, mixoma odontogênico, granuloma central de células gigantes, lesão de células gigantes do hiperparatireoidismo e tumor odontogênico epitelial calcificante • Forma unilocular: cisto folicular, ceratocistoodontogênico, granuloma central de células gigantes, fibroma cementossificante em fase inicial, tumor odontogênicoadenomatóide, fibroma desmoplásico

  23. Tratamento • Cirurgia • Enucleação • Curetagem • Osteotomias Periféricas • Ressecções com margens de segurança

  24. TUMOR ODONTOGÊNICO ESCAMOSO

  25. Características Gerais • Sem predileção por sexo • Afeta igualmente maxila e mandíbula • Pacientes jovens (menos de 20 anos) • Assintomático • Lesão radiotransparente unilocular • Pode aparecer próximo à raiz ou coroa

  26. Aspectos Histológicos • Proliferação de epitélio escamoso • Calcificações intra-epiteliais e microcistos • Estroma de tecido conjuntivo fibroso

  27. Tratamento • Cirurgia conservadora, sem ocorrência de recidivas

  28. TUMOR ODONTOGÊNICO EPITELIAL CALCIFICANTE (DE PINDBORG)

  29. Características Gerais • Oriundo do epitélio reduzido do esmalte ou do epitélio oral • Intra-ósseo • Ambos os sexos • 30 a 50 anos (média aos 40 anos) • Afeta mais a mandíbula (68%) do que a maxila (32%) • Região dos molares 3 vezes mais afetada que a dos pré-molares • Relacionada a dentes inclusos, com crescimento lento e indolor

  30. Aspectos Radiológicos • Lesão radiotransparente envolvendo coroa • Diagnóstico diferencial com cisto folicular • Pode apresentar-se como lesão multilocular em “favo de mel” • Diagnóstico diferencial com ameloblastoma • Pode apresentar-se como lesão mista • Diagnóstico diferencial com fibrodontomaameloblástico, odontoameloblastoma e cisto odontogênicocalcificante

  31. Aspectos Radiológicos

  32. Aspectos Histológicos • Células poliédricas com pontes intercelulares • Pleomorfismo celular e nuclear • Ausência de figuras mitóticas

  33. Tratamento • Cirurgia conservadora • Índice de recidivas de 14%

  34. TUMOR ODONTOGÊNICO ADENOMATOIDE

  35. Características Gerais • Lesão indolor de crescimento lento • 75% antes dos 20 anos de idade • Preferência pelo sexo feminino • Maxila mais afetada (65%) do que a mandíbula (35%) • Relação co dente incluso (canino em 68% dos casos, seguido por pré-molares e incisivos) • Associação com cisto folicular em muitos casos

  36. Aspectos Radiológicos • Radiotransparente de limites bem definidos • Pode haver afastamento de raízes adjacentes

  37. Aspectos Histológicos • Células epiteliais fusiformes ou colunares, com disposição semelhante a ducto de uma glândula

  38. Tratamento • Cirurgia conservadora, podendo haver aproveitamento do dente acometido • Recidiva extremamente rara

  39. TUMOR ODONTOGÊNICO CALCIFICANTE

  40. Características Gerais • Intra-ósseo (82,4%) ou extra-ósseo (17,6%) • Sem preferência por sexo • Acomete igualmente mandíbula e maxila • Região anterior ao primeiro molar (75%); dente incluso (23%) ou odontoma (11%) • Ocorre em todas as idades, com 2 picos: durante a 2ª década (35%) e durante a 6ª década (10%) • Crescimento lento e indolor

  41. Aspectos Radiológicos • Lesão radiotransparente unilocular ou multilocular (raro) • Calcificações no interior em 45% dos casos • Reabsorção radicular

  42. Aspectos Histológicos • Células epiteliais com queratinização abundante • Núcleo e citoplasma pouco visíveis, com preservação do contorno – “células fantasmas”

  43. Tratamento • Cirurgia conservadora • Recidiva rara

  44. MIXOMA ODONTOGÊNICO

  45. Características Gerais • Tumores moles, derivados de mesênquima embrionário • Sem diferença entre os sexos • Mais comum durante a 4ª década • Regiões posteriores da mandíbula e da maxila mais comuns, sendo ligeiramente mais frequente na mandíbula • Aumento de volume lento, progressivo e indolor • Dentes adjacentes podem estar deslocados

  46. Características Gerais

  47. Aspectos Radiológicos • Área radiotransparentemultiloculada • Compartimentos separados por septos retos, formando quadrados, com trabéculas finas em seu centro – “cordas de raquete de tênis” • Pode aparecer com aspecto em “favo de mel” • A imagem pode ser unilocular se associada a dente incluso • Pode haver opacificação do seio maxilar

  48. Aspectos Radiológicos

  49. Aspectos Histológicos • Células estreladas ou fusiformes com núcleo ovalado e hipercromático • Substância intercelular abundante

  50. Tratamento • Cirurgia com ressecção ampla (invasão local e tendência a recidiva) • Radiação contra-indicada (degeneração maligna e osteorradionecrose)