parnasianismo n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
PARNASIANISMO PowerPoint Presentation
Download Presentation
PARNASIANISMO

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 9

PARNASIANISMO - PowerPoint PPT Presentation


  • 89 Views
  • Uploaded on

PARNASIANISMO. Arte pela arte. Professora: Karla Faria. Introdução.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'PARNASIANISMO' - guri


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
parnasianismo

PARNASIANISMO

Arte pela arte

Professora: Karla Faria

introdu o
Introdução
  • O Parnasianismo surge na França, e é divulgado principalmente dentro da revista Le Parnasse Contemporain. O movimento francês dura dez anos, exato período em que a revista é publicada (1866-1876). Os principais nomes do parnasianismo francês são: Théophile Gautier (1811-1872), Leconte de Lisle (1818-1894), Théodore de Banville (1823-1891) e seu principal representante Charles Baudelaire.
caracter sticas
Características
  • Rigidez estética e métrica clássica- a perfeição está na forma.
  • Equilíbrio e correção na linguagem. Preciosismo vocabular.
  • A impassibilidade do poeta diante a obra. Razão supera a emoção.
  • Retomada de valores renascentistas.

Reação aos excessos sentimentais do Romantismo

. A arte pela arte

. A poesia é a expressão máxima da arte.

. Poesia objetiva e descritiva

. "A poesia não tem outro objetivo senão ela mesma". Baudelaire

  • “Só não se inventou a máquina de fazer versos – já havia o poeta parnasiano.” Oswald de Andrade
olavo bilac
Olavo Bilac
  • "Ora (direis) ouvir estrelas!
  •                                               XIII
  •                                 "Ora (direis) ouvir estrelas!  Certo                                 Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,                                 Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto                                 E abro as janelas, pálido de espanto ...
  •                                 E conversamos toda a noite, enquanto                                 A via láctea, como um pálio aberto,                                 Cintila.  E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,                                 Inda as procuro pelo céu deserto.
  •                                 Direis agora: "Tresloucado amigo!                                 Que conversas com elas?  Que sentido                                 Tem o que dizem, quando estão contigo?"
  •                                 E eu vos direi: "Amai para entendê-las!                                 Pois só quem ama pode ter ouvido                                 Capaz de ouvir e de entender estrelas."
slide5
Profissão de fé

Invejo o ourives quando escrevo:Imito o amorCom que ele, em ouro, o alto relevoFaz de uma flor.Imito-o. e, pois, nem de CarraraA pedra firo:O alvo cristal, a pedra rara,O ônix prefiro.Por isso, corre, por servir-me,Sobre o papelA pena, como em prata firmeCorre o cinzel.(...)Torce, aprimora, alteia, limaA frase; e, enfim,No verso de ouro engasta a rima,Como um rubim.Quero que a estrofe cristalina,Dobrada ao jeitoDo ourives, saia da oficinaSem um defeito.(...) Olavo Bilac

slide6
Língua Portuguesa Última flor do Lácio, inculta e bela,És, a um tempo, esplendor e sepultura:Ouro nativo, que na ganga impuraA bruta mina entre os cascalhos vela...Amo-te assim, desconhecida e obscura,Tuba de alto clangor, lira singela,Que tens o trom e o silvo da procela,E o arrolo da saudade e da ternura!Amo o teu viço agreste e o teu aromaDe virgens selvas e de oceano largo!Amo-te, ó rude e doloroso idioma,Em que da voz materna ouvi: "meu filho!",E em que Camões chorou, no exílio amargo,O gênio sem ventura e o amor sem brilho! Olavo Bilac
slide7
A busca da objetividade temática e o culto da forma são as mais importantes características do Parnasianismo. Os poetas parnasianos opunham-se ao individualismo, ao sentimentalismo e ao subjetivismo românticos, e procuraram voltar sua poesia para temas que consideravam mais universais, como a natureza, a história, o amor, os objetos inanimados, além da própria poesia. Essa poética da impessoalidade era reforçada pelo gosto da descrição e do rigor formal. O ideal da "arte pela arte" resultou em acentuada preocupação com a versificação e a metrificação, pois acreditava-se que a Beleza residia também na forma. O trabalho do poeta foi, inclusive, comparado ao do escultor, do ourives, do artesão, já que seu esforço concentrava-se em dar forma perfeita a um objeto artístico. O poema de Raimundo Correia A um Artista, dedicado a Olavo Bilac, é modelar nesse sentido. Essa comparação levou à criação de poemas que tematizam esculturas, pinturas, jóias, objetos artísticos - como em Vaso Grego, de Alberto de Oliveira - transformando muitas vezes o princípio da "arte pela arte" em "arte sobre a arte".

Os versos brancos do Romantismo foram abandonados e retomou-se o uso dos versos de 10 sílabas e das rimas ricas e raras, num movimento de aproximação da tradição clássica. A procura da expressão perfeita e original de determinada idéia ou sentimento levou à valorização do conhecimento da língua, necessário para fugir das imagens gastas e vulgarizadas da estética romântica. A utilização de vocabulário culto, como tentativa de renovação da linguagem poética, é, desse modo, outro traço característico do Parnasianismo. Olavo Bilac, em Língua Portuguesa, expressa o amor parnasiano ao idioma nacional. O apego dos parnasianos ao rigor gramatical e ao rebuscamento da linguagem teria contribuído, segundo Antonio Candido, "para lhes dar voga e credibilidade, pois facilitava o entrosamento com as aspirações dominantes da cultura oficial".

rosa pixinguinha
Rosa (Pixinguinha)

Tu és Divina e graciosaEstatua majestosaDo amorPor Deus esculturadaE formada com o ardorDa alma da mais linda florDe mais ativo olorQue na vidaÉ preferida pelo beija-florSe Deus Me fora tão clemente Aqui neste ambienteDe luzFormada numa telaDeslumbrante e belaO teu coraçãoJunto ao meu, lanceado, pregadoE crucificado Sobre a rósea cruzDo arfante peito teu

Tu ésA forma idealEstatua magistralOh! Alma perenal Do meu primeiro amorSublime amorTu ésDe Deus a soberana florTu ésDe Deus a criaçãoQue em todo coraçãoSepultas o amor O riso, a fé e a dorEm sândalos olentesCheios de sabor Em vozes tão dolentes Como um sonho em flor És Láctea estrela És mãe da realezaÉs tudo enfim que tem de beloE todo resplendorDa santa natureza

slide9

Perdão

Se ouso confessar-te Eu hei de sempre amar-teOh! FlorMeu peito não resisteOh! Meu Deus quanto é tristeA incerteza de um amor Que mais me faz penarEm esperarEm conduzir-te um dia ao Pé do altarJurar Aos pés do onipotenteEm preces comoventesDe dorE receber a unção De tua gratidão Depois, de remir, meus desejosEm nuvens de beijosHei de te envolverAté meu padecerDe todo o fenecer