II- TEORIA SOCIOLÓGICA – PRODUÇÃO HISTÓRICA - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
II- TEORIA SOCIOLÓGICA – PRODUÇÃO HISTÓRICA PowerPoint Presentation
Download Presentation
II- TEORIA SOCIOLÓGICA – PRODUÇÃO HISTÓRICA

play fullscreen
1 / 114
II- TEORIA SOCIOLÓGICA – PRODUÇÃO HISTÓRICA
292 Views
Download Presentation
gavrilla
Download Presentation

II- TEORIA SOCIOLÓGICA – PRODUÇÃO HISTÓRICA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. II- TEORIA SOCIOLÓGICA – PRODUÇÃO HISTÓRICA ATUALIDADE DOS CLÁSSICOS ANALISE CRITICO-COMPARATIVA Bibliografia básica: SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica- Marx, Durkheim, Weber. Petrópolis, Ed. Vozes, 2009.

  2. ATUALIDADE DOS CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA ANALISE CRITICO-COMPARATIVA

  3. A Sociologia ingressou na época do globalismo. [...] As três teorias sociológicas que mais influenciam as interpretações da globalização são o funcionalismo, o marxismo e a teoria weberiana. [...] Essas são três poderosas matrizes do pensamento científico na Sociologia, exercendo influências diretas e indiretas. Mesmo porque essas teorias nunca deixaram de contemplar o indivíduo, a ação social, o cotidiano e outras manifestações das diversidades da vida social. Estas teorias “fertilizam a maior parte de tudo o que se produz e se discute sobre as configurações e movimentos da sociedade global” Octavio Ianni

  4. Qual a real importância de Marx, Durkheim e Weber? Têm somente um valor histórico para compreender o processo de formação da sociologia? Para que Clássicos? São fundamentais para compreender a sociedade atual? Têm apenas um valor didático ou realmente são importantes para a compreensão da vida social moderna?

  5. 1. POR QUE OS CLASSICOS? Do ponto de vista teórico: as obras dos clássicos possuem um valor muito maior do que os clássicos das rígidas ciências naturais. Defensores da atualidade dos clássicos É importante o estudo dos clássicos Do ponto de vista histórico : desenvolveram diferentes linhas de pensamento (veja quadros abaixo)

  6. 1. POR QUE OS CLASSICOS? Que seja considerado interprete autêntico e único de seu tempo, cuja obra seja utilizada como instrumento indispensável para compreendê-lo. Do ponto de vista teórico: as obras dos clássicos possuem um valor muito maior do que os clássicos das rígidas ciências naturais. Que seja sempre atual, de modo que cada época, ou mesmo cada geração, sinta a necessidade de relê-lo e, relendo-o, de reinterpretá-lo. Que tenha construído teorias-modelo das quais nos servimos continuamente para compreender a realidade, até mesmo uma realidade diferente daquela a partir da qual as tenha derivado e à qual as tenha aplicado, e que se tornaram, ao longo dos anos, verdadeira e proprias categorias mentais.” “Considero classico um escritor ao qual possamos atribuir as seguintes caracteristicas: Norberto Bobbio, Teoria Geral de Política

  7. 1. POR QUE OS CLASSICOS? PARADIGMA POSITIVISTA/FUNCIONALISTA Do ponto de vista histórico PARADIGMA COMPREENSIVO/HERMENEUTICO PARADIGMA DIALÉTICO/MARXISTA

  8. PARADIGMA POSITIVISTA/FUNCIONALISTA AUTOR ETAPAS TEORIA Augusto Comte Positivismo Origem Funcionalismo Emile Durkheim Análise funcional Robert Merton Estrutural-Funcionalismo TalcottParsons Teoria sistêmica Desenvolvimento NiklasLuhmann Jeffrey Alexander Neo-funcionalismo Richard Munch

  9. PARADIGMA POSITIVISTA/FUNCIONALISTA Origem Robert Merton Análise funcional TalcottParsons Estrutural-Funcionalismo Positivismo Jeffrey Alexander Funcionalismo Neo-funcionalismo NiklasLuhmann Teoria sistêmica

  10. PARADIGMA COMPREENSIVO/HERMENEUTICO ETAPAS AUTOR TEORIA Origem Max Weber Teoria Compreensiva Alfred Schutz Max Scheler Desenvolvimento Teoria Fenomenológica Peter Berger/Thomas Luckman

  11. PARADIGMA COMPREENSIVO/HERMENEUTICO Origem Teoria Compreensiva Max Scheler Alfred Schutz Teoria Fenomenológica Teoria Fenomenológica Peter Berger/Thomas Luckman Teoria Fenomenológica

  12. PARADIGMA DIALÉTICO/MARXISTA TEORIA ETAPAS AUTOR Origem Materialismo Histórico Karl Marx Eduard Berstein/Karl Kaustsky Marxismo Revisionista Desenvolvimento Lenin/Trotski/Stalin Marxismo Leninismo Lucaks/Horkheimer/Adorno/Marcuse/Benjamin/Fromm Marxismo Ocidental

  13. PARADIGMA DIALÉTICO/MARXISTA Origem Eduard Berstein/Karl Kaustsky Marxismo Revisionista Lenin/Trotski/Stalin Marxismo-Leninismo Materialismo Histórico Lucaks/Horkheimer/Adorno/ Marcuse/Benjamin/Fromm

  14. 1. POR QUE OS CLASSICOS? O estudo da realidade brasileira no contexto do capitalismo global não dispensa o estudo da teoria social clássica senão corre-se o risco de precisarmos reinventar continuamente a roda. Mas, por outro lado, não devemos transformar os textos clássicos numa espécie de bíblia sagrada pretendendo aplicar as análises da realidade social européia do século XIX para compreender a realidade social brasileira e mundial do século XXI. Proposta para o ensino das Ciências Sociais – Nilson Nobuaki Yamzauti, REA,27/03/2010

  15. 1. POR QUE OS CLASSICOS? marxista (ou histórico-cultural vão inspirar outros pensadores que, refletindo sobre a realidade em que viveram, mesclando-se ou não contribuições de diferentes linhas teóricas, demonstraram a possibilidade de responder aos desafios do homem contemporâneo. As tres vertentes durkheimiana (ou funcionalista weberiana (ou compreensiva)

  16. 1. POR QUE OS CLASSICOS? Para Marx, a preocupação é conjunto dos indivíduos inseridos nas classes sociais. três modos diferentes de se posicionar diante da mesma questão Para Durkheim, a sociedade é tudo e o individuo deve ser submetido ao que é geral. Para Weber, o individuo e sua ação são os elementos constitutivos das ações sociais.

  17. 1. POR QUE OS CLASSICOS? O principio da integração social coesão e equilibrio O principio da coesão social Interesses e dominação O principio da contradição Conflito e transformação

  18. 1. POR QUE OS CLASSICOS? Três das mais importantes e recentes perspectivas teóricas • a abordagem do conflito, • o funcionalismo e • o interacionismo simbólico têm conexões diretas com Marx, Durkheim e Weber

  19. 1. POR QUE OS CLASSICOS? O apego da sociologia aos autores de sua fundação é sinal de imaturidade científica” (Robert Merton) Críticos sobre a atualidade dos classicos A sociologia não chegou ainda ao patamar de ciência estabelecida, com seria o caso da física, da biologia e mesmo da ciência econômica As ciências naturais respeitam seus fundadores, mas partem de um conjunto de premissas que são aceitas por todos. Positivistas Exemplo: apesar de suas divisões internas, os físicos se pautam pelas leis newtonianas, pela teoria da relatividade e da mecânica quântica, mas não ficam estudando as ideias de Bacon, Newton, etc. A sociologia não conseguiu ainda elaborar pressupostos seguros e definitivos, por isso os sociólogos são obrigados a se apoiar em autores isolados para sustentar suas posições.

  20. 1. A teoria sociológica : dimensão teórico-analitica) Em Marx, Durkheim e Weber podemos encontrar os problemas fundamentais para o estudo da sociologia 2.A teoria da modernidade : dimensão teórico-empírica 3.A teoria política : dimensão teórico-prática

  21. Demonstrar como Marx, Durkheim e Weber procuram elaborar os fundamentos filosóficos de suas teorias(epistemologia) e qual o método de cada uma para a realização da sua análise social Dimensão teórico-analítica Marx, Durkheim e Weber ofereceram diferentes explicações sobre o surgimento e as características da sociedade moderna Dimensão teórico-empírica Marx, Durkheim e Weber tinham visões diferentes sobre qual a fonte e a natureza dos problemas que afligiam a ordem social moderna e como estes desafios poderiam ser superados Dimensão teórico =-política

  22. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) Mostrar quais são os princípios filosóficos que servem de fundamento para cada teoria 1. Epistemologia Ramo da filosofia que trata dos fundamentos do conhecimento em geral e da ciência em particular Esclarecer como este princípios filosóficos influenciam e condicionam as propostas teóricas da sociologia É através da determinação do objeto de estudo da sociologia e de seus procedimentos de pesquisa que os clássicos do pensamento social ajudaram a definir o que ainda hoje entendemos por sociologia. 2. Metodologia È o aspecto central da teoria sociológica

  23. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA)

  24. Influências Intelectuais DURKHEIM • Positivismo – partindo de Descartes(1650) e passando por Comte(1857), Durkheim retoma a ênfase no poder da razão (Iluminismo) e na superioridade da ciência. Seu objetivo é fundar uma sociologia verdadeiramente “cientifica’, capaz de descrever as leis do funcionamento da sociedade e orientar o seu comportamento. • Evolucionismo - a ideia de aplicar a noção de evolução, elaborada por Darwin para o estudo da sociedade já tinha sido iniciada por Spencer(1903). • Conservadorismo – Edmund Burke(1797),De Maistre(1821) e De Bonald(1840) são filósofos que se opuseram às transformações trazidas pela Revolução Francesa(1789). Criticavam o domínio da razão na idade moderna. Para muitos, Durkheim possui sias raízes nestas teorias conservadoras, embora ele não rejeite a noção de progresso asa conquistas da sociedade moderna. • Idealismo - a influência de Kant( 1804) está ligada à sua formação universitária e a influência de filosofosneo-kantianos, embora ignorasse as ideias de Weber((1920).

  25. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) Teoria sociológica As ciências sociais devem pautar-se pelos mesmos metodos das ciências naturais pois o mundo natural e a realidade social estão submetidos aos mesmos mecanismos da regularidade social Retomada da visão positivista do método cientifico : Epistemologia A explicação da vida social tem seu fundamento na sociedade e não no individuo A tese do coletivo ou do social como ponto de partida logico na explicação do fenômenos sociais A sociedade é muito mais do que a soma dos indivíduos que a compõem

  26. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) A explicação da realidade está condicionada ao objeto Concepção empirista do conhecimento que é entendido como fruto da experiência que a própria realidade vai imprimindo no sujeito A sociedade tem a mesma dinâmica do funcionamento da natureza: é concebida como algo objetivo que tem suas próprias leis de funcionamento. Epistemologia positivista O método sociológico deve proceder a partir dos mesmos princípios das ciências naturais A sociologia deve estabelecer um sistema de leis e teoria que forneçam uma explicação sobre o comportamento dos indivíduos e o funcionamento da própria sociedade.

  27. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) Metodologia Os fatos sociais são exteriores e coercitivo Conceito de fato social e função social Os fatos sociais tem como função a preservação e a consevação da sociedade A sociedade é que determina o comportamento dos indivíduos Concepção estruturalista Visão funcionalista: o mundo social é visto como algo objetivo que tem suas próprias leis A sociedade é uma realidade estruturada que vai moldando a ação individual

  28. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) Objeto de estudo: Fato Social Observação: fato social como coisa Classificação: normal x patológico Explicação: a função social Metodologia TEORIA SOCIOLOGICA “Holismo metodológico Herança - “Analise funcionalista” Na Sociologia: Parsons(1979) Merton(2003) Jeffrey Alexander James Coleman Richard Munch Na Antropologia: Malinowski(1942) Radclife-Brown(1955)

  29. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA)

  30. MAX WEBER Influências Intelectuais • Pensamento Filosofico - a filosofia de Kant (1804) que afirma que o sujeito possui peso preponderante no conhecimento da realidade a partir das categorias a priori que são inerentes ao intelecto e as ideias de Nietzsche (1900), um dos principais críticos do racionalismo. De Nietzsche Weber herdou também uma visão pessimista da sociedade moderna. Pensamento econômico -dialogo com as principais correntes econômicas do seu tempo, pois foi professor de economia Pensamento social –suas teses a respeito da economia e da sociedade moderna estão relacionadas com os principais pioneiros do pensamento sociológico alemão como Tonnies(1911),Simmel(1918), Troeltsch(1922

  31. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) TEORIA SOCIOLOGICA A principal preocupação dos filósofos neokantianos era combater o pressuposto positivista de que as ciências da natureza e as ciências sociais não possuíam qualquer diferença de principio Enquanto as ciências naturais têm como objeto a natureza, as ciências sociais estudam a experiência vivida e o mundo social como criação do espirito humano A especificidade das ciências sociais As ciências naturais fazem uso do principio da “explicação”, enquanto as ciências sociais se articulam em torno do principio da “compreensão” Epistemologia As ciências sociais são ciências nas quais existe uma “relação com os valores”, os objetos são selecionados conforme os valores culturais inerentes ao mundo social Os conceitos são construídos a partir do sujeito e não do objeto de estudo Tipos ideais Isto se faz a partir dos interesses do sujeito Não reproduzem pois a realidade tal como ela é em si mesma

  32. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) Ao contrario do positivismo, sustenta que o sujeito é o principal responsável para a elaboração do processo do conhecimento o sujeito tem o papel de ordenar os dados da experiência segundo categorias lógicas que são inatas (denominadas “a priori”) ou seja independem da experiência. Origens em Kant Abordagem hermenêutica ou fenomenológica da realidade social Epistemologia Weberiana Hermenêutica: interpretação Fenomenológica: ligada ao modo como o sujeito percebe a realidade A sociedade não pode ser concebida como algo exterior ao homem: é fruto da ação dos sujeitos sociais. Ponto de partida : o indivíduo A sociologia tem método próprio. Cabe ao sociólogo compreender (verstehen) o significado ou o sentido conferido pelo sujeito às suas condutas e à estrutura social

  33. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) Metodologia A ação social é sempre uma conduta que tem um sentido e é referida a outro sujeito Conceitos básicos: ação e compreensão social Cabe à sociologia captar e entender o significado das condutas sociais, das suas interações e das instituições nas quais a ação humana está objetivada (leis,costumes, igreja, Estado,etc) Concepção individualista da sociedade A realidade não pode ser concebida como algo exterior ao individuo, mas tem como ponto de partida o individuo A ação do individuo como determinante da estrutura social

  34. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA)

  35. Jovem Marx Ideologia Alemã Marx Maduro Marx Filosofo 1846 Marx economista Louis Althusser(1991) – as obras da primeira fase são pré-marxistas porque ele ainda não tinha formado o núcleo básico de seu pensamento e dependia das ideias de Feuerbach. Somente a partir de 1845 que aconteceu uma ruptura epistemológica mediante a qual ele estabelece uma visão cientifica da sociedade fundada na analise do capitalismo. Henri Lefebvre(1991) e Georg Lukacs (1971) – acham a visão acima fortemente “positivista” e insistem no caráter “humanista” e dialético do pensamento de Marx. Procuram demonstrar que as premissas filosóficas de Marx foram elaboradas já na fase inicial de seu pensamento e que, longe de haver uma ruptura, existe uma continuidade.

  36. KARL MARX Influências Intelectuais • Filosofia Alemã - Marx fez parte da “esquerda hegeliana” que embora adotasse o método dialético de Hegel( 1831) tinha uma atitude critica diante do pensamento deste autor. • Socialismo utópico - embora já tivesse conhecimento do socialismo, é na França que ele vai ter um contato mais próximo com autores com Fourier(1837), Proudhom(1865) que ele denomina de “socialistas utópicos”. Embora façam critica ao capitalismo, estariam equivocados ao não fazerem uma analise das leis do funcionamento do capitalismo e ao não reconhecerem a classe operaria como a única possibilidade da construção do socialismo. Seu socialismo seria “cientifico”.. Economia politica - realizou um profundo e longo estudo da ciência econômica para mostrar as leis do funcionamento do modo de produção capitalista e apontar as possibilidades de sua superação. Aproveitou a contribuição de Adam Smith(1790) e David Ricardo(1823) que tinham apontado o trabalho como elemento chave para se entender a economia

  37. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) TEORIA SOCIOLOGICA 1. Hegel 2 Marx, critico de Hegel 3. Feuerbach 4. Marx, critico de Feuerbach e a alienação 5. Dialeticae epistemologia sociológica Materialismo Dialetico Epistemologia

  38. TEORIA SOCIOLOGICA A principal herança que Hegel deixou no pensamento de Marx é a adoção do método dialético A realidade é explicada como “devir”, ou seja em constante transformação Materialismo Dialetico Parmenides Heraclito Do ponto de vista ontológico Toda realidade é contraditória, contem em si a sua própria negação Idealismo Dialetica Do ponto de vista metodoloigico A contradição se faz por meio de três momentos: tese, antítese e síntese, 1. Hegel antítese tese síntese Momento de superação Momento de afirmação Momento de negação

  39. TEORIA SOCIOLOGICA Embora não rejeite o método dialético, Marx afirma que seu pensamento estava de cabeça para baixo Materialismo Dialetico O primeiro pressuposto básico da historia é que os homens devem estar em condições de viver para fazer historia. A primeira realidade histórica é a produção da vida material. O segundo pressuposto é que tão logo a primeira necessidade é satisfeita, a ação de satisfazê-la e o instrumento já adquirido para esta satisfação criam novas necessidades. E essa produção de necessidades é o primeiro ato histórico. 2. Critica a Hegel Ao contrario de Hegel, os pressupostos de seu pensamento são indivíduos reais, sua ação e condições materiais de vida. O terceiro pressuposto existente desde o inicio da evolução histórica é o de que os homens, que renovam diariamente sua própria vida, se põem a criar outros, a se reproduzirem, é a relação entre homem e mulher, pais e filhos – é a família Segue-se um quarto pressuposto de que um modo de produção ou um estagio industrial está sempre ligado a um modo de cooperação. A massa das forças produtivas determina o estado social O quinto pressuposto é o homem tem consciência que nasce da necessidade, portanto é um produto social. O ponto de partida não é o pensamento(idealismo dialético,) mas a vida material(materialismo dialético)

  40. TEORIA SOCIOLOGICA Na visão tradicional parte-se do concreto para chegar ao abstrato Materialismo Dialetico Para Marx: O ponto de partida é o abstrato para a partir dele chegar ao concreto. Deve-se partir dos conceitos mais abstratos, porque eles contem menos determinações. 2. Critica a Hegel O concreto é concreto porque é a síntese de muitas determinações. Porque ele contem muitas determinações, ele pode ser concebido como a reprodução da realidade. É o concreto pensado. Conceito de totalidade: a realidade é resultado da práxis social dos indivíduos e das múltiplas estruturas por eles criadas. É o contrario da filosofia alemã que desce do céu à terra. Mas se ascende da terra ao céu: é a matéria que determina o pensamento.

  41. TEORIA SOCIOLOGICA Busca substituir o idealismo de Hegel por uma postura materialista: Não foi Deus que inventou o homem, o homem que criou Deus. O homem não é a imagem e semelhança de Deus, Deus é a imagem e a semelhança do homem. Materialismo Dialetico Critica o aspecto religioso da filosofia hegeliana, A religião é uma forma de alienação. . A religião é uma projeção dos desejos do homem. 3.Feuerbach A religião e a ideia de Deus representam a separação do homem de sua essência. O homem está separado do seu próprio ser: alienação.

  42. TEORIA SOCIOLOGICA Feuerbach parte do individuo como ser isolado e não dos homens como sujeitos de suas relações sociais. Materialismo Dialetico Alienação do produto do seu proprio trabalho 4 Critica a .Feuerbach Marx reteve de Feuerbach a ideia de alienação Alienação do processo de produção Alienação de sua propria natureza humana Alienação do homem de sua propriaespecie

  43. TEORIA SOCIOLOGICA Aceita o método e rejeita o conteúdo Dialética de Hegel Materialismo Dialético Marxismo Aceita o materialismo e rejeita a visão estática da realidade Materialismo de Feuerbach 5, Dialética e Epistemologia sociologica Lei da passagem da quantidade à qualidade Conjunto de leis que explicam a evolução da natureza e da sociedade Dialética Lei da interpenetração dos contrários Lei da negação da negação Determinismo e evolucionismo da realidade Positivismo: a realidade possui leis que explicam o seu desenvolvimento Não há distinção entre ciência naturais e sociais Dupla interpretação A dialética aplica-se como método apenas no campo das ciências sociais Marx nunca pretendeu explicar o funcionamento das formas de vida da natureza

  44. A TEORIA SOCIOLÓGICA : DIMENSÃO TEÓRICO-ANALITICA) Metodologia Compreensão da sociedade: infra-estrutura e super-estrutura A esfera econômica é a base da organização politica Texto do Prefacio Determinismo economico Centralidade dos fatores econômicos A estrutura determinante sobre o individuo Positivismo ? “Os homens é que fazem a sua propria história mas não a fazem como querem,não a fazem sob circunstancias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pela passado”

  45. Metodologia Base do método sociológico Materialismo Historico A historia não é fruto do Espirito Absoluto (Hegel) mas fruto do trabalho humano O estudo da sociedade começa quando tomamos consciência de que “ o modo de produção da vida material condiciona o desenvolvimento da vida social, politica e intelectual em geral” (texto do Prefacio). O método de analise sociológica de Marx pode ser apresentado desta forma: Superestrutura politica Superestrutura ideológica (superestrutura jurídica e politica) (formas sociais deconsciência) Infraestrutura = forças produtivas+ relações de produção (estrutura econômica da sociedade)

  46. Metodologia Transformação da natureza Trabalho: elemento fundamental Materialismo Historico Reprodução da existência humana Dimensões do processo de trabalho 1. Infraestrutura Relações dos homens entre si Relações do homem com a natureza Relações que os homens estabelecem entre si no processo de produção Mediada pela matéria prima e pelos instrumentos de trabalho Forças produtivas Relações de Produção Modo de Produção

  47. Metodologia Partindo da analise das relações de produção, Marx constatou que a sociedade se dividia em classes sociais Materialismo Historico As classes sociais surgem quando um grupo social se apropria das forças ou meios de produção e se torna proprietário dos instrumentos de trabalho 2. Superestrutura Proprietários dos meios de produção Classes fundamentais Não proprietários Garantia de dominioeconomico: pela força e pelas leis voltadas para os interesses da classe dos proprietarios Estado Instrumentos de dominação Um conjunto de representações da realidade que servem para legitimar e consolidar o poder das classes dominantes Ideologia

  48. Metodologia As sociedades mudam quando os homens alteram o modo de produção Materialismo Historico Alteram as relações de produção (classes) No processo historico, as mudanças das forças de produção) 3. A historia segundo Marx Produzem novas classes dominantes (Estado) Produzem novas formas de compreender a realidade (ideologia) Embora Marx não forneceu explicações detalhadas de cada um dos momentos da evolução social, os estudiosos do marxismo reconstruíram cada uma destas fases:

  49. Evolução histórico-social na visão de Marx, mesclando um esquema didático(baseado na distinção infra e superestrutura) com algumas referencias tiradas do próprio autor, principalmente de A Ideologia Alemã. O primeiro modo de produção corresponde à fase não desenvolvida da produção, em que o povo se alimenta da caça e da pesca, da criação de gado, ou, no máximo, da agricultura Modo de produção primitivo Ideologia Religião Primitiva Estado Organização Tribal Relações de Produção Propriedade coletiva Forças Produtivas Cultivo comum da terra