slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
O PAPEL DOS GERENTES PowerPoint Presentation
Download Presentation
O PAPEL DOS GERENTES

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 56

O PAPEL DOS GERENTES - PowerPoint PPT Presentation


  • 221 Views
  • Uploaded on

O PAPEL DOS GERENTES . Prof. Evaristo M. Neves. E-mail: emneves@esalq.usp.br. O papel dos gerentes. Surgimento de estudos de gerência: com o romano Plutarco (46-120), que estudou bibliografias comparativas 2 a 2 (ex. César e Alexandre);

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

O PAPEL DOS GERENTES


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

O PAPEL DOS GERENTES

Prof. Evaristo M. Neves

E-mail: emneves@esalq.usp.br

o papel dos gerentes
O papel dos gerentes
  • Surgimento de estudos de gerência: com o romano Plutarco (46-120), que estudou bibliografias comparativas 2 a 2 (ex. César e Alexandre);
  • Séculos depois, ganha projeção com a escola do processo administrativo com Henry Fayol (1841-1925), com o livro “Administração geral e industrial” (1916).
fun es da empresa segundo fayol
Funções da empresa, segundo Fayol

EMPRESA

Função de Contabili-dade

Função Adminis-tração

Função Comercial

Função Financeira

Função de Segurança

Função Técnica

Planejamento Organização Comando Coordenação Controle

fun es da empresa segundo fayol4
Funções da empresa, segundo Fayol
  • Técnica (produção, manufatura);
  • Comercial (compra, venda, troca);
  • Financeira (procura e utilização de capital);
  • Segurança (proteção da propriedade e das pessoas);
  • Contabilidade (registro de estoques, balanços, custos, estatísticas);
  • Administração (planejamento, organização, comando, coordenação e controle).
slide5

Componentes da função administrativa

  • Planejamento: consiste em examinar o futuro e traçar um plano de ação a médio e longo prazos;
  • Organização: montar uma estrutura humana e material para realizar o empreendimento;
  • Comando: manter o pessoal em atividade em toda a empresa;
  • Coordenação: reunir, unificar e harmonizar toda a atividades e esforço;
  • Controle: cuidar para que tudo se realize de acordo com os planos e as ordens.
princ pios da administra o segundo fayol
Princípios da administração, segundo Fayol

Cadeia Escalar;

Ordem;

Centralização;

Eqüidade;

Disciplina;

Estabilidade do Pessoal;

Iniciativa;

Espírito de Equipe.

  • Divisão do Trabalho;
  • Autoridade e Responsabilidade;
  • Unidade de Comando;
  • Unidade de Direção;
  • Remuneração do Pessoal;
  • Subordinação do Interesse Individual ao Interesse Geral.
o princ pio de peter
O Princípio de Peter

Princípio de Peter: todos atingem um dia seu nível de incompetência. Um especialista muito competente pode se tornar um administrador incompetente, desde que continue a raciocinar e a se comportar como especialista, sem conseguir assumir o papel e as responsabilidade de administrador.

slide8

POSDCORB

Final dos anos 30: POSDCORB (planejamento, organização, alocação de pessoal, direção, coordenação, controle e orçamentação).

Finalmente, o uso consagrou a definição do processo administrativo com 4 funções básicas: planejamento, organização, direção (ou liderança) e controle.

fun es do executivo segundo barnard
Funções do executivo, segundo Barnard

E

X

E

C

U

T

I

V

O

Incutir senso de propósito moral

F

U

N

Ç

Õ

E

S

Trabalhar com a organização informal

Facilitar a comunicação

Tomar decisões

Entender a aceitação da autoridade

10 pap is gerenciais segundo mintzberg
10 papéis gerenciais, segundo Mintzberg
  • Empreendedor
  • Controlador de distúrbio
  • Administrador de recursos
  • Negociador

PAPÉIS DE DECISÃO

  • Figura de proa
  • Líder
  • Ligação
  • Monitor
  • Disseminador
  • Porta-voz

PAPÉIS INTERPESSOAIS

PAPÉIS DE INFORMAÇÃO

rosemary stewart e as escolhas gerenciais
Rosemary Stewart e as Escolhas Gerenciais

EXIGÊNCIAS

RESTRIÇÕES

DECISÕES

o gerente segundo a escola cl ssica
O Gerente, segundo a Escola Clássica
  • O gerente é o personagem principal do processo administrativo;
  • O gerente tem subordinados;
  • Subordinados obedecem;
  • O gerente é sinônimo de administração.
todos s o gerentes
Todos São Gerentes

Segundo a maneira não-tradicional, não-convencional:

  • Todos são (ou podem ser) gerentes;
  • Administração e gerentes são conceitos distintos;
  • Participação no lugar de direção.
n veis de administra o
Níveis de Administração
  • Alta administração;
  • Supervisores de primeira linhas;
  • Gerências intermediária.
slide16

Até os anos 80, os 3 níveis principais de administração se dividiam em inúmeros escalões gerenciais, que concentravam poder de decisão e informação no topo da pirâmide. Comunicação fragmentada e burocracia excessiva eram as conseqüências.

Diretores Vicediretores Assessores

Alta Administração

Ger. de divisão

Ger. de departamento

Ger. de seção

Gerência Intermediária

Supervisores

Mestres

Líderes de turmas

Supervisão de

Primeira Linha

slide17

As estruturas gerenciais dos anos 90 são “achatadas”: pequeno número de gerentes em cada nível de administração e grupos autogeridos na base da pirâmide.

Diretores

Alta Administração

e Assessores

Gerência Intermediária

Ger. de departamento

Supervisão de

Primeira Linha

Líderes de grupos autogeridos de trabalho

habilidades gerenciais segundo katz
Habilidades gerenciais, segundo Katz

Habilidades

Conceituais

Habilidades

Humanas

Habilidades

Técnicas

Administração Superior

Gerência Intermediária

Supervisão de Primeira Linha

as habilidades segundo mintzberg
As habilidades, segundo Mintzberg
  • De relacionamento com colegas:
    • Construção de uma rede de contatos;
    • Comunicação formal e informal;
    • Negociação;
    • Política.
  • De liderança:
    • Indispensáveis para orientação, treinamento, motivação e uso da autoridade junto à equipe.
slide20

As habilidades, segundo Mintzberg

  • De resolução de conflitos:
    • Habilidade interpessoal de arbitrar conflitos entre pessoas e de tomar decisões para resolver distúrbios. Requer a tolerância a tensões.
  • De processamento de informações:
    • Aprender a construir redes informais e desenvolver habilidades de comunicações (expressar eficazmente suas idéias e falar oficialmente como representante da empresa).
slide21

As habilidades, segundo Mintzberg

  • De tomar decisões em condições de ambigüidade:
    • Situações não são estruturadas (situações imprevistas que precisam ser diagnosticadas, o fato de enfrentar inúmeros problemas e necessidade de tomar decisões em curtos períodos). Ambigüidade é o que acontece quando o gerente tem poucas informações para lidar com estas situações.
  • De alocação de recursos:
    • Lidar com recursos limitados e racionalidade no seu uso. Definição de prioridade, a fim de que as escolhas sejam as melhores.
slide22

As habilidades, segundo Mintzberg

  • Empresariais:
    • Envolvem a busca de problemas e oportunidades e a implementação controlada de mudanças organizacionais (criar o clima para encorajar o espírito empresarial).
  • De introspecção:
    • Capacidade de reflexão e auto-análise. A capacidade de aprender com a próprio experiência está acima de qualquer outra técnica de aprendizagem.
ger ncia em sete passos jan wiegerinck
Gerência em Sete Passos Jan Wiegerinck

Caminho da Liderança:

  • Determinação de objetivo: Saber o que se deseja realizar. Para isso é necessário, antes, adquirir conhecimentos. Conhecer a empresa, seu ambiente, potencial e o que pode ser bom para ela.
  • Planejamento: O gerente deve planejar para transformar os recursos de que dispõe nos resultados que deseja alcançar. Planejando, ele se dará conta de que normalmente falta tempo, pessoal e dinheiro para fazer tudo, e o planejamento ajuda a restabelecer prioridades.
slide24

Gerência em Sete Passos Jan Wiegerinck

3. Organização: Para conseguir se organizar, existem basicamente duas ferramentas: descrições de cargos e organograma da empresa. Na primeira, não se pode faltar a informação sobre o que a pessoa deve fazer. Na segunda, o objetivo maior é executar as funções de forma coordenada.

4. Estruturação do trabalho: Para atingir seus objetivos pessoais e profissionais o gerente tem de estruturar seu próprio cargo e trabalho e duas coisas vão ajudá-lo nisso: a descrição de seu cargo e a administração do tempo.

slide25

Gerência em Sete Passos Jan Wiegerinck

5. Transformação de pessoas em equipes: Aqui, o gerente compõe o grupo com que deverá trabalhar para concretizar os objetivos. Envolve seleção dos integrantes, respostas a suas expectativas e a adesão de todos ao objetivo que se pretende. E por fim ajudar a todos na capacitação para execução das tarefas.

Segundo Wiegerinck, “A equipe é sempre a cara do gerente” e “É principalmente o chefe que faz com que as pessoas tenham vontade de trabalhar numa empresa ou dela sair na primeira oportunidade”

slide26

Gerência em Sete Passos Jan Wiegerinck

6. Avaliação de desempenho: Uma das funções do gerente é medir o desempenho: da empresa, de si mesmo e de cada um de seus colaboradores na equipe. A finalidade dessa avaliação é verificar se os objetivos foram alcançados, se o planejamento foi cumprido, conhecer e compreender as causas dos êxitos e dos fracassos.

7. Mudança: A natureza humana não muda e é uma das principais realidades com as quais o gerente lida. Mas outras coisas se modificam: necessidades dos clientes, recursos, meios de produção, matérias-primas etc. Mudam os conhecimentos e as habilidades humanas, que qualificam as pessoas. Assim, a mudança é decorrência natural do sexto passo, a avaliação.

slide27

Gerência em Sete Passos Jan Wiegerinck

Competências:

  • Aconselhar: saber receber e dar conselhos. Colaboradores sentem necessidade de falar sobre seus problemas profissionais e pessoais
  • Administrar conflitos: ouvir e fazer críticas; corrigir colaboradores, administrar desacordos, intermediar disputas.
  • Corrigir e criticar: nunca o faça na frente dos outros, mas sempre a sós com o colaborador.
  • Dar ordens: A ordem deve ser justa, clara, objetiva, personalizada e deve passar certeza, sem ameaça de contra-ordem.
slide28

Gerência em Sete Passos Jan Wiegerinck

  • Enfrentar emergências: treine seu pessoal e tome constantemente medidas programadas para enfrentar imprevistos.
  • Negociar: é uma atividade que deve ser conduzida pela razão. E ser metódico e paciente ajuda muito mais do que ser agressivo.
  • Escutar: não faça anotações enquanto a pessoa fala; respeite o silêncio entre as frases; tente olhar nos olhos da pessoa.
  • Participar das reuniões: faça com que o tempo e o esforço dedicado sejam produtivos; coloque as pessoas à vontade; seja imparcial, trate todos com igualdade; não conteste.
slide29

Gerência em Sete Passos Jan Wiegerinck

  • Tomar decisões: essa é uma parte integrante da função dos gerentes; para tanto, use sua capacidade de julgar; saiba ver as coisas com objetividade e imagine como devem ficar; use sua capacidade criativa.

Responsabilidade gerencial: fazer o que for necessário para atingir os objetivos traçados ou de evitar que aconteça o que não foi programado. “...é a obrigação de arcar com as conseqüências oriundas de seus próprios atos ou omissões ou, em determinados casos, de outros.” (J. Wiegerinck)

Fonte: Estado de São Paulo, 21 de dezembro de 2008, Ce 2, Empregos – Extraído do livro: Gerência em Sete Passos de Jan Wiegerinck.

slide30

ANEXO

Desvios e distorções na gerência: assédio moral

slide31

Desvios e distorções na gerência: assédio moral

“Assédio moral no trabalho é definido como qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, comportamento, atitude...) que atente, por sua repetição ou sistematização, contra a dignidade ou integridade psíquica ou física de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho” (Marie-France Hirigoyen, 2002 / Livro “Assédio moral: a violência perversa no cotidiano”)

slide32

Resultados da pesquisa:

20 métodos de assédio moral (algumas atitudes hostis e propositais no ambiente de trabalho)

retirar da vítima a autonomia;

não repassar informações úteis para a realização de tarefas;

contestar sistematicamente suas decisões;

criticar seu trabalho de forma injusta ou exagerada;

retirar o trabalho que normalmente lhe compete;

dar-lhe permanentemente novas tarefas;

atribuir-lhe proposital e sistematicamente tarefas inferiores ou muito superiores a sua competência;

atribuir-lhe tarefas humilhantes;

slide33

Resultados da pesquisa:

20 métodos de assédio moral (algumas atitudes hostis e propositais no ambiente de trabalho)

Pressionar para não fazer valer direitos como férias, horários e prêmios;

agir de modo a impedir uma promoção;

dar-lhe deliberadamente instruções impossíveis de executar;

não levar em conta recomendações de ordem médica indicadas pelo médico do trabalho;

induzir a vítima ao erro;

enviar comunicados apenas por escrito;

ameaçar com violência física ou tratar com gritos;

slide34

Resultados da pesquisa:

20 métodos de assédio moral (algumas atitudes hostis e propositais no ambiente de trabalho)

superiores hierárquicos ou colegas param de dialogar com a vítima, recusando qualquer contato, até visual;

colocar a vítima em um lugar separado dos outros;

os chefes ignoram sua presença, dirigindo-se apenas aos colegas;

qualquer pedido de entrevista à direção é recusado;

superiores ou subordinados desacreditam da vítima perante os colegas, que zombam de suas deficiências;

slide35

Radiografia do mal (pesquisa feita com 193 vítimas de assédio moral)

43% das vítimas tinham entre 46 e 55 anos;

70% eram mulheres;

58% sofreram ações de isolamento e recusa de comunicação;

56% ataques contra dignidade;

53% degradação das condições de trabalho;

31% ameaças verbais, físicas ou sexuais;

58% o assédio veio de uma hierarquia superior;

45% a duração do assédio foi de 1 a 3 anos;

74% tiveram que interromper o trabalho (138 dias em média);

66% foram efetivamente excluídas do mundo do trabalho, pelo menos temporariamente;

26% trabalhavam com gestão, contabilidade ou funções administrativas

slide36

ANEXO

Motivação no trabalho: como ser um bom chefe e ganhar produtividade

Psicóloga Aparecida Tozatti Corte

slide37

Bom chefe

Mau chefe

orienta;

entusiasma;

torna o trabalho interessante e agradável;

solicita a cooperação de seus auxiliares;

ajuda;

assume responsabilidade;

acompanha;

promove a dignidade do elemento humano.

manda;

amedronta;

torna o trabalho humilhante e cansativo;

baseia-se na autoridade;

atrapalha;

procura culpados;

fiscaliza;

desmoraliza.

slide38

Dicas ao delegar

Psicóloga Aparecida Tozatti Corte

DELEGUE: não queira fazer tudo sozinho. Você precisa se desvencilhar das tarefas rotineiras e se dedicar ao futuro do seu negócio.

TREINE: ensine a maneira correta de realizar uma tarefa, pois ninguém nasce sabendo, ou se sabe, pode não ser o seu jeito de fazer.

slide39

Dicas ao delegar

Psicóloga Aparecida Tozatti Corte

ACOMPANHE: certifique-se de que as tarefas foram compreendidas e estão sendo realizadas da maneira correta.

COBRE RESULTADOS: informe seu colaborador dos prazos a serem cumpridos.

slide40

Dicas ao delegar

Psicóloga Aparecida Tozatti Corte

COMPROMETA-SE COM RESULTADOS: mostre como o trabalho dele é importante dentro do todo, fale dos prazos, das exigências do mercado, da concorrência.

DÊ ATENÇÃO: tenha sempre tempo para atender a solicitação de um empregado, mesmo que o assunto não seja trabalho.

slide41

Dicas ao delegar

Psicóloga Aparecida Tozatti Corte

ELOGIE: na hora em que o trabalho ocorreu, seja breve e sincero.

NÃO DEIXE PERGUNTAS SEM RESPOSTAS: é melhor ouvir “não” do que não ter resposta alguma.

Cuide da saúde e segurança de seu colaborador, pois se ele se ausentar, não irá produzir.

slide42

Doze (12) Atitudes Gravíssimas

“ Como ser promovido a chefe e, em poucos minutos, ser despedido”

Ser uma pessoa temperamental, de difícil relacionamento e mal-educada;

Ser descuidado com a aparência e com higiene pessoal;

Não saber trabalhar em equipe;

Não trabalhar com empenho, com vontade;

Ser preconceituoso;

slide43

Doze (12) Atitudes Gravíssimas

Ser mau-caráter;

Ser uma pessoa negativa, pessimista e “reclamona”;

Não saber ouvir;

Ser inflexível nas opiniões e valores;

Não ter jogo de cintura;

Ser atrapalhado, ter dificuldade de se comunicar;

Ser medíocre e não se encaixar na CULTURA, nos valores e no ambiente da empresa.

slide44

Quem é o novo gerente

  • A formação acadêmica é apenas um dos ingredientes do seu “background”, ou seja, é o “básico do seu currículo;
  • Sua contribuição para a empresa envolve vários outros elementos trazidos na bagagem, inclusive práticas pessoais;
  • Trabalho voluntário, projeto sociais e questões ambientais são temas pelos quais nutre interesse;
slide45

Quem é o novo gerente

  • Considera estratégico obter lucro a partir de produtos e serviços socialmente e ambientalmente responsáveis;
  • Tem uma visão holística de gestão que integra à empresa, os profissionais, a comunidade, o mercado e o planeta;
  • Não defende mais a necessidade de separar o profissional do pessoal, percebe o indivíduo como um todo;
slide46

Quem é o novo gerente

  • Posiciona-se na empresa como um ser humano e não tem vergonha de expressar suas emoções no trabalho;
  • Sabe os nomes dos seus colaboradores e há diálogo suficiente para conhecer um pouco a vida deles;
  • Fomenta a cooperação como estratégia para a obtenção de resultados em vez da competitividade;
slide47

Quem é o novo gerente

  • É contratado por empresas que perseguem a longevidade e que não estão interessadas apenas em resultados a curto prazo.

(Consultores em RH – James C. Hunter, “O Monge e o Executivo” – Edit. Sextante)

Recomendações Importantes

“Só conseguimos lidar com pessoas se soubermos lidar com a pessoa que mora dentro de nós” (S. R. Azevedo)

“Para ser um gerente padrão é preciso, de saída, aprender a se autogerenciar” (E.M.Neves)

slide48

Qual o perfil do executivo e/ou gerente com alta empregabilidade?

Resultados da pesquisa conduzida pela Consultoria DBM do Brasil por 17 anos, reunindo 4.500 entrevistas pessoais e testes psicológicos das 500 maiores empresas com sede no Brasil – Rev. Você S.A., fev.2006, ed.02, p.28-31.

  • Principais conclusões:
  • Não é seu conhecimento técnico, mas sim seu comportamento é que o diferencia na empresa e diante dos concorrentes;
  • São 6 habilidades comportamentais que fazem a diferença no desempenho de atividades de gerente. Na ordem: comunicação, adaptação, liderança, independência, criatividade e ansiedade
slide49

Qual o perfil do executivo e/ou gerente com alta empregabilidade?

  • Principais conclusões:
  • Essas competências, manifestadas em maior ou menor grau, podem beneficiar ou prejudicar a ascensão profissional do gerente;
  • Além disso, o ponto ótimo com que as habilidades aparecem para formar o profissional perfeito muda ao longo do tempo.
comunica o
Comunicação
  • Capacidade de envolver os demais e de expor idéias com clareza, lógica e precisão;
  • No passado era exigida para o depto. de vendas e para o de relações públicas. Para profissionais de finanças e administração, bastava o conhecimento técnico;
  • Hoje é requisito para todos, pois quem só tem conhecimento técnico não chega a executivo, não passa do cargo de gerente.
adapta o
Adaptação
  • Capacidade de mudar rapidamente de acordo com o cenário (da empresa), com o panorama de mercado ou com a nova cultura (seja da companhia ou do país);
  • O executivo (ou gerente) que não tiver essa habilidade terá problemas para manter sua posição;
  • As mulheres apresentam melhor capacidade de adaptação.
lideran a
Liderança
  • Habilidade para resolver problemas racionalmente; de manter as pessoas focadas e motivadas;
  • Habilidade de ajudar sua equipe a se desenvolver, alinhando suas necessidades e valores aos da empresa. “Quando funcionários estão conscientes de seu papel na empresa, gostam do que fazem e acreditam nos valores da organização”.
independ ncia
Independência
  • Habilidade de tomar decisões difíceis e executá-las, mesmo quando o profissional não tem quem o oriente;
  • É o sujeito a quem você delega os objetivos e ele entrega os resultados;
  • Está associada a profissionais combativos, ousados e pró-ativos.
criatividade
Criatividade
  • No mundo corporativo não tem grande repercussão como as anteriores. A explicação é que as companhias estão focadas no resultado de curto prazo e, este, poda a criatividade;
  • “Eu costumo dar nota 3 a uma boa idéia e 10 a uma boa idéia implementada” (Fernando Tigre da empresa Kaiser);
  • Criatividade deve vir atrelada a resultado.
ansiedade
Ansiedade
  • Habilidade relacionada à forma como o profissional lida com a tensão.
  • É desejada quando o gerente consegue picos de produtividade;
  • Já, o excessivamente ansioso perde o foco nos objetivos, gera tensão na equipe (estressa o time), pois a velocidade com que cobra os subordinados é maior do que o tempo para a realização do trabalho;
  • Níveis elevados de ansiedade estão associados a baixo desempenho. As empresas hoje são ambientes pouco tolerantes com os ansiosos.
ansiedade56
Ansiedade

Como controlar(orientações do Ambulatório de Ansiedade - Ambam – do Instituto de Psiquiatria da USP):

  • Agende os compromissos por ordem de urgência. Há sempre algo que possa ser adiado para o dia seguinte;
  • Faça exercícios físicos regularmente;
  • Tenha uma alimentação saudável. Má alimentação pode causar queda da taxa de glicemia e, conseqüentemente, falta de atenção. É importante não ficar mais de 3 horas sem consumir alimentos.
  • Respeite suas horas de sono. O descanso é essencial para um bom aproveitamento e concentração nas atividades diárias.