A tica na profiss o por isa maria freire doutora em ci ncia da informa o ibict
Download
1 / 90

- PowerPoint PPT Presentation


  • 128 Views
  • Uploaded on

A ÉTICA NA PROFISSÃO por Isa Maria Freire Doutora em Ciência da Informação IBICT. A ÉTICA NA PROFISSÃO. Ética como construção histórica Na evolução humana Na Grécia Antiga Na Idade Média A dimensão ética na sociedade moderna A competência ética.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '' - diandra


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
A tica na profiss o por isa maria freire doutora em ci ncia da informa o ibict

A ÉTICA NA

PROFISSÃO

por

Isa Maria Freire

Doutora em Ciência da Informação

IBICT


A tica na profiss o
A ÉTICA NA PROFISSÃO

  • Ética como construção histórica

    • Na evolução humana

    • Na Grécia Antiga

    • Na Idade Média

  • A dimensão ética na sociedade moderna

    • A competência ética


Slide 1

"A ética é uma daquelas coisas que todo mundo sabe o que são, mas que não são fáceis de explicar, quando alguém pergunta”.(VALLS, Álvaro L.M. O que é ética. 7a edição, Ed.Brasiliense, 1993)


Slide 1

ÉTICA

[Do latim ethica do grego ethiké]

Substantivo feminino

1. Filos. Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente a determinada sociedade, seja de modo absoluto.

Dicionário Aurélio eletrônico


Slide 1

Na Grécia Antiga (VII a III a.C.) possuía dois significados:

  • formas de comportamento de um indivíduo

    b) modos pelos quais o ser humano se manifesta, se mostra ou exerce a sua identidade, a sua personalidade


Slide 1

Ética como

construção histórica


Slide 1

CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA

LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995

CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA

LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995

Final do século XX – Revolução tecnológica

Século XVIII – Revolução Industrial

Século XVII – Revolução Científica

5 mil anos atrás – Primeiras cidades

10 mil anos atrás – Revolução agrícola

200 mil anos atrás – Origem dos humanos modernos na África

Importantes avanços na manufatura

500 mil anos atrás – Primeira utilização do fogo

2,1 a 4 milhões... – Homo erectus expande-se a partir da África Artefatos de pedra mais antigos conhecidos Origem da expansão do cérebro

Entre 5 e 10 milhões de anos – Origem do bipedismo [África]




Slide 1

CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA

LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995

CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA

LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995

Final do século XX – Revolução tecnológica

Século XVIII – Revolução Industrial

Século XVII – Revolução Científica

5 mil anos atrás – Primeiras cidades

10 mil anos atrás – Revolução agrícola

200 mil anos atrás – Origem dos humanos modernos na África

Importantes avanços na manufatura

500 mil anos atrás – Primeira utilização do fogo

2,1 a 4 milhões... – Homo erectus expande-se a partir da África Artefatos de pedra mais antigos conhecidos Origem da expansão do cérebro

Entre 5 e 10 milhões de anos – Origem do bipedismo [África]


Slide 1

CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA

LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995

CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA

LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995

Final do século XX – Revolução tecnológica

Século XVIII – Revolução Industrial

Século XVII – Revolução Científica

5 mil anos atrás – Primeiras cidades

10 mil anos atrás – Revolução agrícola

200 mil anos atrás – Origem dos humanos modernos na África

Importantes avanços na manufatura

500 mil anos atrás – Primeira utilização do fogo

2,1 a 4 milhões... – Homo erectus expande-se a partir da África Artefatos de pedra mais antigos conhecidos Origem da expansão do cérebro

Entre 5 e 10 milhões de anos – Origem do bipedismo [África]



Maturana h rezepka s n de forma o humana e capacita o petr polis ed vozes 2001
MATURANA, H.; REZEPKA, S.N. de. Formação humana e capacitação. Petrópolis: Ed. Vozes, 2001

“Quando começou o humano?

Afirmamos que nós, os seres humanos, existimos na linguagem, ou melhor, nas conversações ...”


Slide 1

“Nós somos biologicamente diferentes dos chimpanzés ... porque pertencemos a uma história de conservação do amor como fundamento de nosso conviver, ao passo que eles, não.”


Slide 1

“Nós os seres humanos, nos preocupamos com os outros e temos preocupações éticas porque somos animais de linguagem e amorosos. ...O amor é nossa base, a proximidade é nosso fundamento ...”


Slide 1

E COMO ISSO

TORNOU-SE POSSÍVEL?


Slide 1

TOMASELLO, M. Origens culturais da aquisição doconhecimento humano. São Paulo: Martins Fontes, 2003

“O enigma básico é este: apenas 6 milhões de anos separam os seres humanos de outros grandes macacos. É um tempo muito curto do ponto de vista da evolução biológica...”


Slide 1

Os seres humanos têm modos de transmissão cultural únicos da espécie.

As tradições e os artefatos culturais dos seres humanosacumulam modificações ao longo do tempo de uma maneira que não ocorre nas outras espécies animais.


Slide 1

É a chamada da espécie. evolução cultural cumulativa.


Slide 1

As transformações não ocorreram no tempo evolucionário mas no tempo histórico, em que muito pode acontecer em poucos milhares de anos.


Slide 1

Crescer num mas no mundo cultural... serve para criar certas formas únicas de representação cognitiva.


Slide 1

Nesse processo, as crianças humanas mas no usam suashabilidades de aprendizagem culturalpara adquirirsímbolos lingüísticose outrossímbolos comunicativos.


Slide 1

À medida em que a criança vai dominando os símbolos lingüísticos de sua cultura, ela adquire a capacidade de adotar simultaneamente múltiplos pontos de vista sobre uma mesma situaçãoperceptual.


Slide 1

As crianças aprendem sobre as situações da vida brincando lingüísticos de sua cultura, ela adquire a


Slide 1

Os lingüísticos de sua cultura, ela adquire a símbolos lingüísticoslibertam acognição humanadasituação perceptual imediata sobretudo, por permitiremváriasrepresentações simultâneasde cada umaedetodas assituações perceptuaispossíveis.


Slide 1

A capacidade de confabulação propiciada pela linguagem simbólica está no cerne da evolução cultural cumulativa


Tica na gr cia antiga

O período áureo do pensamento grego: 500 a 300 a.C. simbólica está no cerne da

ÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA


Tica na gr cia antiga1

Sócrates simbólica está no cerne da , Platão, Aristóteles: pesquisa sobre a natureza do bem moral

ÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA


Slide 1

ÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA simbólica está no cerne da

A reflexão grega procede do contexto religioso: nada em excesso e conhece-te a ti mesmo[Santuário do Oráculo de Delfos, do deus Apolo].


S crates 470 399 a c o primeiro pensador da subjetividade

O método da simbólica está no cerne da maiêutica: interrogando o interlocutor até que este chegue por si mesmo à verdade.

O parteiro de idéias.

Sócrates(470-399 a.C.)O primeiro pensador da subjetividade


Slide 1

Sua simbólica está no cerne da ética não se baseava nos costumes ou nas leis, mas na convicção pessoal, adquirida através de um processo de consulta ao seu “demônio interior” [daimónion] na tentativa de compreender a justiça das leis.


S crates primeiro pensador da subjetividade

Condenado por seduzir a juventude, não honrar os deuses da cidade e desprezar as leis.

SócratesPrimeiro pensador da subjetividade

  • as leis são justas?

  • quem faz as leis?

  • para que se faz?


Slide 1

Platão cidade e desprezar as leis.: sistematizador das idéias de Sócrates


Slide 1

Diálogos cidade e desprezar as leis.: partindo da idéia de felicidade, a questão é “onde está o Sumo Bem”?

República: condenação à vida voltada exclusivamente para os prazeres

Fédon: contando com a imortalidade da alma, espera a felicidade para depois da morte


Plat o sistematizador das id ias de s crates

Os homens deveriam procurar nesta vida a contemplação das idéias [Idéia do Bem]

O ideal buscado pelo homem virtuoso é a imitação ou assimilação de Deus: aderir ao divino[Sumo Bem]

Platão: sistematizador das idéias de Sócrates


Slide 1

  • A partir deste idéias Bem superior, o homem deve procurar descobrir uma escala de bens que o ajudem a chegar ao absoluto

  • Osábioé umhomem virtuoso,que busca a vida virtuosapara estabelecer, em sua própria vida,a ordem, a harmonia e o equilíbrio.


Slide 1

Por isso idéias a prática da virtude[areté] é a coisa mais preciosa para o homem — é uma imitação do cosmos.

O ideal buscado pelo homem virtuoso é a imitação ou assimilação de Deus: aderir ao divino[Sumo Bem].


Arist teles 384 322 a c herdeiro do pensamento de plat o
Aristóteles idéias (384-322 a.C.)Herdeiro do pensamento de Platão

Pensador especulativo Profundo psicólogoObservador empírico


Slide 1

Partindo da idéias correlação entre o Ser e o Bem, insiste sobre a variedade dos seres, e daí conclui que os bens [no plural] também devem variar.

Para cada ser deve haver um bem, conforme a natureza ou a essência do ser estará o respectivo bem, ou oque é bom para aquele ser.


Slide 1

Como ser complexo, o idéias homem necessita não apenas do melhor dos bens mas de vários, de tipos diferentes, como amizade, saúde e “até riqueza”.


Slide 1

Quais os melhores? A virtude, a força, o poder, a riqueza, a beleza, os prazeres?

O argumento é queo homem tem obem do seu sernoviver, nosentirenarazão: ele não pode apenas vivermasprecisa viver de acordo com a razão.


Slide 1

Aristóteles valoriza, mais do que Platão, a a beleza, os prazeres?vontade humana, a deliberação e o esforço em busca de bons hábitos.

Para ele, o homem precisa converter suas melhores disposições naturais em hábitos, de acordo com a razão: virtudes intelectuais.


Slide 1

Esta a beleza, os prazeres?auto-educaçãosupõe umesforço voluntário, de modo que a virtude provém da liberdade, que delibera e elege inteligentemente.

Virtudeé uma espécie de segunda natureza,adquirida pelarazão livre.


Tica na idade m dia
ÉTICA NA IDADE MÉDIA a beleza, os prazeres?

Os valores éticos são condicionados pela religião cristã, especificamente o Catolicismo.


Slide 1

Santo a beleza, os prazeres?

Agostinho de Hipona

São Tomas

de Aquino

Entre a fé

e a razão


Slide 1

Agostinho a beleza, os prazeres?(séc. IV)foi importante para o batismo do pensamento grego e sua entrada na tradição cristã — e posteriormente na tradição intelectual européia.


Slide 1

A partir de Tomaz de Aquino a beleza, os prazeres?(séc. XIII)a Igreja tem uma teologia (fundada na revelação) e uma filosofia (baseada no exercício da razão humana) que se fundem numa síntese definitiva: fé e razão, unidas em sua orientação comum rumo a Deus.


Slide 1

Sendo a Idade Média européia o período cristão do Ocidente,

o pensamento ético que conhecemos está totalmente ligado à religião, à interpretação da Bíblia e à teologia.


Tica na idade m dia1
ÉTICA NA IDADE MÉDIA Ocidente,

Ênfase à revelação dos livros sagrados. O Pai, o Filho e o Espírito Santo determinam as normas de conduta. Surge a Ética do Amor ao Próximo.


Slide 1

Síntese entre o pensamento ético-filosófico e a doutrina da Revelação Cristã: a busca de uma ética laica, racional, baseada numa lei natural ou numa estrutura transcendental da subjetividade humana, comum a todos os homens.


Slide 1

OS IDEAIS ÉTICOS da Revelação Cristã: a busca de uma

Para os gregos: a busca teórica e prática da idéia do Bem [Platão] ou na felicidade, entendida como uma vida virtuosa [Aristóteles].

No cristianismo, esses ideais se identificaram com os ideais religiosos:espírito,amor,fraternidade.


Slide 1

Com o Renascimento e o Iluminismo, o ideal seria viver de acordo com a própria liberdade pessoal, ou, em termos coletivos: liberdade,igualdade,fraternidade.


Tica na idade moderna
ÉTICA NA IDADE MODERNA acordo com a própria liberdade pessoal, ou, em termos coletivos:

Kant (século XVIII) pensador da burguesia, identificou o ideal ético com o ideal da autonomia individual

“Aja sempre de tal modo que a máxima de sua ação possa sempre valer como princípio universal de conduta.”


Slide 1

Para Hegel, o acordo com a própria liberdade pessoal, ou, em termos coletivos: ideal éticoestava numavida livre dentro de um estado livre, preservando o direito e cobrando deveres, onde a consciência morale asleis do estado não estivessem nem separadas nem em contradição.


Slide 1

Assim, o pensamento social e dialético buscou como acordo com a própria liberdade pessoal, ou, em termos coletivos: ideal ético uma vida social com a superação das injustiças econômicas.

A ética se volta para as relações sociais, esquece o céu e se preocupa com a terra, procurando apressar a construção de um mundo mais humano.


A dimens o tica na sociedade moderna
A DIMENSÃO ÉTICA NA SOCIEDADE MODERNA acordo com a própria liberdade pessoal, ou, em termos coletivos:

“Não é a consciência dos homens que determina o seu ser, mas, ao contrário, é o seu ser social que determina sua consciência."


Slide 1

A ação humana se define como acordo com a própria liberdade pessoal, ou, em termos coletivos: trabalho, como técnica: ao tentar transformar a natureza, o homem também se transforma; ao trabalhar, se faz trabalhador, se produz.


A dimens o tica na sociedade moderna1

Habermas acordo com a própria liberdade pessoal, ou, em termos coletivos: (século XX) e as duas dimensões do agir humano: técnica[trabalho produtivo] e prática[ética, no sentido grego], representada pelo amor e porideais de comunicação.

A DIMENSÃO ÉTICA NA SOCIEDADE MODERNA

“A ação comunicativa supõe o entendimento entre os indivíduos  sociabilidade, espontaneidade, solidariedade, cooperação.”


Slide 1

A reflexão ético-social do século XX trouxe uma massificação que desafia o sujeito livre ao saber-fazer ético.


Slide 1

É nesse contexto que VARELA propõe sua visão de uma massificação que desafia o competência ética, ao mesmo tempo pessoal e social, individual e coletiva, biológica e cultural.


Slide 1

FRANCISCO VARELA massificação que desafia o Sobre a competência éticaLisboa: Ed. 70, 1995


Slide 1

A tese fundamental de Varela baseia-se na visão do observador como sistema vivo, autopoiético(isto é, auto-organizador)...


Slide 1

integrado num contexto histórico e social — o qual, por sua vez, deve-se olhar como resposta à pressão do devir biológico da espécie, no seu longo esforço de adaptação ao ambiente.


Slide 1

Sendo o nosso sua vez, deve-se olhar como cérebroo resultado daevolução biológica, existe um diálogo com o meio ambiente, com a conseqüente configuração neuronal, constituindo um sistema auto-referente,autônomo,deterministaerelativista...


Slide 1

gerando múltiplas narrativas, sucessivos sua vez, deve-se olhar como domínios de descriçõesou quadros de referência,mediados pela linguagem e alimentados pela interação social.


Os termos da quest o
Os termos da questão sua vez, deve-se olhar como

Diferença entre know-how[como fazer] e know-what [o que fazer], uma diferença entre habilidade de confronto (ou resposta) imediato(a) e conhecimento intencional(oujuízo racional).


Slide 1


Slide 1

Por um lado, é necessário constatar que tem sido dada a pouca atenção à compreensão da habilidade de confronto ou resposta imediato(a) nas ciências que estudam a mente e o conhecimento.


Slide 1

Por outro lado, um ponto de vista emergente nas ciências cognitivas reside na convicção de que asunidades apropriadas de conhecimentosão, antes de mais nada,concretas, corporificadas,vividas.


Slide 1

Pois o mundo não é algo que nos é “dado”, mas é cognitivas reside na convicção de que asalguma coisa em que temos parte graças ao modo como nos movemos,tocamos, respiramosecomemos.


Slide 1

Assim, a cognitivas reside na convicção de que ascogniçãonão é formada por representações,mas porações corporizadas.

E ahabilidade de confronto (ou resposta)imediato(a)se coloca emcontraposição ao saber intencional.


Slide 1

Pois a maior parte da nossa vida mental e ativa cognitivas reside na convicção de que asestá centrada na habilidade de confronto (ou resposta)imediato(a), que é transparente e adquirida ao longo da história.


Slide 1

Devemos nos dar conta de que passamos só uma pequena parte da nossa vida na análise deliberada, explícita, que é peculiar ao saber intencional.


Slide 1

Uma enorme parte da nossa vida ― da nossa vida na análise deliberada, explícita, que é peculiar ao trabalhar,mover-se,falar,comer — se manifesta como saber-fazer.


Slide 1

Na lista precedente do da nossa vida na análise deliberada, explícita, que é peculiar ao saber-fazer[trabalhar, mover-se, falar, comer] podemos acrescentar: responder às necessidades dos outros, definida como o autêntico cuidar de si.


Slide 1

Assim, concluímos, com Varela, que o da nossa vida na análise deliberada, explícita, que é peculiar ao autêntico cuidar de sirepresenta overdadeiro fundamento do Ser, e pode se tornar plenamente manifesto através de uma bem sucedida prática ética.


Slide 1

Esta é uma proposta para um da nossa vida na análise deliberada, explícita, que é peculiar ao reencantamento da sabedoria, entendida como ação não-intencional.


Slide 1

Este da nossa vida na análise deliberada, explícita, que é peculiar ao saber viver baseia-se numa prática transformadora, a qual nada mais requer do que uma consciência, momento a momento, da natureza virtual de nós próprios.



Slide 1

Assim, o ponto central na comocompetência da ética consiste no reconhecimento da exigência, na vida humana, de uma prática transformadora


Slide 1

que pode colocar em como ação a afirmação científica da espécie humana como gregária, solidária e consciente.


Slide 1

Deficiências como[Mário Quintana] 

“Deficiente” é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.“Louco” é quem não procura ser feliz com o que possui.


Slide 1

comoParalítico”é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

“Diabético”é quem não consegue ser doce.

E finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois“Miseráveis”são todos que não conseguem falar com Deus.


Slide 1

Grata pela atenção! comowww.isafreire.pro.br