rep blica do caf com leite l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
República do Café com Leite PowerPoint Presentation
Download Presentation
República do Café com Leite

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 29

República do Café com Leite - PowerPoint PPT Presentation


  • 233 Views
  • Uploaded on

República do Café com Leite.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'República do Café com Leite' - benjamin


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide3
A política do café-com-leite foi um acordo firmado entre as oligarquias estaduais e o governo federal durante a República Velha (1889-1930) para que os presidentes da República fossem escolhidos entre os políticos de São Paulo e Minas Gerais. Portanto, ora o presidente seria paulista, ora mineiro.

O nome desse acordo era uma alusão à economia de São Paulo e Minas, grandes produtores, respectivamente, de café e leite. Além disso, eram estados bastante populosos, fortes politicamente e berços de duas das principais legendas republicanas: o Partido Republicano Paulista e o Partido Republicano Mineiro.

Campos Salles, em cujo governo teve início formal a política do café-com-leite

formas de manter a pol tica controlada
Formas de manter a política controlada...
  • Política dos governadores
  • Voto de cabresto
  • Comissão Verificadora de poderes
movimentos sociais
Movimentos sociais

Revolta da Vacina (1904)

  • Governo Rodrigues Alves
  • Cidade do Rio de Janeiro tinha mais de 800 mil habitantes que conviviam com péssimas condições de higiene
  • a cidade era constantemente vitimada por surtos de febre amarela, varíola, peste bubônica, malária, tifo e tuberculose
slide7
Reforma sanitarista
  • Oswaldo Cruz
  • Vacinação Obrigatória
slide10
Exército de mata-mosquitos

Por ter um caráter autoritário e invasivo, adentrando lares e desrespeitando privacidades, sobretudo da população mais pobre, a nova política sanitária foi alvo da mais hostil reação popular. Para o combate da febre amarela, organizou-se uma grande equipe de "mata-mosquitos", incumbida de perseguir os insetos nos lugares mais recônditos do Rio de Janeiro. Os funcionários tinham o poder de invadir as casas e quebrar a inviolabilidade dos lares cariocas.Com a meta de controlar a peste bubônica, a prefeitura promoveu uma declarada guerra aos ratos na cidade. E chegou a comprar os animais mortos de quem se dispusesse a caçá-los. Aproveitadores e oportunistas não demoraram a entrar em ação. Há relatos de que moradores partiam de Niterói para vender roedores do outro lado da Baía de Guanabara. Além deles, havia os habituais esquadrões municipais, sempre truculentos, que invadiam cortiços, sobrados e casas de cômodos com a finalidade de exterminar aquela praga urbana.

slide11
A vacina e o "bota-abaixo“

No entanto, a medida sanitária mais polêmica foi tornar obrigatória a vacinação contra varíola, o que descontentou grande parte da população. A obrigatoriedade da vacina era garantida por uma rede de compulsão social. A apresentação dos comprovantes de vacinação passaria a ser condição para matrículas em escolas, admissões em empresas e oficinas, casamentos e outras tantas atividades, de maneira que a vida social daquele que se recusasse a ser vacinado tornar-se-ia impossível.

slide16
Revolta da Chibata
  • Em novembro de 1910 os marinheiros se revoltaram, exigindo novas relações dentro da Armada (eliminação do castigo da chibata) e reconhecimento de pobres e negros como cidadãos livres e dotados de direitos.
  • apesar de anistiados pelo governo, a 9 de dezembro uma nova sublevação naval ocorreu, agora na ilha das Cobras.
  • governo decretou estado de sítio e reprimiu o levante.
slide17

Das costasDos santos entre cantosE chibatasInundando o coração,Do pessoal do porãoQue a exemplo do feiticeiroGritava entãoGlória aos piratas, àsMulatas, às sereiasGlória à farofa, à cachaça,Às baleiasGlórias a todas as lutasInglóriasQue através daNossa históriaNão esquecemos jamaisSalve o navegante negroQue tem por monumentoAs pedras pisadas do cais

Mestre Sala dos Mares

João Bosco

Há muito tempo nas águasDa GuanabaraO dragão no mar reapareceuNa figura de um bravoFeiticeiroA quem a históriaNão esqueceuConhecido comoNavegante negroTinha a dignidade de umMestre-salaE ao acenar pelo marNa alegria das regatasFoi saudado no portoPelas mocinhas francesasJovens polacas e porBatalhões de mulatasRubras cascatas jorravam

slide18
Revolta de Juazeiro
  • 1914, Juazeiro do Norte, interior do estado do Ceará.
  • sob a liderança do padre Cícero Romão Batista e acreditando cumprir uma ordem divina, os sertanejos pegaram em armas para derrubar do poder o novo interventor do estado.
  • o governo cedeu, devolvendo o poder a família Accioly que antes controlava o Ceará.
slide19
Movimento Tenentista
  • levantes militares nas três primeiras décadas do século 20.
  • tenentes se revoltaram contra o comando político das oligarquias, exigindo profundas reformas republicanas.
  • derrotados pelas forças oficiais, parte do grupo formou a Coluna Prestes, que percorreu o país até 1927.
  • tenentes também teriam grande participação na Revolução de 1930, movimento desencadeado por parcela da elite política brasileira, descontente com a constante troca de poder entre São Paulo e Minas Gerais. Em 1930, um golpe de Estado levou ao poder Getúlio Vargas.
semana da arte moderna de 1922
Semana da Arte Moderna de 1922

A Semana de Arte moderna, evento de 1922 que representa uma renovação de linguagem, a busca de experimentação, a liberdade criadora e a ruptura com o passado.

Oficialmente, o movimento modernista irrompe, no Brasil, com a Semana de Arte Moderna que, em de três festivais realizados no Teatro Municipal de São Paulo, apresenta as novas idéias artísticas.

O adjetivo "novo", marcando todas estas manifestações, propunha algo a ser recebido com curiosidade ou interesse.

É neste contexto conturbado que se compõe o grupo modernista. Entre outros, dele fazem parte os prosadores e poetas Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Menotti Del Picchia, Guilherme de Almeida, Agenor Barbosa, Plínio Salgado, Cândido Motta Filho e Sérgio Milliet. Os pintores Anita Malfatti, Di Cavalcanti, Vicente do Rego Monteiro e John Graz. Os escultores Victor Brecheret e W. Haeberg. Os arquitetos Antonio Moya e George Przirembel. Em preparação à semana, um grupo vem ao Rio de janeiro para buscar a adesão de artistas que consideravam simpatizantes às idéias modernizadoras: Manuel Bandeira, Renato Almeida, Villa-Lobos, Ronald de Carvalho, Álvaro Moreyra e Sérgio Buarque de Hollanda.

slide25
Características do movimento modernista

— Rejeição das concepções estéticas e práticas artísticas românicas, parnasianas e realistas.

— Independência mental brasileira e recusa às tendências européias em moda nos meios cultos conservadores.

— Elaboração de novas formas de expressão, capazes de apreender e representar os problemas contemporâneos.

— Transposição, para a arte, de uma realidade viva: conflitos, choques, variedade e tumulto, expressões de um tempo e uma sociedade.

Estas idéias se desdobram com o crescer do movimento, gerando os mais diversos caminhos: a poesia pau-brasil, o verde-amarelismo, a antropofagia, o regionalismo, a reação espiritualista e a consciência social.