Reino Monera - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Reino Monera PowerPoint Presentation
Download Presentation
Reino Monera

play fullscreen
1 / 65
Reino Monera
382 Views
Download Presentation
aliza
Download Presentation

Reino Monera

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Reino Monera Prof.ª Drª Manuella Amado

  2. Reino Monera

  3. CARACTERÍSTICAS GERAIS REPRESENTANTES • Archaeobacteria  Archaea • Eubacteria  Bactérias +Cianobactérias (Cianofíceas ou algas azuis) • Procariontes • Unicelulares

  4. Classificação das Archaeobactérias: Metanogênicas → caracterizadas pelo metabolismo anaeróbio utilizam o elemento químico hidrogênio como co-fator de reações que catabolizam o gás carbônico (CO2) em metano (CH4). Termófilas → sobrevivem em temperaturas altíssimas, (60- 150° C), representando os ambientes aquáticos situados próximos à falhas na crosta oceânica (fendas vulcânicas). Esses organismos realizam quimiossíntese, utilizando compostos inorgânicos (ácido sulfídrico – H2S) para sintetizar matéria orgânica e obter energia. Halófitas → bactérias primitivas que vivem em locais com alta concentração de sal, em que a solução do meio (ambiente aquático) é extremamente hipertônica, por exemplo, a salinidade do Mar Morto.

  5. EUBACTERIAS:BACTÉRIAS e CIANOBACTÉRIAS

  6. CIANOBACTÉRIAS

  7. Cianobacterias • Ambientes marinho, dulcícola e terrestre. • Suportam ambientes extremos (fontes termais, desertos, regiões polares, lagos alcalinos, etc.) • Podem ser unicelulares ou coloniais

  8. ESTRUTURA • Nucleóide • Citoplasma • Ribossomos • Membrana plasmática • Parede celular • Bainha de mucilagem - manter as células unidas formando colônia ou filamento (pigmentada) • Membrana fotossintetica com pigmentos fotossintetizantes (Plastos??? NAO!!! Tilacóides?)

  9. Heterocisto e Acineto • Fixação de N2 atmosférico/formas de resistência heterocisto acineto

  10. REPRODUÇÃO • Assexuada • Bipartição • Formação de acinetos • Sexuada • Não existe

  11. BACTÉRIAS

  12. Membrana plasmática Citoplasma Parede celular Cápsula Ribossomos Mesossomo Fímbrias Enzimas relacionadascom a respiração,ligadas à faceinterna da membrana plasmática Plasmídeos Nucleóide Flagelo DNA associadoao mesossomo Célula bacteriana

  13. Esquema de bactéria com parte da célula removida. Parede celularformada por camada espessa de peptidoglicano Membrana plasmática Esquema de parte da parede celular e da membrana plasmática de bactéria gram-positiva. Parede celular: método de Gram Bactéria gram-positiva Penicilina interfere na sintese do peptidoglicano

  14. Esquema de bactéria com parte da célula removida. Fosfolipídios Camada lipoprotéicaexterna, espessa, semelhante à membrana plasmática, com lipopolissacarídeos Lipopolissacarídeo Parede celular Proteína Camada de peptidoglicano Lipoproteínas Membrana plasmática Esquema de parte da parede celular e damembrana plasmática de bactéria gram-negativa. Parede celular: método de Gram Bactéria gram-negativa

  15. ESTRUTURA • Nucleóide - o cromossoma bacteriano consiste numa única molécula circular de DNA que determina as características e comanda as atividades celulares. • Citoplasma - solução aquosa na qual estão suspensos todos os componentes internos. • Ribossomos - pequenos corpos granulares, com os quais ocorre a síntese de proteínas; movem-se livremente no citoplasma.

  16. ESTRUTURA • Membrana plasmática - envolve a célula controlando as trocas de substâncias com o exterior; pode formar invaginações para o interior em cuja superfície ocorre a respiração. • Parede celular – invólucro semi-rígido (polissacarídeos e polipeptídeos) que dá forma às bactérias e as protege contra vírus e substâncias tóxicas. • Cápsula - camada de glicoproteina, protege a bactéria da dessecação, dos vírus bacteriófagos, células fagocitárias e anticorpos. Aderência- cárie

  17. ESTRUTURA • Flagelo - as bactérias podem apresentar um número variável de flagelos, os quais, rodando sobre a sua base, permitem que a célula se movimente. • Fímbrias - numerosos apêndices filamentosos, de natureza protéica, muito mais curtos e finos do que os flagelos; facilitam a aderência da bactéria a substratos sólidos ou aos tecidos dos organismos parasitados Pêlo sexual- conjugação

  18. Flagelo Filamento terminal Corpo basal Gancho

  19. MORFOLOGIA Esféricas Cilíndricas Espiraladas

  20. Parede celular Membranaplasmática Molécula de DNA Reprodução das bactérias: Divisão: Assexuada por bipartição ou cissiparidade Duplicação do DNA Separação das células Clones!!

  21. Transformação Molécula de DNA circular Fragmentos deDNA doador Célula bacteriana Célula bacteriana Célula transformada Lise celular Quebrado DNA Fragmentos de DNA ligam-se à superfície da célula receptora. O fragmento de DNA é incorporado à célula receptora. O fragmento de DNA é integradoao cromossomo da célula receptora. Engenharia Genética!!

  22. Fago DNA do fagocom genes dabactéria Transdução (especializada/generalizada) Quando o profago inicia o ciclolítico, o DNA da bactéria édegradado e novos fagos podemconter algum trecho do DNAda bactéria. O DNA do fago integra-se ao DNAda bactéria comoum profago. O DNA deum fago penetrana célula deuma bactéria. Genes de outra bactériasão introduzidos e integrados ao DNAda bactéria hospedeira. A célulabacteriana serompe e libera muitos fagos, quepodem infectar outras células. O fago infectanova bactéria.

  23. Plasmídeo DNA bacteriano Célula “macho” Pontecitoplasmática Célula “fêmea” Célula “macho” Separaçãodas células Célula “fêmea” Conjugação (plasmídeo/ segmentos/ total)

  24. Endósporos Estruturas resistentes a condições ambientais adversas

  25. Metabolismo Bacteriano Aerobias obrigatorias (morrem na falta de O2) Aerobias facultativas (Respiracao anaerobia/fermentacao) Anaerobias obrigatorias (morrem na presenca de O2) Autotofras  quimiossintese ou fotossintese Quimiossintetizantes: H2S ou NH3 Fotossintese: bacterioclorofila (absorve luz infravermelha) Bacterias Fixadoras (Rhizobium) Bacterias Nitrificantes (Nitrosomonas e Nitrobacter) Bacterias Desnitrificantes

  26. ATUAÇÃO • Mutualistas Rhizobium – fixação de N2 atmosférico Intestino humano – produção de vitamina K

  27. ATUAÇÃO • Decompositoras Degradação da matéria orgânica morta

  28. ATUAÇÃO • Indústria alimentícia Fabricação de alimentos como iogurtes, queijos e requeijão (metabolismo fermentativo)

  29. ATUAÇÃO • ‘Limpeza do meio ambiente’ Certas bactérias conseguem degradar compostos prejudiciais ao meio ambiente como o óleo

  30. ATUAÇÃO • Arma biológica Utilizadas por terroristas ou em casos de guerra para causar grandes mortandades

  31. ANTRAZ • Bacillus anthracis

  32. ANTRAZ • Transmissão pelo ar, pele e por ingestão • Acredita-se que tenha sido a sexta praga do Egito. • Intestinal, cutânea e pulmonar. • Usada como arma biológica.

  33. Antraz: contaminação Através da pele Primeiros sintomas: úlceras cutâneas que podem ser tratadas com medicamento. Casos de mortesão raros. Inalação Sintomas: tosse seca, dor no corpo e febre. Se a infecção se agrava pode levar à necrose pulmonar e morte. Ingestão Sintomas: cólicas, dores abdominais e diarréia que pode se agravar e ser fatal. É a forma de contaminação mais rara e a mais grave.

  34. BOTULISMO • Clostridium botulinum Anaerobia obrigatoria

  35. BOTULISMO • baixa ocorrência, mas de alta letalidade • esporos estão amplamente disseminados no solo • conserva de palmito, torta de frango, patê de fígado e tofu em conserva • Produzem uma toxina que bloqueia a transferencia dos sinais nervosos para os musculos • doença se caracteriza por paralisia muscular e morte por parada respiratória • Botulismo de feridas: os esporos penetram nas feridas • Botulismo infantil: bebês de menos de 1 anos têm o intestino imaturo (mel) • Tratamento: anti-toxinaimediata

  36. Botox • A toxina relaxa o músculo onde é aplicada ou promove a redução ou parada na produção de suor nos locais onde for injetada

  37. COLERA • Bactéria: Vibrio cholerae Aerobio facultativo

  38. COLERA • Eliminado com as fezes de pessoa doente • Ingerido com água suja • Multiplica-se localmente no intestino delgado • Causa diarréia aquosa intensa devido aos efeitos da sua poderosa enterotoxina (provocam a secrecao de cloro, sodio e agua) • 90% pessoas assintomaticas ou diarreia leve • Vacina de curta duracao (6 meses)

  39. Difteria

  40. Difteria • Afeta: fossas nasais, amigdalas, faringe e laringe • Surgem placas branco-acinzentadas  pode ocorrer asfixia

  41. Difteria

  42. Febre Tifoide

  43. Febre Tifoide

  44. LEPTOSPIROSE • Leptospira interrogans

  45. LEPTOSPIROSE

  46. LEPTOSPIROSE • Transmissão por água/alimentos contaminados • Penetram no corpo por lesões na pele, mucosas, narinas, olhos. • Febre alta, dor de cabeça, dores musculares, vômitos, aumento do fígado, hemorragia digestiva, problemas respiratórios... • Prevenção de enchentes; tratamento do lixo e da água...

  47. TETANO • Clostridium tetani. Anaerobia obrigatoria

  48. TETANO • Toxina: causa fortes contracoes musculares, acompanhadas de muita dor pode ocorrer parada respiratoria e/ou cardiaca