Download
alberto caeiro n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Alberto Caeiro PowerPoint Presentation
Download Presentation
Alberto Caeiro

Alberto Caeiro

249 Views Download Presentation
Download Presentation

Alberto Caeiro

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Alberto Caeiro

  2. Alberto Caeiro (1889 - 1915) • Fernando Pessoa explicou em detalhes a “vida”de cada um de seus heterônimos. Assim apresenta a vida do mestre de todos, Alberto Caeiro:         "Nasceu em Lisboa, mas viveu quase toda a sua vida no campo. Não teve profissão, nem educação quase alguma, só instrução primária; morreram-lhe cedo o pai e a mãe, e deixou-se ficar em casa, vivendo de uns pequenos rendimentos. Vivia com uma tia velha, tia avó. Morreu tuberculoso."

  3. Pessoa cria uma biografia para Caeiro que se encaixa com perfeição à sua poesia, como podemos observar nos 49 poemas da série O Guardador de Rebanhos, incluída por inteiro nesta antologia.

  4. Caeiro escreve com a linguagem simples e o vocabulário limitado de um poeta camponês pouco ilustrado. Pratica o realismo sensorial, numa atitude de rejeição às elucubrações da poesia simbolista.         Assim, constantemente opõe à metafísica o desejo de não pensar. Faz da oposição à reflexão a matéria básica das suas reflexões. Esse paradoxo aproxima-o da atitude zen-budista de pensar para não pensar, desejar não desejar: • “Metafísica? Que metafísica têm aquelas árvores?   A de serem verdes e copadas e de terem ramos   E a de dar fruto na sua hora, o que não nos faz pensar,   A nós, que não sabemos dar por elas.   Mas que melhor metafísica que a delas,   Que é a de não saber para que vivem   Nem saber que o não sabem?”

  5. Caeiro coloca-se, portanto, como inimigo do misticismo, que pretende ver “mistérios” por trás de todas as coisas. Busca precisamente o contrário: ver as coisas como elas são, sem refletir sobre elas e sem atribuir a elas significados ou sentimentos humanos: • “Os poetas místicos são filósofos doentes,  E os filósofos são homens doidos.  Porque os poetas místicos dizem que as flores sentem  E dizem que as pedras têm alma  E que os rios têm êxtases ao luar. •   Mas as flores, se sentissem, não eram flores,  Eram gente;  E se as pedras tivessem alma, eram coisas vivas, não eram pedras;  E se os rios tivessem êxtases ao luar,  Os rios seriam homens doentes.”