eav eletro acupuntura by dr voll vega test l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
EAV Eletro Acupuntura by Dr.Voll VEGA TEST PowerPoint Presentation
Download Presentation
EAV Eletro Acupuntura by Dr.Voll VEGA TEST

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 43

EAV Eletro Acupuntura by Dr.Voll VEGA TEST - PowerPoint PPT Presentation


  • 769 Views
  • Uploaded on

EAV Eletro Acupuntura by Dr.Voll VEGA TEST. Revisão histórica. Dr. Reinhold Voll Nascido em 17/02/1909 Berlin, Alemanha. Revisão histórica. Estudou Arquitetura pela Universidade de Stuttgart 1927 . Logo após estudou Medicina na Universidade Tubingen em Hamburg 1930

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'EAV Eletro Acupuntura by Dr.Voll VEGA TEST' - Samuel


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
revis o hist rica
Revisão histórica
  • Dr. Reinhold Voll
    • Nascido em 17/02/1909

Berlin, Alemanha

revis o hist rica3
Revisão histórica
  • Estudou Arquitetura pela Universidade de Stuttgart 1927.
  • Logo após estudou Medicina na Universidade Tubingen em Hamburg 1930
  • Desenvolveu uma doença degenerativa no seu sistema gênito urinário.
  • Não tendo resultados com tratamentos da medicina convencional procurou métodos alternativos
  • Experimentou então a Acupuntura e teve um resultado melhor para o seu problema
uni o voll wermer
União Voll/Wermer
  • Dr. Reinhold Voll
    • Iniciou suas pesquisas em 1953 e os resultados originaram a EletroAcupuntura de Voll.
  • Dr Fritz Wermer(Engenheiro Eletrônico da Politécnica de Stutgart na Alemanha).
  • Voll / Wermer
    • Foram os criadores do primeiro equipamento EAV.
    • Em suas pesquisas eles determinaram que os pontos de acupuntura possuem uma relação direta com os órgãos do corpo humano.
    • Descobriram também a existência de mais 8 meridianos.
eav e seus 8 meridianos extras
EAV e seus 8 meridianos extras
  • Meridiano LINFÁTICO - lateral P
  • Meridiano da DEGENERAÇÃO NEURAL - Lateral IG
  • Meridiano da ALERGIA - Lateral PC
  • Meridiano da DEGENERAÇÃO PARAQUIMENTOSA - Lateral TA
  • Meridiano da DEGENERAÇÃO ARTICULAR - Lateral E
  • Meridiano da DEGENERAÇÃO DO CONJUNTIVO - Dedo médio do pé (lado p/ dedão)
  • Meridiano da PELE - dedo médio do pé
  • Meridiano da DEGENERAÇÃO GORDUROSA - Lateral VB
funda o eav
Fundação EAV
  • Dr Reinhold Voll
    • Em1956 fundou a Sociedade Médica Internacional de Eletroacupuntura na Alemanha.
    • Em 1966 o Papa Paulo VI, conferiu-lhe uma medalha de ouro pelos seus serviços prestados em favor da humanidade.
objetivos pr ticos do eav
Objetivos práticos do EAV
  • O método EAV faz um diagnóstico clínico que permite determinar em que fase (inflamatória/degenerativa) estão as alterações orgânicas.
estudos da pele
Estudos da Pele
  • Epiderme - Camada externa da pele
  • Derme - contém terminações nervosas, folículos pilosos, glândulas sebáceas, vasos sanguíneos, fibras eláticas.
  • Hipoderme - rica em vasos sanguíneos e em gordura
estudos energ ticos da pele
Estudos Energéticos da Pele
  • A epiderme está relacionada à energia do Pulmão.
  • A derme e hipoderme estão relacionadas à energia do Baço-pâncreas.
  • Os músculos estão relacionados à energia do Fígado
estudos do acuponto
Estudos do Acuponto

A eficácia do ponto de acupuntura, está relacionada com a interligação central das inervações autônomas.

    • Crouzet, 1958; Plummer, 1980.

Utilizando recursos da electronografia, conseguiu-se demonstrar que há uma coroa de elétrons ao redor do ponto de acupuntura.

    • Dumitrescu.

Prof. Gustav Kellner. (Universidade de Viena).

  • A pele normal possui 0.16 nervos receptores por mm2.
  • No ponto de acupuntura existe 0.31 nervos receptores por mm2.
    • Em especial : Meissner e Krause Corpusculos, etc
detalhes eletrofisiol gicos
Detalhes Eletrofisiológicos

Niboyet, Schmidt, Puchner, Maresch, Krachmar, Dumitrescu.

  • Ao aplicar uma corrente elétrica no acuponto encontramos:
    • Uma pequena resistência elétrica que se opõe a passagem da mesma.
diferen as voll ryodoraku
Diferenças Voll/Ryodoraku
  • No processo de mensuração Ryodoraku deve-se fazê-lo rápido para não interferir na energia do meridiano (máximo de 3 segundos)
  • No processo de mensuração Voll deve-se fazê-lo demoradamente para ver onde o valor digital se estabiliza.
linf tico
Linfático

LINFÁTICO - Ly

  • Ly1 - amígdala palatina.
  • Ly1a - adenóide
  • Ly2 - linfáticos da amígdala, focos dentários.
  • Ly3 - linfáticos e seios paranasais.
  • Ly4 - linfonodos pulmonares.
  • Ly5 - linfáticos do coração.
pulm o
Pulmão

PULMÃO - P

  • P11 - alvéolos pulmonares.
  • P10d - pleura mediastal.
  • P10b - bronquíolos.
  • P10a - pleura.
  • P10 - brônquios.
  • P9 - traquéia.
intestino grosso
Intestino Grosso

INTESTINO GROSSO - IG

  • IG1 - cólon transverso e cólon sigmóide
  • IG1a - plexo hipogástrico superior
  • IG1c - peritônio
  • IG2 - ângulo hepático e cólon descendente
  • IG3 - cólon ascendente e ângulo esplênico
  • IG4 - ceco e cólon transverso esquerdo
  • IG4a - apêndice e linfonodos íleo-cecais à direita e linfonodos do mesocolon à esquerda.
degenera o neural
Degeneração Neural

DEGENERAÇÃO NEURAL - DN

  • DN1- medula lombo sacral.
  • DN1a - sistema nervoso autonômico.
  • DN - sistemas nervosos central e periférico.
  • DNP - meninges.
  • DN2 - medula cervical e medula dorsal.
  • DN3 - tronco e cerebelo.
circula o sexualidade
Circulação Sexualidade

CIRCULAÇÃO SEXUALIDADE - CS

  • CS9 - artérias.
  • CS8e - gânglio cardíaco.
  • CS8d - crossa da aorta e aorta torácica.
  • CS8c - aorta abdominal.
  • CS8b - cisterna do quilo.
  • CS8a - ducto torácico.
  • CS8 - veias.
  • CS7 - coronárias.
alergia
Alergia

ALERGIA - A

  • A1 - alergias no abdome, pelve e pernas.
  • A1a - esclerose vascular.
  • A2 - alergias no tórax, pescoço e braços.
  • A3 - alergias na cabeça.
degenera o paraquimentosa
Degeneração Paraquimentosa

DEGENERAÇÃO PARENQUIMATOSA - DP

  • DP1 - lesões em abdome e pelve.
  • DP1a - lesões no peritônio.
  • DP1b - lesões na pleura.
  • DP2 - lesões em tórax e pescoço.
  • DP3 - lesões na cabeça.
triplo aquecedor
Triplo aquecedor

TRIPLO AQUECEDOR - TA

  • TA1 - gônodas e supra-renais.
  • TA1a - gânglio cervical.
  • TA1c - pâncreas endócrino.
  • TA1d – mamas.
  • TA2 - tireóide, paratireóide e timo.
  • TA3 - hipófise, epífise e pineal.
cora o
Coração

CORAÇÃO - C

  • C9 - válvulas pulmonares e aórtica.
  • C8e - plexo cardíaco.
  • C8a - pericárdio.
  • C8 - válvula tricúspide e mitral.
  • C7 - sistema de condução de impulsos.
  • C6 - miocárdio.
intestino delgado
Intestino Delgado

INTESTINO DELGADO - ID

  • ID1 - íleo.
  • ID1a - plexo mesentérico superior.
  • ID1c - peritônio.
  • ID2 - duodeno e jejuno.
  • ID3 - duodeno.
  • ID4 - duodeno.
p ncreas p direito
Pâncreas (pé direito)

PÂNCREAS - PA

  • PA1 - metabolismo de proteínas.
  • PA1b - peritônio.
  • PA2 - metabolismo das nucleoproteínas.
  • PA3 - metabolismo de carboidratos.
  • PA4 - metabolismo das gorduras.
ba o p esquerdo
Baço (pé esquerdo)

BAÇO (perna esquerda) - BA

  • BA1 - polpa..
  • BA1b - peritônio.
  • BA2 - polpa branca.
  • BA3 - polpa vermelha.
  • BA4 - sistema retículo endotelial.
f gado
Fígado

FÍGADO - F

  • F1 - veias centrais.
  • FP - peritônio.
  • F2 - sistema lobular.
  • F2a - ductos interlobulares.
  • F3 - áreas perivasculares e periportal.
degenera o articular
Degeneração Articular

DEGENERAÇÃO ARTICULAR - DA

  • DA1 - degeneração articular em quadris e pernas.
  • DA2 - degeneração articular em ombros e braços.
  • DA3 - degeneração articular em ATM e pescoço.
est mago
Estômago

ESTÔMAGO - E

  • E45 - piloro e parte esquerda do corpo estomacal.
  • E44c - plexo celíaco.
  • E44a - peritônio.
  • E44 - antro e fundo do estômago.
  • E43 - parte direita do corpo estomacal e cárdia.
degenera o do conjuntivo
Degeneração do Conjuntivo

DEGENERAÇÃO DO CONJUNTIVO - DC

  • DC1 - degeneração do conjuntivo do abdome e pelve.
  • DC1a - degeneração do conjuntivo do tórax.
  • DC1b - degeneração do conjuntivo das mucosas.
  • DC2 - degeneração do conjuntivo do tórax e pescoço.
  • DC3 - degeneração do conjuntivo na cabeça.
slide35
Pele

PELE - PE

  • PE1 - pele da metade inferior do corpo.
  • PE1a - cicatrizes.
  • PE2- pele da metade superior do corpo.
  • PE3 - pele da cabeça.
gordura
Gordura
  • DEGENERAÇÃO GORDUROSA - DG
  • DG1 - áreas do abdome, pelve e membros inferiores.
  • DG1a - corpo.
  • DG2 - áreas do tórax e dos membros superiores.
  • DG3 - área da cabeça.
ves cula biliar
Vesícula Biliar
  • VESÍCULA BILIAR - VB
  • VB44 - ductos colédoco e hepático.
  • VB43c - plexo hepático.
  • VB43 - ducto cístico.
  • VB42 - vesícula biliar.
  • VB41 - ductos biliares.
slide38
Rim

RIM - R

  • R1 - pelve renal.
  • R1a - ureter.
  • R1b - peritônio.
  • R1d - plexo renal.
  • R2 - transição medula-cálices.
  • R2a - túbulos retos.
  • R3 - glomérulos e túbulos contorcidos.
  • R4 – Plexo hemorroidal
  • R4a – esfincter anal
  • R5 – canal anal
bexiga
Bexiga

BEXIGA - B

  • B67 - bexiga.
  • B66a - peritônio.
  • B66 - trígono.
  • B65 - uretra, pênis, próstata, e vesícula seminal no homem ou uretra, vagina, trompas, glândulas de Bartholim na mulher.
  • B64 - deferente e epedídimo no homem ou trompas na mulher.
pontos patol gicos
Pontos patológicos

0 a 10 = degeneração

60 ou maior = inflamação

avalia o dos pontos auriculares
Avaliação dos pontos Auriculares

ideal

degeneração

inflamação