piodermite canina l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Piodermite Canina PowerPoint Presentation
Download Presentation
Piodermite Canina

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 41

Piodermite Canina - PowerPoint PPT Presentation


  • 1348 Views
  • Uploaded on

Piodermite Canina. Mestranda: Elisa Bourguignon Dias. Introdução. Comum Primária ou secundária Identificar causa base. Etiopatogenese. Bactérias residentes Staphylococcus pseudintermedius Não são particularmente virulentos. Necessário distúrbio inicial. . Principais causas. Alergias

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Piodermite Canina' - JasminFlorian


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
piodermite canina

Piodermite Canina

Mestranda: Elisa Bourguignon Dias

introdu o
Introdução
  • Comum
  • Primária ou secundária
  • Identificar causa base
etiopatogenese
Etiopatogenese
  • Bactérias residentes
  • Staphylococcus pseudintermedius
  • Não são particularmente virulentos. Necessário distúrbio inicial.
principais causas
Principais causas
  • Alergias
  • Doenças parasitárias
  • Endocrinopatias
  • Imunodeficiências
  • Problemas anatômicos
tratamento
Tratamento

Sistêmico:

  • Dose e período
  • Resistência

Tópico:

  • Shampoo
  • Pomadas
  • Loções
classifica o quanto a profundidade das les es
Classificação quanto a profundidade das lesões

Infecções bacterianas da superfície:

  • Dermatite piotraumática e Intertrigo

Piodermites superficiais:

  • Impetigo, Piodermite mucocutânea, Foliculite bacteriana superficial e Dermatofilose

Piodermites profundas:

  • Foliculite profunda, furunculose e celulite
  • Foliculite piotraumática
  • Foliculite e furunculose nasal, do focinho e podais
  • Foliculite, furunculose e celulite do Pastor alemão
  • Furunculose acral por lambedura
  • Celulite anaeróbica
  • Abcessos subcutâneos
dermatite piotraum tica
Dermatite piotraumática
  • Aguda
  • Secundária ao auto trauma
  • Clima quente e úmido
  • Pulgas
  • Lesões
  • Diagnóstico

(Mendleau e Hnilica, 2006)

tratamento9
Tratamento
  • Tratar causa base
  • Limpeza da região
  • Agentes secantes : Permanganato de potássio A cada 8 a 12h
  • Antiinflamatórios tópicos
  • Predinisolona 0.5 a 1.0 mg/kg SiD
  • Antibióticos (3 a 4 semanas)
intertrigo
Intertrigo
  • Cães com excesso de dobras cutâneas
  • Localização
  • Diagnóstico clínico
tratamento11
Tratamento
  • Cães obesos
  • Cirurgias
  • Lenços umedecidos (com clorexidina)
  • Shampoos antibacterianos
  • Manutenção
piodermites superficiais
Piodermites superficiais
  • Infecção que envolve a epiderme e o epitélio folicular
impetigo
Impetigo
  • Pústulas subcorneais que afetam aréas com poucos pêlos
  • Afeta cães jovens e filhotes
  • Causada geralmente por S. pseudintermedius
  • Parasitismo, infecções virais, ambiente sujo e má nutrição
  • Pústulas pequenas que não envolvem o folículo piloso
slide14
Prurido é incomum (indicando não envolvimento folicular)
  • Resolução espontânea
  • Diagnóstico clínico e citológico

(Gross et al., 2009)

tratamento15
Tratamento
  • Adiantar o processo de cura
  • Antimicrobianos tópicos
  • Shampoo
  • Raramente são necessários antibióticos orais
piodermite mucocut nea
Piodermite mucocutânea
  • Afeta primariamente lábios e pele perioral
  • Etiologia desconhecida
  • Qualquer idade, raça ou sexo (Pastores)
  • Eritema e edemaciação simétrica dos lábios
  • Podem ocorrer crostas, fissuras e erosões
  • Exsudato
  • Despigmentação
  • Sensibilidade
slide17
Diagnóstico histopatológico
  • Responde a terapia antibacteriana sistêmica ou tópica
  • Mupirocina SID
  • Relapsos são comuns

(Gross et al., 2009)

foliculite bacteriana superficial
Foliculite bacteriana Superficial
  • Infecçãao da parte superficial dos foliculos pilosos
  • S. pseudintermedius
  • Pode progredir para foliculite profunda, furunculose ou celulite
  • Prurido
sinais cl nicos
Sinais clínicos
  • Pústula com pelos saindo do centro
  • Pápulas
  • Colaretes epidérmicos
  • Hiperpigmentação
  • Escoriação
  • Alopecia
  • Eritema
  • Crostas
  • Descamação
slide20
Anamnese
  • Exame clínico
  • Citologia
  • Exclusão de causas não bacterianas de foliculite
  • Investigação da causa
  • Antimicrobianos por 21 a 28 dias
dermatofilose
Dermatofilose
  • Dermatophilus congolensis
  • Rara
  • Cocos gram-positivos
  • Umidade é essencial
  • Dermatoses crostosas com exsudato purulento
  • Região dorsal e na laterais dos membros posteriores
  • Diagnóstico
  • Tratamento:
  • Terapia tópica e higiene
  • Antimicrobianos (resistente a eritromicina, sulfonamidas e polimixina B)
piodermites profundas
Piodermites profundas
  • Envolvem tecidos mais profundos do que os foliculos pilosos
  • Invadem a derme e tecido subcutâneo
  • Não acontecem espontaneamente
  • Geralmente continuação de uma piodermite superficial

(Gross et al., 2009)

foliculite furunculose e celulite profundas
Foliculite, furunculose e celulite profundas
  • Infecção folicular que rompe o folículo para produzir furunculose e celulite
  • S. pseudintermedius, Proteus spp., Pseudomonas spp. e E. coli
  • Sinais clínicos dependem da profundidade e extensão das áreas lesionadas
  • Úlceras, inflamação, fístulas drenando exsudato e crostas
tratamento24
Tratamento
  • Identificação e tratamento das doenças de base
  • Antimicrobiano por 4 a 6 semanas no mínimo
foliculite e furunculose piotraum ticas
Foliculite e furunculose piotraumáticas
  • Nem todos os casos de dermatite úmida aguda resolvem com o tratamento como esperado
  • Classificação histológica de dois grupos
  • Ulceração com foliculite supurativa e com necrose profunda e furunculose ocasional
  • Região do pescoço e lateral da face
  • Cocos profundamente nos folículos
slide26
Afeta cães jovens
  • Golden Retrievers, São Bernardo, Labradores
  • Antibióticos sistemicos até 10 dias após cura clínica
  • Limpeza local
  • Glicocorticóides são contra indicados

(Gross et al., 2009)

foliculite e furunculose nasal
Foliculite e furunculose nasal
  • Incomum
  • Infecção profunda localizada no plano nasal e na região ao redor das narinas
  • Pastor alemão, Bull Terrier, Collie e Pointer
  • Causa desconhecida (trauma)
slide28
Pápulas, pústulas (geralmente dolorosas ou pruriticas)
  • Eliminação dos diagnósticos diferenciais
  • Antimicrobianos até 10 após cura
  • Terapia tópica com clorexidina

(Gross et al., 2009)

foliculite e furunculose do focinho
Foliculite e furunculose do focinho
  • Inflamação crônica da região mentoniana e dos lábios
  • Raças de pelagem curta
  • Causa desconhecida
  • Trauma e predisposição genética
slide30
Lesões iniciais: Pápulas não infectadas
  • Com o tempo as pápulas ulceram
  • Limpeza e controle do comportamento
  • Glicocorticóides
  • 4 a 6 semanas de antimicrobianos

(Gross et al., 2009)

foliculite e furunculose podal
Foliculite e furunculose podal
  • Causa geralmente desconhecida
  • Corpo estranho e trauma local
  • Vários microorganismos secundários
  • Hipotireoidismo e Demodiciose
  • Machos de pêlo curto
  • Eritema, edema, nódulos, úlceras, fítulas, bulas hemorrágicas e exsudato
slide32
Dor e prurido
  • Diagnóstico
  • Auto perpetuante (cicatrizes)
  • Permanganato de potássio
  • Antibiótico 8 a 12 semanas
  • Proteção das patas
  • Remoção cirúrgica
foliculite furunculose e celulite do pastor alem o
Foliculite furunculose e celulite do Pastor alemão
  • Familiar e mediada imunologicamente
  • Infecções profundas e recorrentes
  • Causa de base (alérgicas ou hipotireoidismo) ou imunossupressão
  • - lifócitos T
  • Qualquer um destes insultos podem levar a piodermite severas
  • Cães de meia idade
  • Histórico familiar
slide35
Prurido
  • Pápulas, pústulas, erosões, crostas, úlceras, fístulas, furunculose, alopecia e hiperpigmentação
  • Lifadenopatia
  • Diagnóstico através da exclusão de outras causas

Tratamento:

  • Identificar causa base
  • Tosa e terapia tópica
  • Enrofloxacina 5 a 10 mg/kh SID 6 a 10 semanas
  • Imunomodulação
furunculose acral por lambedura
Furunculose acral por lambedura
  • Variedade de causas
  • Porção distal dos membros torácicos
  • Lesões firmes, alopécicas, hiperpigmentada na periferia, com erosão ou ulceração central

(Mendleau e Hnilica, 2006)

slide37
Pesquisa da causa base
  • Histopatologia
  • Antimicrobiano até 2 semanas após cura
  • Quanto mais crônico pior o diagnóstico

(Mendleau e Hnilica, 2006)

celulite aer bia
Celulite aeróbia
  • Infecção profunda supurativa
  • Pele friável, escurecida e desvitalizada
  • Staphylococcus
  • Terapia antimicrobiana agressiva
celulite anaer bia
Celulite anaeróbia
  • Severa
  • Mordedura, traumas por perfuração e corpo estranho
  • Progressão rápida
  • Demarcação pobre
  • Edemaciação e necrose
  • Toxinas podem produzir sinais sistêmicos
  • Diagnóstico pelos sinais clínicos
  • Metronidazol e amoxi+cla até 14 dias após cura
  • Cirurgia
abcessos subcut neos
Abcessos subcutâneos
  • Incomuns em cães e comuns e gatos
  • Mordedura e corpo estranho
  • P. multocida é a mais isolada
  • Drenagem cirúrgica
  • Antimicrobianos por 7 dias