elogio ao cotidiano l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
[Elogio ao Cotidiano] PowerPoint Presentation
Download Presentation
[Elogio ao Cotidiano]

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 56

[Elogio ao Cotidiano] - PowerPoint PPT Presentation


  • 223 Views
  • Uploaded on

[Elogio ao Cotidiano].  Morin: Cada um, no lugar onde se encontra, está na luta inteira  Foucault: todos aqueles que reconhecem [o poder como abuso] como intolerável, podem começar a luta onde se encontram e a partir de sua atividade (ou passividade) própria

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '[Elogio ao Cotidiano]' - Faraday


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
elogio ao cotidiano
[Elogio ao Cotidiano]

Morin: Cada um, no lugar onde se encontra, está na luta inteira

Foucault: todos aqueles que reconhecem [o poder como abuso] como intolerável, podem começar a luta onde se encontram e a partir de sua atividade (ou passividade) própria

Marx: a teoria em si torna-se também uma força material quando se apodera das massas

Hegel: o verdadeiro é o todo

Guattari: uma revolução, uma mudança social em termos macropolítico, macrossocial, diz respeito também à questão da produção da subjetividade

Prigogine: sensibilidade às condições iniciais: pequenas modificações das condições iniciais produzem um efeito que se amplia ao longo do tempo

slide2
A leitura do mundo precede a leitura da palavra, daí que a posterior leitura desta não possa prescindir da continuidade da leitura daquele. Linguagem e realidade se prendem dinamicamente.

Paulo Freire

slide3

O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem-caráter, nem dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons!

Martin Luther King

slide4
A escola depende, mais que de leis, mais que do aluno, mais que da própria família deste, de um elemento capaz de modificar todos estes pela sua ação consciente, pela sua visão geral da vida, pela sua disposição de constante devotamento a um ideal, ainda sabendo-o de realização tardia, sentindo-o cumprir-se muito depois da sua ansiedade e do seu labor. A escola depende, antes de tudo, do mestre.

Cecília Meireles, 1930

slide5
A intersubjetividade ou a intercomunicação é a característica primordial deste mundo cultural e histórico. Daí que a função gnosiológica não possa ficar reduzida à simples relação do sujeito cognoscente com o objeto cognoscível.

Sem a relação comunicativa entre sujeitos cognoscentes em torno do objeto cognoscível desapareceria o ato cognoscitivo. (...)

Esta é a razão pela qual (...) uma relação constituinte fundamental e indispensável ao ato de conhecimento é a relação dialógica. A educação é comunicação, é diálogo.

Paulo Freire

(Extensão ou Comunicação?)

slide6
As ilusões nunca são perdidas. Elas significam o que há de melhor na vida dos homens e dos povos.

Perdidos são os cépticos que escondem sob uma ironia fácil a sua impotência para compreender e agir.

Perdidos são aqueles períodos da história em que os melhores, gastos e cansados, se retiram da luta, sem enxergarem no horizonte nada a que se entreguem, caída uma sombra uniforme sobre o pântano estéril da vida sem formas.

Bento de Jesus Caraça

slide7
Ninguém educa ninguém, como tampouco ninguém se educa a si mesmo: os homens se educam em comunhão, mediatizados pelo mundo.

Paulo Freire

[Pedagogia do Oprimido, p. 79]

slide9

O insuportável não é a dor, mas a falta de sentido da dor, mais ainda, a dor da falta de sentido. Oswaldo Giacoia Junior

slide10
—O estrangeiro: Caro amigo, ousar separar tudo de tudo é uma coisa, não somente discordante, mas desconhecer as Musas e a filosofia.

—Teeteto: Por quê?

—O estrangeiro: A mais radical maneira de aniquilar nossa argumentação consiste em separar cada coisa de todas as outras, porque a razão nos vem da ligação mútua entre as figuras.

Platão

slide11
O fato de adquirir autoridade por meio do estudo deu-me uma terrível responsabilidade política

Albert Einstein

slide12
Parece-me importante dizer da impossibilidade, em todos os tempos, de termos tido e de termos uma prática educativa sem conteúdo, quer dizer, sem objeto de conhecimento a ser ensinado pelo educador e apreendido, para poder ser aprendido pelo educando.

E isto precisamente porque a prática educativa é naturalmente gnosiológica.

Paulo Freire

slide13
A segurança com que a autoridade docente se move implica uma outra, a que se funda na sua competência profissional.

Nenhuma autoridade docente se exerce ausente desta competência.

O professor que não leve a sério sua formação, que não estude, que não se esforce para estar à altura de sua tarefa não tem força moral para coordenar as atividades de sua classe. (...)

A incompetência profissional desqualifica a autoridade do professor.

Paulo Freire

slide14
Liberdade é poder fazer aquilo que a gente quer muito, muito mesmo. (...)

E há homens e mulheres, centenas, milhares, que passam a vida inteira sem fazer o seu desejo mais profundo, aquilo que nos faz felizes.

Só sabem fazer a vontade dos outros. Eles não aprenderam a liberdade. Foram domesticados.

Rubem Alves

slide15
O importante não é tanto o que fizeram comigo, mas o que eu faço com o que fizeram comigo.

Jean-Paul Sartre

slide16
Eu tenho uma espécie de dever, de dever de sonhar

De sonhar sempre, pois sendo mais do que um espectador de mim mesmo,

Eu tenho que ter o melhor espetáculo que posso.

E assim me construo a ouro e sedas, em salas supostas,

Invento palco, cenário para viver o meu sonho entre luzes brandas

E músicas invisíveis.

Fernando Pessoa

o pombo real
O Pombo Real

Nasruddin se tornou o Primeiro Ministro do Rei.

Certo dia, ao vagar pelo palácio, pela primeira vez, em sua vida, viu um falcão real.

Acontece que o nosso Nasruddin não tinha visto nunca um pombo assim... Tomando, pois, depressa, uma tesoura, cortou as garras e aparou as asas e o próprio bico adunco do falcão.

E disse: "Agora sim você é um pombo, um pássaro decente, pois seu dono não estava cuidando de você".

Anthony de Mello

slide19
—Difícil separar Pessoal do Profissional

Grande parte da pessoa é o professor, e grande parte do professor é a pessoa

cf. AntonioNóvoa

slide20
—Difícil separar Pessoal do Profissional

Na Ponte, a competência básica dos professores que contratamos é o ser pessoa. Onde não existir uma pessoa, não será possível colocar um profissional professor

José Pacheco

dial tica diversidade igualdade
Dialética Diversidade-Igualdade

O princípio da diferença exige reconhecimento das diferenças. E surge o grande direito – o direito a ter direito nesta sociedade civil global.

Temos o direito de ser iguais quando as diferenças nos inferiorizam. Temos o direito a ser diferentes, quando a igualdade nos descaracteriza.

Boaventura de Sousa Santos

slide22
Todos os educandos, quaisquer que sejam as suas origens familiares, sociais, étnicas, têm igual direito ao desenvolvimento máximo que a sua personalidade implica.

Henri Wallon

slide23
Felizes os Educadores

que aprendem a fazer da ação de cada dia

a semente da nova sociedade.

Infelizes os Educadores

que pensam que as coisas novas só aparecerão no futuro

porque não perceberão, nem farão perceber

que o "novo" já está no meio de nós,

brotando de nossas práticas transformadoras,

solidárias com as lutas dos espoliados da terra.

Ivan Teófilo

slide24
O professor não conteve a curiosidade. Pediu desculpas ao Marco pela interrupção e perguntou que papéis eram aqueles.

“Sabe, professor, ontem estive a ajudar o André [que na outra escola era rotulado de mongolóide] a perceber o que era um nome. Ele parece que ficou na mesma...” - disse o Marco.

“E então?” – insistiu o professor.

“Fui p´ra casa a cismar, a cismar... E pensei em fazer umas fichas e fiz as fichas. Trouxe-as hoje e olhe que o André, agora, parece que já percebeu tudo. Não acha?”

O professor não conseguiu articular a resposta. Passou a mão na cabeça do Marco. Voltou as costas ao grupo, porque a verdade é que os homens também choram. José Pacheco

slide25
E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências…

A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.

Vinícius de Moraes

slide26
O que eu não gosto é de uma palavra de tanque. Porque as palavras do tanque são estagnadas, estanques, acostumadas. E podem até pegar mofo.

Quisera um idioma de larvas incendiadas. Palavras que fossem de fontes e não de tanques.

Manoel de Barros

slide28
Acredito no poder de arraste das idéias. Para viver, todas as pessoas precisam de idéias. Portanto, o desafio está —como esteve em outras fases críticas da história— com os intelectuais. (...)

A história exige um sentido. Quando as pessoas descobrem que ele está ausente, elas passam a se abrir para novas explicações.

Milton Santos

Brotas de Macaúbas/BA, 3 de maio de 1926

São Paulo/SP,

24 de junho de 2001

slide29
O mundo que nos cerca não é, apenas, uma criação do espírito; ele existe concretamente. É dele, pois, que devemos partir para construir outra coisa, isto é, outro mundo.(...)

Quando consideramos a história possível e não apenas a história existente, passamos a acreditar que outro mundo é viável. E não há intelectual que trabalhe sem idéia de futuro.

Para ser digno do homem, qual seja, do homem visto como projeto, o trabalho intelectual e educacional tem que ser fundado no futuro. É dessa forma que os professores podem tornar-se intelectuais: olhando o futuro.Milton Santos

Brotas de Macaúbas/BA, 3 de maio de 1926

São Paulo/SP,

24 de junho de 2001

slide30

Quem não compreende um olhar

tampouco compreenderá uma longa explicação.

Mario Quintana

slide31
Para ser grande, sê inteiro: nada

Teu exagera ou exclui

Sê todo em cada coisa. Põe quanto és

No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda

Brilha, porque alta vive.

Fernando Pessoa

slide32
Na verdade, a promessa que fazemos é enorme e corresponde a um desejo muito vivo, mas podemos facilmente imaginar que haverá pessoas que nela verão mais um sonho que um propósito fundado na realidade.

No entanto, quem quer que tu sejas, leitor, suspende o teu juízo, até que tenhas conhecido a substância das coisas; então terás a liberdade, não somente de julgar, mas também de te pronunciares.

Com efeito, eu não desejo, para não dizer que não ambiciono, arrastar ninguém, com os artifícios da persuasão, a dar o seu assentimento a uma coisa que não oferece qualquer certeza.

Mas, com toda a alma, advirto, exorto e suplico, a quem quer que olhe o nosso trabalho, que nele fixe o seu próprio olhar e que o fixe com toda a sua penetração, pois é o único meio de se não deixar perturbar pelas opiniões fascinantes de outrem.

Comenius, Didáctica Magna (1637)

slide34

Não há educação fora das sociedades humanas e não há homem no vazio. (...) Desde logo, qualquer busca implica, necessariamente, numa opção.

Opção pelo ontem, que significava uma sociedade sem povo, comandada por uma “elite” superposta a seu mundo, alienada, em que o homem simples, minimizado e sem consciência desta minimização, era mais “coisa” que homem mesmo.

Ou opção pelo Amanhã, por uma nova sociedade, que, sendo sujeito de si mesma, tivesse no homem e no povo sujeitos da História.

A opção teria de ser também entre uma “educação” para a “domesticação”, para a alienação, e uma educação para a liberdade. Paulo Freire

slide36
Mais uma vez os homens, desafiados pela dramaticidade da hora atual, se propõem, a si mesmos, como problema. Descobrem que pouco sabem de si, de seu “posto no cosmos”, e se inquietam por saber mais. Estará, aliás, no reconhecimento do seu pouco saber de si uma das razões da procura. (...)

O problema de sua humanização, apesar de sempre dever haver sido, de um ponto de vista axiológico, o seu problema central, assume, hoje, caráter de preocupação ineludível. (...) O movimento de busca só se justifica na medida em que se dirige ao Ser Mais. Esta é sua vocação histórica.

Paulo Freire

slide37
Um sentido para a existência e um amor que faça do encontro um projeto de vida: eis uma enorme demanda diante de raríssimas ofertas.

Frei Betto

* * * * *

C. Wright Mills comparou a situação dos educadores à de remadores, no porão de uma galera.

Todos estão suados de tanto remar e se congratulam uns com os outros pela velocidade que conseguem imprimir ao barco.

Há apenas um problema: ninguém sabe para onde vai o barco, e muitos evitam a pergunta alegando que este problema está fora da alçada de sua competência.

Rubem Alves

Nossa civilização é rica de meios e carente de fins. Albert Einstein

slide38

A Arte de Ser Bom

Sê bom. Mas ao coração

Prudência e cautela ajunta.

Quem todo de mel se unta,

Os ursos o lamberão.

slide39
Do Rigor na Ciência

... Naquele Império, a Arte da Cartografia logrou tal Perfeição que o Mapa de uma só Província ocupava toda uma Cidade e o Mapa do Império, toda uma Província. Com o tempo, esses Mapas Desmesurados não satisfizeram e os Colégios de Cartógrafos levantaram um Mapa do Império que tinha o tamanho do Império e coincidia pontualmente com ele. Menos Afeitas ao Estudo da Cartografia, as Gerações Seguintes entenderam que esse dilatado Mapa era inútil e não sem impiedade o entregaram às Inclemências do Sol e dos Invernos. Nos Desertos do Oeste perduram despedaçadas Ruínas do Mapa, habitadas por Animais e por Mendigos; em todo o País não há outra relíquia das Disciplinas Geográficas.Suárez Miranda, Viajes de varones prudentes, livro cuarto, cap. XIV, Lérida, 1658

slide41

Poeminha do Contra

Todos esses que aí estãoatravancando meu caminho,eles passarão...eu passarinho!

slide42
Desde que, adulto, comecei a escrever romances, tem-me animado a idéia de que o menos que um escritor pode fazer, numa época de atrocidades e injustiças como a nossa, é acender a sua lâmpada, fazer luz sobre a realidade de seu mundo, evitando que sobre ele caia a escuridão, propícia aos ladrões, aos assassinos e aos tiranos.

Sim, segurar a lâmpada, a despeito da náusea e do horror.

Se não tivermos uma lâmpada elétrica, acendamos o nosso toco de vela ou, em último caso, risquemos fósforos repetidamente, como sinal de que não desertamos nosso posto.

Érico Veríssimo, Solo de Clarineta

slide43
C. Wright Mills comparou a situação dos educadores à de remadores, no porão de uma galera. Todos estão suados de tanto remar e se congratulam uns com os outros pela velocidade que conseguem imprimir ao barco. Há apenas um problema: ninguém sabe para onde vai o barco, e muitos evitam a pergunta alegando que este problema está fora da alçada de sua competência. Rubem Alves

* * * * *

A escola deve perder o medo burocrático de perder tempo. Parece que estudar é perder tempo. Qualquer instituição que necessita se inovar, pára e pensa as possíveis mudanças. Por que a escola não pode parar para pensar as inovações necessárias?

Maximiliano Menegolla

* * * * *

É PRECISO PARAR

Estou com saudade de mim. Ando pouco recolhida, atendo demais ao telefone, escrevo depressa, vivo depressa. Onde está eu? Preciso fazer um retiro espiritual e encontrar-me enfim — enfim, mas que medo — de mim mesma. Clarice Lispector

slide44
O nosso risco porém é este: somos devorados pelo urgente e não temos tempo para posicionarmo-nos diante do importante.

Fernando Ávila

* * * * *

É preciso parar, é preciso ler, estudar e refletir. E quem de nós faz isto? Quem de nós "tem tempo" para isso? Corremos demais, fazemos demais e pensamos menos. Talvez a maior carência que nós, educadores, temos no momento, é a necessidade de encontrarmos espaços de tranqüilidade e de paz para o estudo e a reflexão. Não creio que seja, na realidade, problema de tempo. Talvez seja questão de hábito e de espaço interior.

Agostinho Castejon

* * * * *

Amar é: engendrar, suscitar, estimular, despertar. É isto, e sobretudo é o oposto do viver em circuito fechado, do possuir para si mesmo: riqueza, saber, poder. O homem é essencialmente um ser de linguagem. Seu desejo essencial é a comunicação.

Françoise Dolto

slide45
Nossa civilização é rica de meios e carente de fins.

Albert Einstein

* * * * *

A verdadeira revolução definitivamente transformadora da sociedade humana é tanto psicológica como sócio-político-econômica. Devemos transformar simultaneamente —sublinhem o advérbio para evitar escapismos dualistas— tanto as pessoas como as estruturas. Pedro Casaldáliga

* * * * *

Eu sustento que a única finalidade da ciência está em aliviar a miséria da existência humana. Bertolt Brecht

* * * * *

A humanização do homem, que é a sua libertação permanente, não se opera no interior da sua consciência, mas na história que eles devem fazer e refazer constantemente. Paulo Freire

slide46
Uma aranha executa operações semelhantes às do tecelão, e a abelha supera mais de um arquiteto ao construir sua colméia. Mas o que distingue o pior arquiteto da melhor abelha é que ele figura na mente sua construção antes de transformá-la em realidade. No fim do processo do trabalho aparece um resultado que já existia antes idealmente na imaginação do trabalhador. Ele não transforma apenas o material sobre o qual opera; ele imprime ao material o projeto que tinha conscientemente em mira, o qual constitui a lei determinante do seu modo de operar e ao qual tem de subordinar sua vontade. Karl Marx

* * * * *

A gente quer ter voz ativa e no nosso destino mandar.

Chico Buarque

* * * * *

-'Poderia me informar, por obséquio, que caminho devo tomar?'

-'Isto depende de onde você quer chegar', disse o gato.

-'Eu não me importo muito para onde...' disse Alice.

-'Então, não tem importância que caminho você to me', disse o gato. Lewis Carroll

slide47
Das Utopias

Se as coisas são inatingíveis... ora!

Não é motivo para não querê-las...

Que tristes seriam os caminhos, se não fora

A presença distante das estrelas!

Mario Quintana

analfabeto pol tico
Analfabeto Político

O pior analfabeto é o analfabeto político...

O analfabeto político é tão burro

Que se orgulha e estufa o peito, dizendo que odeia a política

Não sabe o imbecil que da sua ignorância

Nasce a prostituta, o menor abandonado,

O assaltante e o pior de todos os bandidos

Que é o político vigarista, pilantra,

Corrupto, lacaio

Das empresas nacionais e multinacionais

Ele não ouve, não fala nem participa dos acontecimentos políticos.

Bertolt Brecht

as bem aventuran as do educador ivan te filo
As Bem-Aventuranças do Educador (Ivan Teófilo)

A. Felizes os Educadores

que tomam consciência do conflito social em que estão metidos

e nele tomam partido pelo projeto social dos empobrecidos

porque assim contribuirão para a transformação da sociedade.

B. Infelizes os Educadores

que imaginam que a ação educativa é politicamente neutra

porque acabam transformando a educação num instrumento de ocultação das contradições da realidade social

e de reprodução da ideologia e das relações sociais vigentes.

slide50
A. Felizes os Educadores

que sabem articular o saber chamado científico com o saber popular

porque ajudarão as classes populares a afirmar sua identidade cultural.

B. Infelizes os Educadores

que transmitem mecanicamente um saber elitista

porque contribuem para reforçar a marginalização

e a dominação cultural do povo.

slide51
A. Felizes os Educadores

que aprendem a dialogar com os educandos

porque resgatam a comunicação pedagógica criadora no processo educativo.

B. Infelizes os Educadores

que impedem os educandos de dizerem sua palavra,

porque estão reproduzindo a educação do colonizador.

slide52
A. Felizes os Educadores

que se tornam competentes em suas "disciplinas"

ensinando a "desopacizar" ideologicamente seus conteúdos

porque ajudarão os educandos a se apropriarem do saber como ferramenta de luta na defesa e afirmação de sua dignidade.

B. Infelizes os Educadores

que não se esforçam para ser criticamente competentes

porque enfraquecerão mais ainda o poder cultural das classes oprimidas

reforçando o autoritarismo cultural das classes dominantes.

slide53
A. Felizes os Educadores

que procuram se organizar para conquistar

melhores salários e melhores condições de ensino

porque estão ajudando a conquistar a educação a que o povo tem direito.

B. Infelizes os Educadores

que atuam isoladamente, buscando apenas seus próprios interesses

porque deixarão de contribuir para a conquista de uma escola digna.

slide54
A. Felizes os Educadores

que iluminam sua prática com o sonho de um futuro novo

em que as pessoas aprendam, através de novas relações sociais,

as lições da justiça e da solidariedade.

B. Infelizes os Educadores

que não sonham

porque não terão a coragem de se comprometer na luta criadora

de uma nova sociedade a partir de sua prática educativa.

slide55
Felizes os Educadores

que aprendem a fazer da ação de cada dia

a semente da nova sociedade.

Infelizes os Educadores

que pensam que as coisas novas só aparecerão no futuro

porque não perceberão, nem farão perceber

que o "novo" já está no meio de nós,

brotando de nossas práticas transformadoras,

solidárias com as lutas dos espoliados da terra.

slide56
A pressão deve ainda tornar-se mais premente pelo fato de se despertar a consciência dela e a ignomínia tem ainda de tornar-se mais ignominiosa pelo fato de se trazer à luz pública.

Karl Marx, 1989: 81).

Houve já quem afirmasse que todas as grandes verdades são absolutamente triviais e que teremos de expressá-las de uma maneira nova e, se possível, paradoxal, para que não venham a cair no esquecimento.

José Saramago