Meniscectomia parcial
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 30

MENISCECTOMIA PARCIAL PowerPoint PPT Presentation


  • 58 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

MENISCECTOMIA PARCIAL. Prof. Ms. Odir de Souza Carmo. Introdução.

Download Presentation

MENISCECTOMIA PARCIAL

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Meniscectomia parcial

MENISCECTOMIAPARCIAL

Prof. Ms. Odir de Souza Carmo


Introdu o

Introdução

  • Os meniscos são em número de dois- denominados Medial e Lateral, são estruturas fibrocartilogêneas crescentiformes situada no interior da cápsula articular e da sinovial do joelho. Estão interpostos entre o platô tibial e a área articular condilar-femural.


Constitui o dos meniscos

Constituição dos Meniscos

  • São constituídos principalmente por colágeno tipo I e são mais fibrosos que a cartilagem articular.

  • Os meniscos recebem seu suprimento sangüíneo das artérias geniculadas superiores e inferiores mediais e laterais e possuem uma vascularidade variável. O suprimento vascular penetra por 10 a 30% da largura do menisco medial e por 10 a 20% da largura do menisco lateral.


Fun o

Função

  • Os meniscos atuam como enchimento para a articulação, compensando a visível incongruência entre as superfícies articulares femurais e tibiais.

  • Função de lubrificação da articulação e ajudar na distribuição do líquido sinovial por toda a articulação.

  • Contribuem para a estabilidade em todos os planos, mas são importantes estabilizadores rotacionais.

  • A longo prazo assume-se que os meniscos exercem funções de absorção de choques ou de energia.


Tipos de menisco

Tipos de Menisco

  • Menisco Medial – O menisco medial é semicircular. Tem 3,5 cm em média de dimensão ântero-posterior e é consideravelmente mais largo posterior do que na anteriormente.

  • Seu corno anterior origina-se na área intercondilar anterior da tíbia , em frente à inserção tibial do ligamento cruzado anterior; o corno posterior é ligado á área intercondilar tibial, em frente à inserção do ligamento cruzado posterior; sua borda periférica mistura-se com a cápsula da articulação do joelho e com o folheto profundo do ligamento colateral tibial.


Tipos de menisco1

Tipos de Menisco

  • Menisco Lateral – São quase circulares na forma e, diferentemente do menisco medial, sua largura é mais ou menos uniforme ao longo de sua extensão. O menisco lateral cobre uma superfície tibial articular maior que o medial.

  • O corno anterior se insere na área intercondilar.

  • O corno posterior se insere na área intercondilar posterior da tíbia, imediatamente posterior à eminência intercondilar.


Tipos de menisco2

Tipos de Menisco

  • Menisco Lateral - O tendão do poplíteo, em seu trajeto em direção ao côndilo femural lateral, atravessa a interlinha articular lateral do joelho com sua membrana sinovial própria e não se insere no menisco.

  • Na região posterior do menisco lateral, logo atrás do seu corno posterior, estão o ligamento menisco femural anterior, ou ligamento de Humphrey, e o ligamento menisco femural posterior, ou ligamento de wrisbrg, que se dirigem ao côndilo femural medial e têm ação sinérgica ao ligamento cruzado posterior.


Les o de lca x les o meniscal

Lesão de LCA x Lesão Meniscal

  • 2/3 das lesões do LCA estão associados a lesões meniscais. Esta associação pode se dar concomitantemente no trauma inicial ou evoluir de uma lesão isolada do ligamento cruzado anterior, levando a ruptura meniscal em consequência do deslocamento antero-posterior exagerado da tíbia em relação ao fêmur.

  • A ruptura meniscal inicia-se geralmente no corno posterior e , com o tempo, progride anteriormente, formando vários modelos de lesões. Entre estes modelos, os mais comuns são alça de balde, radial, flat anterior ou posterior e clivagem horizontal.


Les es meniscais

Lesões Meniscais

  • São na sua grande maioria, associados a trauma, particularmente ao trauma esportivo.

  • O mecanismo de lesão típico é o de rotação do corpo sobre o joelho, estando o pé fixo ao solo. Nesta situação o menisco fica preso entre o fêmur e a tíbia , sofrendo uma carga axial e uma rotação rompendo-se em geral o corno posterior do menisco medial.


Manifesta es cl nicas

Manifestações Clínicas

  • Dor aguda na interlinha articular, bloqueio da extensão e derrame, que normalmente inicia-se cerca de 1 h depois do trauma. Após a fase aguda o paciente pode permanecer assintomático e apresentar episódios de falseios, bloqueio da extensão e derrame articular desencadeados por torções, em geral mais leves do que o trauma inicial e eventualmente por agachamento.


Exame f sico

Exame Físico

  • O paciente apresenta algum grau de hipotrofia do quadríceps, retração de isquiotibiais e dor ao agachar-se e às manobras de torção tibial, ou teste de Apley positivo e teste de MC Muray positivo.


Hist ria cl nica e o exame f sico

História Clínica e o Exame Físico

  • São de grande importância para o diagnóstico. A confirmação do diagnóstico é por meio de exame subsidiários. O exame de escolha é a ressonância magnética, por ser um exame não invasivo e rico em detalhes. A pneumoartrografia contratada deve ser feita somente quando a ressonância for inacessível, com a ressalva de que se encontram com alguma freqüência resultados falsos positivos e falsos negativos neste exame.


Al a de balde

Alça de Balde

  • Acomete ocasionalmente em adultos jovens, depois de trauma importante, sendo freqüente a sua associação com lesão do LCA. O menisco medial é o mais comumente acometido. O paciente relata falseios, afirmando que “alguma coisa sai do lugar no joelho” bloqueando a sua extensão e que , após alguma manobra de torção, o joelho fica livre para estender. Isto ocorre quando a alça luxa para o intercôndilo interpondo-se entre o fêmur e a tíbia.


Radial

Radial

  • Normalmente localiza-se no terço médio do menisco lateral. As lesões menores que 3 mm são geralmente assintomáticas e as maiores que 5 mm, sintomáticas.


Meniscectomia parcial

Flap

  • O flap meniscal evolui de uma lesão radial ou em alça de balde. Se o da alça de balde romper no meio, o menisco apresentará então dois flaps, um anterior e outro posterior.


Clivagem horizontal

Clivagem Horizontal

  • É um tipo de lesão bastante comum, sendo freqüentemente associado a alterações degenerativas ou com qualquer outro tipo de lesão.


Meniscectomia parcial1

Meniscectomia Parcial

  • Ato cirúrgico, através do artroscópio, que consiste na retirada da parte ou fragmentos do menisco, encontrados na articulação do joelho.


Tratamento fisioterap utico 1 etapa

Tratamento Fisioterapêutico1ª Etapa


Objetivos do tratamento

Objetivos do Tratamento

  • Diminuir o quadro álgico;

  • Aumentar o arco de movimento;

  • Recuperar o tônus muscular;

  • Aumentar a capacidade muscular;

  • Aumentar a força muscular;

  • Diminuir o edema local;

  • Reeducação da marcha;

  • Reativar a via proprioceptiva;

  • Condicionamento físico progressivo.


Meniscectomia parcial

  • Tens: Analgesia

  • Crioterapia: Diminuição do edema

  • Contração Isométrica: com o objetivo de recuperar o tônus muscular, através do Endophasys-R (Corrente Russa)

  • Laser: para obter a regeneração tecidual

  • Manipulação de patela e cicatriz com hidratante

  • Cinesioterapia passiva: Movimentos de flexão e extensão, exercícios com resistência das mãos e posterior cinesioterapia resistida com thera-band.


Tratamento fisioterap utico 2 etapa

Tratamento Fisioterapêutico2ª Etapa


Meniscectomia parcial

  • Atividades proprioceptivas na tábua de equilíbrio, giro plano, balancinho e cama elástica

  • Atividades cinesioterapêuticas livre e com resistência na bicicleta ergométrica, utilizando caneleira de 1kg, 2kg e 3kg

  • Exercícios com 03 séries de repetições, utilizando thera-band, trabalhando flexão-extensão, adução-abdução

  • Atividades de deslocamento com bola e movimentos laterais alternados com o Terapeuta jogando a bola


Meniscectomia parcial

  • Exercícios de transferência de peso e agachamento unilateral e bilateral

  • Exercícios de hidrocinesioterapia, com o objetivo de aumentar o arco de movimento e condicionamento com piques dentro d’água.

  • Exercícios na sala de musculação, de flexão-extensão, adução e abdução, com a carga de 5kg, 10kg e 20 kg

  • Exercícios Abdominais

  • Caminhada na areia da praia.


Tratamento fisioterap utico 3 etapa

Tratamento Fisioterapêutico3ª Etapa


Meniscectomia parcial

  • Musculação: Exercícios contra-resistência para os membros inferiores, com carga variada de 20 kg, 30 kg, com poucas, médias e muitas repetições.

  • Corrida na areia da praia e no campo de futebol.

  • Atividades no campo de futebol, de deslocamento e condução da bola, passes e dribles.

  • Atividades na esteira rolante.


Avalia o da for a muscular no equipamento cybex norm

Avaliação da Força Muscular no equipamento CYBEX-NORM.

  • Resultado: o membro inferior direito mostrou uma diferença normal para este tipo de recuperação entre o MID e MIE, em movimento de extensão.

  • No teste de força muscular flexora, a diferença não foi desproporcional.


Orienta o para a continuidade do tratamento fase de manuten o

Orientação para a continuidadedo TratamentoFase de Manutenção

  • Realizar exercícios de alongamento, antes e após às atividades.

  • Reequilibrar a musculatura anterior da coxa com exercícios na musculação: cadeira extensora: 3 séries de 20 repetições – 30kg aumentando progressivamente.

  • Reequilibrar a musculatura posterior: mesa flexora: 03 séries de 20 repetições – 30 kg, aumentando progressivamente


Meniscectomia parcial

  • Reequilibrar a musculatura medial e lateral: cadeira adutora e abdutora: 3 séries de 20 repetições – 30 kg, aumentando progressivamente.

  • 40 minutos de corrida no campo, diariamente.

  • 30 minutos de exercícios com bola, utilizando os fundamentos de passe, drible e deslocamento, aumentando progressivamente.

  • Exercícios com thera-band, 3 séries de 30 repetições, diariamente, com movimentos de extensão, flexão, adução e abdução.


Bibliografia

Bibliografia

  • WEINECK, J. Biologia do Esporte. São Paulo: Manole, 2000.

  • ANDREWS, J.R.; HARRELSON, G.L.; WILK, K.E. Reabilitação Física das Lesões Desportivas. 2ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

  • SHANKAR, K. Prescrição de Exercícios. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

  • CAILLET, R. Dor no Joelho. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

  • DANGELO, J. G.; FATTINI, C. A. Anatomia humana sistêmica e segmentar: para o estudante de medicina. ed. 2. São Paulo: Atheneu, 2000. p. 192 – 196.

  • FATARELLI, I. F. C.; ALMEIDA, G. L. Estudo do Controle Motor e da Biomecânica na Lesão e Reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior. Campinas, fev 2003. p. 38 – 49. Tese (Doutorado em Biologia Funcional e Molecular na área de Fisiologia) – Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas.

  • HOPPENFELD, S. Propedêutica ortopédica: coluna e extremidades. ed. 1. Rio de Janeiro: Atheneu, 2002. p. 180 – 196, 206.


Meniscectomia parcial

  • SMITH , L. K. et al. Cinesiologia clinica de Brunnstrom . 5 edição, Ed. Manole, SP-1997.

  • KAPANDJI , I. A. Fisiologia articular . 5 edição, Ed. Manole, SP-1997.

    GOULD III , J. A. Fisioterapia na ortopedia e na medicina do esporte. 2 edição, Ed. Manole, SP-1993.

  • KALTENBORN , F. et al. Mobilização manual das articulações - método Kaltenborn . Volume I - extremidades. 5 edição, Ed. Manole, SP-2001.

  • ALMEIDA, M. F. Lesão do ligamento cruzado anterior tratamento fisioterápico. Disponível em: < http://www.mfafisioterapia.hpg.ig.com.br >.Acesso em 24 set. 2003.

  • AMATUZZI, M. M.; ROSSI, J. D. M. B. A. Patologia do joelho. s. ed. São Paulo, 1992, p. 1, 35, 37, 106 – 108.

  • ARAÚJO, A. D. S.; MERLO, J. R. C.; MOREIRA, C. Reeducação neuromuscular e proprioceptiva em pacientes submetidos à reconstrução do ligamento cruzado anterior. Revista Fisioterapia Brasil, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 217 – 222, mai./jun. 2003.

  • CAMANHO, G. L. Patologias do joelho. ed 1. São Paulo: Sarvier, 1996. p. 2, 4, 16, 173 – 175, 177 – 181.

  • CASTRO, J. O. M.; PEREIRA, P. P.; TELINI, A. C. Anatomia e biomecânica do ligamento cruzado anterior. Disponível em: < http://www.grupodojoelho.com.br >. Acesso em: 27 ago 2003

  • CIPRIANO, J. J. Manual Fotográfico de testes ortopédicos e neurológicos. ed. 3. São Paulo: Manole Ltda, 1999. p. 318 – 326.


  • Login