reflex o sobre o filme daens um grito de justi a
Download
Skip this Video
Download Presentation
Reflexão sobre o filme: “Daens: um grito de justiça”

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 69

Reflex o sobre o filme: Daens: um grito de justi a - PowerPoint PPT Presentation


  • 500 Views
  • Uploaded on

Reflexão sobre o filme: “Daens: um grito de justiça”. Contexto em que se passa; Problemas que levanta; Relação entre o filme e a questão social; Relação com a questão política; Política, Politicagem, Corrupção, Participação; Ideologias.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Reflex o sobre o filme: Daens: um grito de justi a ' - saxon


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
reflex o sobre o filme daens um grito de justi a
Reflexão sobre o filme: “Daens: um grito de justiça”
  • Contexto em que se passa;
  • Problemas que levanta;
  • Relação entre o filme e a questão social;
  • Relação com a questão política;
  • Política, Politicagem, Corrupção, Participação;
  • Ideologias.
a revolu o industrial e a origem da sociedade capitalista
A Revolução Industrial e a origem da sociedade capitalista
  • Século XIV – Europa caminha para o mundo urbano-industrial (passagem do feudalismo para o capitalismo) – por ser uma mudança radical em todos os seus aspectos, muitos chamaram de Revolução.
  • “A Sociedade Industrial é resultado de um movimento civilizador, que contém a contradição entre dominantes e dominados, não mais na mesma dimensão da sociedade escravista”.
revolu o econ mica
REVOLUÇÃO ECONÔMICA
  • Comércio faz surgir a divisão social do trabalho;
  • Surgem as classes sociais: burguesia (proprietários dos m.p.) x proletariado(força de trabalho)
revolu o pol tica
Revolução Política
  • Nobreza feudal perde seu domínio para a classe economicamente mais forte: política será organizada pelos empresários e industriais;
  • Nasce o Estado Moderno e a Democracia Burguesa;
  • Divisão dos poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário (Montesquieu);
revolu o cultural e social
Revolução Cultural e Social
  • Surge a Escola Moderna;
  • Migração Rural – desintegração cultural do mundo rural, transformação de valores;
  • Superpopulação nas cidades, desemprego, prostituição, miséria, abusos, preconceitos, conflitos;
  • Desmantelamento da família patriarcal;
revolu o cient fica e ideol gica
Revolução Científica e Ideológica
  • A idéia de progresso e enriquecimento se propaga: individualismo;
  • Instituições (escola, polícia, igrejas,) a serviço da classe dominante: ordem;
  • A técnica científica trazia a cura para doenças outrora incuráveis, mas também o desenvolvimento da indústria bélica;
situa o de crise a sociedade se torna um problema
Situação de Crise: a sociedade se torna um problema
  • Surge uma pergunta: “liberdade, igualdade, justiça”... Para todos????
  • A burguesia, assustada com o crescimento do povo como força revolucionária, vai procurar controlar a situação...
duas correntes
Duas correntes
  • O Liberalismo: a harmonia é fundamentada na ordem privada – ORDEM.
  • O Socialismo: a harmonia é fundamentada na supressão da propriedade privada e da exploração – MUDANÇA.
slide13

O discurso da ideologia é um conjunto lógico de prescrições coercitivas do saber e agir sociais, cuja coerência está, justamente, em suas lacunas, pois não explica tudo e esconde as intenções predominantes.

o analfabeto pol tico

O Analfabeto Político

"O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio depende das decisões políticas.

bertold brecht

O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais."

Bertold Brecht

aline maboni
Aline Maboni

Política é a ciência, arte e virtude de criar o bem estar de todos e por ele zelar. É portanto, uma atividade nobre. Tudo no dia a dia das pessoas é, sob algum aspecto, fruto de decisões políticas.

anelise
Anelise

A política é um exercício, é um poder que deve ser exercido em todas as ocasiões e circunstâncias onde alguém vive.

felipe scherer
Felipe Scherer

Política é participar, ter atitude. É pensar um pouco além do nosso próprio umbigo nos posicionando e lutando por causas que beneficiem toda uma comunidade. Está presente nas 24 horas de nossos dias e por isso devemos nos empenhar em conhecê-la cada vez melhor.

juliano amaral
Juliano Amaral

É impossível não ser político ou colocar-se fora da política pelo simples fato de vivermos em sociedade. Todos nossos atos são essencialmente políticos. Também podemos entender a política como um “mal” necessário.

neimar scheid
Neimar Scheid

Arte de governar. A luta pelo poder, conquista e manutenção do poder. O exercício de uma atividade transformadora da consciência e das suas relações com o mundo. Uma atividade social pela qual se visa realizar certos fins utilizando-se de determinados meios. Enfim, um instrumento de que há ‘precisão’ na vida em sociedade.

ricardo g rgen
Ricardo Görgen

A política está em todo o lugar, seja onde você trabalha, estuda, ou em nossas próprias casas. E é essa política que resolve alguns problemas e causa outros. A política na minha opinião é necessária.

uma vis o hist rica
Uma visão histórica
  • O que a política significa aqui e agora é resultado de um longo processo histórico.
  • A atividade política continua em movimento, aberta a novas transformações.
pol tica de gregos e romanos
Política de Gregos e Romanos
  • O termo política foi cunhado a partir da atividade social desenvolvida pelos homens da pólis, a Cidade-Estado grega.
  • Falar em Grécia é falar em democracia;
  • Reflexão sobre a Democracia: exercício e características – conflito, abertura e rotatividade;
  • A fragilidade da Democracia.
a pol tica normativa
A Política Normativa
  • Platão: as questões políticas não podem ser assunto de decisão de qualquer pessoa, pois só os homens preparados devem se ocupar delas;
  • Aristóteles: critica os exageros do mestre Platão e desenvolve a clássica divisão das formas de governo: monarquia, aristocracia e república.
explique

Explique:

“A politicagem muitas vezes se deve à não-separação entre o público e o privado, cuja conseqüência perversa é a corrupção”...

slide28
Politicagem:
    • Política exercida de má fé, a fim de proporcionar benefícios para o próprio político, seu partido, sua família ou até mesmo de seus companheiros de um modo geral, em detrimento dos direitos do povo a quem representa.
slide29

?

  • Como a politicagem consegue existir e se proliferar tão facilmente?
slide30
Fatores que contribuíram ou que contribuem:
      • Ditadura Militar
      • Nossa História
      • Educação/Cultura
pol tica e poder

Política e Poder

Poder e Força: “a mosca azul”

Estado e Poder;

O Poder legítimo;

Participação nos diferentes espaços políticos: família, escola, empresa, sindicatos, cooperativas, ONGs, conselhos (educação, saúde, assistência)...

slide34
Descobrir o tamanho de nossa força e nos livrarmos da politicagem pode demorar gerações, mas é preciso começar.
para que votar
Para que Votar?

Frei Betto

principais causas da n o participa o das elei es se o voto n o fosse obrigat rio
Principais causas da não participação das eleições se o voto não fosse obrigatório
  • Falta educação para a cidadania: temas da realidade, debate, controvérsia, desafio;
  • Cai a fronteira entre o público e o privado: a mídia, ao dar mais ênfase aos erros do que aos acertos dos políticos, desencanta o mundo da política;
principais causas da n o participa o das elei es se o voto n o fosse obrigat rio1
Principais causas da não participação das eleições se o voto não fosse obrigatório
  • A desideologização da política: direita e esquerda confundem as linhas que definiam seus perfis;
  • O eleitoreirismo dos partidos: não se faz mais política por ideais, mas por interesses;
  • A defasagem entre poder e povo: eleitores não percebem mudanças substanciais.
algumas reflex es de frei betto
Algumas reflexões de Frei Betto:
  • A INDIFERENÇA do eleitor inviabiliza a DIFERENÇA na política;
  • Repudiar o voto é demitir-se da cidadania. É uma forma de suicídio cívico;
  • Até que se invente outro sistema, é o voto que decide desde o preço e a qualidade do pão até o direito de tornar sonhos em realidade.
  • “Quem se abstém de votar, deveria abster-se também do direito de se queixar”.
slide39

A politicagem começa na falta de interesse político da grande maioria da população e apenas com uma educação que desenvolva um gosto por política “não igual, mas ao menos similar ao tido pelo futebol no Brasil”...

slide40

João

Ubaldo

Ribeiro

slide41

"Precisa-se de Matéria Prima

para construir um País"

slide42

A crença geral anterior era que Collor não servia, bem como Itamar e Fernando Henrique.

Agora dizemos que

Lula não serve.

slide43

 E o que vier depois

de Lula também

não servirá para

nada...

slide44

Por isso estou começando a

suspeitar que o problema

não está no ladrão corrupto

que foi Collor, ou na farsa

que é o Lula.

slide45

O problema está em nós.

Nós como POVO.

Nós como matéria prima de um país.

Porque pertenço a um país onde a

"ESPERTEZA“

é a moeda que sempre é valorizada,

tanto ou mais do que o dólar.

slide46

 Um país onde ficar rico da noite

para o dia é uma virtude mais apreciada

do que formar uma família, baseada em

valores e respeito aos demais. 

 Pertenço a um país onde, lamentavelmente,

os jornais jamais poderão ser vendidos como

em outros países, isto é, pondo umas caixas

nas calçadas onde se paga por um só jornal

E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO

OS DEMAIS ONDE ESTÃO.

slide47

Pertenço ao país onde as

"EMPRESAS PRIVADAS" são papelarias particulares de seus empregados desonestos, que levam para casa, como se fosse correto, folhas de papel, lápis, canetas, clipes e tudo o que possa ser útil para o trabalho dos filhos...

E para eles mesmos.

slide48

Pertenço a um país onde a gente se

sente o máximo porque conseguiu

"puxar" a tevê a cabo do vizinho, onde

a gente frauda a declaração de imposto

de renda para não pagar ou pagar menos

impostos.

slide49

Pertenço a um país onde a

impontualidade é um hábito.

Onde os diretores das empresas não

valorizam o capital humano.

Onde há pouco interesse pela ecologia,

onde as pessoas atiram lixo nas ruas e

depois reclamam do governo por não

limpar os esgotos.

slide50

Onde pessoas fazem "gatos"

para roubar luz e água e nos

queixamos de como esses serviços

estão caros.

Onde não existe a cultura pela

leitura e não há consciência nem memória política, histórica, nem

econômica.

slide51

Onde nossos  congressistas trabalham

dois dias por semana para aprovar

projetos e leis  que só servem para

afundar ao que não tem, encher o saco

ao que tem pouco e  beneficiar só a alguns.

Pertenço a um país onde as carteiras

de motorista e os certificados

médicos podem ser "comprados",

sem fazer nenhum exame.

slide52

Um país onde uma pessoa de idade

avançada, ou uma mulher com uma

criança nos braços, ou um inválido,

fica em pé no ônibus, enquanto a

pessoa que está sentada finge que

dorme para não dar o lugar.

slide53

Um país no qual a prioridade

de passagem é para o carro e

não para o pedestre. Um país

onde fazemos um monte de coisa

errada, mas nos esbaldamos em

criticar nossos governantes.

slide54

Quanto mais analiso os defeitos do

Fernando Henrique e do Lula, melhor

me sinto como pessoa, apesar de que

ainda ontem "molhei" a mão de um

guarda de trânsito para não ser multado.

Quanto mais digo o quanto o Dirceu

é culpado, melhor sou eu como

brasileiro, apesar de ainda hoje de

manhã ter passado para trás um cliente

através de uma fraude, o que me

ajudou a pagar algumas dívidas.

slide55

Não.

 Não.

Não.

 Já basta.

slide56

 Como "Matéria Prima"

de um país, temos muitas

coisas boas, mas nos falta

muito para sermos os

homens e mulheres que

nosso país precisa.

slide57

Esses defeitos, essa

"ESPERTEZA BRASILEIRA"

congênita, essa desonestidade em

pequena escala, que depois cresce e

evolui até converter-se em casos de

escândalo, essa falta de qualidade

humana, mais do que Collor, Itamar,

Fernando Henrique ou Lula, é que é

real e honestamente ruim, porque

todos eles são brasileiros

como nós, ELEITOS POR NÓS.

slide58

Nascidos aqui, não em outra parte...

Entristeço-me.

 Porque, ainda que Lula renunciasse

hoje mesmo, o próximo presidente

que o suceder terá que continuar

trabalhando com a mesma matéria

prima defeituosa que, como povo,

somos nós mesmos.

slide59

E não poderá fazer nada...

Não tenho nenhuma garantia de que

alguém o possa fazer melhor, mas

enquanto alguém não sinalizar um

caminho destinado a erradicar primeiro

os vícios que temos como povo,

ninguém servirá.

slide60

Nem serviu Collor, nem serviu Itamar,

não serviu Fernando Henrique, e nem

serve Lula, nem servirá o que vier.

Qual é a alternativa?

Precisamos de mais um ditador, para

que nos faça cumprir a lei com a força e

por meio do terror?

slide61

Aqui faz falta outra coisa.

E enquanto essa "outra coisa" não comece

a surgir de baixo para cima, ou de cima

para baixo, ou do centro para os lados, ou

como queiram, seguiremos igualmente

condenados, igualmente estancados...

Igualmente sacaneados!

slide62

É muito gostoso ser brasileiro.

Mas quando essa brasilinidade

autóctone começa a ser um empecilho

às nossas possibilidades de

desenvolvimento como Nação, aí a

coisa muda...

Não esperemos acender uma vela

a todos os Santos, a ver se nos

mandam um Messias.

slide63

Nós temos que mudar, um novo

governador com os mesmos

brasileiros não poderá fazer nada..

Está muito claro...

Somos nós os que temos que mudar.

slide64

Sim, creio que isto encaixa muito

bem em tudo o que anda nos

acontecendo: desculpamos a

mediocridade mediante programas

de televisão nefastos e francamente

tolerantes com o fracasso.

É a indústria da

Desculpa e da

estupidez.

slide65

Agora, depois desta mensagem,

francamente decidi procurar o

responsável, não para castigá-lo,

senão para exigir-lhe (sim, exigir-lhe)

que melhore seu comportamento e

que não se faça de surdo, de

desentendido.

slide66

Sim, decidi procurar o

responsável e

ESTOU SEGURO QUE

O ENCONTRAREI

QUANDO

ME OLHAR NO ESPELHO.

slide67

AÍ ESTÁ.

NÃO PRECISO PROCURÁ-LO

EM OUTRO LADO. 

E você, o que pensa?...

slide68

É O QUÊ EU SEMPRE DIGO.

“O GOVERNO SOMOS NÓS,

OS POLÍTICOS NEM TANTO ASSIM.”

(PAULO BUSKO)

"MEDITE!!!!!"

ad