Trauma pedi trico e abuso infantil l.jpg
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 36

Trauma Pediátrico e Abuso Infantil PowerPoint PPT Presentation


  • 141 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Trauma Pediátrico e Abuso Infantil. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc. Introdução. Lesões Multissistemicas São Mais Comuns Maior Impacto Por Superfície Corporal. Orgãos Mais Próximos. Menos Tecido Adiposo e Conectivo. Introdução. Introdução. Hipotermia é Mais Freqüente e Grave.

Download Presentation

Trauma Pediátrico e Abuso Infantil

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Trauma pedi trico e abuso infantil l.jpg

Trauma Pediátrico eAbuso Infantil

Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc


Introdu o l.jpg

Introdução

Lesões Multissistemicas São Mais Comuns

  • Maior Impacto Por Superfície Corporal.

  • Orgãos Mais Próximos.

  • Menos Tecido Adiposo e Conectivo.


Introdu o3 l.jpg

Introdução


Introdu o4 l.jpg

Introdução

Hipotermia é Mais Freqüente e Grave.

  • Maior Superfície Corporal %

  • Sempre Aquecer a Criança.

    Esqueleto Não Calcificado

  • Fraturas Menos Freqüentes.

  • Maior Transmissão de Energia Para Órgãos Internos.


Introdu o5 l.jpg

Introdução

Aspectos Psicológicos

  • Cooperação da Criança exige Carinho e PACIÊNCIA

    Tratamento

  • ABC do Trauma - Igual ao Adulto


A vias a reas l.jpg

A - Vias Aéreas

Coluna Cervical

  • Região Occipital Mais Proeminente.

  • Cabeça Fletida Normalmente.

  • Coxim Dorsal


A vias a reas7 l.jpg

A - Vias Aéreas

Coluna Cervical

  • Região Occipital Mais Proeminente.

  • Cabeça Fletida Normalmente.

  • Coxim Dorsal


A vias a reas8 l.jpg

A - Vias Aéreas

Coluna Cervical

  • Região Occipital Mais Proeminente.

  • Cabeça Fletida Normalmente.

  • Coxim Dorsal


A vias a reas9 l.jpg

A - Vias Aéreas

Coluna Cervical

  • Região Occipital Mais Proeminente.

  • Cabeça Fletida Normalmente.

  • Coxim Dorsal


A vias a reas10 l.jpg

A - Vias Aéreas

Manutenção de Vias Aéreas

  • CÂNULA OROFARÍNGEA - GUEDEL

    • Vítima Inconsciente.

    • Tamanho Adequado.

    • Colocação sem Rotação.


A vias a reas11 l.jpg

A - Vias Aéreas


B ventila o l.jpg

B - Ventilação

  • Sempre O2 Suplementar.

  • Máscara Facial Adequada - 12 a 15 l/min.


B ventila o13 l.jpg

B - Ventilação

  • Freqüência Respiratória

    • 0 - 6 meses -  30 ou  50

    • 7 meses a 13 anos -  20 ou  30


B ventila o14 l.jpg

B - Ventilação


B ventila o15 l.jpg

B - Ventilação

Manobra de Sellick


C circula o l.jpg

C - Circulação


C circula o17 l.jpg

Punção Periférica - 3 Tentativas ou 90”.

>6 anos - Flebotomia.

< 6 anos - Punção Intra Óssea.

C - Circulação


D neurol gico l.jpg

Combater Hipóxia - Hipotensão - Hipotermia.

Hemorragia de Couro Cabeludo - CHOQUE

Fontanela Aberta - Mascara Quadro

Hipertensão Intracraniana ( Edema) X Lesões Focais.

Convulsão Precoce -

Não necessariamente = Gravidade

D - Neurológico

Trauma de Crânio


E exposi o l.jpg

Sempre Deverá Ser Feita.

Evitar Lesões Desapercebidas.

CUIDAR HIPOTERMIA

E - Exposição


Trauma l.jpg

Torácico

Fraturas Raras.

Parede Complacente - Transferência de Energia Para Órgãos Internos.

Mediastino Mais Móvel

Pneumotórax

Afundamento Tórax.

Abdominal

SNG Precoce

Difícil Avaliação

Trauma

  • Coluna

  • Lesão Rara - 5%

  • Cuidar Imobilização


Trauma21 l.jpg

Trauma

  • Extremidades

  • Fraturas Grandes Ossos - Trauma Violento.

  • Hemorragias por Fraturas Proporcionalmente Mais Graves.

  • Imobilização Geralmente Com Talas.


Imobiliza o e transporte l.jpg

Imobilização e Transporte

  • Variações de Tamanho

  • Importante Uso De Material Adequado.


Imobiliza o e transporte23 l.jpg

Imobilização e Transporte

  • IMPROVISAÇÃO E

  • BOM SENSO


Imobiliza o e transporte24 l.jpg

Imobilização e Transporte

  • Variações de Tamanho

  • Importante Uso De Material Adequado.

  • IMPROVISAÇÃO E

  • BOM SENSO


Imobiliza o e transporte25 l.jpg

Imobilização e Transporte

  • IMPROVISAÇÃO E

  • BOM SENSO


Slide26 l.jpg

RESUMO


Slide27 l.jpg

ARMADILHAS

  • FALTA DE INFORMAÇÃO SOBRE O ACIDENTE

  • EXAME FÍSICO INCOMPLETO

  • HIPOTERMIA

  • DENTES DE LEITE PODEM SER ASPIRADOS

  • MÚLTIPLAS LESÕES E AS OCULTAS

  • NUNCA ESQUECER DE TRATAR A DOR DO PACIENTELIBERAR PRESENÇA OU NÃO DE FAMILIARES COM A CRIANÇA.


Abuso infantil l.jpg

Abuso Infantil


Slide29 l.jpg

QUADRO CLÍNICO

  • Lesões de pele e TCSC

    • Equimoses

    • Escoriações

    • Contusões

    • Hematomas

    • Queimaduras


Slide31 l.jpg

Quando suspeitar ?


Slide35 l.jpg

Para pensar...

  • 50% das crianças que retornam ao lar voltam a ser espancadas

  • Destas, 20% acabam evoluindo para a morte

  • Papel fundamental do socorrista:

    • “ Só se faz o diagnóstico daquilo que se procura,

      e só se procura aquilo que se conhece “


Slide36 l.jpg

“É nossa obrigação como pais, mães, profissionais de saúde, cidadãos  GARANTIR UMA INFÂNCIA SEM VIOLÊNCIA AS NOSSAS CRIANÇAS!!!!

Obrigadoooo!!!


  • Login