Patamar tecnol gico das empresas incubadas na crie diagn stico e perspectivas
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 26

Patamar tecnológico das empresas incubadas na crie: diagnóstico e perspectivas PowerPoint PPT Presentation


  • 57 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Patamar tecnológico das empresas incubadas na crie: diagnóstico e perspectivas. Ivone Junges Sidenir Niehuns Meurer. Introdução. Diagnóstico tecnológico ferramenta identificar o patamar da tecnologia utilizada na empresa e “gargalos” nos subsistemas organizacionais.

Download Presentation

Patamar tecnológico das empresas incubadas na crie: diagnóstico e perspectivas

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Patamar tecnol gico das empresas incubadas na crie diagn stico e perspectivas

Patamar tecnológico das empresas incubadas na crie: diagnóstico e perspectivas

Ivone Junges

Sidenir Niehuns Meurer


Introdu o

Introdução

  • Diagnóstico tecnológico ferramenta identificar o patamar da tecnologia utilizada na empresa e “gargalos” nos subsistemas organizacionais.

  • Permite adotar ações estratégicas na busca por vantagens competitivas dentro do setor de atuação.

  • No processo de incubação o diagnóstico tecnológico é ainda mais importante, já que a empresa está em processo de formação enquanto empresa: identidade organizacional, e cenário tecnológico.

  • A presente pesquisa identificou o patamar tecnológico das empresas incubadas no Centro Regional de Inovação e Empreendedorismo – CRIE/UNISUL em Tubarão.


Introdu o1

Introdução

Objetivo Geral:

  • Identificar o patamar tecnológico das empresas incubadas na incubadora Crie da Unisul.


Introdu o2

Introdução

Objetivos Específicos:

  •  Estudar na literatura os principais autores que investigam as temáticas relacionadas ao diagnóstico tecnológico e à incubação de empresas de base tecnológica.

  • Estudar algumas metodologias de diagnóstico tecnológico e de gestão de tecnologia.

  • Pesquisar as empresas que estão instaladas e/ou incubadas e pré-incubadas na Crie a partir de um instrumento de coleta de dados.

  • Analisar os dados coletados.

  • Propor direcionamentos para as empresas estudadas no diz respeito à gestão tecnológica e à inserção mercadológica.


Metodologia

Metodologia

  • Diagnóstico organizacional onde foi possível estudar os subsistemas empresariais das atuais empresas incubadas na Crie, levando em consideração os vários aspectos de uma organização.

  • Estudo é qualitativo.

  • Os sujeitos de pesquisa foram 3 empresários incubados, o gerente da incubadora e os 7 consultores que dão assistência às empresas e à incubadora.

  • Não foi possível estudar as empresas pré-incubadas.


Metodologia1

Metodologia

  • Para realização do estudo foram utilizadas variáveis qualitativas, cujos fatores a serem analisados são subjetivos, com análise das narrativas.

  • Foram estudadas as principais correntes teóricas sobre o tema e quatro metodologias de diagnóstico tecnológico (FUNDEUN, 1994; JUNGES, 1998; E SEBRAE,1993 E FUNDAÇÃO CERTI, 2000).


Metodologia2

Metodologia

  • Essas metodologias selecionam as principais variáveis que explicam o desenvolvimento e a inovação tecnológicos nas empresas, mensuram as informações coletadas, comparando-as com outras empresas do setor em que estão inseridas.

  • As principais variáveis permitiram estudar os subsistemas organizacionais, tais como: internamente à empresa: inovação tecnológica, gestão, produção, atendimento ao cliente, pós-venda, distribuição, etc. Externamente: a relação da empresa com os atores de mercado, como por exemplo, governo, instituições de apoio, etc.


Metodologia3

Metodologia

  • Depois de se conhecer as metodologias, se construiu um instrumento de coleta de dados para explicar a realidade investigada, através dos depoimentos dos empresários entrevistados, bem como dos consultores da incubadora e do gerente do Crie.

  • Com base na análise dos dados e dos depoimentos foram confrontados com o referencial teórico e, posteriormente, construído um cenário tecnológico para as empresas estudadas e para a incubadora. Para isso foram estabelecidos os seguintes níveis: 0 a 5 (5 extremamente importante, 4 muito importante, 3 importante, 2 pouco importante, 1 menos importante e 0 nada importante).


Resultados

Resultados

  • A análise contemplou as seguintes áreas da empresa: entorno empresarial (ambiente externo): economia, legislação e associações; ambiente interno: áreas financeira, produtiva e logística, gestão de pessoas, organização e sistemas de informações, marketing, aprendizagem organizacionais e parcerias interempresariais e gestão da qualidade e produtividade.

  • O formulário também contemplou a percepção do grau de importância de cada item dentro respectiva área empresarial.


Resultados contexto externo

Resultados: contexto externo

  • As três empresas responderam que não usam nenhum tipo de financiamento junto às agências financeiras. Das três empresas estudadas, apenas uma considera pouco importante e as outras duas responderam grau de importância 4 e 5 para essa questão.

  • A prefeitura municipal presta pouco apoio às empresas do segmento de atuação dos seus negócios. Essa questão é considerada muito importante para as MPE’s.

  • O Sebrae é a instituição que mais apóia as MPE’s. Considerada muito importante. Há iniciativas por parte das empresas em buscar instituições de apoio empresarial.

  • Não existe convênio formal ou informal com universidades e institutos de pesquisa, todas as empresas responderam que o único convênio formal é com a incubadora Crie. Mesmo considerando muito importante.

  • Uma empresa respondeu que não conhece os principais concorrentes em termos de produção, estratégias competitivas, administração financeira. Duas empresas responderam que acham importante estudar os mesmos.


Resultados contexto externo1

Resultados: contexto externo

  • Existe relação de parceria e cooperação entre as empresas e os fornecedores na busca de inovação tecnológica, negociações, fornecimento, os empreendedores responderam que sim. Nas duas empresas de software existe uma grande dificuldade em relação ao capital intelectual. Na empresa que produz um produto físico a parceria se sobressai na linha de produção. Todas as empresas consideram a parceria extremamente importante, com grau de resposta 5.

  • Os empresários percebem os efeitos da política macroeconômica em seu empreendimento e uma empresa não considera importante e não percebe o seu negócio influenciado pela macroeconomia.

  • As empresas responderam que conseguem se adaptar à legislação vigente, sendo extremamente importante a adaptação as leis que regem o negócio. O grau de resposta foi 5 para todas as empresas.

  • Para as empresas o mercado não está estagnado e sim em crescimento, puxado pela inovação. Dois empresário apresentaram grau de resposta 5 e um grau de resposta 4, como muito importante.


Resultados rea financeira

Resultados: área financeira

  • As empresas utilizam poucos indicadores econômico-financeiros na gestão dos negócios. Um empresário tem noção sobre os conceitos de taxa interna de retorno, lucratividade, rentabilidade, valor econômico adicionado, custos e receitas, valor patrimonial, demonstrativo dos resultados e liquidez. Esse empreendedor tem noções gerais, nada aprofundado. Considerada importante para dois empresários e pouco importante para um.

  • Com relação à identificação dos recursos em termos de capital de giro e ativo fixo, os três entrevistados conseguem identificar os referidos recursos na empresa e consideram essa questão extremamente importante para o andamento do negócio, isto é, grau de resposta 5.

  • No tocante a identificação de fontes externas para captação de recursos, dois entrevistados responderam que conhecem e um afirma que não conhece. A identificação de fomento, na opinião dos empresários, é essencial para empresas nascentes.

  • No quesito estratégias competitivas, duas empresa afirmam que suas estratégias estão adequadas a realidade da empresa e um diz que não. Percebe-se fragilidade e inconsistência nas estratégias competitivas elaboradas, principalmente em termos de gestão financeira e inserção mercadológica. Estratégias competitivas são consideradas pelos empresários cruciais na consolidação dos empreendimentos estudados.


Resultados rea financeira1

Resultados: área financeira

  • Os entrevistados afirmam que os empreendimentos apresentam estratégias de diferenciação de produtos e serviços, bem como de custos, sendo que um deles não apresenta estratégia de custos. Porém ao analisar as planilhas financeiras, bem como a análise de mercado e a estratégia de marketing, percebe-se que são frágeis e algumas não estão em consonância com a realidade de mercado. Esse quesito é considerado extremamente importante na opinião dos entrevistados.

  • Uma empresa não possui estratégia de custo definida, mas as demais utilizam o custo adicionado a uma margem de ganho. Esse quesito é considerado extremamente importante na opinião dos entrevistados.

  • A maior dificuldade é o capital de giro e a prospecção de clientes, essas variáveis são consideradas muito importantes na opinião dos entrevistados.


Resultados produ o e log stica

Resultados: produção e logística

  • Para duas empresas, as maiores ameaças tratando-se de produtos substitutos, são os produtos similares no mercado. Para a terceira empresa não existe substituto próximo. O grau de importância para esse quesito, para duas primeiras empresas é muito importante. E a terceira empresa não considera importante essa análise.

  • Com relação à tecnologia utilizada, todos os empreendedores não consideram–na obsoleta, sendo que dois entrevistados consideram essa questão muito importante e um extremamente importante.

  • Dois empresários entendem que existe planejamento da produção ou prestação de serviços na empresa, no entanto, um considera que não existe. Todos entendem que essa questão é extremamente relevante.

  • Uma empresa terceiriza os serviços de pesquisa e desenvolvimento de pré testes, de acordo com a característica do seu negócio, as outras duas empresas utilizam os referidos serviços. Duas empresas entendem que esse processo é extremamente importante, e uma acha pouco importante.

  • A prestação de serviço e o escoamento da produção são considerados muito importantes para duas empresas, sendo que utilizam contato direto com os clientes, lojas e revendas. Já para uma empresa, essa situação não foi entendida como importante e tão pouco foi definido o processo.

  • Duas empresas estão em fase de comercialização e uma em fase de desenvolvimento do produto, entretanto existe um produto padrão para todas elas. Essa análise é considerada extremamente importante para uma empresa, pouco importante para outra e nada importante para a terceira empresa.


Resultados produ o e log stica1

Resultados: produção e logística

  • O principal problema enfrentado pelas empresas no processo produtivo e ou prestação de serviço é o planejamento, em termos de quantidades mínimas e prospecção de clientes. Esse quesito é extremamente para uma empresa, muito importante para outra e para a terceira empresa é nada importante.

  • Quando questionados se a inovação é considerada fonte de vantagem competitiva para os empreendimentos, todos disseram que sim, sendo essa uma questão estratégica e extremamente importante para todos os empreendedores.

  • Foi questionado se existe adaptação de equipamentos, processos, produtos, rotinas e métodos nas empresas. Para um empreendimento são realizadas adaptações em todos os níveis. Uma das empresas não soube responder e uma terceira disse que processos, produtos e rotinas são adaptados a realidade da empresa. Essa questão é muito importante para as empresas que souberam responder e nada importante para a empresa que desconhece essa realidade.

  • Duas empresas dizem que a convivência de novos processos com novos produtos não se aplica na realidade empresarial, porém uma delas disse que sim. Para essa última, essa questão é extremamente importante e para as duas primeiras nada importante.


Resultados gest o de pessoas

Resultados: gestão de pessoas

  • Duas empresas afirmam que não existe trabalho informal e uma afirma que existe, sendo que essa questão é importante para uma empresa, pouco e nada importante para as restantes.

  • Para uma empresa existe salário diferenciado conforme a produtividade, as demais empresas não adotam essa estratégia. Em termos de relevância, duas empresas consideram pouco importante o salário diferenciado e uma muito importante.

  • Todos os entrevistados afirmam que o salário é adequado a realidade regional, sendo que duas empresas consideram esse quesito extremamente importante e uma pouco importante.

  • As empresas não realizam capacitações e aperfeiçoamentos, entretanto uma entende ser extremamente importante e as demais consideram pouco importante a capacitação.

  • As três empresas entrevistadas consideram que existe bom ambiente de trabalho e essa questão é extremamente relevante para o andamento das atividades.


Resultados organiza o e sistemas de informa o

Resultados: organização e sistemas de informação

  • As empresas buscam aperfeiçoamento computacional através da contratação de profissionais da área com nível superior e aquisição de softwares e equipamentos de ponta. Para essa questão duas empresas entendem que esse aperfeiçoamento é muito importante e uma acredita ser extremamente importante.

  • As empresas buscam aperfeiçoamento comercial através de pesquisas e consultorias empresariais, cursos e participação em associações. O grau de importância dessa questão na percepção de dois empresários está no nível 4, ou seja, muito importante. Para uma empresa não tem importância esse tipo de aperfeiçoamento.

  • Foi questionado como as empresa buscam informações estratégicas sobre o ramo de atividade. Essa busca é realizada com participação em feiras, informações em sites, associações, concorrentes, etc. Essa busca por informações é considerada extremamente importante para dois empresários e muito importante para um empresário. O empreendedor é o responsável na empresa por essa busca de informações estratégicas. Quanto à administração das empresas, foi respondido pelos empresários que as mesmas estão sendo aplicadas no desenvolvimento dos negócios e é considerada muito importante por dois empresários e pouco importante por um empresário.

  • Os empresários entrevistados participam de associações provedoras de informações sobre o setor. Sendo que dois deles entendem que essa participação é extremamente importante e um deles acredita ser importante.

  • O funcionamento do processo de compras, estoques e contas a pagar é realizado a partir de uma ferramenta de gestão fornecida pela incubadora. Essa questão é considerada extremamente importante para duas empresas e para outra é importante, isto é, grau de importância 5 e 4.


Resultados marketing

Resultados: marketing

  • Foram questionadas as empresas se possuem política e planejamento em marketing. Duas empresas responderam que sim, uma respondeu que não possui, entretanto todas consideram essa questão extremamente importante, com grau de importância ao nível 5.

  • Aos empresários foi questionado sobre a imagem da empresa no mercado local. Como são empresas nascentes essa imagem ainda não está consolidada na comunidade, no entanto consideram a imagem extremamente importante.

  • As empresas acreditam que contribuem para o crescimento e desenvolvimento local, mesmo sendo empresas nascentes. Entretanto, consideram esse a questão extremamente importante.

  • As empresas pouco conhecem os concorrentes, sendo que os itens que elas conhecem são: valor do produto, valor das prestações dos serviços, nível dos preços, qualidade dos produtos, prazo de entrega, e assistência técnica. Questões estratégicas tais como custos, convênios com centros de pesquisa, estratégias competitivas, benchmarking entre outras, as três empresas entrevistadas desconhecem completamente. Com relação ao grau de importância, apenas uma empresa considera extremamente importante conhecer os concorrentes. Uma empresa considera pouco importante.


Resultados aprendizagem organizacional e parceiras interempresariais

Resultados: aprendizagem organizacional e parceiras interempresariais

  • As empresas entrevistadas participam dos seguintes eventos: exposições, conferências, seminários, almoço de negócios, no entanto com baixa freqüência. O objetivo dessa participação é para conquistar clientes, buscar novos fornecedores, informações sobre o setor e conhecer os concorrentes. Consideram essas questões extremamente importantes.

  • As empresas analisadas realizam convênios com a Unisul através da incubadora. Entretanto não buscam mais informações em outras Universidades e centros de pesquisa. Uma empresa considera essa busca extremamente importante e as outras duas não consideram importantes.

  • Existe cooperação entre as empresas pesquisadas pelo fato de residirem em uma incubadora. As principais cooperações são: cooperações tecnológica, produtiva, financeira e comercial. Essa cooperação é considerada extremamente importante na percepção dos empresários.

  • Apenas uma empresa utiliza consultoria externas, as outras duas utilizam consultoria da incubadora, considerando extremamente importante as consultorias.


Resultados qualidade e produtividade

Resultados: qualidade e produtividade

  • O controle de qualidade dos produtos e serviços oferecidos pelas empresas é realizado através de controle visual, testes, treinamentos, suporte e laboratórios. É considerado extremamente importante para dois empresários e muito importante para um dos entrevistados.

  • Assim como a qualidade, a produtividade é analisada de forma superficial pelo próprio empresário, não utilizando nenhuma técnica para tal análise, mas os empresários consideram muito importante com nível de importância 4.

  • Nenhuma das empresas possui certificação ISO 9000. Uma empresa considera extremamente importante essa certificação, uma segunda acha importante e a última considera pouco importante (grau de importância 2). Duas tem interesse em implantar a certificação.

  • Nenhuma empresa faz controle estatístico da produção, sendo que apenas uma empresa considera importante realizar esse controle.


Conclus es

Conclusões

  • Uma das empresas estudadas está em desvantagem organizacional e mercadológica na comparação com as outras duas empresas estudadas e também incubadas no Crie. Apresentou grau de importância inferior para a maioria dos itens dentro das áreas organizacionais. Isto significa dizer que na percepção desse empreendedor não existe a necessidade do planejamento empresarial. A empresa apresenta dificuldade nas áreas organizacionais, especialmente na gestão financeira, nas estratégias de marketing e na busca de parcerias. De modo geral, percebe-se através dos depoimentos e da análise de narrativas que o empreendedor apresenta resistência para adotar estratégias competitivas e utilizar ferramentas de gestão.

  • A segunda empresa estudada, o empreendedor tem uma visão mais aguçada do seu empreendimento, e na sua percepção apresenta e dá importância forte para as áreas de gestão, no entanto, também apresenta resistência na adoção de ferramentas de gestão financeira e de planejamento do negócio. O empreendedor apresenta como principal gargalo a adoção de estratégias mercadológicas. Ainda não descobriu ou identificou seu nicho de mercado. Por conta disso tem dificuldades na formação de na capital e prospecção de novos clientes.


Conclus es1

Conclusões

  • A terceira empresa é a mais madura e o empreendedor tem uma visão do negócio mais consistente e adequada com realidade do seu negócio. Essa empresa está na incubadora há mais tempo que as outras duas empresas. O empreendedor buscou fomento externo e foi beneficiado. Atualmente contrata consultorias externas e consolida parcerias externas para a inserção do produto no mercado.

  • Através dos depoimentos dos três empresários entrevistados dos consultores e da coordenação executiva do Crie, é possível afirmar que o cenário tecnológico das empresas ingressantes na Incubadora está no patamar intermediário, necessitando de novos negócios inovadores.

  • O processo de ingresso na incubadora tem de ser mais criterioso em relação ao caráter inovador e ao perfil do empreendedor que submete sua idéia negócio para a incubação.

  • Uma das questões a ser melhorara na incubadora é adotar como estratégia uma metodologia de gestão da inovação para acompanhar os empreendedores, bem como na gestão da incubadora.


Refer ncias

Referências

  • ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES ANPROTEC. 2007. Disponível em: www.anprotec.org.br. Acesso em outubro de 2009.

  •  BARBIERI, José Carlos. Sistemas tecnológicos alternativos. Revista de Administração de Empresas. Rio de Janeiro: v. 29, n. 1, jan./mar. 1989.

  • BURLAMAQUI, Leonardo; PROENÇA, Adriano. Inovação, recursos e comprometimento: em direção a uma teoria estratégica da firma. Revista Brasileira de Inovação, São Paulo, n.1, v.2, p. 79-110. jan./jun., 2003.

  •  DAVENPORT, Thomas H.; YOUNG, Ernest. Process innovation: reengineeiring work througth information. Center for Information Technology and Strategy. Harvard Business School Press. EUA, 1993.

  • EQUIPE DE PROFESSORES DA USP. Manual de Economia. São Paulo: Saraiva, 2003.

  • FERRAZ, João Carlos; KUPLER, David; HAGUENAUER, Lia. Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

  • FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE EMPRESA (FUNDEUN). Metodologia de diagnóstico tecnológico. Espanha: Universidade de Alicante., 1994.

  • FUNDAÇÃO CERTI. Identificação dos gargalos para competitividade das cadeias produtivas. Florianópolis: FIESC/IEL/CERTI, 2000.


Refer ncias1

Referências

  • GOUVEIA, Joaquim Borges. Gestão da inovação e tecnologia.(Tese de Mestrado). FEUP. Portugal: Departamento de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores, 1997.

  • GUIMARÃES, E. A. Acumulação e crescimento da firma: um estudo de organização industrial. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1987.

  •  JUNGES, Ivone. Adaptação da metodologia de Vidossich para diagnóstico de modernização de micro e pequenas empresas industriais. 148 fls. (Dissertação de Mestrado). UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Florianópolis: Departamento de Engenharia de Produção, 1998.

  •  JUNGES, Ivone. Metodologia para identificação de cenários tecnológicos de pequenas e médias empresas que atuam em redes interempresariais do tipo topdown. (Tese de Doutorado). UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. 371 fls. Florianópolis: Departamento de Engenharia de Produção, 2004.

  •  LINS, Hoyêdo Nunes; BERCOVICH, Néstor Andrés. Gestão tecnológica em PMEIs no marco de abertura da economia. Florianópolis: NEPIL/UFSC, 1996.

  • LINS, Hoyêdo Nunes. Reestruturação industrial em Santa Catarina: pequenas e médias empresas têxteis e vestuaristas catarinenses perante os desafios dos anos 90. Florianópolis: Editora UFSC, 2000.

  • ______. Aprendizagem e inovação em uma área de produção confeccionista no sul do Brasil. In: Tecnologia e Inovação: Experiências de gestão na micro e pequena empresa. (Org. Roberto Sabragia, Eva Stal.) São Paulo: PGT/USP, 2002.

  •  LABINI, Paolo Sylos. Oligopólio e progresso técnico. [tradução Vitória Cerbino Salles]. Rio de Janeiro: Florense-Universitária: Editora da USP, 1980.

  • MARQUES, R. M. Automação microeletrônica e o trabalhador. São Paulo: Editora Bienal, 1989.

  • MORAES, Carlos C. Inovação tecnológica e estratégia da empresa inovadora. Revista de Administração e Tecnologia. Anais do XVIII ANANPAD. Curitiba, 1994.


Refer ncias2

Referências

  • PORTER, Michael. Competição oncompetition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

  • ______. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

  • ______. A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

  • _____. Oligopólio e processo técnico. 2. ed. Rio de Janeiro: Florense-Universitária, 1984.

  • POSSAS, Silvia. Concorrência e competitividade. São Paulo: Hucitec, 1992.

  • POSSAS, Mário; et al. Um modelo evolucionário setorial. 2003. Disponível em: www.nuca.ie.ufrj.br. Acesso em: 02 abr. 2004.

  • RATTNER, Henrique. Algumas hipóteses sobre as perspectivas de sobrevivência das pequenas e médias empresas. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v.22, n. 4, out./dez. 1882.

  • RODRIGUES, Indiana Pinheiro da Fonseca; CARVALHO, Abigail de Oliveira. Novas tecnologias e desenvolvimento tecnológico. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 30 n.1, jan./mar.1990.

  • ROGERS, E. M. Diffusion of Innovations. 4. ed. New York: The Free Press, 1995.

  • ROSIMINI, Marcelo; GLANTE, Oscar H. Sistema de acreditación de incubadoras de empresas. In: XI Seminário Latino-Iberoamericano de Gestion Tecnológica Altec 2007: Producción, Empleo e Inclusión. Beunos Aires, 26, 27 y 28 de septiembre de 2007.

  • SBRAGIA, Roberto ; STAL, Eva. Tecnologia e inovação: experiências de gestão na micro e pequena empresa. São Paulo:PGT/USP, 2002.


Refer ncias3

Referências

  • SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Indicadores de competitividade para micro e pequenas empresas industriais no Brasil. Brasília: SEBRAE/N, 1993.

  • STAMMER, et al. Competitividadesistêmica: nuevo desafio a las empresas y a la política. Berlin: Instituto Alemão de Desarrollo. Agosto, 1995.

  •  STAMMER, Jörg Meyer. Clustering and competitiveness in Santa Catarina General Findings. Florianópolis: Instituto Alemão de Desenvolvimento/Instituto Evaldo Lodi (FIESC/SC), 1996.

  • ______. Estratégias de desenvolvimento local e regional: clusters, política de localização e competitividade sistêmica. PolicyPaper, n. 28, set. 2001. Disponível em <http://www.fes.org.br.>. Acesso em: 03 nov. 2002.

  • TOLEDO, José Carlos de. Qualidade, estrutura de mercado e mudança tecnológica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 30 n.3, p. 33-45. jul./set. 1990.

  • TORNATZKY, Louis G., FLEISCHER, Mitchell. The process of technological innovation. Lexington Boocks. Industrial Technologu Institute, 1990.

  • VICO MAÑAS, A. Gestão de tecnologia e inovação. São Paulo: Érica, 1993.


  • Login