slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
São Paulo - 04 de agosto de 2003. Porto Alegre - 05 de agosto de 2003.

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 84

São Paulo - 04 de agosto de 2003. Porto Alegre - 05 de agosto de 2003. - PowerPoint PPT Presentation


  • 90 Views
  • Uploaded on

APRESENTAÇÃO. REUNIÃO COM ANALISTAS E INVESTIDORES. Apresentação: Sr. José Rubens De La Rosa Sr. Carlos Zignani Sr. José Antônio Valiati Sr. João Luiz Borsoi. São Paulo - 04 de agosto de 2003. Porto Alegre - 05 de agosto de 2003. A EMPRESA. NEGÓCIO:

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' São Paulo - 04 de agosto de 2003. Porto Alegre - 05 de agosto de 2003.' - luisa


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

APRESENTAÇÃO

REUNIÃO COM ANALISTAS E INVESTIDORES

Apresentação:

Sr. José Rubens De La Rosa

Sr. Carlos Zignani

Sr. José Antônio Valiati

Sr. João Luiz Borsoi

São Paulo - 04 de agosto de 2003.

Porto Alegre - 05 de agosto de 2003.

slide3

NEGÓCIO:

“SOLUÇÕES E SERVIÇOS PARA O TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS”

slide4

Filosofia de Atuação

  • Tecnologia
    • Linha completa de produtos;
    • Design próprio;
    • Processos/sistemas produtivos.
  • Comercialização/Logística
    • Presença Global: diversificação de mercados;
    • Produtos customizados.
  • Custos competitivos
    • Verticalização;
    • Recursos humanos/treinamento;
    • Economias de escala.
slide5

Rentabilidade

    • Geração de valor.
  • Governança Corporativa
    • Nível II
        • Tag along;
        • Direito voto aos preferencialistas;
        • Câmara de arbitragem.
  • Resultados: últimos 5 anos (1998/2002)
    • Aumento receitas: 3,3 vezes;
    • Aumento produção: 1,7 vezes;
    • Aumento resultados: 1,8 vezes;
    • Valorização da ação: 3,9 vezes.
slide6

Fundada em 1949

Instalações:

- Área construída total Brasil e Exterior 225.000 m²

- Área total Brasil e Exterior 1.888.000 m²

Capacidade de produção Brasil 75 unidades/dia

Brasil e Exterior 110 unidades/dia

N° de colaboradores Brasil 7.418

Brasil e Exterior 9.069

Nº de fábricas Brasil 04

Exterior 05

Aliança Estrat. - China 01

Nº de representantes Brasil 86

Exterior 21

slide8

CRONOLOGIA

  • 1949 –Fundação da Nicola & Cia. Ltda.
  • 1961 – Primeira exportação da empresa.
  • 1971 – Alteração da denominação social para Marcopolo S.A. Carrocerias e Ônibus. Transferência de Tecnologia para a Venezuela.
  • 1978 – Estréia das ações da Marcopolo na Bovespa.
  • 1981 – Inauguração da Marcopolo unidade Ana Rech.
  • 1986 – Constituição da MVC Componentes Plásticos, em São José dos Pinhais, Paraná.
  • 1990 – Constituição da Marcopolo Indústria de Carroçarias S.A., em Portugal.
  • 1997 – Certificação ISO 9001.
  • 1998 – Inauguração da Marcopolo Latinoamerica, na Argentina.
  • 1999 – Participação no controle da Ciferal, no Rio de Janeiro, e constituição da Polomex S.A. de C.V., no México.
  • –Reestruturação do Conselho de Administração aumentando de três para seis membros com inclusão de representantes dos minoritários.
  • Constituição das empresas Superpolo S.A. e da Marcopolo South África (PTY) Ltd., além de acordo de transferência de tecnologia Marcopolo para a China. Ciferal passa a ser 100% Marcopolo.
  • 2002 – Adesão ao Nível 2 da Bovespa.
slide12

OPERAÇÕES

(*)

(*) China é Aliança Estratégica.

marcopolo s a unidade planalto

MARCOPOLO S.A. - UNIDADE PLANALTO

  • Diretoria Corporativa - Fabricação de Componentes e Linha de Montagem
  • Caxias do Sul - (RS) - BRASIL
marcopolo s a unidade ana rech

MARCOPOLO S.A. - UNIDADE ANA RECH

  • Administração Geral e Linhas de Montagem
  • Caxias do Sul - (RS) - BRASIL
ciferal s a

Ônibus Urbanos e Minis

Duque de Caxias - (RJ) - BRASIL

CIFERAL S.A.
polomex s a de c v m xico

POLOMEX S.A. DE C.V - MÉXICO

  • Ônibus Rodoviários e Urbanos
  • Monterrey - MÉXICO
slide18

SUPERPOLO S.A. - COLÔMBIA

  • Rodoviários, Urbanos e Minis
  • Bogotá - COLÔMBIA
slide19

MARCOPOLO SOUTH AFRICA (PTY) LTD. - ÁFRICA DO SUL

  • Ônibus Urbanos e Rodoviários
  • Johannesburg - ÁFRICA DO SUL
slide20

MARCOPOLO IND. DE CARROÇARIAS S.A.

  • Ônibus Rodoviários e Urbanos
  • Coimbra - PORTUGAL
marcopolo latinoam rica s a
MARCOPOLO LATINOAMÉRICA S.A.

Ônibus urbanos

Río Cuarto - Província de Córdoba - ARGENTINA

slide22

MVC - COMPONENTES PLÁSTICOS LTDA.

Modelagem a vácuo e componentes reforçados

São José dos Pinhais - (PR) - BRASIL

slide23

MVC - COMPONENTES PLÁSTICOS LTDA.

São José dos Pinhais/PR - Brasil

Catalão/GO - Brasil

(Mitsubishi)

Xerém/RJ - Brasil

(Ciferal)

Caxias do Sul/RS - Brasil

Monterrey - México

slide24

ALIANÇA

ESTRATÉGICA

slide25

CBC - IVECO - CHINA

Urbanos e Pequenos (CKD)Changzhou - CHINA

slide26

VANTAGENS

COMPETITIVAS

slide27

Vantagens Competitivas

    • Maior fabricante de ônibus do mundo;
    • Líder no Brasil com + de 50% de mercado;
    • Marca reconhecida na indústria mundial de ônibus;
    • Desenvolve tecnologia própria em produtos e manufatura (processos);
    • Ampla linha de produtos;
    • Flexibilidade e customização;
slide28

Vantagens Competitivas

    • Capacidade de produzir grandes volumes (escala);
    • Fidelização de clientes;
    • Capacidade e experiência na formação de alianças e associações no mundo;
    • Visão empresarial e gestão profissionalizada;
    • Produtividade;
    • Verticalização;
    • Solidez financeira e acesso ao mercado de capitais.
slide33

SENIOR

VOLARE

slide34

TIPOS DE

OPERAÇÃO

slide35

CBU (Completely Built Unit)

  • Veículo completo(carroceria e chassi)
  • PKD (Partialy Knocked Down)
  • Carroceria totalmente montada, porém sem chassi
slide36

SKD (Semi Knocked Down)

  • Carroceria montada parcialmente
  • CKD (Completely Knocked Down)
  • Carroceria completamente desmontada, sem chassi
slide37

ESTRUTURA E

PROCESSOS

slide39

SISTEMA KANBAM

FORNECIMENTO NA LINHA

JUST IN TIME

slide40

ENGENHARIA

FERRAMENTAS E AUTOMAÇÃO

slide41

PROGRAMAS

AUTOCAD 3D (Desenhos)

AUTO CAM (Programação)

282 colaboradores na divisão de Engenharia

(produto, processo e desenvolvimento).

slide43

ESTAÇÃO DE EFLUENTES

CENTRAL DE RESÍDUOS

slide45

DEMANDA DO

MERCADO MUNDIAL

slide46

Características do Mercado Mundial

  • A indústria de ônibus é regional:
    • Demanda por produtos customizados;
    • Legislações particulares e locais;
    • Produção local é uma importante vantagem em mercados específicos (frete, impostos de importação).
  • As principais vantagens competitivas nesta indústria são:
    • Flexibilidade para adequar o produto a diferentes demandas;
    • Linha completa de produtos;
    • Alianças/associações com fabricantes de chassis;
    • Capacidade de entregar grandes volumes em curto espaço de tempo;
    • Verticalização da produção;
    • Confiabilidade do produto;
    • Design;
    • Mão de obra treinada e motivada.
  • O desenvolvimento de novas tecnologias está diretamente ligado ao foco no negócio.
slide47

Demanda do Mercado Mundial

  • A produção é de aproximadamente 210 mil unidades/ano;
  • Indústria pulverizada: grande número de pequenos fabricantes;
  • O crescimento da demanda está concentrada em regiões:
    • em desenvolvimento; e
    • com alta densidade demográfica.
  • Mercados de primeiro mundo apresentam indústria madura;
    • Ex: EUA, Europa.
  • Regiões com forte crescimento populacional tendem a demandar transporte coletivo. Ex: China, Índia, Rússia, Paquistão, Tailândia, Indonésia;
  • Movimentos de renovação de frota são grandes impulsionadores de demanda. Ex: América Latina, Oriente Médio e África do Sul.
slide48

Total 2001: 211

Total 2012e: 279

Mercados Maduros

67

Crescimento Populacional

Demanda por transporte público

Renovação das Frotas

70

60

53

50

50

45

44

42

40

26

26

30

25

25

23

20

20

14

9

7

5

10

5

4

0

América

NAFTA

Europa

Oriente

África

Europa

China

Índia

Outras *

Latina

Ocidental

Médio

Oriental

Fonte: Daimler Chrysler

2001

2012 e

* Coréia do Sul, Japão, Sudeste da Ásia.

Grande Potencial de Crescimento no Mercado Externo

Demanda Esperada por Região (em mil unidades)

slide49

MARCOPOLO

PRESENÇA MUNDIAL

E DESEMPENHO

slide51

Grande Potencial de Crescimento no Mercado Externo

  • A atual estratégia de internacionalização tem como premissas:
  • Formação de associações/parcerias regionais com as grandes montadoras de chassi:
    • Aproveitar conhecimento de mercado e canais de distribuição;
    • Crescer com a participação de mercado da montadora e crescer participação na montadora;
    • Minimizar risco de crédito;
    • Criar barreiras de entrada para novos competidores.
  • Diversificação de mercado: aproveitar oportunidades de crescimento em diferentes regiões;
  • Consolidação e ampliação das operações existentes.
slide52

2º TRIMESTRE

1º TRIMESTRE

Produção Brasileira de Carrocerias/Ônibus (em mil unidades)

  • A produção tem se mantido estável em torno de 20 mil unidades anuais.

Fonte: Fabus, Simefre, Banco Pactual.

slide53

Participação na Produção Brasileira (em %)

Compra da Ciferal

Fonte: Fabus, Simefre, Banco Pactual.

slide54

2º TRIMESTRE

1º TRIMESTRE

Marcopolo - Produção Mundial (em UF´s)

CAGR: 14,6% (do triênio)

-1,8%

(1)

(1) E = ESTIMATIVA DO ANO 2003.

CAGR = Compounded Average Growing Rate.

slide55

2º TRIMESTRE

1º TRIMESTRE

Receita Líquida (em milhões de reais)

CAGR: 33,3% (do triênio)

-0,3%

(1)

(1) E = ESTIMATIVA DO ANO 2003.

CAGR = Compounded Average Growing Rate.

slide56

Relação Negócios no Mercado Externo/Brasil (em %)

CAGR: 12,7% (do triênio)

MI

ME

(1)

(1) E = ESTIMATIVA DO ANO 2003.

CAGR = Compounded Average Growing Rate.

slide57

CAGR: 50,7% (do triênio)

2º TRIMESTRE

1º TRIMESTRE

400,0

30%

372,2

25%

300,0

255,8

20%

200,0

15%

163,8

131,0

129,5

117,1

10%

-9,6%

100,0

70,7

48,9

83,0

5%

60,3

46,5

68,2

0,0

0%

2000

2001

2002

1S01

1S02

1S03

Lucro Bruto

Margem Bruta

Lucro Bruto (em milhões de reais)

CAGR = Compounded Average Growing Rate.

slide58

54,9

2º TRIMESTRE

1º TRIMESTRE

27,3

24,2

EBITDA (em milhões de reais)

CAGR: 93,5% (do triênio)

-28,3%

35,2

23,0

31,6

(1)

(1)

(1)

(1) EBITDA AJUSTADO = RETIRADA DA VARIAÇÃO CAMBIAL.

CAGR = Compounded Average Growing Rate.

slide59

CAGR: 81,0% (do triênio)

2º TRIMESTRE

1º TRIMESTRE

100,0

90,7

10%

9%

80,0

58,7

60,0

6%

46,6

42,9

4%

40,0

27,7

11,2

424,1%

3%

20,0

2%

28,7

30,0

22,9

22,0

20,0

0,0

(10,8)

2000

2001

2002

2001

2002

2003

(20,0)

LUCRO OPERACIONAL

Margem LUCRO

Lucro Operacional (em milhões de reais)

CAGR = Compounded Average Growing Rate.

slide60

2º TRIMESTRE

1º TRIMESTRE

CAGR: 76,9% (do triênio)

7%

5%

4%

4%

2%

-0,3%

Lucro Líquido

Margem Líquida

Lucro Líquido (em milhões de reais)

CAGR = Compounded Average Growing Rate.

slide61

2º TRIMESTRE

1º TRIMESTRE

Investimentos (em milhões de reais)

(1)

(1) E = ESTIMATIVA DO ANO 2003.

slide62

CONSOLIDADO

Balanço Patrimonial (em milhões de reais)

slide63

CONSOLIDADO

Índices Econômicos Financeiros

slide64

CENÁRIOS PARA

2º SEMESTRE 2003

slide65

Receita Líquida (em milhões de reais)

-15,6%

Câmbio: Estimativa final ano - R$ 3,10

slide66

Receita Líquida (em milhões de reais)

(1)

(1)

  • = ESTIMATIVA 2003.
  • Orçamento pela Receita Líquida Revisada.
  • Câmbio: Estimativa final ano - R$ 3,10
slide68

Produção (em UF’s)

(1)

(1)

  • = ESTIMATIVA 2003.
  • Orçamento pela Produção Revisada.
slide69

3. Cenários Regionais

    • Nafta - México/Caribe
    • Mercosul - Brasil/Chile
    • Argentina/Bolívia
    • Uruguai/Paraguai
    • Pacto Andino - Colômbia/Peru/Equador
    • Venezuela/Panamá
    • África do Sul
    • Oriente Médio
    • Europa
    • Brasil
slide70

Desafios/Oportunidades para 2004

  • Crescimento - nível de atividade;
  • Câmbio;
  • Taxa de juros/financiamento;
  • Inflação/custos;
  • Retomada nas margens;
  • Novos mercados;
  • Novos produtos.
slide71

DESEMPENHO

DAS AÇÕES

slide72

Desempenho das Ações

POMO4

1998

1S03

%

Valor da Ação Preferencial

231%

R$ 1,10

R$ 3,64

Marcopolo PN vs. Ibovespa

(Base 100 = 30/12/98)

450

400

350

300

250

200

150

100

50

dez-

jun-

dez-

jun-

dez-

jun-

dez-

jun-

dez-

jun-

98

99

99

00

00

01

01

02

02

03

POMO4

IBOVESPA

230,9%

91,2%

slide74

Relação com Investidores:

Diretor de Relações com Investidores

Sr. Carlos Zignani

E-mail: [email protected]

Fone: 54 209.4115

Gerente de Relações com Investidores

Sr. João Luiz Borsoi

E-mail: [email protected]

Fone: 54 209.4660

slide75

Visite Nossa Home Page:

www.marcopolo.com.br

slide77

Observações:

Esta apresentação contém informações futuras. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem os desejos e as expectativas da administração da companhia. As palavras antecipa, deseja, espera, prevê, pretende, planeja, prediz, projeta, almeja e similares, pretendem identificar afirmações que, necessariamente, envolvem riscos previsíveis e imprevisíveis. Riscos previsíveis incluem incertezas, que não são limitadas ao impacto da competitividade dos preços e serviços, aceitação dos serviços no mercado, transições de serviço da companhia e seus competidores, aprovação regulamentar, moeda, flutuação da moeda, mudanças no mix de serviços oferecidos e outros riscos descritos nos relatórios da companhia. Esta apresentação está atualizada até a presente data e a Marcopolo não se obriga a atualizá-la mediante novas informações e/ou acontecimentos futuros.

slide80

Margem Bruta

  • Mix do Mercado
  • 20032002Variação (%)ME 36,1% 57,3% (37,0)
  • MI 63,9% 42,7% 49,6
  • Mix de Produção - exportações (volume menor)
  • 20032002Variação
  • Qtde. %
  • Rodoviários 286 444 (158) (35,6)
  • Urbanos 511 445 66 14,8
  • Aumento custo dos insumos
    • Superior ao repasse nos preços.
slide81

EBITDA

-

R$ mil

2º Trimestre

Acumulado Jan a Jun

2003

2002

2001

2003

2002

2001

Resultado operacional

30.044

21.982

19.269

58.732

11.

151

39.266

Receitas financeiras

(29.546)

(20.316)

(30.847)

(66.253)

(36.225)

(45.007

Despesas financeiras

13.941

53.346

35.526

38.409

112.877

60.157

)

Deprec.

/

A

mortizações

6.044

6.197

5.178

12.366

11.846

10.155

EBITDA

20.483

61.209

29.126

43.254

99.64

9

64.571

Variação cambial s/

3.758

(6.337)

(1.803)

12.572

(21.750)

(2.032)

investimentos nas

controladas

EBITDA (ajustado)

24.241

54.872

27.323

55.826

77.899

62.539

Resultado Operacional

EBITDA AJUSTADO (em milhões de reais)

demonstrativo do fato extraordin rio

CONSOLIDADO

Demonstrativo do Fato Extraordinário

Em Milhares de Reais

1.1 .Contabilização de Créditos de IPI Ref. Ganho de Ação Judicial ...................... 30.262

( - ) Honorários de Advogados ............................................................................ (908)

VALOR LÍQUIDO ................................................................................................... 29.354

1.2 Contabilização Pagamento de Autuação ICMS transferência de Crédito......... 914

Provisão ref. Autuações ICMS:

- Correção Saldo Credor .................................................................................. 15.735

- Transferência de Crédito ............................................................................... 3.448

SALDO .................................................................................................................... 20.097

VALOR LÍQUIDO (1.1 – 1.2).................................................................................. 9.257

PIS/COFINS s/ Crédito de IPI ..................................................................................... (1.365)

Efeito líquido Extraordinário em outras Receitas / Despesas Operacionais ........ 7.892

(-) Efeitos no IR/CS (34%) ..................................................................................... (2.683)

EFEITO NO RESULTADO LÍQUIDO ........................................................................... 5.209

ad