Universidade Federal de Santa Catarina
Download
1 / 47

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ci ncias Biol gicas Departamento de Bioqu mica P s-Gradua o em Bioqu m - PowerPoint PPT Presentation


  • 182 Views
  • Uploaded on

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica Pós-Graduação em Bioquímica Laboratório de Bioquímica Experimental- LABIOEX. O uso de plantas medicinais no combate do câncer. Karina Bettega Felipe. Florianópolis, maio de 2011. C Â N C E R.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ci ncias Biol gicas Departamento de Bioqu mica P s-Gradua o em Bioqu m' - laurence


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Ciências Biológicas

Departamento de Bioquímica

Pós-Graduação em Bioquímica

Laboratório de Bioquímica Experimental- LABIOEX

O uso de plantas medicinais no combate do câncer

Karina Bettega Felipe

Florianópolis, maio de 2011.


C Â N C E R

Estimativa dos casos de Câncer

  • Antitumorais com alta incidência de efeitos associados à toxicidade;

  • 7,6 milhões de pessoas morreram de câncer em 2005;

  • outros 84 milhões virão a morrer nos próximos 10 anos se atitudes não forem tomadas;

  • Resistência à quimioterapia (MDR).

(JENDIROBA, 2002; OMS, 2006)


  • Definição:

  • Clínico conjunto de mais de 100 patologias que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se para outras regiões do corpo.

(INCA, 2009)


(MOFFAT et al., 2000; BERTRAM, 2001)


2. Bases Moleculares do Câncer mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

MUTAÇÕES

(WOLF,RAMIREZ, 2001; AUDIC, HARTLEY, 2004)


(KOOLMAN, 2005) mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).


3. Correlação entre câncer e apoptose mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

  • Morte celular programada;

  • Homeostase celular e tecidual;

  • Condições patológicas;

  • Ativação de caspases.

(KERR; CURRIE; WYLLIE, 1972; ISRAELS, ISRAELS, 1999; EDINGER, THOMPSON, 2004)


4. Correlação entre câncer e angiogênese mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

(HAUBNER, FINSINGER, KESSLER, 1997; O’ RELLY et al., 1997; RISAU, 1995)


5. Correlação entre câncer inflamação mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

Resistência a apoptose

Aumento da angiogênese


  • 6. Tratamento do câncer mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

  • Cirurgia;

  • Radioterapia;

  • Quimioterapia.

(INCA, 2009)


7. Plantas como fontes de Medicamentos Quimioterápicos mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

  • 70% dos fármacos antitumorais e anti-inflamatórios existentes são derivados de plantas.

(CALIXTO, 2003 )


Camptotecina mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

Tumores do pâncreas e cólon

Alta toxicidade (mielosupressão, cistite hemorrágica)

Retirada de estudos na fase II

Camptotheca acuminata

irinotecan

topotecan

(FERREIRA, 2006)


Taxus brevifolia mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

Paclitaxel

Ovário, mama, pulmão

+ potente

- Efeitos adversos

Docetaxel

(FERREIRA, 2006)


Leucemia aguda mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

vincristina

Catharanthus roseus

Cânceres de mama, testículo, rim, ovário, sarcoma de Kaposi

vimblastina

(FERREIRA, 2006)


Podophillum peltatum mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

Podofilotoxina

Pulmão, tumor de Wilms, linfoma não-Hodgkin, cânceres genitais

Linfoma, leucemia aguda, ovário, bexiga, pulmão, cérebro

etoposídeo

tenoposídeo

(FERREIRA, 2006)


Isolamento de várias substâncias com potencial terapêutico

Potencial antitumoral de plantas brasileiras é pouco explorado

Etnofarmacognosia Uso Popular

ESTRATÉGIA

(BLOCK et al., 1998)


Bidens pilosa Linné mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

  • Picão-Preto

  • Uso Popular: verminoses, cirrose hepática (malária), feridas, intoxicação, tumores

  • Propriedades farmacológicas comprovadas:

  • Antiinflamatória Antimalárica

  • Antibacteriana Antitumoral

  • Hepatoprotetora RABE,1997

  • Citotóxica

  • Antihipertensiva ()

(ALVAREZ et al., 1996; RABE, 1997; BRANDÃO et al., 1997)


MTT mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

  • Avalia integridade mitocondrial.

  • Redução do brometo de 3-[4,5-dimetiltiazol-2-il]-2,5-difeniltetrazolium (MTT) a formazan.

  • Intensidade de coloração células viáveis.

(MOSMANN, 1983)


EXCETO mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

NORMAL

TRATAMENTO

24h

I.P.

5x106céls.TAE

9 DIAS

{

Avaliações cronomorfofisiológicas

Avaliações histocitológicas

Avaliações bioquímicas

ESTUDO

ATIVIDADE

ANTITUMORAL

10º dia


Casearia sylvestris SW mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

  • Guaçatonga

  • Uso Popular: antiofídico, antisséptico, antitumoral, cicatrizante

  • Relatos científicos:

  • Antiofídica

  • Antioxidante

  • Analgésica

  • Citotóxica

  • Antitumoral

(FELIPE, 2010)


Incorporação da timidina mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

Timina

  • H3 timidina monitoração do DNA genômico;

  • Mensuração de H3 timidina marcador de proliferação celular.

Desoxirribose

(SIQUEIRA, 2009)


Coloração Diferencial por BE/LA mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).

  • Permite diferenciar células viáveis de células em apoptose ou necrose

(Mc GAHON et al.,1995)


A) Controle negativo, tratado com DMSO 1%. B) EB mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).EtOH (175,9 µg/mL).

C) f-CHCL3 (92,0 µg/mL).

D) f- AcOET (93,5µg/mL).


Avaliação da atividade antiangiogênica mecanismos de proliferação, diferenciação e morte celular (apoptose).in vivo- teste do CAM

I

II

III

Condições: 37ºC/33% umidade

Tempo: 72hs

Condições: 37ºC/33% umidade

Tempo: 48hs

Condições: 37ºC/33% umidade

Tempo: 48hs

Percentual de vasos

Comprimento total:CCV+CVC

Razão CCV/CVC

Razão CCV/CCV+CVC

3,25; 7,5; 15 µg/disco

(NGUYEN, SHING, FOLKMAN, 1994)


A) Controle positivo, tratado com ácido retinóico (1µg/disco). B) Fração clorofórmica de C. sylvestris (15µg/disco). C) Controle negativo, tratado com etanol. D) Extrato bruto de C. sylvestris (15µg/disco).


EB-EtOH (1µg/disco). B) Fração clorofórmica de

f-CHCl3

Resultados expressos como Média ± Desvio Padrão.

(***) representa diferença estatística significativa (p < 0,001) em relação ao controle negativo; n=6.


Croton celtidifolius (1µg/disco). B) Fração clorofórmica de

  • Sangue de Dragão

  • Uso Popular: reumatismo, febre, dor, hipertensão, hipercolesterolemia

  • Relatos científicos:

  • Analgésica

  • Antioxidante

  • Antiinflamatória

  • Antitumoral

(BISCARO, 2011)


(** e ***) representam diferença estatística significativa (p < 0,01 e p < 0,001) respectivamente, em relação ao controle negativo


A= CN; b= CP; c= Croton celtidifolius 169 µg/mL (p < 0,01 e p < 0,001) respectivamente, em relação ao controle negativo


(α*** (p < 0,01 e p < 0,001) respectivamente, em relação ao controle negativo eβ***) representam diferença estatística (p < 0,001) em relação ao CN (controle negativo: salina) e CP (controle positivo: doxorrubicina), respectivamente.


(α** e α***; β***) significam diferença estatística (p < 0,01 e p < 0,001) em relação ao CN (controle negativo: salina) e CP (controle positivo: ácido retinóico (1µg/disco)); respectivamente

A) Controle negativo tratado com solução salina; B) controle positivo tratado com ácido retinóico; C, D, E e F) tratamento com o látex (0,5; 1,0; 1,5 e 2,0 mg/disco)


Cordia verbenaceae < 0,01 e p < 0,001) em relação ao CN (controle negativo: salina) e CP (controle positivo: ácido retinóico (1µg/disco)); respectivamente

  • Erva-Baleeira

  • Uso Popular: tumores, inflamação

  • Relatos científicos:

  • Antiinflamatória


MCF-7 < 0,01 e p < 0,001) em relação ao CN (controle negativo: salina) e CP (controle positivo: ácido retinóico (1µg/disco)); respectivamente

TAE



ad