Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 57

Alterações Comportamentais e de Aprendizagem: Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar PowerPoint PPT Presentation


  • 56 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Alterações Comportamentais e de Aprendizagem: Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar. Dra Letícia R. M. Rodrigues Maio / 2012. Parte #1: Anatomia e desenvolvimento cerebral Parte #2: Sinais e sintomas nas crianças e adolescentes.

Download Presentation

Alterações Comportamentais e de Aprendizagem: Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Alteraes Comportamentais e de Aprendizagem:Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Dra Letcia R. M. Rodrigues

Maio / 2012


Parte 1 anatomia e desenvolvimento cerebral parte 2 sinais e sintomas nas crian as e adolescentes

Parte #1: Anatomia e desenvolvimento cerebral

Parte #2: Sinais e sintomas nas crianas e adolescentes


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

UM CREBRO GENETICAMENTE ADEQUADO COM CONEXES NEUROQUMICAS E NEUROFUNCIONAIS, NO GARANTE 100% DE APRENDIZADO


Neurofisiologia da aprendizagem

Neurofisiologia da Aprendizagem

  • Estmulo sensorial formao reticular ascendente sistema lmbico reas do lobo temporal responsveis pela recepo e integrao dos estmulos auditivos

  • 41, 42 e 22 de Broadman

  • reas lobo ocipital responsveis pela recepo e integrao dos estmulos visuais

  • 17, 18 e 19 de Broadman


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • reas motoras do lobo frontal 44 de Broadman responsvel pela articulao da palavra

  • Poro mdia da rea 4 de Broadman na circunvoluo frontal ascendente responsvel pela expresso escrita (grafia)


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • A rea parieto-temporo-ocipital 39 e 40 responsvel pela integrao gnsica e as reas pr-frontais pela integrao prxica

  • Tambm h conexo com o cerebelo no s na coordenao motora quanto no ato de aprender


Reas corticais

reas corticais


Reas corticais1

reas corticais


Reas corticais2

reas corticais


Reas corticais3

reas corticais


Reas corticais4

reas corticais


Reas corticais5

reas corticais


Reas corticais6

reas corticais


Reas corticais7

reas corticais


Reas corticais8

reas corticais


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • ESSAS INTERAES NEUROQUMICAS E FUNCIONAIS PRODUZEM ALTERAES PERMANENTES NO SISTEMA NERVOSO CENTRAL QUE SE CHAMA APRENDIZAGEM E DEPENDE DE FATORES INTRNSECOS (GENTICOS E NEUROQUMICOS) E FATORES EXTRINSECOS (MEIO AMBIENTE)


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • O crebro inicia seu desenvolvimento na 3 semana ps concepcional e vai especializando-se progressivamente at chegar a funes corticais mais elaboradas.


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • Nos primeiros meses de vida a funo visual tem sua sinaptognese mxima, portanto, estmulos visuais so muito importantes.

  • Desenvolvimento motor d-se de regies posteriores para regies anteriores, ou seja, inicia-se com movimentos incoordenados at chegar a um grau de especializao maior, como coordenao motora mais elaborada e motricidade fina.


Desenvolvimento cerebral

Desenvolvimento Cerebral


Desenvolvimento cerebral1

Desenvolvimento Cerebral


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • Outras funes como deglutio, audio e fala tambm seguem um padro de desenvolvimento com funes mais simples para mais complexas. Por exemplo, a criana compreende antes de iniciar a lalao, aps vem disslabos, palavras frase e frases.


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • At 4-5 anos, crianas so impulsivas por natureza, ou seja, fisiologicamente, as funes associadas ao controle do impulso no esto desenvolvidas.


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Ateno em torno dos 2 anos: 5 minutos

Ateno em torno dos 3 anos: 10 minutos


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Em torno dos 5 anos inicia-se um desenvolvimento e amadurecimento do cortex frontal, portanto espera-se um maior controle do IMPULSO.


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

MAS AFINAL, O QUE TRANSTORNO DEAPRENDIZAGEM ? ? ? ? ? ?


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Conjunto de sinais que interferem no aprendizado da criana, gerando dificuldades na aquisio e manuteno de informaes.

A criana com transtorno de aprendizagem tem como caracterstica:

Inteligncia normal

Ausncia de alteraes sensoriais


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Gentica X Transtornos de Aprendizagem

Nao h determinismo gentico para Transtorno de Aprendizagem, ou seja, os genes atuam de uma forma PROBABILISTICA e no DETERMINISTICA.

O que h a combinao de genes e meio ambiente.


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • O QI MDIO DAS CRIANAS EM 1932 ERA 100 E ATUALMENTE ELE 112


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • POR QUE ESSA DIFERENA ?


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • ESTMULOS


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Diagnstico dos transtornos de aprendizagem

Anamnese

Exame neurolgico e exame neurolgico evolutivo

Exames subsidiarios (exames de imagem, funcionais)

PAC

Testes padronizados: atraso de 2 anos abaixo do desempenho esperado para uma criana de mesma idade e grau de escolaridade. Como o Transtorno persistente, normalmente deve-se diagnosticar aps 2 anos de escolaridade.


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Portanto, o diagnstico abrange:

Grau de comprometimento escolar abaixo do esperado

Transtorno deve estar presente desde os primeiros anos de escolaridade

NO H REBAIXAMENTO COGNITIVO

Histrico de antecedentes familiares com dificuldades de aprendizagem


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

AFINAL,quais so os Transtornos de Aprendizagem ? ? ?

Transtorno de Matemtica

Transtorno de Escrita

Dislexia

TDAH


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Transtornos da Linguagem

Giro temporal superior posterior, ou rea de Wernicke tem sido associado com funes que envolvem a compreenso rea de reconhecimento auditivo.

O parietal inferior, assim como o giro supramarginal e o giro angular, esto associados a escrita e compreenso da linguagem falada


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

O giro frontal inferior incluindo a rea de Broca e o cortex pre frontal na sua poro dorsolateral estaria associado com a organizao e produo da linguagem, assim como gramtica e sintaxe.

Portanto:

REAS TEMPOROPARIETAIS-RECEPO DA LINGUAGEM

REAS FRONTAIS-EXPRESSO


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Modelo neural:

Processamento visual da palavra

Processamento ortogrfico lexical, que associado ao processamento fonolgico envolve o cortex temporal, frontal e parietal esquerdo

Processamento fonolgico lexical-regies perissilvianas, sugerindo que e realizado no giro temporal posterior superior, insula esquerda e cortex frontal inferior


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Processamento fonolgico sublexical: envolve vrios tipos de tarefas

Representaes visual e auditiva (regies ocipito-temporal, poro mesial do temporal e inferior do frontal no hemisfrio esquerdo

Processamento semntico-julgamento e generalizao semntica usados na palavra escrita e tendo maior atividade nas regies temporais e frontais do cortex


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Para o ato de falar uma palavra preciso que a pessoa lembre dos fonemas que constituem seu lxico interno, analise-o e converta em palavra.

Para o ato de ler o inverso: o leitor fraciona a palavra em pequenas unidades fonmicas (Por exemplo F+A+D+A), analisa e compara com segmentos de som previamente armazenados, posteriormente reune os elementos com seu lxico interno para depois ler a palavra de forma completa.


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

PALAVRA IDENTIFICADA NA REGIO OCIPITO TEMPORAL, RECONHECIDA NA REGIO PARIETO TEMPORAL E PROCESSADA FONOLOGICAMENTE NA REGIO DO GIRO FRONTAL INFERIOR


Rotas de leitura

ROTAS DE LEITURA

  • ROTA FONOLGICA: LEITURA DE JUNO

    • OXIMETILPROPILIDENO

  • ROTA LEXICAL: PROCESSAMENTO DA PALAVRA COMO UM TODO

    • O SBAO ETS MITUO PQEUNEO


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Etapas normais da aquisio da linguagem:

0 a 3 meses: produo de sons (choros, barulhos, gritos) e discriminao de sons familiares

4 a 6 meses: discriminao dos sons da fala-compreenso das palavras, balbucio e expresses faciais

7 a 9 meses: balbucio reduplicado bababa, produo gestual comunicativa


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

10 a 12 meses: primeiras palavras reais + jargo (balbucio com fala)

12-18 meses: produo de 10 a 50 palavras e algumas frases agramaticais

Espera para receber uma resposta verbal do adulto

2 anos: frases com 2 ou 3 palavras e nomeia objetos

3 anos: sentenas gramaticais (artigo, preposio e plurais)

4 anos: sintaxe clara

4 anos e 6 meses: espera-se completa inteligibilidade


Sinais e sintomas em crian as e adolescentes

Sinais e sintomas em crianas e adolescentes

  • Transtorno de Matemtica

    • Erro na formao de nmeros que frequentemente ficam invertidos

    • Dislexia

    • Inabilidade de efetuar somas simples

    • Inabilidade para reconhecer sinais operacionais e para usar separaes lineares


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • Dificuldade para ler corretamente o valor de nmeros com multidigitos

  • Memria fraca para fatos numricos bsicos

  • Dificuldade para transportar nmeros para local adequado na realizao de clculos

  • Ordenao e espaamento inapropriado dos nmeros em multiplicaes e divises


Dislexia

Dislexia

  • Leitura e escrita muitas vezes incompreensveis

  • Confuses de letras com diferente orientao espacial (p/q b/d)

  • Confuses de letras com sons semelhantes (b/p , d/t , g/j)

  • Inverses de silabas ou palavras (par/pra , lata/alta)


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

  • Susbstituio de palavras com estrutura semelhante (contribuiu/construiu)

  • Supresso ou adio de letras ou de silabas(caalo/cavalo , berla/bela)

  • Repetio de silabas ou palavras (eu jogo jogo bola, bolo de chococolate)

  • Fragmentao incorreta (querojo garbola / quero jogar bola)

  • Dificuldade para entender o texto lido


Transtorno de hiperatividade com d ficit de aten o

Transtorno de Hiperatividade com Dficit de Ateno

  • Impulsividade, agressividade

  • Instabilidade, apatia

  • Irritabilidade

  • Reaes catastrficas

  • Desateno

  • Agitao psicomotora (hiperatividade)

  • Baixa tolerncia a frustrao

  • Impacincia

  • Descontentamento


Transtorno de hiperatividade com d ficit de aten o1

Transtorno de Hiperatividade com Dficit de Ateno


Comorbidades associadas

Comorbidades associadas

  • Ansiedade

  • Depresso

  • TOC

  • Tiques

  • Transtorno Afetivo Bipolar

  • Transtorno Oposicional Desafiador

  • Transtorno de Conduta

  • Enurese

  • Epilepsia


Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Foi o Tempo que perdi com minha rosa

que fez minha rosa to importante

Saint-Exupery


  • Login