Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar
Download
1 / 57

Alterações Comportamentais e de Aprendizagem: Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar - PowerPoint PPT Presentation


  • 78 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Alterações Comportamentais e de Aprendizagem: Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar. Dra Letícia R. M. Rodrigues Maio / 2012. Parte #1: Anatomia e desenvolvimento cerebral Parte #2: Sinais e sintomas nas crianças e adolescentes.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha

Download Presentation

Alterações Comportamentais e de Aprendizagem: Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Alteraes Comportamentais e de Aprendizagem:Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Dra Letcia R. M. Rodrigues

Maio / 2012


Parte #1: Anatomia e desenvolvimento cerebral

Parte #2: Sinais e sintomas nas crianas e adolescentes


UM CREBRO GENETICAMENTE ADEQUADO COM CONEXES NEUROQUMICAS E NEUROFUNCIONAIS, NO GARANTE 100% DE APRENDIZADO


Neurofisiologia da Aprendizagem

  • Estmulo sensorial formao reticular ascendente sistema lmbico reas do lobo temporal responsveis pela recepo e integrao dos estmulos auditivos

  • 41, 42 e 22 de Broadman

  • reas lobo ocipital responsveis pela recepo e integrao dos estmulos visuais

  • 17, 18 e 19 de Broadman


  • reas motoras do lobo frontal 44 de Broadman responsvel pela articulao da palavra

  • Poro mdia da rea 4 de Broadman na circunvoluo frontal ascendente responsvel pela expresso escrita (grafia)


  • A rea parieto-temporo-ocipital 39 e 40 responsvel pela integrao gnsica e as reas pr-frontais pela integrao prxica

  • Tambm h conexo com o cerebelo no s na coordenao motora quanto no ato de aprender


reas corticais


reas corticais


reas corticais


reas corticais


reas corticais


reas corticais


reas corticais


reas corticais


reas corticais


  • ESSAS INTERAES NEUROQUMICAS E FUNCIONAIS PRODUZEM ALTERAES PERMANENTES NO SISTEMA NERVOSO CENTRAL QUE SE CHAMA APRENDIZAGEM E DEPENDE DE FATORES INTRNSECOS (GENTICOS E NEUROQUMICOS) E FATORES EXTRINSECOS (MEIO AMBIENTE)


  • O crebro inicia seu desenvolvimento na 3 semana ps concepcional e vai especializando-se progressivamente at chegar a funes corticais mais elaboradas.


  • Nos primeiros meses de vida a funo visual tem sua sinaptognese mxima, portanto, estmulos visuais so muito importantes.

  • Desenvolvimento motor d-se de regies posteriores para regies anteriores, ou seja, inicia-se com movimentos incoordenados at chegar a um grau de especializao maior, como coordenao motora mais elaborada e motricidade fina.


Desenvolvimento Cerebral


Desenvolvimento Cerebral


  • Outras funes como deglutio, audio e fala tambm seguem um padro de desenvolvimento com funes mais simples para mais complexas. Por exemplo, a criana compreende antes de iniciar a lalao, aps vem disslabos, palavras frase e frases.


  • At 4-5 anos, crianas so impulsivas por natureza, ou seja, fisiologicamente, as funes associadas ao controle do impulso no esto desenvolvidas.


Ateno em torno dos 2 anos: 5 minutos

Ateno em torno dos 3 anos: 10 minutos


Em torno dos 5 anos inicia-se um desenvolvimento e amadurecimento do cortex frontal, portanto espera-se um maior controle do IMPULSO.


MAS AFINAL, O QUE TRANSTORNO DEAPRENDIZAGEM ? ? ? ? ? ?


Conjunto de sinais que interferem no aprendizado da criana, gerando dificuldades na aquisio e manuteno de informaes.

A criana com transtorno de aprendizagem tem como caracterstica:

Inteligncia normal

Ausncia de alteraes sensoriais


Gentica X Transtornos de Aprendizagem

Nao h determinismo gentico para Transtorno de Aprendizagem, ou seja, os genes atuam de uma forma PROBABILISTICA e no DETERMINISTICA.

O que h a combinao de genes e meio ambiente.


  • O QI MDIO DAS CRIANAS EM 1932 ERA 100 E ATUALMENTE ELE 112


  • POR QUE ESSA DIFERENA ?


  • ESTMULOS


Diagnstico dos transtornos de aprendizagem

Anamnese

Exame neurolgico e exame neurolgico evolutivo

Exames subsidiarios (exames de imagem, funcionais)

PAC

Testes padronizados: atraso de 2 anos abaixo do desempenho esperado para uma criana de mesma idade e grau de escolaridade. Como o Transtorno persistente, normalmente deve-se diagnosticar aps 2 anos de escolaridade.


Portanto, o diagnstico abrange:

Grau de comprometimento escolar abaixo do esperado

Transtorno deve estar presente desde os primeiros anos de escolaridade

NO H REBAIXAMENTO COGNITIVO

Histrico de antecedentes familiares com dificuldades de aprendizagem


AFINAL,quais so os Transtornos de Aprendizagem ? ? ?

Transtorno de Matemtica

Transtorno de Escrita

Dislexia

TDAH


Transtornos da Linguagem

Giro temporal superior posterior, ou rea de Wernicke tem sido associado com funes que envolvem a compreenso rea de reconhecimento auditivo.

O parietal inferior, assim como o giro supramarginal e o giro angular, esto associados a escrita e compreenso da linguagem falada


O giro frontal inferior incluindo a rea de Broca e o cortex pre frontal na sua poro dorsolateral estaria associado com a organizao e produo da linguagem, assim como gramtica e sintaxe.

Portanto:

REAS TEMPOROPARIETAIS-RECEPO DA LINGUAGEM

REAS FRONTAIS-EXPRESSO


Modelo neural:

Processamento visual da palavra

Processamento ortogrfico lexical, que associado ao processamento fonolgico envolve o cortex temporal, frontal e parietal esquerdo

Processamento fonolgico lexical-regies perissilvianas, sugerindo que e realizado no giro temporal posterior superior, insula esquerda e cortex frontal inferior


Processamento fonolgico sublexical: envolve vrios tipos de tarefas

Representaes visual e auditiva (regies ocipito-temporal, poro mesial do temporal e inferior do frontal no hemisfrio esquerdo

Processamento semntico-julgamento e generalizao semntica usados na palavra escrita e tendo maior atividade nas regies temporais e frontais do cortex


Para o ato de falar uma palavra preciso que a pessoa lembre dos fonemas que constituem seu lxico interno, analise-o e converta em palavra.

Para o ato de ler o inverso: o leitor fraciona a palavra em pequenas unidades fonmicas (Por exemplo F+A+D+A), analisa e compara com segmentos de som previamente armazenados, posteriormente reune os elementos com seu lxico interno para depois ler a palavra de forma completa.


PALAVRA IDENTIFICADA NA REGIO OCIPITO TEMPORAL, RECONHECIDA NA REGIO PARIETO TEMPORAL E PROCESSADA FONOLOGICAMENTE NA REGIO DO GIRO FRONTAL INFERIOR


ROTAS DE LEITURA

  • ROTA FONOLGICA: LEITURA DE JUNO

    • OXIMETILPROPILIDENO

  • ROTA LEXICAL: PROCESSAMENTO DA PALAVRA COMO UM TODO

    • O SBAO ETS MITUO PQEUNEO


Etapas normais da aquisio da linguagem:

0 a 3 meses: produo de sons (choros, barulhos, gritos) e discriminao de sons familiares

4 a 6 meses: discriminao dos sons da fala-compreenso das palavras, balbucio e expresses faciais

7 a 9 meses: balbucio reduplicado bababa, produo gestual comunicativa


10 a 12 meses: primeiras palavras reais + jargo (balbucio com fala)

12-18 meses: produo de 10 a 50 palavras e algumas frases agramaticais

Espera para receber uma resposta verbal do adulto

2 anos: frases com 2 ou 3 palavras e nomeia objetos

3 anos: sentenas gramaticais (artigo, preposio e plurais)

4 anos: sintaxe clara

4 anos e 6 meses: espera-se completa inteligibilidade


Sinais e sintomas em crianas e adolescentes

  • Transtorno de Matemtica

    • Erro na formao de nmeros que frequentemente ficam invertidos

    • Dislexia

    • Inabilidade de efetuar somas simples

    • Inabilidade para reconhecer sinais operacionais e para usar separaes lineares


  • Dificuldade para ler corretamente o valor de nmeros com multidigitos

  • Memria fraca para fatos numricos bsicos

  • Dificuldade para transportar nmeros para local adequado na realizao de clculos

  • Ordenao e espaamento inapropriado dos nmeros em multiplicaes e divises


Dislexia

  • Leitura e escrita muitas vezes incompreensveis

  • Confuses de letras com diferente orientao espacial (p/q b/d)

  • Confuses de letras com sons semelhantes (b/p , d/t , g/j)

  • Inverses de silabas ou palavras (par/pra , lata/alta)


  • Susbstituio de palavras com estrutura semelhante (contribuiu/construiu)

  • Supresso ou adio de letras ou de silabas(caalo/cavalo , berla/bela)

  • Repetio de silabas ou palavras (eu jogo jogo bola, bolo de chococolate)

  • Fragmentao incorreta (querojo garbola / quero jogar bola)

  • Dificuldade para entender o texto lido


Transtorno de Hiperatividade com Dficit de Ateno

  • Impulsividade, agressividade

  • Instabilidade, apatia

  • Irritabilidade

  • Reaes catastrficas

  • Desateno

  • Agitao psicomotora (hiperatividade)

  • Baixa tolerncia a frustrao

  • Impacincia

  • Descontentamento


Transtorno de Hiperatividade com Dficit de Ateno


Comorbidades associadas

  • Ansiedade

  • Depresso

  • TOC

  • Tiques

  • Transtorno Afetivo Bipolar

  • Transtorno Oposicional Desafiador

  • Transtorno de Conduta

  • Enurese

  • Epilepsia


Foi o Tempo que perdi com minha rosa

que fez minha rosa to importante

Saint-Exupery


ad
  • Login