Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar
Download
1 / 57

Alterações Comportamentais e de Aprendizagem: Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar - PowerPoint PPT Presentation


  • 95 Views
  • Uploaded on

Alterações Comportamentais e de Aprendizagem: Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar. Dra Letícia R. M. Rodrigues Maio / 2012. Parte #1: Anatomia e desenvolvimento cerebral Parte #2: Sinais e sintomas nas crianças e adolescentes.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Alterações Comportamentais e de Aprendizagem: Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar' - jermaine-aguilar


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Altera es comportamentais e de aprendizagem quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Alterações Comportamentais e de Aprendizagem:Quando encaminhar para uma equipe interdisciplinar

Dra Letícia R. M. Rodrigues

Maio / 2012


Parte 1 anatomia e desenvolvimento cerebral parte 2 sinais e sintomas nas crian as e adolescentes

Parte #1: Anatomia e desenvolvimento cerebral

Parte #2: Sinais e sintomas nas crianças e adolescentes


UM CÉREBRO GENETICAMENTE ADEQUADO COM CONEXÕES NEUROQUÍMICAS E NEUROFUNCIONAIS, NÃO GARANTE 100% DE APRENDIZADO”


Neurofisiologia da aprendizagem
Neurofisiologia da Aprendizagem

  • Estímulo sensorial  formação reticular ascendente  sistema límbico  áreas do lobo temporal responsáveis pela recepção e integração dos estímulos auditivos

  • 41, 42 e 22 de Broadman

  • Áreas lobo ocipital responsáveis pela recepção e integração dos estímulos visuais

  • 17, 18 e 19 de Broadman


  • Áreas motoras do lobo frontal  44 de Broadman responsável pela articulação da palavra

  • Porção média da área 4 de Broadman na circunvolução frontal ascendente responsável pela expressão escrita (grafia)



Reas corticais
Áreas corticais pela integração gnósica e as áreas pré-frontais pela integração práxica


Reas corticais1
Áreas corticais pela integração gnósica e as áreas pré-frontais pela integração práxica


Reas corticais2
Áreas corticais pela integração gnósica e as áreas pré-frontais pela integração práxica


Reas corticais3
Áreas corticais pela integração gnósica e as áreas pré-frontais pela integração práxica


Reas corticais4
Áreas corticais pela integração gnósica e as áreas pré-frontais pela integração práxica


Reas corticais5
Áreas corticais pela integração gnósica e as áreas pré-frontais pela integração práxica


Reas corticais6
Áreas corticais pela integração gnósica e as áreas pré-frontais pela integração práxica


Reas corticais7
Áreas corticais pela integração gnósica e as áreas pré-frontais pela integração práxica


Reas corticais8
Áreas corticais pela integração gnósica e as áreas pré-frontais pela integração práxica




  • Nos primeiros meses de vida a função visual tem sua sinaptogênese máxima, portanto, estímulos visuais são muito importantes.

  • Desenvolvimento motor dá-se de regiões posteriores para regiões anteriores, ou seja, inicia-se com movimentos incoordenados até chegar a um grau de especialização maior, como coordenação motora mais elaborada e motricidade fina.


Desenvolvimento cerebral
Desenvolvimento Cerebral sinaptogênese máxima, portanto, estímulos visuais são muito importantes.


Desenvolvimento cerebral1
Desenvolvimento Cerebral sinaptogênese máxima, portanto, estímulos visuais são muito importantes.




Atenção em torno dos 2 anos: “natureza”, ou seja, fisiologicamente, as funções associadas ao controle do impulso não estão desenvolvidas. 5 minutos

Atenção em torno dos 3 anos: 10 minutos


Em torno dos 5 anos inicia-se um desenvolvimento e amadurecimento do cortex frontal, portanto espera-se um maior controle do IMPULSO.


MAS AFINAL, O QUE amadurecimento do cortex frontal, portanto espera-se um maior controle do IMPULSO.É TRANSTORNO DEAPRENDIZAGEM ? ? ? ? ? ?


Conjunto de sinais que interferem no aprendizado da criança, gerando dificuldades na aquisição e manutenção de informações.

A criança com transtorno de aprendizagem tem como característica:

Inteligência normal

Ausência de alterações sensoriais


Genética X Transtornos de Aprendizagem criança, gerando dificuldades na aquisição e manutenção de informações.

Nao há determinismo genético para Transtorno de Aprendizagem, ou seja, os genes atuam de uma forma PROBABILISTICA e não DETERMINISTICA.

O que há é a combinação de genes e meio ambiente.


  • O QI M criança, gerando dificuldades na aquisição e manutenção de informações.ÉDIO DAS CRIANÇAS EM 1932 ERA 100 E ATUALMENTE ELE É 112



  • ESTÍMULOS criança, gerando dificuldades na aquisição e manutenção de informações.


Diagn criança, gerando dificuldades na aquisição e manutenção de informações.óstico dos transtornos de aprendizagem

Anamnese

Exame neurológico e exame neurológico evolutivo

Exames subsidiarios (exames de imagem, funcionais)

PAC

Testes padronizados: atraso de 2 anos abaixo do desempenho esperado para uma criança de mesma idade e grau de escolaridade. Como o Transtorno é persistente, normalmente deve-se diagnosticar após 2 anos de escolaridade.


Portanto, o diagnóstico abrange: criança, gerando dificuldades na aquisição e manutenção de informações.

Grau de comprometimento escolar abaixo do esperado

Transtorno deve estar presente desde os primeiros anos de escolaridade

NÃO HÁ REBAIXAMENTO COGNITIVO

Histórico de antecedentes familiares com dificuldades de aprendizagem


AFINAL,quais são os Transtornos de Aprendizagem ? ? ? criança, gerando dificuldades na aquisição e manutenção de informações.

Transtorno de Matemática

Transtorno de Escrita

Dislexia

TDAH


Transtornos da Linguagem criança, gerando dificuldades na aquisição e manutenção de informações.

Giro temporal superior posterior, ou área de Wernicke tem sido associado com funções que envolvem a compreensão  área de reconhecimento auditivo.

O parietal inferior, assim como o giro supramarginal e o giro angular, estão associados a escrita e compreensão da linguagem falada


O giro frontal inferior incluindo a área de Broca e o cortex pre frontal na sua porção dorsolateral estaria associado com a organização e produção da linguagem, assim como gramática e sintaxe.

Portanto:

ÁREAS TEMPOROPARIETAIS-RECEPÇÃO DA LINGUAGEM

ÁREAS FRONTAIS-EXPRESSÃO


Modelo neural: cortex pre frontal na sua porção dorsolateral estaria associado com a organização e produção da linguagem, assim como gramática e sintaxe.

Processamento visual da palavra

Processamento ortográfico lexical, que associado ao processamento fonológico envolve o cortex temporal, frontal e parietal esquerdo

Processamento fonológico lexical-regiões perissilvianas, sugerindo que e realizado no giro temporal posterior superior, insula esquerda e cortex frontal inferior


Processamento fonológico sublexical: envolve vários tipos de tarefas

Representações visual e auditiva (regiões ocipito-temporal, porção mesial do temporal e inferior do frontal no hemisfério esquerdo

Processamento semântico-julgamento e generalização semântica usados na palavra escrita e tendo maior atividade nas regiões temporais e frontais do cortex


Para o ato de falar uma palavra é preciso que a pessoa lembre dos fonemas que constituem seu léxico interno, analise-o e converta em palavra.

Para o ato de ler é o inverso: o leitor fraciona a palavra em pequenas unidades fonêmicas (Por exemplo F+A+D+A), analisa e compara com segmentos de som previamente armazenados, posteriormente reune os elementos com seu léxico interno para depois ler a palavra de forma completa.


PALAVRA É IDENTIFICADA NA REGIÃO OCIPITO TEMPORAL, RECONHECIDA NA REGIÃO PARIETO TEMPORAL E PROCESSADA FONOLOGICAMENTE NA REGIÃO DO GIRO FRONTAL INFERIOR


Rotas de leitura
ROTAS DE LEITURA RECONHECIDA NA REGIÃO PARIETO TEMPORAL E PROCESSADA FONOLOGICAMENTE NA REGIÃO DO GIRO FRONTAL INFERIOR

  • ROTA FONOLÓGICA: LEITURA DE JUNÇÃO

    • OXIMETILPROPILIDENO

  • ROTA LEXICAL: PROCESSAMENTO DA PALAVRA COMO UM TODO

    • O SBÃAO ETSÁ MITUO PQEUNEO


Etapas normais da aquisição da linguagem: RECONHECIDA NA REGIÃO PARIETO TEMPORAL E PROCESSADA FONOLOGICAMENTE NA REGIÃO DO GIRO FRONTAL INFERIOR

0 a 3 meses: produção de sons (choros, barulhos, gritos) e discriminação de sons familiares

4 a 6 meses: discriminação dos sons da fala-compreensão das palavras, balbucio e expressões faciais

7 a 9 meses: balbucio reduplicado “bababa”, produção gestual comunicativa


10 a 12 meses: primeiras palavras reais + jargão (balbucio com fala)

12-18 meses: produção de 10 a 50 palavras e algumas frases agramaticais

Espera para receber uma resposta verbal do adulto

2 anos: frases com 2 ou 3 palavras e nomeia objetos

3 anos: sentenças gramaticais (artigo, preposição e plurais)

4 anos: sintaxe clara

4 anos e 6 meses: espera-se completa inteligibilidade


Sinais e sintomas em crian as e adolescentes
Sinais e sintomas em crianças e adolescentes com fala)

  • Transtorno de Matemática

    • Erro na formação de números que frequentemente ficam invertidos

    • Dislexia

    • Inabilidade de efetuar somas simples

    • Inabilidade para reconhecer sinais operacionais e para usar separações lineares


  • Dificuldade para ler corretamente o valor de números com multidigitos

  • Memória fraca para fatos numéricos básicos

  • Dificuldade para transportar números para local adequado na realização de cálculos

  • Ordenação e espaçamento inapropriado dos números em multiplicações e divisões


Dislexia
Dislexia multidigitos

  • Leitura e escrita muitas vezes incompreensíveis

  • Confusões de letras com diferente orientação espacial (p/q b/d)

  • Confusões de letras com sons semelhantes (b/p , d/t , g/j)

  • Inversões de silabas ou palavras (par/pra , lata/alta)


  • Susbstituição de palavras com estrutura semelhante (contribuiu/construiu)

  • Supressão ou adição de letras ou de silabas(caalo/cavalo , berla/bela)

  • Repetição de silabas ou palavras (eu jogo jogo bola, bolo de chococolate)

  • Fragmentação incorreta (querojo garbola / quero jogar bola)

  • Dificuldade para entender o texto lido


Transtorno de hiperatividade com d ficit de aten o
Transtorno de Hiperatividade com Déficit de Atenção (contribuiu

  • Impulsividade, agressividade

  • Instabilidade, apatia

  • Irritabilidade

  • Reações catastróficas

  • Desatenção

  • Agitação psicomotora (hiperatividade)

  • Baixa tolerância a frustração

  • Impaciência

  • Descontentamento



Comorbidades associadas
Comorbidades associadas (contribuiu

  • Ansiedade

  • Depressão

  • TOC

  • Tiques

  • Transtorno Afetivo Bipolar

  • Transtorno Oposicional Desafiador

  • Transtorno de Conduta

  • Enurese

  • Epilepsia


Foi o Tempo que perdi com minha rosa (contribuiu

que fez minha rosa tão importante

Saint-Exupery


ad