A arquitetura das c lulas
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 35

A arquitetura das células PowerPoint PPT Presentation


  • 148 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

A arquitetura das células. Paula Costallat Cantão. Células Procarióticas e Eucarióticas. Célula Procarionte. Célula Eucarionte. A arquitetura da célula. A arquitetura da célula. Membrana Plasmática. Membrana Plasmática. Fosfolipídio. Dupla camada de fosfolipídios. Membrana Plasmática.

Download Presentation

A arquitetura das células

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


A arquitetura das c lulas

A arquitetura das células

Paula Costallat Cantão


C lulas procari ticas e eucari ticas

Células Procarióticas e Eucarióticas

Célula Procarionte

Célula Eucarionte


A arquitetura da c lula

A arquitetura da célula


A arquitetura da c lula1

A arquitetura da célula


Membrana plasm tica

Membrana Plasmática


Membrana plasm tica1

Membrana Plasmática

Fosfolipídio

Dupla camada de fosfolipídios


Membrana plasm tica2

Membrana Plasmática


Prote nas na membrana plasm tica

Proteínas na Membrana Plasmática

  • Continuação...

  • Algumas proteínas atuam no transporte de substâncias para dentro ou para fora da célula.

  • Outras proteínas, como os receptores hormonais, reconhecem a presença de certas substâncias no meio, estimulando a célula a reagir.


Modelo do mosaico fluido

  • As moléculas de fosfolipídios e as proteínas deslocam-se continuamente no plano da membrana, porém, sem nunca perder o contato umas com as outras, o que confere grandedinamismo as membranas biológicas.(Singer e Nicholson, 1972)

  • A estrutura dinâmica da membrana plasmática foi comparada a um mosaico molecular em constante modificação.

Modelo do Mosaico Fluido


Os glic dios da membrana plasm tica

  • Os glicídios são formados por pequenas cadeias de monossacarídeos e estão localizados na face externa da membrana.

  • Alguns se ligam aos lipídios, formando GLICOLIPÍDIOS;

  • Mas a maioria está ligada às proteínas, constituindo as GLICOPROTEÍNAS.

  • Com certas proteínas da membrana, os glicídios permitem que uma célula identifique outra do mesmo tecido, promovendo a adesão entre elas. Além disso, eles participam da identificação de uma célula estranha.

  • Ex: Glóbulos Brancos, encontrados no sangue, atacam bactérias invasoras, mas reconhecem quimicamente células do próprio corpo e, normalmente, não as atacam.

Os Glicídios da Membrana Plasmática


Envolt rios externos membrana plasm tica

Envoltórios Externos à Membrana Plasmática

A maioria das células apresenta algum tipo de envoltório externo à membrana plasmática, que a protege e a auxilia no desempenho de suas funções. Os principais são:

Glicocálix

Parede Celulósica


Glicoc lix

  • Também conhecido por GLICOCÁLICE.

  • Presente na maioria das células animais e em certos protozoários.

  • É o conjunto de GLICOPROTEÍNAS e GLICOLIPÍDIOS da face externa da membrana plasmática.

  • Participa do reconhecimento de uma célula por outra, promovendo a adesão entre elas. Ex: Insulina

Glicocálix


Parede celul sica

  • Também conhecida por Parede Celular ou Parede Esquelética.

  • Presente na maioria das células vegetais, nas células de bactérias, fungos, algas e em certos protozoários.

  • É constituída, principalmente nas algas e nas plantas, por longas e resistentes microfibrilas do polissacarídio celulose.

  • Envoltório espesso, que protege, sustenta e dá rigidez as células, principalmente dos vegetais.

Parede Celulósica


Parede celul sica1

PAREDE PRIMÁRIA: Células vegetais jovens apresentam uma parede celular fina e flexível, que é elástica o bastante para permitir o crescimento celular.

PAREDE SECUNDÁRIA: Envoltório mais espesso e mais rígido, presente nas células vegetais que já atingiram o tamanho definitivo.

Pode conter outros componentes além da celulose, como a LIGNINA e a SUBERINA, que aumentam muito sua resistência. Ex: A dureza da casca de noz e a resistência da madeira decorrem dessas substâncias.

Parede Celulósica


Parede celul sica2

PLASMODESMOS: São finíssimas pontes citoplasmáticas, que põem em contato direto os citoplasmas das células vizinhas.

Esses poros, locais em que não há celulose ou qualquer outro tipo de material separando as células, são atravessados pelos Plasmodesmos, que facilitam a passagem de substâncias de uma célula para outra.

Parede Celulósica


Permeabilidade seletiva

É a capacidade de selecionar o que entra e sai da célula. Também chamada de semipermeabilidade.

As substâncias atravessam a membrana de duas maneiras:

Transporte Passivo: Certas substâncias podem atravessar a membrana espontaneamente, sem que a célula gaste energia com isso.

Transporte Ativo: A membrana também é capaz de absorver ou expulsar ativamente substâncias, bombeando-as para dentro ou para fora da célula, gastando energia com isso.

Permeabilidade Seletiva


Tipos de transporte

Difusão Simples

Transporte Passivo Difusão Facilitada

Osmose

Transporte Ativo Bomba de Sódio-Potássio

Endocitose e Exocitose

Tipos de Transporte


Transporte passivo

Difusão Simples:Consiste na passagem de moléculas, de um local de maior concentração para um local de menor concentração, até estabelecer um equilíbrio.

A passagem de substâncias, através da membrana, se dá em resposta ao gradiente de concentração.

É a entrada e saída de substâncias na célula, espontaneamente.

Transporte Passivo


Difus o simples

Difusão Simples


Difus o facilitada

Proteína Canal

Proteína Carreadora

Difusão Facilitada


Difus o facilitada1

Proteína Canal: Água e íons pequenos somente passam por proteínas da membrana. Ao contrário da proteína carreadora, que muda de forma no transporte da substância, a proteína canal possui uma passagem interna pela qual atravessam as moléculas e os íons pequenos.

Proteína Carreadora: São específicas para cada tipo de substância e algumas funcionam como uma enzima, ligando-se a molécula de um lado da membrana e soltando-a do outro lado.

Difusão Facilitada


Difus o

Difusão


Osmose

OSMOSE


Osmose1

Quando se comparam duas soluções quanto à concentração:

Solução Hipertônica: quando a solução é mais concentrada em solutos (do grego hyper, superior) em relação a uma outra;

Solução Hipotônica: quando a solução é menos concentrada em solutos(do grego hypo,inferior)em relação a uma outra;

Solução Isotônica: quando duas soluções apresentam a mesma concentração de solutos(do grego isso,igual).

Para que ocorra osmose,portanto,deve haver sempre uma solução hipotânica e outra hipertônica em contato por uma membrana semiperveável.

OSMOSE


Transporte ativo

Transporte Ativo


Bomba de s dio pot ssio

Bomba de Sódio - Potássio


Bomba de s dio pot ssio1

Bomba de Sódio - Potássio


Transporte de grandes mol culas e part culas

Transporte de grandes moléculas e partículas

Grandes moléculas orgânicas, como as proteínas, os polissacarídeos e mesmo outras partículas maiores, não conseguem atravessar a membrana celular. Por isso, elas não podem ser absorvidas nem eliminadas pelos processos que acabamos de ver.

A entrada na célula dessas substâncias ou partículas é feita por ENDOCITOSE, enquanto a saída ocorre por EXOCITOSE.


Endocitose

Há dois tipos de Endocitose:

FAGOCITOSE (fago = comer)

PINOCITOSE (pino = beber)

ENDOCITOSE


Fagocitose

Nesse processo, a célula ingere partículas insolúveis relativamente grandes (visíveis ao microscópio óptico) como microorganismos ou fragmentos celulares.

O citoplasma forma expansões, os PSEUDÓPODES (pseudo = falso; podos = pé), que envolvem o alimento e os colocam em uma cavidade no interior da célula. Nessa cavidade ocorre a digestão e a absorção dos produtos obtidos.

FAGOCITOSE


Fagocitose1

Em alguns invertebrados e protozoários, a Endocitose serve de mecanismo de captura de alimento, ocorrendo fagocitose até mesmo de outros organismos unicelulares. Ex: Ameba.

FAGOCITOSE


Fagocitose2

Nos vertebrados, a fagocitose é usada por algumas células para defender o organismo contra a entrada de corpos estranhos e para destruir as células velhas do corpo. Ambas as funções são realizadas por um grupo de células de defesa, entre as quais os glóbulos brancos do sangue, que formam um verdadeiro exército espalhado pelo corpo, fagocitando e digerindo bactérias invasoras.

FAGOCITOSE


Pinocitose

Nem todas as células realizam fagocitose, mas a maioria das células eucarióticas realiza pinocitose.

PINOCITOSE


Pinocitose1

Neste processo, a célula captura líquidos ou macromoléculas dissolvidas em água através de invaginações da membrana, que formam pequenas vesículas, os pinossomos. Ex: É assim que as células intestinais capturam gotículas de gordura do tubo digestivo.

PINOCITOSE


Exocitose

É um processo de eliminação de produtos para o exterior da célula.

Esses produtos estão no interior de vesículas que se desfazem na superfície da membrana, por um mecanismo que corresponde ao inverso da endocitose.

Um exemplo é a saída para a circulação das gotículas de gordura capturadas pelas células intestinais. É também por exocitose que as células do pâncreas e de outras glândulas eliminam seus produtos (secreções) para o sangue ou para as cavidades do corpo.

Exocitose


  • Login