slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
CAP. 2

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 39

CAP. 2 - PowerPoint PPT Presentation


  • 117 Views
  • Uploaded on

COMÉRCIO E TECNOLOGIA: O MODELO RICARDIANO. CAP. 2. Referências bibliográficas. Feenstra & Taylor. International Trade; Cap. 2 Krugman , P.; Obstefeld , M. Economia Internacional. Makron. 5ª. Edição 2001 – Capítulo 2

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' CAP. 2' - genica


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
refer ncias bibliogr ficas
Referências bibliográficas
  • Feenstra & Taylor. International Trade; Cap. 2
  • Krugman, P.; Obstefeld, M. Economia Internacional. Makron. 5ª. Edição 2001 – Capítulo 2
  • Appleyard, Field e Cobb. InternationalEconomics. McGraw Hill 6 th. Edition. 2008
slide3

INTRODUÇÃO

  • OBJETIVOS DA AULA:
  • Exemplo Numérico para compreender o modelo Ricardianorelacionado à proposta de que os países realizam comércio segundo suas vantagens comparativas e que tendem a se especializar no comércio de cada bem.
com rcio e a defini o de categorias anal ticas
Comércio e a definição deCategorias Analíticas

COMÉRCIO

DIFERENÇAS

SIMILARIDADES

ECONOMIAS DE ESCALA

TECNOLOGIA

DOTAÇÃO DE FATORES

KRUGMAN

RICARDO

HECKSHER-OHLIN

princ pio das vantagens comparativas
Princípio das Vantagens Comparativas

Trata-se de uma linha analítica que explica o comércio como uma função de diferenças na eficiência relativa de cada país para a produção dos bens.

TECNOLOGIA – tomada como base para explicar como e porque o comércio se estabelece entre dois países.

vantagem comparativa defini o intuitiva
Vantagem comparativa: definição "intuitiva"

Torna-se importante identificar o setor onde a vantagem é maior & o setor onde a desvantagem é menorcomo setores para os quais os países têm vantagem comparativa.

princ pio das vantagens comparativas1
Princípio das Vantagens Comparativas

Princípio (Especialização):

  • Se cada país se especializar na produção do bem para o qual é relativamente eficientee passa a ter acesso a outros bens através do comércio, todos os países alcançam um nível mais elevado de bem estar.
  • O comércio possibilita que os bens para os quais os países têm vantagem comparativa sejam exportados, em troca de bens para os quais o país é relativamente menos eficiente na produção.
princ pio das vantagens comparativas2
Princípio das Vantagens Comparativas

Princípio:

O comércio possibilita que os bens para os quais os países têm vantagem comparativa sejam exportados, em troca de bens para os quais o país é relativamente menos eficiente na produção.

premissas do modelo de ricardo
Premissas do modelo de Ricardo:
  • Existem dois países no mundo (Local e Estrangeiro).
  • Cada um deles produz dois bens(digamos, vinho (v) e queijo (q)).
  • O trabalho (L) é o único fator de produção.
  • A oferta de trabalho é fixa para cada país.
  • O trabalho não é móvel entre países.
  • Estruturas de concorrência perfeita prevalecem em todos os mercados.
  • Cada país tem acesso a tecnologias diferenciadas, de forma que a produtividade do trabalho na produção de cada bem é diferente em cada um dos países.
slide11
Cont.

Premissas do modelo de Ricardo (cont.):

  • Custo de transporte é nulo.
  • Não prevalecem políticas comerciais.
  • Retorno constante à escala.
economia de um s fator l
Economia de um só fator L

Necessidade unitária de trabalho

  • Definições: aLVrepresenta a necessidade unitária de trabalho para produzir 1 Vinho.
  • Ex.: se aLV = 2, então são necessárias duas unidade de trabalho para produzir 1 V unidades de vinho ou uma unidade adicional de trabalho produz ½ unidade de vinho (PMgLv = ½).
  • PMgLv = (1/aLV).
  • V = PMgLv. L
economia de um s fator l1
Economia de um só fator L

Necessidade unitária de trabalho (em Queijo – Q)

  • aLQrepresenta a necessidade unitária de trabalho para produzir 1 queijo
  • Ex.: se aLQ= 1,então uma unidade de trabalho produz 1 unidade de queijo.
  • PMgLQ = (1/aLQ).
  • Q = PMgLQ. L
possibilidades de produ o
Possibilidades de produção
  • A fronteira de possibilidades de produção (FPP) de uma economia mostra o montante máximo de um bem (digamos, vinho) que pode ser produzido por quantidade determinada de outro (digamos, queijo) e vice-versa.
  • A FPP de nossa economia pode ser representada a partir da seguinte relação:

aLQQ+ aLVV= L

  • De nosso exemplo anterior, se L = 120, obtemos:
  • Q+ 2V= 120

V = 120/2 – ½ Q ou

Q= 120 – 2 V

fpp da economia local

Produção de

vinho da Economia Local, V

  • Valor absoluto da declividade
  • = (L/aLV)/(L/aLQ) = aLQ/aLV

60

L/aLV

L/aLQ

120

Produção de queijo da Economia Local, Q

FPP da Economia Local

+1

-2

fronteira de possibilidades de produ o da economia local

Produção de

vinho da Economia Local,

V, emlitros

O valor absoluto da declividade é igual ao custo de oportunidade do queijo em termos de vinho = PQ /PV = ½ (em módulo)

L/aLV

L/aLQ

Produção de queijonaEconomia Local,

Q, emquilos

Fronteira de Possibilidades de Produção da Economia Local

+1

-2

fronteira de possibilidades de produ o da economia local1

Produção de

vinho da Economia Local,

V, emlitros

O valor absoluto da declividade é igual ao custo de oportunidade do queijo em termos de vinho = PQ /PV = ½ = aLQ/aLV

L/aLV

L/aLQ

Produção de queijonaEconomia Local,

Q, emquilos

Fronteira de Possibilidades de Produção da Economia Local

+1

-2

slide19

Economia de um sófator

  • Preços Relativos e Oferta
    • As quantidades específicas de cada bem produzido são determinadas por preços.
    • O preço relativo do bem Q (queijo) em termos de V (vinho) é a quantidade desse último (vinho) que deixa de ser produzido por uma unidade adicional produzida do primeiro (queijo).

PQ /PV = 1/2 PV /PQ= 1/2

(para produzir uma unidade adicional de queijo deixa de produzir ½ vinho; para produzir uma unidade adicional de vinho, deixa de produzir 2 Q)

o com rcio em uma economia internacional de um s fator incluindo o pa s estrangeiro
O comércio em uma economia internacional de um só fator: Incluindo o país estrangeiro
  • Outro exemplonumérico
    • A tabela a seguirdescreve a tecnologia dos doispaíses:

Tabela 2-2: Necessidadeunitáriade trabalho

pa s estrangeiro fpp

Produção de vinho

do Estrangeiro, Q\'V,

em litros

L\'/a\'LV

-1/2

Produção de queijo

do Estrangeiro, Q\'Q,

em quilos

L\'/a\'LQ

País Estrangeiro - FPP

O valor absoluto da declividadeéigualaocusto de oportunidade do queijoemtermos de vinho = P\'Q /P\'V= (L\'/a\'LV)/(L\'/a\'LQ)

= a\'LQ/a\'LV

= 2

+1

slide22

Determinação de PreçosRelativos

emcadaeconomia

  • Sob autarquia (na ausência de comércio), ambos os bens são produzidos (e consumidos) em cada país, podendo-se representar os preços relativos como:

PQ/ PV= aLQ/aLV

P\'Q/ P\'V= a\'LQ/a\'LV

  • Neste país, o custo de oportunidade de queijo é igual a 2 vinhos e o custo de oportunidade de um vinho é de ½ queijo
comparando se os custos de oportunidade entre pa ses
Comparando-se os custos de oportunidade entre países
  • O exemplo numérico apresentado implica que:

aLQ /aLV = 1/2 < a\'LQ/a\'LV= 2

País local tem vantagem comparativa em queijo

aLV /aLQ= 2 > a\'LV /a\'LQ = 1/ 2

País estrangeiro tem vantagem comparativa em vinho

Dadas essas informações:

Qual será o padrão de comércio?

vantagem comparativa
Vantagem Comparativa

Isso implica que o custo de oportunidade do queijo em termos do vinho é menor no Local que no Estrangeiro.

      • Em outras palavras, na ausência de comércio, o preço relativo do queijo no Local é menor que o preço relativo do queijo no Estrangeiro.
  • O país Local tem uma vantagem comparativa no queijo e vai exportá-lo para o Estrangeiro em troca de vinho. O país Estrangeiro tem uma vantagem comparativa no vinho e vai exportá-lo para o Local em troca de queijo.
vantagem comparativa1
Vantagem Comparativa

Quando o comércio tem início, os países tendem a se especializar no bem para o qual apresentam vantagem comparativa e importar o outro bem do segundo país (onde este é produzido de forma relativamente mais eficiente).

  • O país Local tem uma vantagem comparativa no queijo e vai exportá-lo para o Estrangeiro em troca de vinho. O país Estrangeiro tem uma vantagem comparativa no vinho e vai exportá-lo para o Local em troca de queijo.
determina o do padr o de com rcio
Determinação do Padrão de Comércio
  • No equilíbrio mundial, o preço relativo do queijo deve estar entre esses valores. Considere, para simplificar, que
  • P*Q/P*V= 1 (um litro de vinho por quilo de queijo)

(P\'Q/ P\'V)estrangeiro > P*Q/ P*V > (PQ/ PV )local

(P’v/ P’Q)estrangeiro < P*v/ P*Q < (Pv/ PQ)local

slide27

Condição fundamental para ocorrer o comércio:

  • Para que os países sejam motivados para o comércio, os preços relativos sob autarquia devem diferir entre os paísesde forma a proporcionar um estímulo para que ocorra a realização do comércio.
resumindo
Resumindo

Segundo as vantagens comparativas:

  • Quando existe o estímulo de preços, ambos os países vão se especializar e ganhar com as trocas através do comércio.
    • Considere o Local, que pode transformar vinho em queijo, produzindo o vinho internamente ou produzindo queijo e então trocando-o por vinho.
    • O País Local pode usar uma hora de trabalho para produzir
    • 1/aLV = meio litro de vinho se não comercializar.
resumindo1
Resumindo
  • Ou, então, pode usar uma hora de trabalho para produzir
  • 1/aLQ = um quilo de queijo, vender essa quantidade para o Estrangeiro no mercado internacional e obter um litro de vinho.
ganhos propiciados pelo com rcio
Ganhos propiciados pelo comércio
  • Se um país se especializa de acordo com suas vantagens competitivas, ele obtém ganhos de sua especialização e comércio.
  • Em primeiro lugar, podemos pensar no comércio como uma nova maneira de produzir bens e serviços – produção indireta.
o com rcio em um mundo de um s fator
O comércio em um mundo de um só fator
  • Outra maneira de ver os ganhos obtidos com o comércio é considerar como o comércio afeta as possibilidades de consumo em cada um país.
  • Na ausência do comércio, a curva de possibilidades de consumo é igual à curva de possibilidades de produção.
  • O comércio amplia a possibilidade de consumo para cada um dos dois países.
especializa o completa com rcio expande as possibilidades de consumo

Quantidade

de vinho, QV

Quantidade

de vinho, Q\'V

T

F \'

P

T \'

P \'

Quantidade

de queijo, Q\'Q

Quantidade

de queijo, QQ

(a) Local

(b) Estrangeiro

Especialização completa - Comércio expande as possibilidades de consumo

O comércioem um mundode um sófator

extens es do modelo sal rios relativos
Extensões do Modelo:Salários relativos
  • Como há diferenças tecnológicas entre os dois países, o comércio em bens não torna os salários iguais entre eles.
  • Um país com vantagem absoluta nos dois produtos terá um salário mais alto após o comércio.
extens es do modelo sal rios relativos1
Extensões do Modelo:Salários relativos

Tabela 2-2: Necessidadeunitáriade trabalho

extens o do modelo sal rios relativos
Extensão do modelo:salários relativos
  • Isso pode ser ilustrado com a ajuda de um exemplo numérico:
    • Considere que PQ = $12 e PV = $12. Portanto, temos que PQ / PV= 1, como no exemplo anterior.
    • Como o Local se especializa em queijo após o comércio, seu salário será (1/aLQ)PQ = ( 1/1)$12 = $12.
    • Como o Estrangeiro se especializa em vinho após o comércio, seu salário será (1/a\'LV) PV = (1/3)$12 = $4.
    • Portanto, o salário relativo do Local será $12/$4 = 3 (ou seja, 3 vezes superior ao estrangeiro – porque o trabalho é 3 vezes mais produtivo)..
    • Assim, o país com a maior vantagem absoluta mantém salários maiores depois do comércio.
inclus o de custos de transporte e bens n o comercializ veis
Inclusão de custos de transportee bens não comercializáveis
  • Há três motivos principais pelos quais a especialização na economia internacional do mundo real não chega a extremos:
    • A existência de mais de um fator de produção.
    • Os países algumas vezes protegem suas indústrias da concorrência estrangeira.
    • É caro transportar bens e serviços.
  • A inclusão de custos de transporte pode fazer com que alguns produtos se tornem bens não comercializáveis.
  • Em alguns casos, o transporte é praticamente impossível.
    • Exemplo: Serviços como corte de cabelo não podem ser comercializados internacionalmente.
resumo
Resumo
  • Examinamos o modelo ricardiano, o mais simples capaz de mostrar como as diferenças entre os países produzem o comércio e os ganhos do comércio.
  • Neste modelo, o trabalho é o único fator de produção e os países diferem apenas na produtividade do trabalho em diferentes setores.
  • No modelo ricardiano, um país exportará o produto em que tem vantagem relativa (e não absoluta) de produtividade do trabalho.
resumo1
Resumo
  • Os benefícios do comércio para um país podem ser mostrados de duas maneiras:
    • Podemos pensar no comércio como um método indireto de produção.
    • Podemos mostrar que o comércio aumenta as possibilidades de consumo de um país.
  • A distribuição dos ganhos obtidos com o comércio depende dos preços relativos dos bens que o país produz.
resumo2
Resumo
  • Estender o modelo de um só fator e apenas dois bens para um mundo com diversos bens torna possível ilustrar que os custos de transporte podem originar bens não comercializáveis.
  • A previsão básica do modeloricardiano – que os países tendem a exportar bens em que têm uma produtividade relativamente alta – foi confirmada por vários estudos.
ad