Curso de rela es internacionais
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 30

CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PowerPoint PPT Presentation


  • 64 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

MACROECONOMIA. CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS. Aula 8 Teoria da proteção. Introdução. O livre comércio é mais exceção do que regra. Os governos intervêm para proteger o produtor nacional. Ao conjunto de mecanismos de proteção se denomina política comercial. Tópicos de discussão.

Download Presentation

CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Curso de rela es internacionais

MACROECONOMIA

CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Aula 8

Teoria da proteção


Introdu o

Introdução

  • O livre comércio é mais exceção do que regra.

  • Os governos intervêm para proteger o produtor nacional.

  • Ao conjunto de mecanismos de proteção se denomina política comercial.

Luís Antonio Paulino


T picos de discuss o

Tópicos de discussão

  • Tarifas

  • Subsídios

  • Outras formas de proteção

  • Medidas de grau de proteção

Luís Antonio Paulino


Tarifas

Tarifas

  • O imposto sobre importações – denominado tarifa – é cobrado quando a mercadoria entra no país.

  • Pode ser:

    • Específico

    • Ad valorem

    • Misto

Luís Antonio Paulino


Tarifas exemplos

Tarifas (Exemplos)

  • A tarifa de US$ 450,00 cobrada por tonelada de suco de laranja brasileiro importada pelos EUA , independente do preço do produto é um imposto específico

  • A tarifa de importação de US$ 0,54 litro/galão de álcool importado pelos EUA também é um imposto específico.

  • A Tarifa Externa Comum de 14% acordada entre os membros do Mercosul é um imposto ad valorem.

  • Uma cobrança de US$ 50 por unidade importada + 20% sobre o preço é um imposto misto.

Luís Antonio Paulino


Tarifas1

Tarifas

  • A tarifa média fixada pelas economias desenvolvidas situa-se em torno de 5%, mas os picos tarifários são elevados.

  • O Brasil tem um teto tarifário de 35%, mas aplica uma média geral, para produtos industrializados ou não, de 10,7%.

  • A maior parte dos produtos está com 14%, a Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul.

  • Em 1990, o valor médio da tarifa era de 43%.

Luís Antonio Paulino


Tarifas2

Tarifas

  • A idéia de que a economia do Brasil segue muito fechada cai ao compará-la à de outros países.

  • As tarifas alfandegárias do Brasil recuaram do patamar médio de 50% observado na década de 80 para o nível atual em torno de 10%.

  • Corrobora ainda essa tese, a existência de um regime tarifário sem cotas e com alíquota máxima de 35%.

  • Outras economias, tanto desenvolvidas quanto emergentes, apesar de terem tarifas médias mais baixas que a brasileira, aplicam "picos tarifários" e outras barreiras não tarifárias.

Luís Antonio Paulino


Tarifas picos tarif rios

Tarifas (picos tarifários)


Excedente do consumidor e do produtor antes da tarifa

Excedente do consumidor e do produtor antes da tarifa


Custos e benef cios das tarifas

Custos e benefícios das tarifas


Custos e benef cios das tarifas1

Custos e benefícios das tarifas


Efeito das tarifas sobre a produ o

Efeito das tarifas sobre a produção

  • O aumento do preço doméstico, decorrente da imposição da tarifa, provoca também mudanças nos preços relativos internos. Aumenta a produção do bem protegido, mas se o país opera com pleno emprego, isso se dá à custa da produção do conjunto dos bens não atendidos pela política.

Luís Antonio Paulino


Efeito das tarifas sobre a produ o1

Efeito das tarifas sobre a produção

M

E

U=2

Eb

Mb

U=1

Eb*

Mb*

O

Xb

Xb*

X


Efeito das tarifas sobre a distribui o de renda

Efeito das tarifas sobre a distribuição de renda

  • Teoricamente, a tarifa beneficia o fator de produção escasso (capital), enquanto reduz a renda real do fator abundante (trabalho) – Teorema HOS

  • Essa visão, entretanto, considera apenas o critério de eficiência alocativa, ou ricardiana.

  • É preciso, contudo, levar em conta outros dois critérios de eficiência: eficiência inovativa ou schumpeteriana e a eficiência de crescimento ou keynesiana.

Luís Antonio Paulino


Efeito das tarifas sobre a concorr ncia

Efeito das tarifas sobre a concorrência

  • Se a proteção é oferecida a um bem num mercado concorrencial, mesmo que as importações venham a ser excluídas, ainda haverá alguma concorrência entre os produtores domésticos.

  • Se o mercado é caracterizado por oligopólio ou monopólio, a exclusão dos concorrentes estrangeiros resulta em pouca disputa no mercado e conseqüente desestímulo para redução de preços e melhoria da qualidade.

Luís Antonio Paulino


Efeito das tarifas sobre a renda

Efeito das tarifas sobre a renda

  • A argumentação clássica acerca da liberdade de comércio parte do pressuposto do pleno emprego dos recursos.

  • Se a economia passa por um período de recessão, a tarifa pode ser utilizada para estimular a renda e o emprego.

Luís Antonio Paulino


Subs dios

SUBSÍDIOS

  • Consiste em pagamentos, diretos ou indiretos, feitos pelo governo, para encorajar exportações ou desencorajar importações.

  • Equivale a um imposto negativo e representa uma redução de custo para o produtor

Luís Antonio Paulino


Subs dios1

SUBSÍDIOS

  • A concessão de subsídios se dá por meio de:

    • Pagamentos em dinheiro

    • Redução de impostos

    • Financiamentos a taxas de juros inferiores às do mercado

    • Compra direta do governo para posterior revenda a preço mais baixo aos consumidores

Luís Antonio Paulino


Efeitos dos subs dios sobre a produ o

Efeitos dos subsídios sobre a produção

Luís Antonio Paulino


Efeitos dos subs dios exporta o

Efeitos dos subsídios à exportação

Luís Antonio Paulino


Efeitos dos subs dios exporta o1

Efeitos dos subsídios à exportação

Luís Antonio Paulino


Custos e benef cios dos subs dios exporta o

Custos e benefícios dos subsídios à exportação

Luís Antonio Paulino


Outras formas de prote o

Outras formas de proteção

  • Quotas de importação

  • Controles cambiais

  • Proibição de importação

  • Monopólio estatal

  • Leis de compras de produtos nacionais

  • Depósitos prévios à importação

  • Barreiras não tarifárias

  • Acordos voluntários de restrições de exportações (AVRE)

Luís Antonio Paulino


Medidas de grau de prote o

MEDIDAS DE GRAU DE PROTEÇÃO

  • TPNm = Taxa de proteção nominal

  • Pm = Preço doméstico

  • Pm* = Preço internacional

Luís Antonio Paulino


Medidas de grau de prote o1

MEDIDAS DE GRAU DE PROTEÇÃO

  • Exemplo: Algodão

  • Pm = US$ 1680/tonelada

  • Pm* = US$ 1600/tonelada

Luís Antonio Paulino


Medidas de grau de prote o2

MEDIDAS DE GRAU DE PROTEÇÃO

  • TPEm = taxa de proteção efetiva

  • TPNm = taxa de proteção nominal do produto m

  • TPNi = taxa de proteção nominal do insumo i

  • Wi = taxa de participação do insumo i na produção de m

Luís Antonio Paulino


Medidas de grau de prote o3

MEDIDAS DE GRAU DE PROTEÇÃO

  • Se o processo de produção exigir o emprego de mais de um insumo importado, expressão será alterada para:

Luís Antonio Paulino


Medidas de grau de prote o exemplo

MEDIDAS DE GRAU DE PROTEÇÃO (Exemplo)

  • Para produzir algodão é preciso máquinas, defensivos, adubo.

  • Suponhamos que esses insumos representem 40% do custo e sejam protegidos por uma tarifa de 15%.

Luís Antonio Paulino


Curso de rela es internacionais

II

IPI

Proteção

Tarifa

Valor

Valor

Proteção

Nominal

Componentes

Importado

Agregado

Efetiva

Celulares

21.0

19.0

11.0

166.0

33.2

Celulares (2006)

15.0

14.0

8.4

166.0

33.2

Televisões

22.5

20.0

15.4

443.2

124.1

CPU (comp. pessoais)

28.0

14.3

16.8

696.2

280.0

Fontes: SPE/MF e MDIC.

Proteção Efetiva (%) para Produtos Selecionados. Em 2001.


Curso de rela es internacionais

II

IPI

Proteção

Tarifa

Valor

Valor

Proteção

Nominal

Componentes

Importado

Agregado

Efetiva

Celulares

21.0

19.0

44.0

11.0

166.0

33.2

208.9

Celulares (2006)

15.0

14.0

31.1

8.4

166.0

33.2

144.8

Televisões

22.5

20.0

47.0

15.4

443.2

124.1

156.6

CPU (comp. pessoais)

28.0

14.3

46.3

16.8

696.2

280.0

119.7

Fontes: SPE/MF e MDIC.

Proteção Efetiva (%) para Produtos Selecionados. Em 2001.


  • Login