SEMANA
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 50

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO PowerPoint PPT Presentation


  • 59 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

SEMANA DA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008. A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO. A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO. Caiuby Alves da Costa [email protected] SEMANA DA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008. A NECESSIDADE DE PARTICIPAÇÃO

Download Presentation

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

Caiuby Alves da Costa

[email protected]


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

ANECESSIDADE DE

PARTICIPAÇÃO

SOCIAL

OENGENHEIRO E A SOCIEDADE

O MUNDO ANTES E DEPOIS

POR UMA NOVA UTOPIA

O IMPACTO SOCIAL DA ENGENHARIA

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

O ENGENHEIRO

E

A ENGENHARIA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

O ENGENHEIRO E

A SOCIEDADE

“O ENGENHEIRO PENSA UM MUNDO JUSTO ,

MUNDO QUE NENHUM VÉU ENCOBRE”

JOÃO CABRAL DE MELO NETO


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

O ENGENHEIRO E

A SOCIEDADE

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

QUE SOCIEDADE

QUEREMOS CONSTRUIR ?

FORMAÇÃO PROFISSIONAL :

NECESSIDADES SOCIAIS X MERCADO DE TRABALHO ?


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

NECESSIDADE DE AMPLIAÇÃO

VOLATILIDADE DOS PRODUTOS

M E R C A D O

INOVAÇÃO

OBSOLESCÊNCIA TECNOLÓGICA

COMPETITIVIDADE


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

ENSINO, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

RECICLAGEM E DESPOLUIÇÃO

CONCEPÇÃO, PROJETO E INOVAÇÃO

A ENGENHARIA

OPERAÇÃO, EXPLORAÇÃO E MANUTENÇÃO

PLANEJAMENTO

CONSTRUÇÃO, INSTALAÇÃO E MONTAGEM


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

MAIS JUSTA E INCLUDENTE

EXCLUDENTE

A SOCIEDADE

SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INJUSTA

AUTO - SUSTENTÁVEL

SOCIEDADE PÓS-INDUSTRIAL

POLUIDORA


A forma o do engenheiro

ALGUNS PENSAMENTOS E REFLEXÕES

As tecnologias são importantes , mas apenas se soubermos utiliza-las .E saber utiliza-las não é apenas um problema técnico.

Ladislau Dowbor

A crise generalizada que afeta hoje todo o sistema capitalista ressalta o fato de que a teoria sobre os benefícios da globalização e do livre mercado não tem ,definitivamente ,respaldo científico.

Henrique Rattner

As pequenqs empresas vão fazer parte de imensas redes de empresas em busca de inovação , por isso a alta tecnologia e mesmo a parte científico-tecnológica de desenvolvimento é fundamental para garantir emprego.

João Zuffo


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

O ENGENHEIRO E

A SOCIEDADE

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

ÁREAS CRÍTICAS

num futuro próximo

QUAIS SÃO SUAS

REFLEXÕES ?


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

O ENGENHEIRO E

A SOCIEDADE

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

MEIO AMBIENTE

AGUA POTÁVEL

URBANIZAÇÃO

ÁREAS CRÍTICAS

num futuro próximo

AREAS CRITICAS

PARA A SOCIEDADE

MATERIAIS

ALIMENTOS

ENERGIA


A forma o do engenheiro

O ENGENHEIRO E

A SOCIEDADE

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A soberania nacional e a construção da sociedade em que vivemos é função direta do desenvolvimento tecnológico , e este depende diretamente dos seus profissionais de engenharia, quer sob o aspecto quantitativo , quer sob o aspecto qualitativo – É função da formação.

A soberania envolve a capacidade de autodeterminação da Nação por direito próprio e exclusivo, representada pelo Estado, sendo limitada além fronteiras pelo direito internacional, que regula a coexistência das nações e internamente pelos direitos inerentes à pessoa humana.

Embora formalmente a maioria das nações seja soberana, a realidade é muito distante do formal; e o “instrumento mais eficaz para se impor uma dominação e controle sobre a natureza e sobre a sociedade é a tecnologia” [1]. Se isso é verdade para uma nação é muito mais verdade para o planeta Globalizado.


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

O MUNDO ANTES E DEPOIS

“Os cientistas estudam o mundo que existe,

os engenheiros criam o mundo que nunca houve antes”

Theodore Von Kárman


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

O MUNDO

ANTES E DEPOIS

  • AS CONSTRUÇÕES

  • A AGRICULTURA

  • REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

  • OS TRANSPORTES

  • A ENERGIA ELETRICA

  • O SANEAMENTO

  • A ENERGIA NUCLEAR

  • A AUTOMAÇÃO

  • INFORMATICA

  • NOVOS MATERIAIS


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

O MUNDO

ANTES

E DEPOIS

O MITO DE

PROMETEU


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

O IMPACTO SOCIAL DA ENGENHARIA

“ NÃO BASTA CONHECER A REALIDADE É NECESSARIO TRANSFORMA-LA “

KARL MARX


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

O IMPACTO SOCIAL DA ENGENHARIA

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • ALGUNS EXEMPLOS

  • NOVAS FORMAS DE ENERGIA

  • NOVAS FORMAS DE TELECOMUNICAÇÃO

  • NOVOS MATERIAIS

  • EXEMPLOS BRASILEIROS :

  • PETROBRAS

  • EMBRAER

  • EMBRAPA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

“Nenhum homem , realmente, é tolo . Ele torna-se tolo quando para de formular questões”.

Charles Proteus Steinmetz


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

RESOLUÇÃO CNE/CES Nº. 11 de 11 de março de 2002

  • Artigo 3º - O Curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formado egresso/profissional o engenheiro , com formação generalista , humanista , critica e reflexiva capacitado a absorver e a desenvolver novas tecnologias , estimulando a sua ação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas , considerando seus aspectos políticos , econômicos , sociais , ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • Artigo 4 o Os objetivos da formação do engenheiro , requer as seguintes competências e habilidades:

  • Aplicar conhecimentos matemáticos , científicos , tecnológicos e experimentais à engenharia

  • Conceber , projetar e analisar sistemas produtos e processos

  • Identificar , formular e resolver problemas de engenharia

  • Desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas técnicas

  • Comunicar-se eficientemente nas formas escrita , oral e gráfica

  • Atuar em equipes multidisciplinares

  • Compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissionais

  • Avaliar o impacto das atividades de engenharia no contexto social e ambiental


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

VISÃO SINTÉTICA DA ENGENHARIA

Uma certa atitude profissional

Um certo acervo de

conhecimentos

Um certo conjunto de habilitações

Produto ou Processo para o atendimento das necessidades humanas

PESQUISA ou PROJETO

Recursos naturais

  • ENGENHARIAS TRONCO:

    • ENG. AGRONOMIA

    • ENGENHARIA CIVIL

    • ENGENHARIA ELÉTRICA

    • ENGENHARIA MECÂNICA

    • ENGENHARIA METALÚRGICA

    • ENGENHARIA DE MINAS

    • ENGENHARIA QUÍMICA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

QUE FORMAÇÃO PODE ATENDER AOS REQUISITOS ATÉ AQUI EXPOSTOS ?


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

ENGENHARIAS TRONCO


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

ESTRUTURA

INGRESSO

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

1,5 ANOS IGUAIS

PARA TODOS OS

CURSOS

FORMAÇÃO BÁSICA

1,5 ANOS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA

FORMAÇÃO PROFISSIONAL ESPECÍFICA

1,5 ANOS

PROJETO DE FIM DE CURSO

6 MESES

CONCLUSÃO

EDUCAÇÃO CONTINUADA

1


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

INGRESSO

ESTRUTURA

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

1,5 ANOS IGUAIS PARA TODOS OS CURSOS

FORMAÇÃO BÁSICA

FORMAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA

1,5 ANOS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL ESPECÍFICA

1.5 ANOS

PROJETO DE FIM DE CURSO

6 MESES

1 ANO

CONCLUSÃO

EDUCAÇÃO CONTINUADA

RESIDÊNCIA TÉCNICA

1 ANO

2


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

UMA POSSIBILIDADE DE EVOLUÇÃO

INGRESSO

BÁSICO COMUM: TODOS OS CURSOS

DA AREA TECNOLOGICA= 3 SEMESTRES

TRONCO COMUM –TODAS AS

ENGENHARIAS – 3 SEMESTRES

PROFISSINALIZANTE TECNOLOGO

2 SEMESTRES

MONOGRAFIA E ESTAGIO

1 SEMESTRE

ENGENHARIA B PROFISSIONALIZANTE

3 SEMESTRES

ENGENHARIA A PROFISSIONALIZANTE

3 SEMESTRES

CONCLUSÃO

TRABALHO FIM DE CURSO

1 SEMESTRE

TRABALHO FIM DE CURSO

1 SEMESTRE

CONCLUSÃO

CONCLUSÃO

EDUCAÇÃO CONTINUADA

BLOCO PONTE

2 SEMESTRES

3

EDUCAÇÃO CONTINUADA


A forma o do engenheiro

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

ESTRUTURA

ESTRUTURA

INGRESSO

INGRESSO

1,5 ANOS IGUAIS

PARA TODOS OS

CURSOS

FORMAÇÃO BÁSICA

FORMAÇÃO BÁSICA

FORMAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA

FORMAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA

1,5 ANOS

1,5 ANOS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL ESPECÍFICA

FORMAÇÃO PROFISSIONAL ESPECÍFICA

1.5 ANOS

1.5 ANOS

PROJETO DE FIM DE CURSO

PROJETO DE FIM DE CURSO

6 MESES

6 MESES

2

1 ANO

1 ANO

CONCLUSÃO

CONCLUSÃO

EDUCAÇÃO CONTINUADA

EDUCAÇÃO CONTINUADA

1 ANO

1 ANO

RESIDÊNCIATÉCNICA

RESIDÊNCIA TÉCNICA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

A

FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

  • 3 SEMESTRES IGUAIS PARA TODOS OS CURSOS

  • INGRESSSO :PROCESSO SELETIVO COMUM PARA TODAS AS ENGENHARIAS

  • BLOCO I- FORMAÇÃO BASICA COMUM À TODAS AS ENGENHARIAS

  • DURAÇÃO 3 ( TRÊS ) SEMESTRES

  • CARGA HORARIA – 1200 HORAS

  • NO ÚLTIMO SEMESTRE HAVERÁ UM PROJETO INTEGRADOR

  • PROJETO QUE OBJETIVA INTEGRAR OS CONHECIMENTOS ADQUIRIDOS NUMA ATIVIDADE DE EXTENSÃO ORIENTADA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

FORMAÇÃO PROFISSIONAL TRONCO COMUM

A

FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

  • 3 SEMESTRES IGUAIS PARA OS CURSOS TRONCO

  • ( MODALIDADE DE ENGENHARIA )

CIVIL

BLOCO I I- FORMAÇÃO BASICA COMUM À ENGENHARIA TRONCO

DURAÇÃO 3 ( TRÊS ) SEMESTRES

CARGA HORARIA – 1200 HORAS

NO ÚLTIMO SEMESTRE HAVERÁ UM PROJETO INTEGRADOR

PROJETO QUE OBJETIVA INTEGRAR OS CONHECIMENTOS ADQUIRIDOS

NUMA ATIVIDADE DE EXTENSÃO ORIENTADA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

FORMAÇÃO PROFISSIONAL TRONCO COMUM

A

FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

  • 3 SEMESTRES IGUAIS PARA AS OPÇÕES DAS AREAS ESPECIFICAS do CURSO TRONCO (DE ENGENHARIA )

CIVIL

BLOCO I I I- FORMAÇÃO ESPECIFICA PROFISSIONAL À ENGENHARIA TRONCO

DURAÇÃO : 3 ( TRÊS ) SEMESTRES

CARGA HORARIA – 1200 HORAS

TRANSPORTE

SANEAMENTO

ETC.

NO ÚLTIMO SEMESTRE HAVERÁ UM PROJETO INTEGRADOR

PROJETO QUE OBJETIVA INTEGRAR OS CONHECIMENTOS ADQUIRIDOS

NUMA ATIVIDADE DE EXTENSÃO ORIENTADA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

FORMAÇÃO PROFISSIONAL ESPECIFICA

1 SEMESTRE PARA O TRABALHO DE FIM DE CURSO

CIVIL

FORMAÇÃO PROFISSIONAL ESPECIFICA DE CADA MODALIDADE

DURAÇÃO: 1(UM) SEMESTRE

CARGA HORARIA – 400 HORAS

TRANSPORTE


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

1

2

DEFINIÇÕES


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

TRABALHO FIM DE CURSO-

Destinado a consolidação do conhecimento ;sendo o tema relativo a área especifica

ex: florestal, eletrônica , estradas , agrimensura, naval.etc

EDUCAÇÃO CONTINUADA

A educação continuada tem dois caminhos que podem ser seguidos, sem serem excludentes : a linha acadêmica e a linha profissional.

A linha acadêmica - mestrado , doutorado;

A linha profissional - extensão , aperfeiçoamento, especialização, RESIDENCIA TECNICA , MESTRADO PROFISSIONAL.


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

  • PROJETO DE INTEGRAÇÃO= realização de um trabalho de desenvolvimento de um equipamento , método ou processo.

  • O trabalho é realizado em grupo, sob supervisão de professores com apresentação num seminário.Os conhecimentos exigidos são os os do respectivo ou os do respectivo mais os dos anteriores.

  • Sugere-se a participação das equipes em seminários regionais , nacionais ou internacionais como os de concreto Minibaja, aerodesing ,campeonato de robôs , estruturas de ponte etc.

  • RESIDENCIA TECNICA- trabalho efetuado em empresa ou órgão publico desenvolvimento atividade de engenharia sob supervisão de professor da Instituição de ensino segundo um programa pré- estabelecido.


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

A

FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

UM PASSO ADIANTE


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

UMA POSSIBILIDADE DE EVOLUÇÃO

INGRESSO

BÁSICO COMUM: TODOS OS CURSOS

DA AREA TECNOLOGICA= 3 SEMESTRES

TRONCO COMUM –TODAS AS

ENGENHARIAS – 3 SEMESTRES

PROFISSINALIZANTE TECNOLOGO

2 SEMESTRES

3

MONOGRAFIA E ESTAGIO

1 SEMESTRE

ENGENHARIA A

PROFISSIONALIZANTE

3 SEMESTRES

ENGENHARIA B PROFISSIONALIZANTE

3 SEMESTRES

CONCLUSÃO

TRABALHO FIM DE CURSO

1 SEMESTRE

TRABALHO FIM DE CURSO

1 SEMESTRE

CONCLUSÃO

CONCLUSÃO

EDUCAÇÃO CONTINUADA

BLOCO PONTE

2 SEMESTRES

EDUCAÇÃO CONTINUADA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • AREAS TECNOLOGICAS TRONCO

A

FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

  • ARQUITETURA E URBANISMO

  • ENGENHARIAS

  • GEOCIENCIAS

  • GEOGRAFIA , METEOROLOGIA

3


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • AREAS TECNOLOGICAS TRONCO

A

FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

  • A FRAGMENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E DOS CURSOS DE ENGENHARIA DIFICULTA :

  • O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES SOCIAIS

  • AUMENTA SENSIVELMENTE OS CONFLITOS GERADOS PELAS AREAS DE SOMBREAMENTO FRAGILIZANDO O SISTEMA CONFEA – CREAS

3


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • AREAS TECNOLOGICAS TRONCO

A

FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

A ALTERNATIVA TRES TEM O MERITO DE EFETUAR UM INGRESSO ÚNICO PARA OS CURSOS DA AREA TECNOLOGICA APRESENTANDO OS SEGUINTES ASPECTOS :

  • MAIOR INTEGRAÇÃO DOS CURSOS NA AREA TÉCNOLOGICA

  • INTEGRAÇÃO ENTRE CURSOS DE CURTA DURAÇÃO E CURSOS PLENOS

  • PROPORCIONAR O ATENDIMENTO DE FORMAÇÃO DEMANDADA ,A CURTO PRAZO ,PELA SOCIEDADE

  • REDUÇÃO DAS DIFICULDADES DA REINSERÇÃO NO FLUXOGRAMA DE FORMAÇÃO DOS CURSOS PLENOS

  • NECESSIDADE DE UM PROJETO PEDAGOGICO MAIS PROFUNDO E ABRANGENTE

  • GESTÃO ACADÊMICA E ACOMPANHAMENTO PEDAGOGICO MAIS PROXIMO DO DISCENTE

3


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • AREAS TECNOLOGICAS TRONCO

A

FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

  • RESULTADOS ESPERADOS

  • ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES SOCIAIS

  • ABRANGER TODA AREA TECNOLOGICA

  • FORTALECIMENTO DA AREA TECNOLOGICA

  • MAIOR FACILIDADE NA APLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO 1010

  • FORTALECIMENTO DO SISTEMA CONFEA - CREAs

3


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • AREAS TECNOLOGICAS TRONCO

A

FORMAÇÃO

DO

ENGENHEIRO

  • PROJETO PEDAGOGICO

  • O projeto pedagógico deverá contemplar a distribuIção dos conteúdos entre atividades de sala de aula e de laboratórios intercalados utilizando recursos didáticos digitais ,recursos de informática , etc

    • CURSO PONTE- constituído por conteúdos que complementam a formação do tecnólogo possibilitando a continuidade do curso pleno

  • A proposta objetiva o desenvolvimento de uma estrutura que abranja toda área tecnológica apresentando as seguintes inovações :

    • Integração dos cursos da área tecnológica

    • Oportunidade para os que optarem por uma formação de curta duração continuarem seus estudos para um curso de engenharia plena


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

POR UMA NOVA UTOPIA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

A CONSTRUÇÃO DE UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA

POR UMA NOVA UTOPIA

A CONSTRUÇÃO DE UMA SOCIEDADE AUTO SUSTENTAVEL

A CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA UTOPIA PASSA PELA ENGENHARIA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

POR UMA NOVA UTOPIA


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

A NECESSIDADE DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

O patrimônio tecnológico de uma nação é um dos elementos que suportam a sua independência política e econômica. Mesmo num mundo globalizado, gerador de interdependências em todos os campos, em escala planetária, um país tem fragilizada a sua capacidade de decidir sobre políticas de desenvolvimento se não domina tecnologias básicas e não desenvolve continuamente novas tecnologias, mantendo-se refém dos que as detém e impõe caminhos que podem não ser os que interessam à nação.

ABCE – Associação Brasileira de Consultores de Engenharia


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

“ SE A HUMANIDADE QUER UM OUTRO FUTURO RECONHECIVEL ,

NÃO PODE SER PELO PROLONGAMENTO DO PASSADO OU DO PRESENTE.

SE TENTARMOS CONSTRUIR O TERCEIRO MILÊNIO NESTA BASE , VAMOS FRACASSAR E O PREÇO DO FRACASSO ADVINDO DA ADOÇÃO DESTA ALTERNATIVA DE MUDANÇA DA SOCIEDADE É A ESCURIDÃO “

E. HOBSBAWN


A forma o do engenheiro

SEMANADA ENGENHARIA CIVIL –U E F S - MARÇO 2008

  • A FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

MUITO

OBRIGADO

CAIUBY ALVES DA COSTA

e-mail : [email protected]


  • Login