Pr ticas de leitura e escrita
Download
1 / 31

Pr ticas de Leitura e Escrita - PowerPoint PPT Presentation


  • 173 Views
  • Updated On :

Práticas de Leitura e Escrita. Programa de Formação Continuada a Distância (via WEB) para Professores de Ensino Médio SEE-SP PUCSP - LAEL. OBJETIVOS GERAIS.

Related searches for Pr ticas de Leitura e Escrita

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Pr ticas de Leitura e Escrita' - dian


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Pr ticas de leitura e escrita l.jpg

Práticas de Leitura e Escrita

Programa de Formação Continuada a Distância (via WEB) para Professores de Ensino Médio

SEE-SP

PUCSP - LAEL


Objetivos gerais l.jpg
OBJETIVOS GERAIS

  • Criar oportunidades, para os professores de EM de todas as disciplinas (por adesão) de vivenciar uma combinação de experiências relativas às práticas de leitura e escrita, mediadas pelo contexto Web, como forma de proporcionar a ampliação do letramento em geral e, em particular do letramento digital;

  • desenvolver práticas leitoras e escritoras especificas a gêneros e situações;


Objetivos gerais 2 l.jpg
OBJETIVOS GERAIS (2)

  • refletir sobre as práticas docentes que envolvem a leitura e a escrita, nas várias disciplinas e, logo;

  • possibilitar a transformação de práticas docentes relativas à leitura e à escrita em sala de aula.


Objetos de ensino l.jpg
OBJETOS DE ENSINO

  • Navegação e uso de ferramentas WEB:

    • Próprias dos ambientes Prometeus e Learning Space

    • De uso geral na WEB

  • Gêneros de diferentes esferas de circulação (em mídias digital e impressa);

  • Capacidades de leitura e escrita exigidas por estes gêneros, mídias e situações;

  • Elaboração de projetos didáticos.


Pressupostos te ricos l.jpg
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS

  • Concepção de linguagem – perspectiva enunciativo-discursiva de base bakhtiniana;

    • Conceitos fundamentais – esferas de atividade e gêneros do discurso;

    • Concepção de letramento – Modelo ideológico

    • Capacidade de leitura – cognitivas e interativas

  • Concepção de ensino-aprendizagem – perspectiva sócio-cultural (Vygotsky)


Por que assumir uma perspectiva enunciativa discursiva no trabalho com a leitura e a escrita l.jpg
Por que assumir uma perspectiva enunciativa-discursiva no trabalho com a leitura e a escrita?

  • Essa perspectiva permite a concretização do ideal de formação na direção de um exercício mais pleno da cidadania;

  • Documentos legais (LDB, DCN, PCN etc.);

  • Essa perspectiva permite dar conta da complexidade de aspectos envolvidos em atividades de compreensão e produção de textos;


Ilustrando a perspectiva enunciativo discursiva um exemplo l.jpg

Ilustrando a perspectiva enunciativo-discursiva: trabalho com a leitura e a escrita?

Um exemplo


O que podemos entender dessa frase l.jpg
O QUE PODEMOS ENTENDER DESSA FRASE? trabalho com a leitura e a escrita?

BAYGON NELES, PARASITAS!!!


Quem neles l.jpg
QUEM trabalho com a leitura e a escrita?É “NELES”?

BAYGON NELES, PARASITAS!!!


Slide10 l.jpg

Agora imagine que essa frase foi escrita no muro da Volkswagen durante uma greve dos operários: - Quem escreveu?- Quem seriam os parasitas?- Por que seriam parasitas?

BAYGON NELES, PARASITAS!!!


Slide11 l.jpg

Agora imagine que essa frase foi dita numa reunião da diretoria da Volkswagen durante uma greve dos operários: - Quem seriam os parasitas?- Por que seriam parasitas?

BAYGON NELES, PARASITAS!!!


O o que podemos concluir com essa atividade l.jpg
O diretoria da Volkswagen durante uma greve dos operários: O QUE PODEMOS CONCLUIR COM ESSA ATIVIDADE?


Tr s rela es poss veis do sujeito com o texto orlandi 1988 l.jpg
Três relações possíveis do sujeito com o texto (ORLANDI, 1988):

  • Inteligível: relaciona-se com o processo de decodificação;

  • Interpretável: relaciona-se com o estabelecimento de coesão;

  • Compreensível: é a atribuição de sentidos colocando-se em relação o que foi dito com o contexto de produção, que cerca, e “atravessa” o ato de dizer.


Slide14 l.jpg

“No seu trato usual com a linguagem, o sujeito apreende o 1988):inteligível e se constitui em intérprete. A compreensão, no entanto, supõe uma relação com a cultura, com a história, com o social e com a linguagem, que é atravessada pela reflexão e pela crítica.” (Orlandi, 1988)


Do que depende afinal a compreens o de um texto l.jpg
Do que depende afinal a compreensão de um texto? 1988):

  • Conhecimento de mundo;

  • Conhecimento específico;

  • Conhecimento do gênero do discurso ou tipo de texto em questão;

  • Conhecimento lingüístico;

  • Desenvolvimento de

  • capacidades leitoras.


Justificativa da elei o dos g neros como objeto de ensino aprendizagem 1 l.jpg
Justificativa da eleição dos gêneros como objeto de ensino-aprendizagem (1)

  • Pq tomar os gêneros como objeto de ensino aprendizagem?

  • Pq permitem a concretização de uma perspectiva enunciativa.


Justificativa da elei o dos g neros como objeto de ensino aprendizagem 2 l.jpg
Justificativa da eleição dos gêneros como objeto de ensino-aprendizagem (2)

  • a noção permite capturar aspectos, elementos e relações da ordem da enunciação e do discurso, além de aspectos eminentemente estruturais ou da ordem do lingüísticos;

  • a consciência desses aspectos, elementos e relações favorecem a compreensão e produção de textos;


Justificativa da elei o dos g neros como objeto de ensino aprendizagem 3 l.jpg
Justificativa da eleição dos gêneros como objeto de ensino-aprendizagem (3)

  • o gênero pode ser considerado um mega-instrumento p/ o ensino/aprendizagem de Língua Materna (Schneuwly:1994);

  • favorece uma integração entre práticas de leitura, escritura e análise da língua (incluindo gramática);

  • fornece subsídios para pensarmos conteúdos, seqüências e simultaneidades curriculares e fornece parâmetros mais claros de avaliação.


Letramento 1 l.jpg
LETRAMENTO (1) ensino-aprendizagem (3)

Alfabetização: ação de alfabetizar, de ensinar a ler e a escrever, a conhecer o alfabeto; tornar alfabetizado;

Letramento: processo de apropriação das práticas sociais de leitura e escrita


Letramento 2 l.jpg
Letramento (2) ensino-aprendizagem (3)

“(...)`a medida que o analfabetismo vai sendo superado, que um número cada vez maior de pessoas aprende a ler e a escrever, e à medida que, concomitantemente, a sociedade vai se tornando cada vez mais centrada na escrita (cada vez mais grafocêntrica), um novo fenômeno se evidencia: não basta aprender a ler e a escrever. As pessoas se alfabetizam, aprendem a ler e a escrever, mas não necessariamente incorporam a prática de leitura e da escrita, não necessariamente adquirem competência para usar a leitura e a escrita, para envolver-se com as práticas sociais de escrita...” (Magda Soares)


Capacidades de leitura l.jpg
Capacidades de Leitura ensino-aprendizagem (3)

  • Capacidades cognitivas/metacognitivas:

    (ativação de conhecimento prévio, antecipação, localização de informação, produção de inferências)

  • Capacidades interativas/apreciação e réplica: (recuperação do contexto de produção, percepção das relações de interdiscursividade, elaboração de apreciações, éticas, políticas, estéticas etc.


Slide22 l.jpg

ESFERA ensino-aprendizagem (3)

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO

CONTEÚDO TEMÁTICO

GÊNERO ESTILO

FORMA COMPOSICIONAL


G neros e esferas de atividades humanas l.jpg
Gêneros e esferas de atividades humanas ensino-aprendizagem (3)

Esferas de atividade

Esferas de comunicação

GÊNEROS DO DISCURSO


Esfera de atividade esfera de comunica o l.jpg
Esfera de atividade/esfera de comunicação ensino-aprendizagem (3)

Importante considerar:

  • Atores envolvidos

  • Atividades desenvolvidas

  • Interesses em jogo

  • Gêneros que circulam


Defini o de g nero l.jpg
Definição de gênero ensino-aprendizagem (3)

O que é gênero do discurso?

  • Formas de dizer sócio–historicamente cristalizadas, oriundas de necessidades produzidas em diferentes esferas da comunicação humana.

  • “Tipos relativamente estáveis de enunciados” (Bakhtin, 1952-1953)


Matriz curricular l.jpg

Módulo 1 ensino-aprendizagem (3)

Leitura e Escrita em contexto digital

Unidade 1

Apresentação (perfil, cadastro, debate)

Unidade 2

Experiências com leitura e escrita (depoimento, paródia, Blog)

Unidade 3

Esferas de Atividades e Gêneros do Discurso

Unidade 4

Leitura e escrita no Ensino Médio (conceito de texto e de capacidades de leitura)

Matriz Curricular


Matriz curricular27 l.jpg

Módulo 2 ensino-aprendizagem (3)

Em dia com a ciência e o conhecimento

Unidade 1

Ciência: o que é e como interpretar seus textos

Unidade 2

As Línguas da Ciência

Unidade 3a

Texto, discurso e leituras nas Ciências Exatas e da Natureza

Unidade 3b

Texto, discurso e leituras nas Ciências Humanas e Sociais

Unidade 4

Texto e leituras em livros e materiais didáticos

Matriz Curricular


Matriz curricular28 l.jpg

Módulo 3 ensino-aprendizagem (3)

Jornais de todos os tempos – informação e opinião no cotidiano e na escola

Unidade 1

Exploração da esfera jornalística

Unidade 2

Um passeio por diferentes mídias

Unidade 3

Explorando textos de opinião

Matriz Curricular


Matriz curricular29 l.jpg

Módulo 4 ensino-aprendizagem (3)

Navegando na fruição: Artes na rede

Unidade 1

A arte som: música e canções para fluir e ensinar

Unidade 2

A poesia no papel e na tela

Unidade 3

As artes plásticas: pintura

Matriz Curricular


Carga hor ria dos m dulos l.jpg
Carga horária dos módulos ensino-aprendizagem (3)

Módulo 1

(80 horas)

Módulo 2

(60 horas)

Módulo 3

(60 horas)

TCC

Projeto interdisciplinar

Módulo 4

(60 horas)

Total: 260h


Implementa o do curso em 2006 l.jpg
Implementação do Curso em 2006 ensino-aprendizagem (3)

PÚBLICO ALVO

  • Cerca de 340 ATPs e supervisores das 90 Diretorias de Ensino (denominados mediadores);

  • Cerca de 2060 professores coordenadores

  • Cerca de 10.000professores de ensino médio (das 3 áreas curriculares)


ad