Pr ticas de leitura e escrita l.jpg
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 31

Práticas de Leitura e Escrita PowerPoint PPT Presentation


  • 107 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Práticas de Leitura e Escrita. Programa de Formação Continuada a Distância (via WEB) para Professores de Ensino Médio SEE-SP PUCSP - LAEL. OBJETIVOS GERAIS.

Download Presentation

Práticas de Leitura e Escrita

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Pr ticas de leitura e escrita l.jpg

Práticas de Leitura e Escrita

Programa de Formação Continuada a Distância (via WEB) para Professores de Ensino Médio

SEE-SP

PUCSP - LAEL


Objetivos gerais l.jpg

OBJETIVOS GERAIS

  • Criar oportunidades, para os professores de EM de todas as disciplinas (por adesão) de vivenciar uma combinação de experiências relativas às práticas de leitura e escrita, mediadas pelo contexto Web, como forma de proporcionar a ampliação do letramento em geral e, em particular do letramento digital;

  • desenvolver práticas leitoras e escritoras especificas a gêneros e situações;


Objetivos gerais 2 l.jpg

OBJETIVOS GERAIS (2)

  • refletir sobre as práticas docentes que envolvem a leitura e a escrita, nas várias disciplinas e, logo;

  • possibilitar a transformação de práticas docentes relativas à leitura e à escrita em sala de aula.


Objetos de ensino l.jpg

OBJETOS DE ENSINO

  • Navegação e uso de ferramentas WEB:

    • Próprias dos ambientes Prometeus e Learning Space

    • De uso geral na WEB

  • Gêneros de diferentes esferas de circulação (em mídias digital e impressa);

  • Capacidades de leitura e escrita exigidas por estes gêneros, mídias e situações;

  • Elaboração de projetos didáticos.


Pressupostos te ricos l.jpg

PRESSUPOSTOS TEÓRICOS

  • Concepção de linguagem – perspectiva enunciativo-discursiva de base bakhtiniana;

    • Conceitos fundamentais – esferas de atividade e gêneros do discurso;

    • Concepção de letramento – Modelo ideológico

    • Capacidade de leitura – cognitivas e interativas

  • Concepção de ensino-aprendizagem – perspectiva sócio-cultural (Vygotsky)


Por que assumir uma perspectiva enunciativa discursiva no trabalho com a leitura e a escrita l.jpg

Por que assumir uma perspectiva enunciativa-discursiva no trabalho com a leitura e a escrita?

  • Essa perspectiva permite a concretização do ideal de formação na direção de um exercício mais pleno da cidadania;

  • Documentos legais (LDB, DCN, PCN etc.);

  • Essa perspectiva permite dar conta da complexidade de aspectos envolvidos em atividades de compreensão e produção de textos;


Ilustrando a perspectiva enunciativo discursiva um exemplo l.jpg

Ilustrando a perspectiva enunciativo-discursiva:

Um exemplo


O que podemos entender dessa frase l.jpg

O QUE PODEMOS ENTENDER DESSA FRASE?

BAYGON NELES, PARASITAS!!!


Quem neles l.jpg

QUEMÉ “NELES”?

BAYGON NELES, PARASITAS!!!


Slide10 l.jpg

Agora imagine que essa frase foi escrita no muro da Volkswagen durante uma greve dos operários: - Quem escreveu?- Quem seriam os parasitas?- Por que seriam parasitas?

BAYGON NELES, PARASITAS!!!


Slide11 l.jpg

Agora imagine que essa frase foi dita numa reunião da diretoria da Volkswagen durante uma greve dos operários: - Quem seriam os parasitas?- Por que seriam parasitas?

BAYGON NELES, PARASITAS!!!


O o que podemos concluir com essa atividade l.jpg

OO QUE PODEMOS CONCLUIR COM ESSA ATIVIDADE?


Tr s rela es poss veis do sujeito com o texto orlandi 1988 l.jpg

Três relações possíveis do sujeito com o texto (ORLANDI, 1988):

  • Inteligível: relaciona-se com o processo de decodificação;

  • Interpretável: relaciona-se com o estabelecimento de coesão;

  • Compreensível: é a atribuição de sentidos colocando-se em relação o que foi dito com o contexto de produção, que cerca, e “atravessa” o ato de dizer.


Slide14 l.jpg

“No seu trato usual com a linguagem, o sujeito apreende o inteligível e se constitui em intérprete. A compreensão, no entanto, supõe uma relação com a cultura, com a história, com o social e com a linguagem, que é atravessada pela reflexão e pela crítica.” (Orlandi, 1988)


Do que depende afinal a compreens o de um texto l.jpg

Do que depende afinal a compreensão de um texto?

  • Conhecimento de mundo;

  • Conhecimento específico;

  • Conhecimento do gênero do discurso ou tipo de texto em questão;

  • Conhecimento lingüístico;

  • Desenvolvimento de

  • capacidades leitoras.


Justificativa da elei o dos g neros como objeto de ensino aprendizagem 1 l.jpg

Justificativa da eleição dos gêneros como objeto de ensino-aprendizagem (1)

  • Pq tomar os gêneros como objeto de ensino aprendizagem?

  • Pq permitem a concretização de uma perspectiva enunciativa.


Justificativa da elei o dos g neros como objeto de ensino aprendizagem 2 l.jpg

Justificativa da eleição dos gêneros como objeto de ensino-aprendizagem (2)

  • a noção permite capturar aspectos, elementos e relações da ordem da enunciação e do discurso, além de aspectos eminentemente estruturais ou da ordem do lingüísticos;

  • a consciência desses aspectos, elementos e relações favorecem a compreensão e produção de textos;


Justificativa da elei o dos g neros como objeto de ensino aprendizagem 3 l.jpg

Justificativa da eleição dos gêneros como objeto de ensino-aprendizagem (3)

  • o gênero pode ser considerado um mega-instrumento p/ o ensino/aprendizagem de Língua Materna (Schneuwly:1994);

  • favorece uma integração entre práticas de leitura, escritura e análise da língua (incluindo gramática);

  • fornece subsídios para pensarmos conteúdos, seqüências e simultaneidades curriculares e fornece parâmetros mais claros de avaliação.


Letramento 1 l.jpg

LETRAMENTO (1)

Alfabetização: ação de alfabetizar, de ensinar a ler e a escrever, a conhecer o alfabeto; tornar alfabetizado;

Letramento: processo de apropriação das práticas sociais de leitura e escrita


Letramento 2 l.jpg

Letramento (2)

“(...)`a medida que o analfabetismo vai sendo superado, que um número cada vez maior de pessoas aprende a ler e a escrever, e à medida que, concomitantemente, a sociedade vai se tornando cada vez mais centrada na escrita (cada vez mais grafocêntrica), um novo fenômeno se evidencia: não basta aprender a ler e a escrever. As pessoas se alfabetizam, aprendem a ler e a escrever, mas não necessariamente incorporam a prática de leitura e da escrita, não necessariamente adquirem competência para usar a leitura e a escrita, para envolver-se com as práticas sociais de escrita...” (Magda Soares)


Capacidades de leitura l.jpg

Capacidades de Leitura

  • Capacidades cognitivas/metacognitivas:

    (ativação de conhecimento prévio, antecipação, localização de informação, produção de inferências)

  • Capacidades interativas/apreciação e réplica: (recuperação do contexto de produção, percepção das relações de interdiscursividade, elaboração de apreciações, éticas, políticas, estéticas etc.


Slide22 l.jpg

ESFERA

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO

CONTEÚDO TEMÁTICO

GÊNERO ESTILO

FORMA COMPOSICIONAL


G neros e esferas de atividades humanas l.jpg

Gêneros e esferas de atividades humanas

Esferas de atividade

Esferas de comunicação

GÊNEROS DO DISCURSO


Esfera de atividade esfera de comunica o l.jpg

Esfera de atividade/esfera de comunicação

Importante considerar:

  • Atores envolvidos

  • Atividades desenvolvidas

  • Interesses em jogo

  • Gêneros que circulam


Defini o de g nero l.jpg

Definição de gênero

O que é gênero do discurso?

  • Formas de dizer sócio–historicamente cristalizadas, oriundas de necessidades produzidas em diferentes esferas da comunicação humana.

  • “Tipos relativamente estáveis de enunciados” (Bakhtin, 1952-1953)


Matriz curricular l.jpg

Módulo 1

Leitura e Escrita em contexto digital

Unidade 1

Apresentação (perfil, cadastro, debate)

Unidade 2

Experiências com leitura e escrita (depoimento, paródia, Blog)

Unidade 3

Esferas de Atividades e Gêneros do Discurso

Unidade 4

Leitura e escrita no Ensino Médio (conceito de texto e de capacidades de leitura)

Matriz Curricular


Matriz curricular27 l.jpg

Módulo 2

Em dia com a ciência e o conhecimento

Unidade 1

Ciência: o que é e como interpretar seus textos

Unidade 2

As Línguas da Ciência

Unidade 3a

Texto, discurso e leituras nas Ciências Exatas e da Natureza

Unidade 3b

Texto, discurso e leituras nas Ciências Humanas e Sociais

Unidade 4

Texto e leituras em livros e materiais didáticos

Matriz Curricular


Matriz curricular28 l.jpg

Módulo 3

Jornais de todos os tempos – informação e opinião no cotidiano e na escola

Unidade 1

Exploração da esfera jornalística

Unidade 2

Um passeio por diferentes mídias

Unidade 3

Explorando textos de opinião

Matriz Curricular


Matriz curricular29 l.jpg

Módulo 4

Navegando na fruição: Artes na rede

Unidade 1

A arte som: música e canções para fluir e ensinar

Unidade 2

A poesia no papel e na tela

Unidade 3

As artes plásticas: pintura

Matriz Curricular


Carga hor ria dos m dulos l.jpg

Carga horária dos módulos

Módulo 1

(80 horas)

Módulo 2

(60 horas)

Módulo 3

(60 horas)

TCC

Projeto interdisciplinar

Módulo 4

(60 horas)

Total: 260h


Implementa o do curso em 2006 l.jpg

Implementação do Curso em 2006

PÚBLICO ALVO

  • Cerca de 340 ATPs e supervisores das 90 Diretorias de Ensino (denominados mediadores);

  • Cerca de 2060 professores coordenadores

  • Cerca de 10.000professores de ensino médio (das 3 áreas curriculares)


  • Login