Levantes no mundo rabe
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 31

Levantes no mundo Árabe PowerPoint PPT Presentation


  • 59 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Levantes no mundo Árabe. Da Revolução do Jasmim aos bombardeios da OTAN. Professor Reginaldo Geopolítica/Atualidades. O mundo árabe: Oriente Médio e África Branca. As “duas Áfricas”. África Branca. África Negra. Tabela comparativa entre países africanos selecionados e o Brasil.

Download Presentation

Levantes no mundo Árabe

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Levantes no mundo rabe

Levantes no mundo Árabe

Da Revolução do Jasmim aos bombardeios da OTAN

Professor Reginaldo

Geopolítica/Atualidades


O mundo rabe oriente m dio e frica branca

O mundo árabe: Oriente Médio e África Branca.


Levantes no mundo rabe

As “duas Áfricas”

África Branca

África Negra


Tabela comparativa entre pa ses africanos selecionados e o brasil

Tabela comparativa entre países africanos selecionados e o Brasil


Levantes no mundo rabe

A África Branca

  • A África Branca é marcada pelo predomínio de população de origem árabe e branca, que

ocupam a região desde o século VII com a expansão do islamismo. Rica em petróleo, esta porção apresenta indicadores sócio-econômicos melhores que os da África Negra;


Motivos das revoltas no mundo rabe

MOTIVOS das revoltas no mundo Árabe:

  • Conseqüências da crise econômica global de 2008 -2010: desemprego, inflação (aumento no preço dos alimentos), além da corrupção dos governos ditatoriais da região;

  • Os jovens com cada vez mais acesso à informação, através da internet, utilizam as redes sociais para praticarem o ativismo político;

  • Insatisfação com as restrições à liberdade e aos direitos civis;

  • aumento da pobreza (exemplo: um egípcio em cada dois vive com apenas dois dólares por dia);

  • mudança de posição dos EUA na geopolítica da região – do apoio aos regimes ditatoriais, à pressão diplomática pelas renúncias;

    Obs.: Estados Unidos e países europeus toleravam as ditaduras objetivando conter o avanço dos radicais islâmicos na região.


A revolu o do jasmim na tun sia

A Revolução do Jasmim na Tunísia

  • Pela primeira vez na história, um líder árabe foi deposto por força de movimentos populares: o presidente Zine Al-Abdine Bem Ali da Tunísia, renunciou em 14/01/2011 após um mês de violentos protestos contra o governo. Ele estava há 23 anos no poder.


Como se deu a revolu o na tun sia

Como se deu a Revolução na Tunísia?

  • 17/12/2010, o primeiro mártir: Mohamed Bouazizi, 26 anos, ateou fogo ao próprio corpo na cidade de Sidi Bouzid, depois que a polícia o impediu de vender frutas e verduras em uma barraca de rua em Túnis, capital da Tunísia;


Efeito domin

Efeito dominó

  • O incidente motivou passeatas no país, disseminadas primeiramente pelas redes sociais na internet;

  • ATENÇÃO: a história do país é parecida com as demais das nações árabes: foi domínio otomano, colônia europeia e, depois... DITADURA;

    Obs.: a falta de liberdades civis em países como a Tunísia sempre foi compensada por progresso econômico.


O caso do egito

O caso do Egito

  • As manifestações se alastraram para o Egito. Em 25/01/2011 ocorreu o primeiro protesto pedindo a saída do presidente Hosni Mubarak, há 30 anos no poder;

  • 01/02/2011: um milhão de pessoas lotaram a Praça Tahrir, no centro do Cairo (manifestação de 1 milhão) – as redes sociais como o Twitter e o Facebook, mais uma vez foram importantes ferramentas para organização das manifestações;

  • 11/02/2011: após 18 dias de manifestações e 300 mortos, encerra-se três décadas de ditadura. O presidente egípcio Hosni Mubarak renunciou ao cargo;


Problema

PROBLEMA

  • Quem assumirá o poder nos países onde os tiranos já foram depostos?

    R: iminente risco dos Radicais Islâmicos tomarem o poder;

    Exemplo: o Egito, atolado em uma recessão econômica e abalado por tensões religiosas, vive uma complicada transição quatro meses após a queda de Mubarak;

    Importante: sociedades árabes conhecem apenas 2 formas de governo: monarquias absolutistas e ditaduras (militares ou teocráticas). Assim, nessas nações não existem partidos fortalecidos que possam disputar eleições após a queda de um ditador. O mais comum, nestes casos, é que o Estado secular seja substituído por um sistema fundamentalista. Foi o que aconteceu em 2007 na faixa de Gaza. Na ocasião, o Hamas, grupo fundamentalista islâmico palestino, conquistou o poder nas urnas com a derrota eleitoral do Fatah.


Egito uma pe a chave no conturbado tabuleiro geopol tico do mundo rabe

Egito: uma peça-chave no conturbado tabuleiro geopolítico do mundo árabe

  • No governo de Mubarak, o Egito era aliado tanto dos Estados Unidos quanto de Israel e contra governos radicais como o do iraniano Mahmoud Ahmadinejad;


O contexto da l bia

O contexto da Líbia

  • Muammar Kadhafi foi o mais longevo ditador no mundo árabe. Ele permaneceu 42 anos no poder;

  • A "revolução do povo" teve a maior repressão entre os governos autoritários do mundo árabe, tornando-se um conflito civil com forças aéreas da OTAN apoiando os rebeldes/insurgentes;

  • A manifestação de 17/02/2011 conta o regime de Muammar Kadhafi marca o início das sucessivas revoltas violentas com confrontos sangrentos e conseqüente queda de ministros e diplo- matas do governo. A oposição avançava dominando inúmeras cidades.


Muammar kadhafi

Muammar Kadhafi


O in cio da inger ncia internacional

O início da ingerência internacional

  • 26/02/2011: pedido de saída imediata de Kadhafi do poder por Barack Obama. Inúmeros refugiados se deslocam para o Egito e Tunísia;


Come a a guerra na l bia

Começa a “guerra” na Líbia

  • 28/02/2011: A ONU aprova uma série de sanções à Líbia, enquanto a oposição controla todo o leste do país. O número de mortos chega a 6 mil;

  • 17/03/2011: É aprovado na ONU uma resolução que autoriza o uso de quaisquer medidas para a proteção de civis na Líbia em relação aos ataques das forças de Kadhafi. Países da OTAN, liderados pelos EUA, França e Reino Unido começam a atacar o país dois dias depois, com caças partin- do de bases na Itália;


20 10 2011 captura e morte de kadafi e o fim do regime

20/10/2011: captura e morte de Kadafi e o fim do regime


Trag dia na s ria

Á tragédia na Síria

  • Mais de 8,5 mil pessoas foram mortas desde o início da revolta armada na Síria, em março de 2011. Os protestos se iniciaram em janeiro;

  • A Síria está em estado de emergência desde 1962, que efetivamente, suspende as proteções constitucionais para a maioria dos cidadãos.

  • Hafez al-Assad esteve no poder por trinta anos, e seu filho, Bashar al-Assad, tem mantido o poder com mão firme nos últimos dez anos


Conseq ncias das revoltas para a economia mundial

Conseqüências das revoltas para a economia mundial


  • Login