MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 9

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS (Manuel Antônio de Almeida) Romance romântico excêntrico PowerPoint PPT Presentation


  • 63 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS (Manuel Antônio de Almeida) Romance romântico excêntrico Romantismo: retrato dos costumes, hábitos e tradições da sociedade carioca (certa identidade nacional) : costumbrismo final feliz predomínio do 1º amor Excentrismo:

Download Presentation

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS (Manuel Antônio de Almeida) Romance romântico excêntrico

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Mem rias de um sargento de mil cias manuel ant nio de almeida romance rom ntico exc ntrico

  • MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS

  • (Manuel Antônio de Almeida)

  • Romance romântico excêntrico

  • Romantismo:

  • retrato dos costumes, hábitos e tradições da sociedade carioca (certa identidade nacional) : costumbrismo

  • final feliz

  • predomínio do 1º amor

  • Excentrismo:

  • Comicidade (paródia do padrão e tom românticos) : caricatura

  • estilo descontraído / coloquialidade

  • anti-herói (ausência de idealização)

  • camada popular

  • Tempo e espaço : 1808 a 1820/ Rio de Janeiro (Família real)


Mem rias de um sargento de mil cias manuel ant nio de almeida romance rom ntico exc ntrico

  • Til (José de Alencar)

  • Romance regionalista

  • Narrador: 3ª pessoa onisciente

  • Enredo: década de 20 = conflito: relação sexual ilícita (Besita + Luís Galvão: Berta)

  • década de 40 = resolução do conflito: morte de Barroso / Ribeiro, regeneração de Jão e paternidade de Berta

  • Espaço: interior paulista (Sta Bárbara D´Oeste) – Regionalismo (Festa de S. João) / Estrutura social: senhores, escravos (domésticos x lavoura) e capangas

  • Personagens: Sublime (Berta/ Inhá/ TIL) x Grotesco (Jão, Zana, Brás)/ Luís Galvão, D. Ermelinda, Linda e Afonso/ Nhá Tudinha e Miguel (idealização do caipira)/ Ribeiro e Besita/ Gonçalo, Monjolo, Faustino

  • Clima folhetinhesco: suspense, mistério, aventura e tensão


Mem rias de um sargento de mil cias manuel ant nio de almeida romance rom ntico exc ntrico

  • Romantismo em Portugal - Viagens na minha terra (Almeida Garrett)

  • Hibridismo: crônica, diário, narrativa passional, ensaio, relato jornalístico

  • “Viagens”= REAL- 1834 (de Lisboa a Santarém) e SIMBÓLICA (aspectos culturais, históricos e políticos: Guerra Civil: Liberalismo e Absolutismo)

  • Visão pessimista: crise de identidade (presente decadente, passado glorioso)

  • Romance: “a menina dos rouxinóis” (metáfora da História de Portugal)

  • D. Francisca: cega e impotente = Portugal cego diante dos problemas

  • Joaninha: “ideal de espiritualidade” = Portugal ligado à terra

  • Frei Dinis: austero e ambíguo = Portugal absolutista

  • Carlos: instável e contraditório = Portugal ligado ao Liberalismo

  • Digressão/ metalinguagem/ intertextualidade/ diálogo com o leitor


Mem rias de um sargento de mil cias manuel ant nio de almeida romance rom ntico exc ntrico

  • O CORTIÇO (Aluísio Azevedo)

  • Realismo- naturalismo

  • Eixo narrativo: coexistência íntima entre trabalhador (cortiço) e explorador econômico (João Romão/ Miranda)

  • O explorador capitalista

  • - O trabalhador sob à condição de escravo

  • O homem socialmente alienado e rebaixado ao nível da animalidade

  • Espaço: Cortiço (horizontalidade) x Sobrado (explorador)

  • Regido por lei biológica (início)

  • Regido por João Romão (após o incêndio)

  • Espaço social : mistura de “raças”, choque entre elas.

  • Espaço simbólico : ALEGORIA do Brasil (“matéria-prima de lucro para o capitalismo”)

  • Natureza brasileira: Sedutora, poderosa e transformadora (Rita Baiana)


Mem rias de um sargento de mil cias manuel ant nio de almeida romance rom ntico exc ntrico

  • Memórias póstumas de Brás Cubas

  • (Machado de Assis)

  • Romance psicológico

  • Digressão/ metalinguagem/ Ironia/ Pessimismo/ Aparência x Essência/ Ambiguidade/ Leitor incluso/ Intertextualidade/ Precariedade e hipocrisia das relações humanas

  • Narrador: 1ª pessoa (“defunto-autor”) = audácia, indiferença, pessimismo, ironia e contradição

  • Personagens = pai: complacente e permissível/ tio Ildefonso: austero e medíocre/ tio João: amante de conversas picarescas e anedotas obscenas/

  • Marcela e Virgília: objetos de conquista/ relação de poder/ amor x dinheiro

  • D. Plácida (“O vício é muitas vezes o estrume da virtude”) e Eugênia (Borboleta preta)

  • Quincas Borba (HUMANITISMO = sátira ao cientificismo/ natureza humana vil, mesquinha e caprichosa)


Mem rias de um sargento de mil cias manuel ant nio de almeida romance rom ntico exc ntrico

A CIDADE E AS SERRAS (Eça de Queirós)

Realismo- fantasia = 3ª fase

CIDADE (Paris - 202) = Tecnologia + cultura livresca : falsidade, ociosidade, hipocrisia, tédio e pessimismo

X

SERRAS (Portugal – Tormes) = bucolismo, paz edênica, renovação e conquista da felicidade

Jacinto= francesismo da elite rural, porém humanitária (Eça de Queirós: adesão aos valores tradicionais)

X

Zé Fernandes= defensor dos valores rurais

Joaninha = pureza e autenticidade

X

Mulheres de Paris = decadência, enfeite de salões

João Torrado= crença no mito do Sebastianismo


Mem rias de um sargento de mil cias manuel ant nio de almeida romance rom ntico exc ntrico

  • CAPITÃES DA AREIA (Jorge Amado)

  • Engajamento social (Geração de 30 do Modernismo)/ convicções políticas (comunismo)/ movimento de conscientização e luta

  • Narrador: 3ª pessoa = Visão épica / Emotivo, crítico, irônico e lírico

  • Pedro Bala = vocação heroica + meninos (João Grande, Professor, Pirulito/ Gato, Boa-Vida/ Sem- Pernas, Volta-Seca)/ Dora= vítimas da miséria e do abandono

  • Aliados = Don´Aninha (rituais africanos) / Pe José Pedro (sentimento cristão autêntico), João de Adão e Querido-de-Deus

  • Antagonistas= Elite (“sobretudo”)

  • Idealização/ lirismo

  • Linguagem predominante : oralidade x linguagem da norma culta (elite)

  • Salvador (BA)Parte baixa da cidade (marginalizados) X parte alta (elite)

  • Frases curtas e poéticas


Mem rias de um sargento de mil cias manuel ant nio de almeida romance rom ntico exc ntrico

  • VIDAS SECAS (Graciliano Ramos)

  • Neorrealismo e regionalismo (Geração de 30)

  • Capítulos justapostos (“em retalhos”/ romance desmontável) = visão fragmentada e desconexa do mundo

  • Narrador= 3ª pessoa onisciente: estilo seco/ discurso indireto livre

  • Família (Fabiano, S. Vitória, MMN, MMV) + Bichos (Baleia, papagaio)

  • X

  • Meio social = Soldado Amarelo (Governo), patrão, dono da venda , cobrador de impostos + Meio natural (seca) = opressão

  • X

  • Sonhos (aspirações humanas)

Zoomorfismo= comunicação precária, miséria, fome

Antropomorfismo


Mem rias de um sargento de mil cias manuel ant nio de almeida romance rom ntico exc ntrico

  • Sentimento do mundo (Carlos Drummond de Andrade)

  • Geração de 30

  • Fase (2ª) – “eu menor que o mundo” (27 poemas + 1 poema em prosa)

  • Contexto hitórico: Ditadura Vargas/ 2ª Guerra Mundial/ Crescimento do nazifascismo

  • Solidariedade (“nós”): engajamento/ compromisso com o tempo presente/ espírito de luta, contestador e crítico

  • Visão sombria e pessimista (Mundo frio e mecânico/ Impotência/ “noite”) X Esperança no futuro (“aurora”)

  • Sentimento do mundo: dor, perplexidade, “medo”

  • Consciência de classe: crítica ao capitalismo/ operário x burguesia

  • Artistas: Manuel Bandeira , Ravel

  • Herança de 22: versos livres, prosaísmo, linguagem informal, ausência de rimas, predomínio de poemas curtos


  • Login