Interpreta o de texto
Download
1 / 41

Interpretação de Texto - PowerPoint PPT Presentation


  • 49 Views
  • Uploaded on

Interpretação de Texto. Prof. Mamute. CAMPO SEMÂNTICO: DEFINIÇÃO. Tênis  bota  chinelo  botina  piso. Supondo que a palavra “canapé” seja desconhecida pelo leitor, considere os seguintes artifícios de que ele poderia se utilizar para tentar descobrir o seu significado.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Interpretação de Texto' - ahanu


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

Campo sem ntico defini o
CAMPO SEMÂNTICO: DEFINIÇÃO

  • Tênis  bota  chinelo  botina  piso




Exerc cio sobre campo sem ntico
EXERCÍCIO SOBRE CAMPO SEMÂNTICO “pé”.

  • 1. Futebol, campo, arquibancada, goleira, rua, esporte

  • 2. Sala de aula, amizade, giz, quadro-negro, aprendizado

  • 3. Leito, médico, doença, cura, enfermeiro, recepção

  • 4.Goleira, jogador, futebol, arquibancada, árbitro


  • 5. “pé”. Piso, tênis, bota, chinelo, botina

  • 6. Mulher, delicadeza, inteligência, vaidade, objetividade

  • 7. Jornal, quadro, livro, escultura, música

  • 8. Arquitetura, projeto, votação, deputado, política

  • 9. Arquitetura, prédio, casa, votação, edifício


  • 10. “pé”. Rio, barco, motocicleta, correnteza, água.

  • 11. Plantação, arado, milho, estrada, vacas

  • 12. Revólver, pistola, cacetete, espingarda, fuzil

  • 13. Embelezar, enfear, beleza, gostar, adorar

  • 14. Concurso, tensão, aprovação, estudo, choro

  • 15. Casamento, virgindade, amor, eternidade, sofrimento


Infer ncia defini o
INFERÊNCIA: DEFINIÇÃO “pé”.

  • 1. Carlos continua jogando bem.

  • a) Carlos joga futebol.

  • b) Carlos pratica esportes.

  • c) Carlos sempre jogou.

  • d) Carlos jogava anteriormente.

  • e) Carlos já jogou mal.


  • 2. As calotas polares estão derretendo “pé”.

  • a) É um dos possíveis efeitos do aquecimento global

  • b) O nível dos oceanos está subindo.

  • c) A temperatura do planeta está aumentando.

  • d) Mudanças estão ocorrendo na natureza.


Dicas para interpretar um texto
DICAS PARA INTERPRETAR UM TEXTO “pé”.

  • 1. Qual a importância do que penso sobre o tema?

  • 2. Ler primeiro as questões.

  • 3. Anotar nexos ou afins

  • 4. Onde está o tema central?

  • 5. Onde está a conclusão do autor?

  • 6. O que está no miolo?


Texto 1
TEXTO 1 “pé”.

  • O governo inglês divulgou recentemente o que é até agora o mais detalhado estudo sobre custos e riscos econômicos do aquecimento global e sobre medidas que poderiam reduzir as emissões de gases do efeito estufa, na esperança de evitar algumas de suas piores conseqüências.



  • Esse relatório propõe uma agenda que custaria apenas o equivalente a 1% do consumo mundial, mas evitaria riscos que custariam cinco vezes mais. Os custos são mais altos do que em estudos anteriores porque levam em conta que o processo de aquecimento é bastante complexo e não-linear, com a possibilidade de que possa ganhar ritmo muito mais alto do que se imaginava, além de ser muito maior do que o previsto anteriormente.



  • Já em 1995 havia sinais evidentes de que a concentração de gases do efeito estufa na atmosfera tinha aumentado acentuadamente desde o início da era industrial, de que a atividade humana contribuíra significativamente para esse aumento e de que ele teria efeitos profundos sobre o clima e o nível dos mares. Mas poucos previram a rapidez com que a calota de gelo do Ártico parece derreter. Mesmo assim, alguns sugerem que, já que não estamos seguros da extensão do problema, pouco ou nada devemos fazer. A incerteza deve, porém, levar-nos a agir hoje mais resolutamente, e não menos.


  • Um efeito global pode ser enfrentado com uma mudança tributária globalmente consensual. Isso não quer dizer aumento geral de tributação, mas simplesmente a substituição em cada país de algum imposto comum por outro, específico, sobre atividades poluidoras. Faz mais sentido tributar coisas más do que coisas boas, como a poupança e o trabalho. A boa notícia é que há muitas formas pelas quais melhores incentivos poderiam reduzir as emissões.


  • Mudanças de preços que mostrem os verdadeiros custos sociais da energia extraída de combustíveis fósseis devem estimular inovação e conservação. Pequenas alterações práticas, multiplicadas por centenas de milhares de pessoas podem fazer uma enorme diferença. Por exemplo, plantar árvores em volta das casas ou mudar a cor de telhados em clima quente, para que reflitam a luz do sol, podem produzir uma grande economia na energia consumida pelo ar condicionado.



  • 1. A idéia central do texto encontra-se na global é um risco que simplesmente não podemos mais ignorar.

  • (A) preocupação com os altos custos sociais que estão embutidos na energia obtida de combustíveis fósseis, em todo o planeta.

  • (B) proposição de uma necessária ação efetiva consensual no sentido de reduzir práticas que alimentem o aquecimento global.

  • (C) defesa da criação de impostos, especificamente sobre combustíveis fósseis, no sentido de diminuir seu consumo em alguns países.



  • 2. ... dos mares continua subindo, em virtude das alterações climáticas em todo o globo.se podemos nos dar ao luxo de fazer algo sobre o aquecimento global, mas sim se podemos nos dar ao luxo de não fazer nada. (1º parágrafo)

  • É correto inferir da afirmativa acima que ela


  • (A) explicita, por idéias opostas entre si, o desacordo existente entre cientistas e as pessoas comuns, quanto às terríveis conseqüências do aquecimento global.

  • (B) indica, de maneira irônica, a irresponsabilidade de alguns estudiosos que propõem o abandono de medidas destinadas a reduzir o efeito estufa.

  • (C) esclarece, por meio de um trocadilho, o impasse criado no mundo todo pelos altos custos de estudos anteriores, de poucos resultados.


  • (D) conclui, de forma pessimista, por uma posição comodista a respeito da inutilidade da ação humana quanto aos efeitos do aquecimento global.

  • (E) contém, num jogo de palavras, uma crítica à ausência de providências objetivas e eficazes para controlar o efeito estufa.


  • 3. Identifica-se relação de causa e conseqüência, respectivamente, entre as frases:

  • (A) ... e sobre medidas que poderiam reduzir as emissões de gases do efeito estufa, na esperança de evitar algumas de suas piores conseqüências.

  • (B) Esse relatório propõe uma agenda que custaria apenas o equivalente a 1% do consumo mundial, mas evitaria riscos que custariam cinco vezes mais.

  • (C) Mas poucos previram a rapidez com que a calota de gelo do Ártico parece derreter.



  • 4. Considere o 4º parágrafo do texto. A frase que constitui um argumento utilizado pelo autor na defesa de sua proposta é:

  • (A) Um efeito global pode ser enfrentado com uma mudança tributária globalmente consensual.

  • (B) Isso não quer dizer aumento geral de tributação, mas simplesmente a substituição em cada país de algum imposto comum por outro, específico, sobre atividades poluidoras.


  • (C) Faz mais sentido tributar coisas más do que coisas boas, como a poupança e o trabalho.

  • (D) A boa notícia é que há muitas formas pelas quais melhores incentivos poderiam reduzir as emissões.

  • (E) Por exemplo, plantar árvores em volta das casas ou mudar a cor de telhados em clima quente, para que reflitam a luz do sol, podem produzir uma grande economia na energia consumida pelo ar condicionado.


Texto 2 os doutores do pessimismo
TEXTO 2 – boas, como a poupança e o trabalho.Os doutores do pessimismo

  • Não é preciso ser um grande gênio para constatar que vivemos num mundo bárbaro, que o ser humano é capaz das maiores atrocidades, que a vida é feita de competição, inveja, egoísmo e crueldade.


  • Ninguém precisa ter vivido num campo de prisioneiros na Sibéria nem ter sido moleque em região violenta de uma grande cidade para saber disso. Mas virou moda, entre muitos intelectuais e jornalistas, anunciar uma espécie de “visão trágica” do mundo, como se se tratasse da mais surpreendente novidade.


  • Com certeza há nisso uma reação saudável contra o excesso de otimismo. Nada mais correto do que denunciar o horror. O que me parece estranho é que, mais que denunciar o horror, esses pensadores trágicos e jornalistas sombrios gostam de destruir as esperanças. O reconhecimento do Mal, a percepção de que ninguém é “bonzinho” e de que a realidade é uma coisa dura e feia vão-se transformando em algo próximo do fascínio. E, com diferentes níveis de elaboração e de cortesia pessoal, esses autores tendem a fazer do fascínio uma estratégia de choque.


  • Quanto mais chocarem o pensamento corrente (que considera ruim bombardear crianças e bom defender a Amazônia, por exemplo) mais ganharão em originalidade, leitura e cartas de protesto. Parece existir uma competição nas páginas dos jornais e na Internet para ver quem conseguirá ser o mais “durão”, o mais “realista”, o mais desencantado. Será chamado de ingênuo ou nostálgico todo aquele que quiser algo melhor do que o mundo em que vive.



  • Ouço um risinho: “que otário”. Você quer que se preservem as reservas indígenas da Amazônia? Mais um risinho: os militares brasileiros entendem mais do problema do que você, que pensa ser bonzinho mas é tão malvado como nós. “Pois o ser humano é mau, desgraçado e infeliz desde que foi expulso do Paraíso. Você não sabe disso?”


  • O que sei é que algumas pessoas foram expulsas do Paraíso para morar numa mansão em BeverlyHills e outras para morar em Darfur (*).

  • (Adaptado de Marcelo Coelho, Folha de S. Paulo, 21/01/2009)

  • (*) BeverlyHills – rica cidade da Califórnia; Darfur – região pobre e conflituosa do Sudão.




  • 2. O autor faz ver que, no afã de defenderem suas convicções, os doutores do pessimismo

  • (A) passam a se apoiar em valores do senso comum, na esperança de obterem um maior apoio de seus fiéis leitores.

  • (B) costumam ver na manifestação do horror um fato natural e consumado, em vez de tomá-la como estímulo a uma reação.


  • (C) acham desafortunadas tanto as pessoas que moram em convicções, os Beverly Hill como as que moram em Darfur.

  • (D) posam de nostálgicos nas páginas dos jornais, para provocar polêmicas e cartas de protesto dos leitores.

  • (E) hesitam em considerar como boas as notícias que a maioria das pessoas não teve dúvida em julgar auspiciosas.


  • 3. Atente para as seguintes afirmações: convicções, os

  • I. Embora ache saudável a denúncia das barbaridades do mundo, o autor se espanta com o prazer que isso dá a intelectuais e jornalistas que gostam de cultivar a desesperança.

  • II. Os doutores do pessimismo parecem atribuir a si mesmos, segundo o autor do texto, a qualidade de realistas, que fazem questão de se opor a quem alimenta esperanças de um mundo melhor.




ad