sequ ncia did tica g nero textual f bula n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
SEQUÊNCIA DIDÁTICA – GÊNERO TEXTUAL “FÁBULA” PowerPoint Presentation
Download Presentation
SEQUÊNCIA DIDÁTICA – GÊNERO TEXTUAL “FÁBULA”

Loading in 2 Seconds...

  share
play fullscreen
1 / 45
Download Presentation

SEQUÊNCIA DIDÁTICA – GÊNERO TEXTUAL “FÁBULA” - PowerPoint PPT Presentation

ziya
960 Views
Download Presentation

SEQUÊNCIA DIDÁTICA – GÊNERO TEXTUAL “FÁBULA”

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – GÊNERO TEXTUAL “FÁBULA” Elaborada por: Profa. Ms. Terezinha da Conceição Costa Hübes

  2. ESTÍMULO À PRODUÇÃO ESCRITA • O ponto de partida em um trabalho de LEITURA, PRODUÇÃO E REESCRITA DE TEXTO organizado por meio de uma Seqüência Didática (SD) pode ser, por exemplo, de você, professor(a), estimular a PERCEPÇÃO DE UMA NECESSIDADE DE INTERAÇÃO, por exemplo, com a ESCOLA. Trata-se de apresentar aos alunos uma SITUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO que será realizada “verdadeiramente”.

  3. Apresentação da situação Fale à seus alunos que você foi até à biblioteca da escola e percebeu que nela há poucos livros com “Fábulas”

  4. Apresentação da situação • Fale da importância do 6º. ano A PRODUZIR FÁBULAS que, quando prontas, serão reunidas NUM LIVRO para ser doado à biblioteca. Assim outros leitores da escola poderão ler as fábulas que escreverem.

  5. Pesquisa sobre o gênero Pergunte, então, aos alunos, se eles sabem o que é fábula. De acordo com as respostas, oriente para que pesquisem, na biblioteca, sobre o assunto. Para isso, oriente antecipadamente a bibliotecária, a fim de que sejam selecionados textos explicativos sobre o gênero de acordo com o conhecimento deles (6º. ano).

  6. Pesquisa sobre o gênero • Fábula • A fábula é uma das mais antigas maneiras de se contar uma história. O autor grego Esopo usava muitos bichos como personagens de suas fábulas, como tartarugas, lebres, raposas, formigas e cigarras. Através das histórias ele criticava os valores da sociedade de sua época, para mostrar o que é certo e o que é errado.

  7. “MODELOS" DO GÊNERO • Peça, ainda, que os alunos tragam, para a próxima aula, “Fábulas” para serem lidas. • Selecione também, professor(a), alguns textos desse gênero para ler e explorar com os alunos.

  8. “MODELOS" DO GÊNERO • Ex.: A formiga e a pomba • Uma Formiga foi à margem do rio para beber água e, sendo arrastada pela forte correnteza, estava prestes a se afogar. Uma Pomba que estava numa árvore sobre a água, arrancou uma folha e a deixou cair na correnteza perto dela. A Formiga subiu na folha e flutuou em segurança até a margem.

  9. “MODELOS" DO GÊNERO • Pouco tempo depois, um caçador de pássaros veio por baixo da árvore e se preparava para colocar varas com visgo perto da Pomba que repousava nos galhos alheia ao perigo. A Formiga, percebendo sua intenção, deu-lhe uma ferroada no pé. Ele repentinamente deixou cair sua armadilha e, isso deu chance para que a Pomba voasse para longe a salvo. Autor: Esopo Moral da História:Quem é grato de coração sempre encontrará oportunidades para mostrar sua gratidão.

  10. “MODELOS" DO GÊNERO • O gato e o galo • Um gato capturou um galo e ficou imaginando como achar uma desculpa qualquer para que o fato de que este ia comê-lo fosse justificado. Acusou ele então de causar aborrecimentos aos homens já que cantava à noite e não os deixava dormir. O galo se defendeu dizendo que fazia isso em benefício dos homens e assim eles podiam acordar cedo e irem para o trabalho.

  11. “MODELOS" DO GÊNERO • O gato respondeu; "Apesar de você ter uma boa desculpa eu não posso ficar sem jantar." E assim comeu o galo. Autor: Esopo Moral da História:Quem é mau caráter sempre vai achar uma desculpa para legitimar suas ações.

  12. LEITURA DAS FÁBULAS • Assim que retomar o assunto, peça aos alunos que leiam (oralmente) as fábulas que trouxeram (observe, nesse momento, se os textos lidos são realmente fábulas). • Em grupos, oriente para que listem o que perceberam de comum em todos os textos lidos

  13. Características das Fábulas • Ex.: • Presença de animais nas histórias com características humanas • Moral da história • Texto curto • Título com nomes de animais • Diálogo entre os animais • Tempo indeterminado • Narrador em 3ª pessoa (o narrador conta como se tivesse visto a cena)

  14. Contexto Histórico • Contextualize o gênero: • DE ONDE VEM A FÁBULA? A FÁBULA, COMEÇO DE TUDO. • As fábulas são tão antigas quanto as conversas dos homens. Ás vezes, nem sabemos quem as criou, pois através da oralidade eram carregadas como vento de um lado para outro, já que a própria palavra provém do latim FABULA = contar.

  15. ESOPO • No século VIII a.C. já se tinha notícias dessas histórias, sendo que as fábulas muito antigas do Oriente foram difundidas na Grécia, há 2600 anos, por um escravo chamado Esopo.

  16. ESOPO • Apesar de gago, corcunda, feio e miúdo, como diziam alguns, era inteligente, esperto e de muito bom senso; por esse motivo, conquistou a liberdade e viajou por muitas terras dando conselhos através das fábulas.

  17. ESOPO • O motivo foi a vingança do povo de Delfos, mas as suas 600 fábulas continuaram a ser contadas, escritas e reescritas por outros fabulistas. Fedro é o primeiro escritor latino a compor uma coletânea de fábulas, tendo sido imitado e difundido várias vezes. Esopo foi condenado à morte e jogado do alto de um abismo.

  18. Jean de La Fountanie • O escritor francês Jean de La Fountaine (século XVII – 1601 – 1700) usava fábula para denunciar as misérias e as injustiças de sua época em versos e em prosa.

  19. Jean de La Fountanie • A partir dessa época, muitas histórias escritas inicialmente para adultos já começaram a ser adaptadas para crianças, retirando delas os elementos violentos e os aspectos nocivos à educação. Mas a fábula moderna preserva todo o vigor que vem apresentando desde os tempos antigos.

  20. Monteiro Lobato No Brasil, temos o grande fabulista, Lobato.

  21. Monteiro Lobato • Além de recontar as fábulas de Esopo e La Fountaine, cria suas próprias fábulas com a turma do sítio, como mostra o seu livro “Fábulas”, onde Pedrinho diz “As fábulas, mesmo quando não valem grande coisa, têm um mérito: são curtinhas.” Narizinho acha as fábulas sabidíssimas e Emília as considera uma indireta.

  22. Fábulas no Brasil O escritor brasileiro usou fábulas para criticar e denunciar as injustiças, tiranias, mostrando às crianças a vida como ela é.

  23. Fábulas no Brasil Em suas fábulas, alerta que o melhor é esperto (inteligente) porque o forte sempre vence e Visconde afirma que o único meio de derrotar a força é a astúcia. • Até hoje esse gênero narrativo existe e por ser curto, tem o poder de prender a atenção, de entreter e deixar uma mensagem, um ensinamento.

  24. Leitura e Interpretação • Selecione, dentre tantas, uma fábula para desenvolver as seguintes atividades: - Leitura e Interpretação - Análise de sua estrutura - Análise dos elementos lingüísticos

  25. Seleção de uma Fábula A Cigarra e as Formigas No inverno, as formigas estavam fazendo secar o grão molhado, quando uma cigarra faminta lhes pediu algo para comer. As formigas lhe disseram: __ Por que, no verão, não reservaste também o teu alimento?

  26. Seleção de uma Fábula A cigarra respondeu: ___Não tinha tempo, pois cantava melodiosamente. E as formigas, rindo, disseram: ___ Pois bem, se cantavas no verão, dança agora no inverno. A fábula mostra que não se deve negligenciar em nenhum trabalho, para evitar tristeza e perigos. Esopo: fábulas completas. Tradução de Neide Smolka. São Paulo, Moderna, 1994

  27. Atividades de leitura e interpretação • 1) Pense e responda: • a) Com quem você relacionaria a formiga hoje? • b) E a cigarra? • c) Você acha importante o trabalho da formiga? • d) Você considera o canto da cigarra como uma forma de trabalho? Por quê? • e) Como você explica a moral da história? • 2) Assinale a alternativa correta: a) Quando as formigas secavam os grãos molhados? ( ) No verão ( ) No inverno ( ) Na primavera

  28. Atividades de leitura e interpretação b) Quando foi que a cigarra cantava melodiosamente? ( ) No verão ( ) No inverno ( ) Na primavera c) Quando foi que a cigarra pediu ajuda às formigas? ( ) No verão ( ) No inverno ( ) Na primavera 3) Responda: a) Por que os grãos estavam molhados? b) Por que a cigarra estava faminta? c) Você concorda com as formigas ao negar ajuda à cigarra? Por quê?

  29. Atividades de Análise Lingüística 1) Releia o primeira parágrafo: “No inverno, as formigas estavam fazendo secar o grão molhado, quando uma cigarra faminta lhes pediu algo para comer. As formigas lhe disseram:” • As palavras sublinhas foram empregadas no texto para evitar a repetição de dois nomes. Que nomes são esses? lhes: __________________ lhe: ___________________

  30. Atividades de Análise Lingüística 3) Releia os seguintes trechos: “__ Por que, no verão, não reservaste também o teu alimento?” • A palavra “teu” foi empregada para falar do alimento de quem? _________________________________ “___ Pois bem, se cantavas no verão, dança agora no inverno.” • Quem é que “cantavas” no verão? ________________________________________

  31. Atividades de Análise Lingüística • Explicar: “Como você viu, quando produzimos um texto, podemos evitar as constantes repetições com o uso de pronomes (lhe, lhes, teu) e com o emprego do verbo sem sujeito (cantavas)”.

  32. Estrutura da Fábula • Explique a estrutura da fábula, partindo do texto trabalhado: • título: nomes de animais Peça aos alunos que listem outros títulos de fábulas com essa característica. A Cigarra e as Formigas

  33. Estrutura da Fábula b) Tempo e lugar indeterminado: “No inverno,...” qual inverno? Quando? Onde? c) Texto curto: máximo 20 linhas d) Personagens animais: cigarra X formigas Pense em outros animais que aparecem juntos nas fábulas: leão X rato lobo X cordeiro (deixe que os alunos relacionem outros animais)

  34. Estrutura da Fábula e) Características opostas entre os animais: formigas = gostam de trabalhar cigarra = gosta de cantar Aponte a(s) característica(s) dos seguintes animais: - raposa - leão - cordeiro - tartaruga

  35. Estrutura da Fábula f) Moral da história: Procurem, nas fábulas lidas, a moral e copie no caderno. A fábula mostra que não se deve negligenciar em nenhum trabalho, para evitar tristeza e perigos.

  36. Produção Escrita de uma Fábula • Depois de toda essa exploração, apresente uma proposta de produção com os seguintes animais: • cachorro gato

  37. Produção Escrita de uma Fábula • Discuta coletivamente com os alunos: • Título: • Características dos animais: • Tempo e lugar: • Moral da história: • Oriente para não esquecerem do diálogo entre os animais.

  38. Primeira produção: rascunho • Deixe que cada aluno produza, individualmente, sua fábula. • Produzida a primeira versão, recolha-as e guarde-as (não é necessário que você leia-as nesse momento). • Ao retomar o assunto (na aula do dia seguinte, por exemplo), devolva as fábulas e oriente para que releiam-nas e verifiquem:

  39. Revisão da primeira produção • Estrutura (título adequado, se há animais, se há diálogo, se o texto é curto, se há moral...) • Ortografia • Letra legível • Concordância entre as palavras • repetições

  40. Roteiro de avaliação • Apresente, aos alunos, o seguinte quadro para orientar nessa avaliação: • As personagens da história são típicas de uma fábulas? • O tempo é indeterminado como nas fábulas? • Na situação criada, as atitudes das personagens podem ser comparadas com atitudes humanas? • A resolução está combinando com a sua intenção e com a moral da história?

  41. Roteiro de avaliação e) A moral da história combina com a fábula e sua intenção? f) O narrador conta o que aconteceu como se tivesse visto a cena? g) As falas das personagens aparecem sinalizadas por parágrafo e travessão? h) Não há repetição de palavras para indicar as personagens?

  42. Reescrita e Correção • Sugira que troquem os textos entre os colegas para ajudar na verificação. d) Reescrita do texto tendo em vista a revisão (segunda versão). e) Correção dos textos reescritos pelo(a) professor(a) na sala, junto com o aluno, ou fora da sala de aula, diagnosticando o(s) problema(s).

  43. Reescrita coletiva f) Selecionar um texto para reescrita coletiva (nesse caso, o texto selecionado deve apresentar pelo menos UM PROBLEMA que representa a dificuldade da maioria) g)Digitar esse texto, corrigindo todos os demais problemas, deixando APENAS O PROBLEMA QUE SERÁ TRABALHADO. Ex. repetições

  44. Reescrita individual i) Reescrever o texto coletivamente. j) Caso não seja feita a reescrita coletiva, os textos deverão ser devolvidos para cada aluno, com anotações do(a) professor(a), para que, individualmente, procedam à reescrita do mesmo (na sala de aula).

  45. CIRCULAÇÃO DO GÊNERO • Uma vez o texto reescrito e sanado os problemas, reuni-lo numa coletânea, formando, então, o Livro de Fábulas da 5ª Série A para ser deixado na biblioteca da escola.