slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA Severina Sílvia Ferreira

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 11

MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA Severina Sílvia Ferreira - PowerPoint PPT Presentation


  • 68 Views
  • Uploaded on

MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA Severina Sílvia Ferreira Universidade Católica de Pernambuco - Recife (PE) - Brasil. MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA. OBJETIVOS

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA Severina Sílvia Ferreira' - zanta


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

Severina Sílvia Ferreira

Universidade Católica de Pernambuco - Recife (PE) - Brasil

slide2
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

OBJETIVOS

(1) Identificar os marcadores prosódicos da fala materna asseguradores do desencadeamento e manutenção do processo interativo mãe-bebê.

(2) Mostrar como esta experiência precoce da criança vai favorecer a sua inserção na linguagem.

(3) Com base nesses elementos, indagar se a instalação de quadros patológicos como o autismo pode estar associado à ausência dessa experiência no início da vida.

slide3
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA
  • PRESSUPOSTOS TEÓRICOS:
  • Mães das mais diversas culturas dirigem-se à criança pequena utilizando padrões prosódicos acentuados (“motherese” – “manhês”), convocando o bebê à interação (Elliot, 1982; Ferreira, 199º; Fernald, 1989, Kuhl, 1997, entre outros).
  • Isto faz a criança participar ativamente do processo interativo.
  • As enunciações maternas atribuem sentido âs manifestações da criança e oferecem pistas sobre a intenção comunicativa do seu interlocutor (a mãe).
  • Favorecimento para a estruturaçao de uma interação (mãe-criança), cujo sentido é construído conjuntamente.
  • Da interação emergem dois sujeitos (“falantes”): mãe e bebê.
slide4
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA
  • DIÁLOGO MAE-BEBÊ
  • Turno de fala 1 – Mãe – // Tumá um suquinho\ Tumá um suquinho\ mainha\
  • Vamu\ tumá um suquinho\ mainha\ Vamumainha\ tumá um suquinho\
  • Quando a mãe se aproxima, Francisco volta a cabeça na direção dela, os movimentos de braços e pernas se intensificam, e ele vocalizano último ato de fala de Vitória. A mãe, interpretando a vocalização do bebê, e falando por ele, responde:
  • Turno de fala 2- Bebê – Sim\ mainhasim\ Bora\ tumá o suquinho\
  • A mãe começa a dar o suco ao bebê, dizendo:
  • Turno de fala 3 – Mãe – Pon:to\ gosto:so mamãezinha\
  • goto:somamãe\ (ri)
  • goto:somamãezinha\ é/ mamãe/
slide5
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA
  • Em seguida, utilizando o turno de fala 4, destinado ao outro falante (a criança), a mãe fala pelo bebê, confirmando o que ela supõe:
  • Turno de fala 4 – Bebê - Goto:so\ sim\mainhasim\mainhasim\ mamãezinha sim\
  • A mãe procura confirmar se o suco tem um bom sabor:
  • Turno de fala 5 – Mãe Goto:soheim/
  • Francisco é mais uma vez alçado à posição de interlocutor da mãe, quando esta, no turno seguinte (6), atribui a ele o seguinte enunciado,
  • que vem confirmar a interpretação de Vitória:
  • Turno de fala 6 Gotosinho\ Gotosinhomainha\\
slide6
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA
  • O BEBÊ É UM INTERLOCUTOR (SUJEITO)
  • O comportamento da criança (careta, choro, agitação de braços e pernas, gritos, sorriso, direção do olhar, sons) é interpretado pela mãe como uma solicitação para ser alimentado, isto é, como uma mensagem.
  • Ele é um interlocutor que lhe dirige demandas (atos de fala) e não apenas um ser que manifesta necessidades (Freud, 1976; Lacan, 1998).
  • As manifestações do bebê têm um destinatário certo: a mae.
  • Mas, ele é um interlocutor especial: por isso, a mãe fala “manhês”.
slide7
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA
  • MOTHERESE – MANHÊS
  • Modificações em vários níveis da língua: sintático, léxico, prosódico ...
  • Modificações prosódicas:
    • Tom de voz: voz sussurrada ou em falsete, tom geralmente alto.
    • Entonação destacada por acentuadas variações de altura para formar a curva melódica.
    • Velocidade de emissão mais lenta, silabação, alongamento de vogais.
    • Enunciações melodiosas (música) (Didier-Weill, 2011; Vives, 2010).
slide8
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA
  • ANÁLISE CONVERSACIONAL
  • Transcrição da fala materna com base na Análise Conversacional (Marcuschi, 1986).
  • Vantagens:
    • indicação dos falantes – turnos de fala
    • alternância dos turnos
    • seqüência de ações coordenadas e interdependência dos turnos
  • Resultado: aparecimento do texto (estrutura) como um diálogo (“diálogo vivo”) (Bakhtin, 1998, 1999)
  • Emergência de sujeitos (falante e ouvinte): reversibilidade de papéis. (Lacan, 1979, 1995, 2002; Tomasello, 2000)
slide9
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA
  • INSERÇAO DA CRIANÇA NO CAMPO DA LINGUAGEM
  • Alternância de lugares: existência de um agrupamento de pares presença-ausência (Lacan, 1995).
  • A mudança sequenciada dos turnos de fala introduz a criança no campo da linguagem e de suas leis.
  • Papel ativo da criança: o bebê não está alheio ao valor expressivo e dinâmico dos sons da linguagem: melodia, alongamento de vogais, ritmo...
  • A musica presente no manhês tem um papel fundamental.
  • Atenção da criança para as pistas para a tomada de turno.
  • È possível pensar a criança (bebê) como um “infans”?
  • Atenção conjunta.
slide10
MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA
  • AUSENCIA DE PROTOCONVERSAÇOES (MANHÊS) E AUTISMO
  • Autismo: perturbações da interação e da linguagem.
  • João, 3 anos, autista: os pais (sobretudo a mãe) não conversavam com ele, muito menos em manhês.
  • Ausência de experiências protoconversacionais no início da vida?
  • A ausência de elementos suprasegmentais invocando a criança à linguagem e à interação pode explicar a ausência de linguagem?
  • A organização interativa indicada nos turnos de fala (seqüência de turnos de fala, presença-ausência, reversibilidade de papéis) contribui para a entrada do bebê no universo da linguagem (Tomasello, Lacan).
slide11
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO – UNICAP
  • PROJETO DE PESQUISA: PROSÓDIA E LINGUAGEM
  • Bolsa de Pós-Doutorado PDJ
  • Plano de Trabalho
  • Pesquisa
  • Ensino
  • Extensão
  • Proponente e supervisora: Profa. Dra. Marígia Aguiar
  • Candidata: Severina Sílvia Maria Oliveira Ferreira
  • Coordenador: Wanilda Maria Alves Cavalcanti
  • Projeto a ser desenvolvido junto ao Laboratório de Linguagem da UNICAP.
    • – Objetivos
  • 1.3.1 - Geral
  • Aprofundar a análise da relação existente entre os padrões prosódicos da fala materna, a constituição do processo interativo mãe-bebê e o assujeitamento da criança à ordem da linguagem.  
  • 1.3.2 - Específicos
  • Identificar os padrões prosódicos usados nas enunciações maternas no contexto da relação mãe-bebê e sua relação com a construção do processo interativo.
  • Investigar a relação existente entre os padrões entoacionais encontrados nas enunciações maternas e a significação atribuída às manifestações da criança.
  • Verificar a relação entre as curvas entoacionais e a musicalidade do padrão manhês.
  • Identificar os recursos prosódicos usados como marcas de interatividade que denotem distanciamento ou aproximação entre os componentes da relação mãe-bebê.
  • Verificar a relação existente entre as mudanças dos recursos prosódicos da fala materna e as distintas respostas da criança.
  • Investigar a apropriação, pela criança, de padrões prosódicos da fala materna e sua realização pragmática no circuito da interlocução.
  • * Investigar a relação entre essa apropriação e o assujeitamento da criança à ordem da linguagem.
  • Investigar se as trocas interativas mãe-bebê, em termos de produção dialógica constituída de elementos segmentais e supra-segmentais, podem ser consideradas um gênero textual.
ad