ascen o e queda da subjetividade a cognitiviza o do diagn stico l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Ascenção e queda da subjetividade: a cognitivização do diagnóstico PowerPoint Presentation
Download Presentation
Ascenção e queda da subjetividade: a cognitivização do diagnóstico

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 22

Ascenção e queda da subjetividade: a cognitivização do diagnóstico - PowerPoint PPT Presentation


  • 179 Views
  • Uploaded on

Ascenção e queda da subjetividade: a cognitivização do diagnóstico. Dr med. Luís Guilherme Streb XXIII CBP, BH, 2005. Prezado(a) colega da ABP,. Alguns slides são seguidos de comentários explicativos, inseridos agora para a disponibilização on-line.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Ascenção e queda da subjetividade: a cognitivização do diagnóstico' - zanna


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
ascen o e queda da subjetividade a cognitiviza o do diagn stico

Ascenção e queda da subjetividade: a cognitivização do diagnóstico

Dr med. Luís Guilherme Streb

XXIII CBP, BH, 2005

prezado a colega da abp
Prezado(a) colega da ABP,

Alguns slides são seguidos de comentários explicativos, inseridos agora para a disponibilização on-line.

Este trabalho foi apresentado no simpósio do departamento de diagnóstico e classificação no congresso de Belo Horizonte em 2005.

Se houver comentários e correções, não hesite em contatar-me pelo e-mail lgstreb@terra.com.br

Um abraço

slide3
Há erros mortos, como há mortas verdades.

Sartre, 1948

O quesignifica “descrição”? Cada descrição é uma interpretação.

Heidegger, 1963

A informação é indiferente ao significado.

J. Bruner, 1990

ascen o berrios 1996
Ascenção (Berrios, 1996)
  • Christian Wolff (1679-1754), “pai da psicologia das faculdades”

sentimentos como função independente apenas no fim do séc. 18

A inclusão de “experiências subjetivas” no repertório sintomático da Psicopatologia Descritiva foi a mais importante contribuição do séc. 19

maine de biran 1766 1824
Maine de Biran, 1766-1824
  • Experiência interna
  • Conteúdos da consciência

A experiência subjetiva pode manifestar-se como sintomas mentais legítimos, o que levou à redefinição da mania e da melancolia, dependendo da qualidade do estado predominante do humor.

slide6
Moreau de Tours,

1804-1884

Psychologie Morbide (1859)

valor clínico da informação

subjetiva

Franz Brentano,

1838-1917

Von der Klassifikation der psychischen Phänomene (1911)

conteúdo do comportamento,

existência intencional, relação de amor ou ódio com os objetos

precursor do foco semântico das doutrinas psicodinâmicas

“psicologização” da consciência

a corrente psicodin mica alem
A corrente psicodinâmica alemã
  • Griesinger – Vorstellungen (representações)
  • Bleuler e Jung / Freud – importância da afetividade na regulação do psiquismo – afecções psicogênicas

(conteúdo, forma e mecanismo)

  • A psicanálise: transferência, contra-transferência, campo e matriz (Ogden)
slide8
De Wolff a Griesinger (1700 a 1850), psicopatologistas franceses e alemães introduziram na avaliação clínica o aspecto subjetivo de uma forma sistemática. Griesinger é o responsável pela noção de “representação” (Vorstellung), uma contribuição seminal que viria a ser usada pela psicanálise e por teorias cognitivistas.
slide9
A subjetividade alcança seu ápice conceitual e clínico ao englobar também o médico, na noção de contra-transferência. Teorias e descrições sofisticadas da interação subjetiva entre paciente e médico são desenvolvidas nas teorias de campo e de matriz (Ogden).
  • A meu ver, estes desenvolvimentos na psicanálise, e incorporados pela clínica psiquiátrica, são essencialmente fenomenológicos na sua natureza, sendo uma manifestação da intenção husserliana principal de “apreensão da subjetividade do outro”.
a fenomenologia
A fenomenologia
  • Jaspers

Psicologia explicativa (nexo externo) e compreensiva (nexo interno)

Compreensão do sentido # explicação causal

slide11
Procedimento fenomenológico:

1. material completo (biografia)

2. delimitar, diferenciar, particularizar vivências

3. tornar visível a multiplicidade/variabilidade do psiquismo até os seus limites

Saner,1970

slide12
O método fenomenológico, como vimos nos dois últimos slides, tornou a clínica muito difícil; impossível, talvez. Sua riqueza conceitual e sua demanda intelectual são seu calcanhar de Aquiles. É um erro confundir psicopatologia descritiva (utilizada nos sistemas diagnósticos atuais) com psicopatologia fenomenológica (Berrios tem trabalhos excelentes a este respeito).
queda
Queda
  • Hempel e o DSM I (1952)

operational definitions, empirical import > sub-criteria, unspecific description (TDAH, ODD)

super-ênfase na confiabilidade: medindo muito bem coisas que não se conhece

slide15
A queda começa com a aplicação do empirismo lógico, sugerida por Hempel, na década de 60, a pedido da American Psychological Association, às descrições/definições de doenças psiquiátricas. Operações são sugeridas para a delimitação clínica de distúrbios; verificabilidade e confiabilidade aumentam, sem avanços correspondentes na validade da tipologia utilizada.
slide16
RCT – randomized clinical trials
  • Incompreensão/abandono da fenomenologia
  • Isolamento da psicanálise
slide17
Os ensaios clínicos não permitem o approach fenomenológico ou psicanalítico. Sendo a principal forma de desenho e comunicação experimental em nossa área, aceleram a construção da mentalidade a-subjetiva predominante, num contexto pós-moderno pleno de distorções.
slide18
Radicalização da mentalidade a-subjetivista pós-moderna (Bauman)
  • Avanços importantes da neuropsicologia/neurobiologia + confusão cérebro-mente
slide19
A profusão de achados neurobiológicos, e sua relativa inespecificidade ao longo das dimensões psicopatológicas, requer uma teoria unificadora que considere também a vivência subjetiva do doente; isto inclui suas dimensões existencial (ontológica) e imaginativo-representacional.
slide20
Aber es gibt keine Prüfung über Menschenkenntnis; wie wäre es, wenn es eine gäbe?
  • Mas não existe um teste sobre conhecimento de pessoas; como seria, se houvesse?

Wittgenstein

slide21
De fato, não há um teste, ou uma prova, que possamos fazer para verificar se conhecemos ou não o ser humano (Mensch, gente, pessoa). Wittgenstein nos alerta para a situação em que isto pode acontecer. Como seria?