recupera o paralela 2011 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
RECUPERAÇÃO PARALELA- 2011 PowerPoint Presentation
Download Presentation
RECUPERAÇÃO PARALELA- 2011

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 41

RECUPERAÇÃO PARALELA- 2011 - PowerPoint PPT Presentation


  • 329 Views
  • Uploaded on

RECUPERAÇÃO PARALELA- 2011. “Sim, ele pode aprender.”. LEGISLAÇÃO. Resolução SE 93 de 8-12-2009 Instrução Conjunta Cenp/DRHU de 2-2-2010. Instrução Cenp nº 01/2010. LDB 9394/96- alínea “e” do inciso V do artigo 24.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'RECUPERAÇÃO PARALELA- 2011' - zahi


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
recupera o paralela 2011

RECUPERAÇÃO PARALELA- 2011

“Sim, ele pode aprender.”

legisla o
LEGISLAÇÃO
  • Resolução SE 93 de 8-12-2009
  • Instrução Conjunta Cenp/DRHU de 2-2-2010.
  • Instrução Cenp nº 01/2010
ldb 9394 96 al nea e do inciso v do artigo 24
LDB 9394/96- alínea “e” do inciso V do artigo 24.

“ OBRIGATORIEDADE DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO, DE PREFERÊNCIA PARALELOS AO PERÍODO LETIVO, PARA OS CASOS DE BAIXO RENDIMENTO ESCOLAR, A SEREM DISCIPLINADOS PELAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO EM SEUS REGIMENTOS”.

retomada
RETOMADA
  • Todas as escolas contarão, desde o início do ano letivo, com horas/aulas atribuídas no processo inicial aos professores de L.P. e Mat.;
  • Flexibilidade nos agrupamentos de alunos;( fator importante: agrupamentos produtivos e com boas situações de aprendizagem);
  • Atendimento individualizado;
artigo 7 aos docentes respons veis pelas aulas de recupera o paralela caber
Artigo 7º - aos docentes responsáveis pelas aulas de recuperação paralela, caberá:

Identificar detalhadamente as dificuldades de aprendizagem dos alunos apontadas pelos professores das disciplinas previstas nesta resolução; (DIAGNÓSTICO);

Desenvolver atividades significativas e diversificadas que levem o aluno a superar suas dificuldades;

Utilizar diferentes materiais e ambientes pedagógicos que favoreçam a aprendizagem do aluno;

Manter contato permanente com os professores das classes dos alunos e com o respectivo Professor Coordenador;

slide6

V- Avaliar continuamente os alunos atendidos, aferindo os avanços conquistados, com vistas à sua permanência ou não nas atividades de recuperação;

VI- Zelar pela incorporação e registro dos resultados da avaliação das atividades de recuperação, na síntese do desempenho bimestral obtido pelo aluno na respectiva disciplina;

VII- cuidar do registro, em ata, dos encaminhamentos decididos pelos Conselhos de Classe e na ficha individual de acompanhamento do aluno;

IX- subsidiar os professores da respectiva disciplina na seleção, organização e desenvolvimento da recuperação continua;

em recupera o
Em recuperação...

“Todo estudante, em algum momento, apresenta dúvidas.Isso faz parte do processo de aprendizagem. A saída é enfrentar logo o problema, diversificando as estratégias de ensino.”

introdu o
Introdução
  • A classe não responde de forma homogênea à apresentação de um conteúdo de estudo;
  • Nem todos compreendem usando as mesmas estratégias cognitivas; (Jussara Hoffmann)
o que fazer dicas
O que fazer?Dicas:

1º repensar as estratégias e materiais para eles.

2º avançar e retroceder ao mesmo tempo.(quem atingiu o esperado tem de continuar aprendendo e os demais NÃO devem ser abandonados).

3º “trabalhar as dúvidas em atividades, dentro da própria recuperação, em vez de deixar que se acumulem.”

4º caso muitos tenham a (s) mesma (s) dificuldade (s): é hora de retomar esse (s) conteúdo (s) de um jeito novo.

5º iniciar , ou intensificar o trabalho em grupos.

tema 1 o que foi aprendido
Tema 1O que foi aprendido.

“Um bom diagnóstico das aprendizagens mostra o que a criança já sabe e o que falta aprender. Você vai ver que, dentro de um conteúdo, as dúvidas não são tão diferentes.”

slide12

Quais os melhores meios para verificar o que de fato os alunos ainda não aprenderam?

  • Como analisar os resultados das diversas estratégias de avaliação?
  • Concluí que meus alunos têm dificuldades diferentes. Como lido com isso?
  • Quais os critérios mais indicados para formar grupos em sala de aula?
tema 2 trabalho focado
Tema 2Trabalho focado.

“ Atividades em grupo permitem que os saberes dos alunos se completem. A informação trazida por um colega muitas vezes é o que falta para a compreensão do conceito.”

slide14

5. De que forma posso organizar o trabalho dentro dos argumentos?

6. Como dar conta das diferentes demandas dos grupos sendo uma pessoa só?

tema 3 pronto para avan ar
Tema 3Pronto para avançar.

“ Quando o seu trabalho é baseado na avaliação constante e na intervenção imediata dos problemas, o aluno consegue superar as dificuldades e aprender.”

slide16

7. Como ajudar cada um de acordo com suas necessidades de aprendizagem?

8. Mandar tarefa de casa como reforço é uma boa estratégia?

9. Qual o papel do professor da sala regular?

10. Como saber se a recuperação funcionou e todos aprenderam?

considera es 1 quais os melhores meios para verificar o que de fato os alunos ainda n o aprenderam
Considerações:1- Quais os melhores meios para verificar o que de fato os alunos ainda não aprenderam?
  • Pergunta 1: diagnóstico inicial: avaliação, observação das atividades realizadas em sala de aula, exercícios de sondagem, situações problema, trabalhos em grupo, tarefas de casa.

“ Avaliação bem feita e válida é aquela que está relacionada aos objetivos de ensino e traz perguntas que abordam tudo o que foi ensinado. Ela permite que o aluno descreva o que aprendeu ou deixou de aprender.” SEGUNDO LUCKESI

pergunta 2 como analisar os resultados das diversas estrat gias de avalia o
Pergunta 2:Como analisar os resultados das diversas estratégias de avaliação?
  • Avaliação diagnóstica: fazer anotações sobre as dificuldades encontradas – QUEM ERROU, POR QUÊ, COMO, AS IDEIAS APRESENTADAS SOBRE O ASSUNTO, QUAIS EQUÍVOCOS MAIS COMUNS.
  • Tabular os dados;
  • Analisar cadernos, portfólios e trabalhos de casa; (ir para imagem 1 diagnóstico)

“Com esses dados o professor tem um retrato dos diferentes momentos de avanço dos alunos , o que é fundamental para enxergar exatamente onde está a dificuldade de cada um...”

pergunta 3 conclu que meus alunos t m dificuldades diferentes como lido com isso
Pergunta 3:Concluí que meus alunos têm dificuldades diferentes. Como lido com isso?

Fazer agrupamentos (importante fazer um diagnóstico);

Apontar os problemas de cada um em relação aos conteúdos trabalhados;

GRUPOS :

  • um constituído pelos que não apresentam problemas graves e precisam continuar avançando.
  • os demais devem ser divididos em no máximo três agrupamentos.

“ Lembre-se de que avaliar também é chegar a qualidade e a eficácia do próprio trabalho.”

pergunta 4 quais os crit rios mais indicados para formar grupos em sala de aula
Pergunta 4:Quais os critérios mais indicados para formar grupos em sala de aula?
  • 1º as necessidades de aprendizagem;
  • 2º o objetivo da própria atividade;
  • 3º considerar as características pessoais;

Observação: deixar claro os seus objetivos e a organização.

pergunta 5 de que forma posso organizar o trabalho dentro dos argumentos
Pergunta 5:De que forma posso organizar o trabalho dentro dos argumentos?
  • Subgrupos ;
  • Duplas; de acordo com as
  • Individualmente; necessidades de aprendizagem e objetivo de ensino
continua o
continuação

Duplas: produtivas – um que tenha dificuldade com um que entendeu melhor a atividade. “Quem está enfrentando problemas aprende com a ajuda do colega.”

Atividade individual – ajudam o aluno a se sentir seguro sobre as aprendizagens, já que tem de colocar em jogo todo o conhecimento adquirido.”

pergunta 6 como dar conta das diferentes demandas dos grupos sendo uma pessoa s
Pergunta 6:Como dar conta das diferentes demandas dos grupos sendo uma pessoa só?
  • Planejar em detalhes cada aula;
  • Prever tarefas para todas as equipes;
  • Propor sequências didáticas ajustadas as necessidades de aprendizagem de cada uma delas;

Critérios didáticos para as atividades:

Trabalhar com foco nas necessidades dos alunos:

crit rios did ticos para as atividades
Critérios didáticos para as atividades
  • Trabalhar com foco nas necessidades dos alunos;
  • Na R.P. não adianta repetir o que já foi realizado nas aulas regulares;
  • Propor diferentes atividades o professor contempla mais alunos
slide25
Dica
  • Construa um banco de atividades se possível com colegas da escola.
  • Guarde os arquivos de propostas que surtiram bom efeito em aula para adaptá-las e melhorá-las.
crit rios did ticos para os recursos
Critérios didáticos para os recursos

Recursos materiais: vídeos, músicas, revistas, jornais, sites, jogos, mapas, atlas, etc.);

Estratégias: aulas expositivas, visitas, sala de leitura, sala de informática (como ferramenta de ensino).

Tempo: às vezes, o aluno precisa ficar mais tempo num mesmo ponto e contar com uma atenção redobrada, enquanto o restante realiza mais uma atividade.

(ir para figura 2 )

erros mais comuns
Erros mais comuns:
  • O s alunos com mais dificuldades não devem ser abandonados. Ao contrário, eles são os que mais precisam de atenção;
  • Repetir nas aulas de R.P. as estratégias já usadas nas aulas regulares. É preciso proporcionar outras formas de ensino para que todos aprendam o conteúdo.
pergunta 7 como ajudar cada um de acordo com suas necessidades de aprendizagem
Pergunta 7:Como ajudar cada um de acordo com suas necessidades de aprendizagem?
  • Reorganizar a sala;
  • Trabalhar com agrupamentos por dificuldade;
  • Assim é possível observar todos atentamente e intervir com afinco no trabalho dos que mais precisam;
  • Verifique como eles fizeram a atividade;
  • Peça explicações sobre a resolução;
  • Proponha a discussão entre pares;
  • Mostre o que precisam rever;
  • Atendimento individualizado
pergunta 8 mandar tarefa de casa como refor o uma boa estrat gia
Pergunta 8:Mandar tarefa de casa como reforço é uma boa estratégia?
  • Como atividade única e isolada , não;
  • É Interessante :
  • como complemento do trabalho realizado nas aulas;
  • Como sistematização e reflexão de um conhecimento adquirido;
  • Selecionar desafios que o aluno tenha autonomia para enfrentar;
observa o
Observação

“O aluno precisa ter visto o conteúdo em sala, tirando todas as dúvidas e feito atividades similares com o apoio do professor.

Preparar atividades para fazer em casa sem orientação, de nada adianta.”

pergunta 9 qual o papel do professor da sala regular
Pergunta 9:Qual o papel do professor da sala regular?
  • Fornecer informações possíveis ao colega que ficará responsável pela R.P.;
  • Ele sabe quais conteúdos eles precisam rever, as estratégias de ensino já usadas e que se mostraram insuficientes;
  • As crianças não alfabéticas que já estão em anos avançados do E.F. demandam uma ajuda mais efetiva por parte do educador da R.P.
pergunta 10 como saber se a recupera o funcionou e todos aprenderam
PERGUNTA 10:Como saber se a recuperação funcionou e todos aprenderam?
  • Acompanhar o avanço de perto;(durante todas as aulas);
  • Registrar todos os passos;
  • Analisar se os estudantes superaram obstáculos e sanaram as dúvidas;
  • Retome o diagnóstico inicial e as anotações feitas antes da R.P. e compare o desempenho de todos;
  • Os alunos que não superaram os problemas, o trabalho contínua;
  • Aqueles que superaram devem ser transferidos para o grupo dos que precisam de novos desafios.

(ir para figura 3)

referencial te rico
Referencial Teórico
  • Avaliação da Aprendizagem na Escola: reelaborando Conceitos e Recriando a Prática, Cipriano Luckesi; Ed. Malabares;
  • Avaliar para promover – As setas do caminho, Jussara Hoffmann ; Ed.Mediação;
  • Da Avaliação dos Saberes à Construção de Competências, Maria Celina Melchior, Ed.Premier;
  • O diálogo entre o ensino e a aprendizagem, Telma Weisz e Ana Sanches, Ed. Ática;
  • Por que Avaliar? Como avaliar? – Critérios e Instrumentos, Ed. Vozes;
  • Sucesso Escolar Através da Avaliação, Maria Celina Melchior, Ed.Premier
  • Ensinar a Ler ensinar a Compreender , Teresa Colomer , Anna Camps;
  • Gêneros Orais e Escritos na Escola, Dolz J. , SchnewlyBernanrd; Editora Mercado de Letras.
  • Gêneros Textuais & Ensino, Angela Paiva Dionisio, Anna Rachel Machado, Maria Auxiliadora Bezerra; Editora Lucerna.
  • Ler e Compreender os Sentidos do Texto,Ingedore Villaça Koch, Vanda Maria Elias; Editora Contexto.
  • O ensino da Linguagem Escrita, Myriam Nemirovsky; Editora Artmed.
  • Estratégias de Leitura, Isabel Solé; Editora Artmed.
  • Revista Nova Escola.
plano de recupera o paralela 2011
Plano de Recuperação Paralela 2011
  • Não enviar todas as atividades desenvolvidas no semestre;
  • Avaliações diagnósticas ( inicial e final);
  • Um portfólio por escola (grupo de professores de L.P.) - utilizar os HTPCs para elaboração do portfólio;
  • Observação: todos os alunos precisam ter a ficha individual.
  • Material disponível no site da diretoria leste 2.(deleste2.edunet.sp.gov.br).
  • Enviar a ficha no portfólio (em anexo).
slide35

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

COORDENADORIA DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE SÃO PAULO

DIRETORIA DE ENSINO LESTE -2

RECUPERAÇÃO PARALELA DE CICLO II E ENSINO MÉDIO

DISCIPLINAS: LÍNGUA PORTUGUESA/ MATEMÁTICA

E.E___________________________

Professor (a)______________________

___/ ____/ 2011

Carimbo e Assinatura do (a) Diretor (a) e Coordenação

slide36

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

COORDENADORIA DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE SÃO PAULO

DIRETORIA DE ENSINO LESTE -2

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

_______/_______/ 2011

Carimbo e Assinatura do (a) Diretor (a) e Coordenador (a)

slide37

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

COORDENAÇÃO

COORDENADORIA DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE SÃO PAULO

DIRETORIA DE ENSINO LESTE -2

AVALIAÇÃO FINAL

_______/_______/ 2011

Carimbo e Assinatura do (a) Diretor (a) e Coordenador (a)

slide38

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

COORDENADORIA DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE SÃO PAULO

DIRETORIA DE ENSINO LESTE -2

ANEXO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

_______/_______/ 2011

Carimbo e Assinatura do (a) Diretor (a) e Coordenador (a)

slide39

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

COORDENADORIA DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE SÃO PAULO

DIRETORIA DE ENSINO LESTE -2

RELATÓRIO DO PROFESSOR

_______/_______/ 2011

Carimbo e Assinatura do (a) Diretor (a) e Coordenador (a)

com o uso do portf lio o professor consegue
Com o uso do portfólio o professor consegue:
  • Promover o desenvolvimento reflexivo dos participantes;
  • Garantir mecanismos de aprofundamento conceptual continuado, através do relacionamento em feedback entre membros das comunidades de aprendizagem;
  • Contribuir para a construção personalizada do conhecimento para, em e sobre a ação, reconhecer-lhe a natureza dinâmica, flexível, estratégica e contextual.
  • Facilitar os processos de auto – avaliação;
  • Aprofundar o conhecimento sobre a relação ensino-aprendizagem
finalizando
FINALIZANDO

EU ACREDITO NO PROFESSOR BRASILEIRO.

BOM TRABALHO...

FILME : QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO...