Abril, 2013 - PowerPoint PPT Presentation

yardan
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Abril, 2013 PowerPoint Presentation
Download Presentation
Abril, 2013

play fullscreen
1 / 28
Download Presentation
Abril, 2013
117 Views
Download Presentation

Abril, 2013

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Perspectivas Econômicas – Seminário Guarani Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Abril, 2013

  2. Agenda • Economia Global • Crescimento divergente entre as economias avançadas. • Riscos menores no cenário internacional, mas volatilidade ainda é um fator importante. • Brasil • Crescimento decepcionou em 2012. Fundamentos apontam para recuperação moderada. • Inflação subjacente pior. • Taxa de câmbio deve se manter estável em torno de R$ 2.00 e taxas de juros devem subir, mas pouco. • Política fiscal para segurar inflação e juros.

  3. Mundo: perspectivas melhores de crescimento PIB mundial (crescimento anual) 5% 3% Fonte: Itaú Unibanco e FMI

  4. Desempenhoheterogêneo Dívida privada vs. dívida pública PIB real Índice, 2007 = 100 Dívida privada (ex-bancos) Mundo projeção EUA Japão Dívida pública Fonte: Itaú Unibanco, BEA, Eurostat

  5. Riscos menores, mas ainda há volatilidade Títulos de 10 anos, Espanha e Itália média móvel de 5 dias, % ao ano OMT Fonte: Bloomberg e Itaú Unibanco

  6. China: soft landing PIB trimestral com ajuste sazonal Produção industrial variação anual Fonte: NBS e Itaú

  7. Mundo: o que esperamos no curto prazo? Fonte: Haver, CEIC, Bloomberg e Itaú Unibanco

  8. Commodities: manutenção de preços em patamar alto Índice Itaú de Commodities Fonte: Itaú Unibanco

  9. América Latina: crescimento robusto em vários países; Argentina pior Fonte: Itaú Unibanco

  10. Crescimento decepcionou no Brasil Expectativas de crescimento (%) em 2012 Expectativas de crescimento (%) em 2013 Fonte: : Latin Focus Consensus Forecasts

  11. O que esperamos para o Brasil no curto prazo Fonte: Itaú Unibanco e BCB

  12. Retomada moderada em 2013 Variação do PIB ante o trimestre anterior (com ajuste sazonal) Contribuição da agropecuária no PIB = 0.5% Fonte: BCB e Itaú Unibanco

  13. Sinais mistos para frente • Investimento em alta no primeiro trimestre, mas crescimento não é disseminado. Conjunto amplo de dados - difusão Investimento – crescimento no trimestre com ajuste sazonal 15% 10% 5% 0% -5% -10% -15% Proxy Formação bruta de capital fixo 1997 1999 2001 2003 2005 2009 2011 2013 Fonte: Itaú Unibanco, IBGE

  14. Mercado de trabalho segue apertado Taxa de desemprego %, com ajuste sazonal Salário médio real índice com ajuste sazonal(2003=100) Fonte: IBGE e Itaú Unibanco

  15. Demografia e composição do crescimento explicam mercado de trabalho apertado PIB - Indústria vs. serviços Crescimento médio anualizado , 2010T2-2012T4 Ocupação por setor Média de 2012 População economicamente ativa taxa de crescimento Fonte: Itaú Unibanco, IBGE

  16. Inflação preocupa no curto prazo: o impacto dos bens industriais IPCA – índice de difusão MM3M, com ajuste sazonal IPCA – industrais vs. serviços MM12M, com ajuste sazonal Serviços Industriais Fonte: Itaú Unibanco, IBGE

  17. IPCA deve recuar no segundo semestre • Desonerações contribuem para aliviar a inflação no curto prazo. IPCA – variação % Fonte: IBGE e Itaú Unibanco

  18. Desonerações quadruplicam em 2013 • Últimas desonerações anunciadas: • Cesta básica: R$ 7 bilhões (2014). • Folha de pagamentos para mais 14 setores: R$ 6 bilhões (2014). • IPI de automóveis: R$ 2 bilhões (2013). Renúncias tributárias (i.e., reduções de impostos) anunciadas recentemente – R$ bilhões 1.7% do PIB 1.3% do PIB 0.3% do PIB Já anunciado Esperado Fonte: Itaú Unibanco, Ministério da Fazenda

  19. Postura fiscal mais expansionista Superávit primário vs. estrutural (% PIB) Fonte: Itaú Unibanco, BCB

  20. Política cambial preocupada com inflação Variação intradiária da taxa de câmbio Real vs. moedas – Exportadores de commodities* cesta de moedas = real em out 2009 “banda percebida” *México, Chile, Austrália, Nova Zelândia, África do Sul, Noruega e Canadá Fonte: BCB e Itaú Unibanco

  21. Selic: esperamos aumento de 1 p.p., ou menos • Na semana passada, o Copom decidiu subir os juros em 0.25 p.p.. Esperamos que o ciclo de alta seja de no máximo 1.00 p.p., enquanto o mercado precifica aumento em cerca de 2.00 p.p.. Taxa Selic - % ao ano Taxa implícita na curva de juros Itaú Unibanco Fonte: Itaú Unibanco, Bloomberg

  22. Desafios: custos com mão de obra são relativamente elevados Custo total por hora trabalhada em 2011 ($) – setor manufatureiro Elevação do custo unitário do trabalho em dólares (2005 – 2010) Fonte: Haver Analytics, U.S. Bureau of Labor Statistics, Itaú Unibanco

  23. Desafios: infraestrutura e produtividade Ranking de infraestrutura (World Economic Forum, 2010-11) Ranking de facilidade para se fazer negócios (Banco Mundial, 2012) Fonte: World Economic Forum e Banco Mundial

  24. Desafios: menor contribuição do trabalho, é necessário investir mais • Contribuição da força de trabalho diminui. Crescimento depende de aumentos nos investimentos e na produtividade. • PIB cresce cerca de 3,5 a 4,0% ao longo da década. Crescimento do PIB Contribuição decrescente do trabalho Fonte: IBGE, Itaú Unibanco e U.S. Bureau of Labor Statistics

  25. Desafios: poupança brasileira precisa crescer para permitir aumento do investimento Poupança Doméstica (% em 2011) Taxa de investimento Fonte: FMI, IBGE e Itaú Unibanco

  26. 20% Itália 18% 16% Polônia 14% Brasil 12% Gastos com seguridade social (% PIB) 10% Japão 8% EUA 6% México 4% Colômbia 2% 0% 15% 5% 10% 20% 25% 30% Pessoas acima de 65 anos (% total) Desafios: previdência Gastos públicos com seguridade social Fonte: FMI, IBGE e Itaú Unibanco

  27. Conclusão Crescimento divergente entre as economias avançadas. ü Recuperação deve continuar em ritmo moderado. PIB do 1º trimestre deve ser melhor. ü Inflação subjacente piorou. ü Taxa de câmbio deve se manter estável em torno de R$ 2.00 e taxas de juros deve ser elevada em no máximo 1.00 p.p. ü Política fiscal para segurar inflação e juros. ü

  28. Cenário de longo prazo Fonte: Itaú Unibanco