slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
“ O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO” ARGENTINA-BRASIL PowerPoint Presentation
Download Presentation
“ O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO” ARGENTINA-BRASIL

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 22

“ O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO” ARGENTINA-BRASIL - PowerPoint PPT Presentation


  • 199 Views
  • Uploaded on

X PROLATINO Congresso Internacional de Contabilidades do Mundo Latino Painel Nº. 5 Contabilidades Social e Ambiental. “ O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO” ARGENTINA-BRASIL. PANELISTA: DRA. Luisa Fronti de García FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '“ O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO” ARGENTINA-BRASIL' - wakanda


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

X PROLATINO Congresso Internacional de Contabilidades do Mundo LatinoPainel Nº. 5 Contabilidades Social e Ambiental

“O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO”

ARGENTINA-BRASIL

PANELISTA: DRA. Luisa Fronti de García

FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE DE BUENOS AIRES

slide2

Principais GEI: CO2, CH4, N2O, HFCs, PFCs e SF6 Medição do impacto em

unidades equivalentes de CO2

  • Metas nacionais, por países, para o período de 2008 a 2012:
  • a) Em geral: reduzir ao menos um 5% em emissões de 1990
  • b) União Européia: reduzir ao menos um 8% em emissões de 1990
  • Cooperação tecnológica mundial para reduzir e absorver emissões GEI
  • Instrumentos
  • Mercados de licenças de emissão
  • Projetos de Aplicação Conjunta (URE)
  • Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (RCE)
  • Sumidouros e Depósitos (UDA)

PROTOCOLO DE KIOTO

Luisa Fronti 1

slide4

O PROTOCOLO DE KYOTO E OS PROJETOS MDL

Os investimentos internacionais em desenvolvimento limpo são uma das alternativas contempladas no Protocolo de Kyoto, para reduzir e absorver as emissões de gases de efeito estufa.

O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), permite fornecer Unidades de Redução Certificada de Emissões (CERs) aos países que transfiram tecnologias limpas ou financiem projetos de redução de emissões em países em desenvolvimento como é o caso argentino.

Luisa Fronti 3

slide5

Etapas do ciclo do projeto do MDL

Documento de projeto

Documento de concepção de projeto (DCP)

Metodologia de linha de base aprovado

Plano de monitoramento aprovado

Validação

Verifica conformidade com a regulamentação do

Protocolo de Quioto

Aprovação

Autoridade Nacional Designada (AND)

Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima (CIMGC). Verifica a contribuição do projeto para o desenvolvimentosustentável.

Registro

Submissão ao Conselho Executivo

Monitoramento

Verificação /

Certificação

Informe de verificação y

Certificação

Unidades segundo o acordo de projeto

Emissão

Fuente: Compilação do site da CQNUMC: 02 de outubro de 2009 Luisa Fronti 4

slide6

Número de projetos registrados no Conselho Executivo de MDL

Fuente: Compilação do site da CQNUMC: 02 de outubro de 2009

CQNUMC: Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima

Luisa Fronti 5

slide7

Número de projetos registrados no Conselho Executivo do MDL

Fuente: Compilação do site da CQNUMC: 02 de outubro de 2009

Luisa Fronti 6

slide9

Emissões a serem reduzidas durante o 1º Período de obtenção de Créditos dos Projetos Registrados

Fuente: Compilação do site da CQNUMC: 02 de outubro de 2009

Luisa Fronti 8

slide10

Distribuição do número de atividades de projeto do MDL no Brasil por estado

SP: São Paulo

MG: Minas Gerais

RS: Rio Grande do Sul

SC: Santa Catarina

PR: Paraná

MT:Mato Grosso

MS: Mato Grosso do Sul

GO: Goiás

Fuente: Compilação do site da CQNUMC: 02 de outubro de 2009

Luisa Fronti 9

mdl no brasil
MDL no Brasil
  • A participação no mercado ocorre por meio do MDL que admite a participação voluntária de países em desenvolvimento.
  • O MDL permite a certificação de projetos de redução de emissões nos países em desenvolvimento, e a venda das reduções certificadas de emissões (RCE).
  • RCEs serem utilizadas pelos países desenvolvidos como modo suplementar para cumprirem suas metas.
  • O mecanismo deve implicar em reduções de emissões adicionais àquelas que ocorreriam na ausência do projeto, garantindo benefícios reais, mensuráveis e de longo prazo para a mitigação da mudança do clima

Luisa Fronti 11

projetos argentinos 1
PROJETOS ARGENTINOS1

TOTAL DE PROJETOS REGISTRADOS EM INSTÂNCIA INTERNACIONAL:16

1 Projetos MDL da Argentina, registrados em instância internacional http://www.ambiente.gov.ar/?idarticulo=6304

Luisa Fronti 12

slide14

PROYECTOS ARGENTINOS REGISTRADOS Y ESTIMACIÓN DE REDUCCIÓN DE EMISIONES EN ORDEN DECRECIENTE (totales y anuales)

Luisa Fronti 13

slide15

PROYECTOS ARGENTINOS REGISTRADOS Y ESTIMACIÓN DE REDUCCIÓN DE EMISIONES EN ORDEN DECRECIENTE (totales y anuales)

Luisa Fronti 14

benef cios ao desenvolvimento sustent vel
BENEFÍCIOS AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL:
  • Diminuição das emissões de metano eliminando assim os maus cheiros na zona circundante.
  • A extração segura do gás reduzirá o risco de incêndio e explosão do aterro sanitário.
  • Pequeno impacto positivo sobre a economia local ao empregar trabalhadores locais e materiais locais sempre que for possível.
  • Transferência de tecnologia e conhecimento.
  • Ajuda a evitar a queima a céu aberto de resíduos melhorando a qualidade de vida da área. Evita-se o risco de incêndio dos campos limítrofes onde se realiza a queima a céu aberto.

Luisa Fronti 15

proposta de sistema cont vel do mdl fonte bursesi e perossa 2008 foro virtual
Proposta de Sistema Contável do MDL(Fonte: Bursesi e Perossa 2008. Foro virtual)

Supostos e Afirmações

1)País anfitrião Não incluído no Anexo I do PK.

2) Refere-se àquelas empresas que durante seu processo produtivo originam resíduos e desperdícios que a partir da incorporação de um bem de uso começa a ter utilidade para a elaboração de recursos para a companhia.

Proposta para o MDL:a empresa obtêm energia a partir da utilização de biomassa, substituindo em parte a energia comprada ao Sistema Elétrico Nacional.

3) O MDL permite transformar reduções de emissão de GEI em certificados CERs, para o qual é necessário desenvolver uma série de passos na ordem nacional e internacional.

Luisa Fronti 16

projeto de investimento e plano do mdl
Projeto de Investimento e Plano do MDL

Se a empresa realizou estudos de viabilidade, de preferências do consumidor, relatórios da opinião pública, etcétera, os mesmos devem ser tratados como resultado negativo correspondentes ao exercício no qual foram realizados.

A empresa pôde incorrer nos seguintes custos:

  • Estudo ambiental do desenvolvimento.
  • Estudo de opinião pública sobre a importância da preocupação da empresa pelo cuidado do meio ambiente.
  • Desenvolvimento de estudos de engenharia preliminares.
  • Estudo de custos de elaboração.
  • Outros estudos e medições relacionados com a engenharia do projeto, as poupanças previstas, a melhora na imagem corporativa e o valor agregado que isto imprime à empresa, etc.

Luisa Fronti 17

projeto de investimento e plano do mdl continua o
Projeto de Investimento e Plano do MDL (continuação)
  • A Assembléia Geral Ordinária se reúne com o objetivo especial da aprovação do Projeto de Investimento e a execução do plano do MDL.
  • É importante a conveniência de contar com uma quantidade de contas suficientes (um manual de contas excelente) para oferecer da contabilidade toda a informação relacionada com os projetos em si, para efeitos de facilitar o controle orçamentário dos planos de investimento da empresa, podendo cumprir deste modo os sistemas contáveis com sua função de informação: clara, oportuna, concisa e desagregada de acordo às necessidades do organismo.
  • Consideramos que para cumprir com esta etapa (a Instância Nacional), os valores rendidos em caráter de estudos específicos, honorários, taxas e outros cargos relacionados exclusivamente (e necessários) com o plano do MDL podem se resumir em uma só conta.
  • Depois do controle de contas e, identificadas todas aquelas que correspondem ao plano do MDL, se coloca a soma total à conta ao AtivoIntangível.

Luisa Fronti 18

limites ativa o dos ativos intang veis
Limites à ativação dos Ativos Intangíveis
  • Corresponde começar a ativar os gastos antes mencionados como possíveis Intangíveis, uma vez tomada a decisão por parte do organismo de levar a cabo o projeto do MDL. (Aprovação da Assembléia de Acionistas do Projeto de Investimento).
  • Não devem ser ativados aqueles gastos identificados com o estudo de viabilidade do projeto do MDL (em função de que este gasto é anterior à decisão de realizar o mesmo).
  • O limite ao valor do Intangível não deve superar o valor atual dos benefícios futuros esperados descontados à taxa de custo de capital da empresa.
  • Este Intangível existe enquanto permaneça um mercado ou marco (Protocolo de Kyoto) institucional organizado que respalde a emissão dos certificados (CERs).

Luisa Fronti 19

conclus es
CONCLUSÕES
  • Os projetos MDL são de caráter voluntário e se desenvolvem com o objetivo de reduzir ou absorver emissões de GEI. Devem contribuir ao desenvolvimento sustentável do país receptor mediante a transferência de tecnologia e conhecimentos ecologicamente inócuos e racionais, não podendo ocasionar impactos ambientais negativos.
  • Os projetos MDL são difíceis de implementar e têm numerosos obstáculos. Entre as dificuldades podemos salientar:
    • Elevados custos de transação e implementação como conseqüência dos numerosos trâmites nacionais e internacionais a realizar.
    • Variação nos preços internacionais das RCE e seus custos de transação.
    • Análise de rentabilidade complexo, principalmente quando aumenta a quantia e o prazo dos projetos.
  • Na Argentina dos 16 projetos registrados internacionalmente, o projeto que produz maior redução de emissões de CO2 equiv. é o projeto de captura e destruição de HFC23, devido fundamentalmente a seu alto potencial de aquecimento global.
  • Ainda, o tipo de projeto MDL que mais se realiza é o de captura e queima do metano emitido pelos aterros sanitários (existem 8 projetos aprovados internacionalmente de aterros sanitários) Isto se deve à facilidade de replicar este tipo de projeto nos diversos aterros que se encontram na Argentina.

Luisa Fronti 20

slide22

Páginas de Interés

Centro de Investigación en Contabilidad Social de la Facultad de Ciencias Económicas (UBA) Argentina:

  • http://www.econ.uba.ar/www/institutos/contable/centro_social/index.htm
  • Foro Virtual : http://www.econ.uba.ar/www/institutos/siyd/ceconta/index.htm
  • www.economicas-online.com/facultad

------- ------

  • http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/30317.html
  • http://www.rgsa.com.br

“Tratamento Contábil dos Projetos de Crédito Carbono No Brasil: Um Estudio Exploratório”. (Ivam Peleias; Nelson Bito; Marcelo Rocha; Anisio Pereira; Joao Segreti).

Luisa Fronti 21