slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Cefalosporinas PowerPoint Presentation
Download Presentation
Cefalosporinas

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 24

Cefalosporinas - PowerPoint PPT Presentation


  • 294 Views
  • Uploaded on

Cefalosporinas. Diego C.G. Oliveira Paula A. Galvão Gabriela U. Robleda Raquela Q. Molino Flávia R. C. Alves Thales G. Felipe Júlia B. Vargas Victor Hugo C. Sabino Larissa B. Baptista. Histórico.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Cefalosporinas' - viveca


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Cefalosporinas

Diego C.G. Oliveira Paula A. Galvão

Gabriela U. Robleda Raquela Q. Molino

Flávia R. C. Alves Thales G. Felipe

Júlia B. Vargas Victor Hugo C. Sabino

Larissa B. Baptista

hist rico
Histórico
  • 1945 – Giuseppe Brotzu ( Itália) e Sir Howard Florey ( Inglaterra)
    • Descoberta do Fungo Cephalosporium acremonium e da substância Cefalosporina C
  • 1961 – Descoberta do Núcleo central da Cefalosporina C ( 7-aminocefalosporanico)
    • Resistente a ação das beta-lactamases estáficocócicas
hist rico1
Histórico
  • Modificações em R1:
    • Espectro de ação
    • Resistência à hidrólise por β-lactamases
  • Modificações em R2:
    • Aumento da meia-vida
    • Penetração tecidual

Anel β-lactâmico

mecanismo de a o
Mecanismo de ação

Inibem o crescimento bacteriano, por interferir na reação de transpeptidação da síntese de sua parede celular.

  • Tem maior afinidade pela PBP-3.
  • Impede a união das cadeias contendo ácido murâmico.
mecanismo de resist ncia
Mecanismo de resistência
  • Hidrólise por enzimas beta-lactamases.
      • AmpC - induzida pelo fármaco
      • ESBL - codificação plasmidial
  • Alteração do sítio estrutural das PBPs
  • Redução da permeabilidade da membrana externa
  • Efluxo da droga por mecanismo ativo
      • MexAB-OprM
farmacocin tica
Farmacocinética
  • Absorção
    • Via oral  estáveis em meio ácido. Até 95% de biodisponibilidade.
    • Parenteral  IV e IM
    • São antimicrobianos tempo dependentes
  • Metabolização

A maioria não é metabolizada

  • Distribuição
    • Pouca penetração intracelular
    • A maioria atravessa barreira hematoencefá
  • Estável a temperatura ambiente
  • A maioria sofre excreção renal
slide8

4ª Geração

Gram positivos

3ª Geração

2ª Geração

1ª Geração

P. aeruginosa

Cefamicinas

Gram negativos

1 gera o
1ª. Geração:
  • Espectro de ação:
    • Cocos Gram + como S. aureus oxacilina sensível e S. pyogenes
    • Poucas Gram – como E.coli,Proteus mirabilis e Klebsiella pneumoniae
    • Cocos anaeróbios ( exceto Bacteroides fragilis)
  • Indicação clínica:
    • Infecções de partes moles, leves e moderadas.
    • Eventualmente em amigdalites purulenta ( S. pyogenes )
    • Infecções não complicadas do TU baixo ( E.coli sensível )
    • Infecções estreptocócicas e estafilocócicas extensas em caso de IC ou IR
    • Profilaxia de cirurgias limpas ou de sítios estéreis sem que haja abordagem de mucosas. ( Via parenteral )
1 gera o1
1ª. Geração
  • Resistência bacteriana:
    • Hemófilos
    • Enterococo
    • Bacterioidesfragilis
    • Pseudomonas
    • Bacilos gram- ( resistentes)
  • Contra Indicação:
    • Sinusites
    • Otites
    • Pneumonia
2 gera o
2ª. Geração
  • Espectro de ação:
    • Cobertura ampliada contra Gram –
    • Cocos gram-positivos
    • H.Infuenzae, M. catarrhalis
    • Enterobactérias (E.coli, Klebsiella, P. mirabilis, Salmonella, Shigella)
    • Bacterioides fragilis (Cefoxitina)
  • Indicação clínica:
    • Tratar sinusite, otite, faringite, amigdalite.
    • Infecções anaeróbias mistas ( peritonite ou diverticulite )
    • Pneumonia Comunitária ( não como 1ª. escolha)
    • Profilaxia de cirurgias que abordem mucosas; cardíacas; neurológicas; do trato gastrointestinal.
slide15

Infecções por Gram +

sinusite

otite

amigdalite

2 gera o1
2ª.Geração
  • Recomendações:
    • Não utilizar como droga de primeira escolha para meningite e pneumonia.
    • Não utilizar em infecções por Pseudomonas.
    • Não utilizar em Enterobactérias pois induz resistência.
3 gera o
3ª. Geração:
  • Espectro de ação:
    • Muito efetivas contra Bacilos Gram –
    • Ceftazidima e cefoperazona age contra Pseudomona aeruginosa
    • Tem ação contra Neisseria e Haemophilus produtores de beta- lactamases
    • Citrobacter, Serratia marcescens e Providencia ( algumas cepas podem produziz cefalosporinases )
    • Eficácia reduzida em relação as Gram +, comparada as gerações anteriores.
3 gera o1
3ª.Geração
  • Indicação clínica:
    • Tratamento da gonorréia.
    • Meningite ( exceto por Listeria monocytogenes )
    • Pneumonia comunitária
    • Sepse em imunocompetentes e imunocomprometidos
    • Infecção por pseudomonona ( ceftazidima )
    • Infecção do TU, abdominais e vias biliares.
    • Febre tifóide
    • Endocardites estreptocócicas
    • Osteomielites ambulatoriais.
slide20

Meningite

Gonorréia

4 gera o
4ª. Geração:
  • Expectro de ação:
    • Atividade aumentada em Gram – ( E. coli, Proteus mirabilis, Salmonella, Shigella, Klebsiella, Moraxella, Citrobacter, Enterobacter, H. influenza, Serratia )
    • Excelente ação contra Pseudomonas
    • Gram + incluindo pneumococo e estafilococo meticilino sensíveis
  • Indicações clínicas:
    • Pneumonias hospitalares
    • Infecções graves do trato urinário
    • Meningite por Bacilo G-
    • Infecções estafilocócicas oxacilina sensíveis
    • Granulocitopenia febril ( empírico )
4 gera o1
4ª.Geração
  • Resistência:
    • MRSA
    • Bactérias Atípicas
    • Klebsiella, Pseudomonas, Enterobacter, Citrobacter e Serratia ( algumas cepas )
    • Pneumococo muito resistente.
efeitos adversos
Efeitos adversos
  • São pouco freqüentes, pois são drogas de baixa toxicidade
  • Hipersensibilidade em 7% dos pacientes
    • Rash cutâneo, as vezes acompanhado com febre e eosinofilia
  • Reações mais raras
    • Doença do soro
    • Anafilaxia
    • Angioedema
    • Nefrotoxicidade
    • Efeitos hematológicos (citopenias)
  • Reações gastrointestinais não são habituais ( náusea, vômito e diarréia)
  • Neurotoxicidades ( cefepime, gerando convulsões )