slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
A História da Língua Portuguesa PowerPoint Presentation
Download Presentation
A História da Língua Portuguesa

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 149

A História da Língua Portuguesa - PowerPoint PPT Presentation


  • 100 Views
  • Uploaded on

A História da Língua Portuguesa. Dos romanos a Camões. Universidade Estadual do Maranhão UEMA. Benedito Salazar Sousa Licenciado em Letras pela UEMA- Cesi Especialista em Ensino de Língua e Literatura pelo Unasp - SP. Organograma da Língua.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'A História da Língua Portuguesa' - tim


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
universidade estadual do maranh o uema
Universidade Estadual do MaranhãoUEMA
  • Benedito Salazar Sousa
  • Licenciado em Letras pela UEMA-Cesi
  • Especialista em Ensino de Língua e Literatura pelo Unasp- SP
2000 a c o surgimento do latim arcaico s c vii a c at o fim do s c ii a c
2000 a.CO surgimento do Latim Arcaico ( séc. VII a.C. até o fim do séc. II a.C.)
  • Deslocamento dos povos indo – europeus para a região do Lácio;
  • LÁCIO: (do Latim Latium), onde se encontrava o povo romano.
2000 a c o surgimento do latim arcaico s c vii a c at o fim do s c ii a c1
2000 a.CO surgimento do Latim Arcaico ( séc. VII a.C. até o fim do séc. II a.C.)
  • Agricultores e criadores de animais;
  • Habitavam região vizinha ao norte dos etruscos e ao sul dos gregos;

ROMANOS:

2000 a c o surgimento do latim arcaico s c vii a c at o fim do s c ii a c2
2000 a.CO surgimento do Latim Arcaico ( séc. VII a.C. até o fim do séc. II a.C.)

ROMANOS:

  • Entre 700 a.C e 500 a.C.: construção da cidade Roma;
  • Os latinos falavam latim arcaico;
  • Formaram um dos mais formidáveis impérios do mundo.
slide7

500 a.CO Latim domina a Península Itálica

  • 500 a.C.: início da expansão latina;
  • 270 a.C.: domínio cultural e lingüístico da Península Itálica;
  • Período da criação da escrita padronizada;
500 a c o latim domina a pen nsula it lica
500 a.CO Latim domina a Península Itálica
  • Registros de documentos;
  • Textos literários, como os de Cícero que se tornaram imortais;
400 a c a l ngua da expans o o latim vulgar
400 a.CA língua da expansão – o latim vulgar

Em Roma, falava – se:

O latim culto: utilizado na política, nos documentos do império, no texto de ciências e artes;

E o latim vulgar, falado nas ruas pela maior parte da população, em geral analfabeta.

o latim vulgar
O latim vulgar

É um termo empregado para designar os dialetos vernáculos do latim falado principalmente nas províncias ocidentais do Império Romano.

Considera-se que tenha perdurado até o século IX aproximadamente, ou seja, até a diferenciação das línguas românicas.

(em latim, sermo vulgaris);

Latim vulgar

o latim vulgar1
O LATIM VULGAR

curiosidades

compara o
Comparação

Anfiteato em Pompéia

Arena em Cartago 300 a.C

latim vulgar a import ncia dos grafitos de pomp ia
LatimVulgar - A Importância dos Grafitos de Pompéia

Comunicação pictográfica formal : sistema primitivo de escrita em que se exprimiam as idéias por meio de cenas figuradas ou simbólicas;

Comunicação para o público: escrita em qualquer suporte (muro, pedra, madeira, etc.);

Os grafitos de Pompéia não são as primeiras manifestações de escrita alternativa.

slide14

Latim Vulgar - A Importância dos Grafitos de Pompéia

Os graffiti (grafitos em italiano) têm grande importância para a história da sociedade romana do século I, mas para a Filologia estas inscrições foram importantes porque contribuíram para o conhecimento do latim vulgar.

latim vulgar a import ncia dos grafitos de pomp ia1
Latim Vulgar - A Importância dos Grafitos de Pompéia

As paredes da parte nobre da cidade (Fórum) funcionavam como jornais murais para informar a comunidade. Estavam cobertas de grafitos com temas diversos.

latim vulgar a import ncia dos grafitos de pomp ia2
Latim Vulgar - A Importância dos Grafitos de Pompéia

Foram encontrados cerca de 10.000 dessas manifestações populares. Algumas de caráter pornográfico, outras de provocação a desafetos, muitas como propaganda política e tantas e tantas declarações de amor.

slide17

Propaganda Política

  • “Peço seu voto para eleger Gaius Julius Polybius duúnviro vereador. Ele tem bom pão”.
  • “Os ladrõezinhos apóiam Vatia para vereador”.
  • “ Os adoradores de Ísis unanimemente querem a eleição de Guacus Helvius Sabinus vereador.”
  • Vejamos alguns grafitos:
slide18

Esportes

  • “Vinte pares de gladiadores de Decimus Lucretius Satrius Valens, sacerdote vitalício de Nero filho de César Augusto, e dez pares de gladiadores de Decimus Lucretius Valens, seu filho lutarão em Pompéia nos dias 8,9,10,11 e 12 de abril. Haverá um programa completo de lutas com feras e toldos (para os espectadores) Aemilius Celer (pintou) sozinho ao luar”.
slide22

Declarações de Amor

“Marcus ama Spendusa”.

Marcus ama Spendusa.

“Cornelia Hele amatur ab Rufus”.

Cornelia Hele é amada por Rufus.

“Quisquis amat valeat”.

Boa sorte a quem quer que ame!

slide23

Outros

“Lucrum gaudium”.

O lucro é felicidade.

“Pituita me tenet”.

Peguei um resfriado.

“Virgula Tertio suo: indecen es”.

Virgula ao seu Tertius: Você é um inconveniente.

“Suspirum puellarum Cedalus thraex”.

Cedalus, o trácio, faz as garotas suspirar.

“Oppi, emboliari, fur, furuncule”.

Oppius, palhaço, ladrão, ladrãozinho.

200 a c latim l ngua 0ficial do imp rio romano
200 a.CLatim, língua 0ficial do Império Romano

Domínio das regiões em volta do Mar Mediterrâneo.

O latim difundiu a escrita entre os povos que não a conheciam e, por séculos, lhe impuseram o domínio.

  • Em seguida, quase toda a Europa.
400 a c a pen nsula ib rica
Celtas ao Norte;400 a.C – A Península Ibérica

A Ibéria era habitada por povos:

400 a c a pen nsula ib rica1
400 a.C – A Península Ibérica

A Ibéria era habitada por povos:

  • Celtíberos na região central;
400 a c a pen nsula ib rica2
400 a.C – A Península Ibérica

A Ibéria era habitada por povos:

  • Íberos no sul;
400 a c a pen nsula ib rica3
400 a.C – A Península Ibérica

A Ibéria era habitada por povos:

  • Na costa mediterrânea os Gregos e os Fenícios.
guerras p nicas
Guerras Púnicas

Na primeira guerra: Roma toma a Sicília;

guerras p nicas1
Guerras Púnicas
  • Obtém a hegemonia no mediterrâneo central;
slide32

Guerras Púnicas

  • Os cartagineses passam a olhar a Península Ibérica;
  • Buscam minerais e soldados;
slide33

Guerras Púnicas

  • Fundam Cartago Nova;
a invas o da pen nsula ib rica
A Invasão da Península Ibérica

PERÍODO: século III a.C

MOTIVO: a Hispania era uma região abundante em riquezas minerais.

Os romanos passaram a se interessar pela região.

A invasão romana da Península Ibérica iniciou-se no contexto da Segunda Guerra Púnica (218-201 a.C.). Cartago X Roma.

Mapa da Localização de Cartago

a segunda guerra p nica
A Segunda Guerra Púnica

Início: 218 a.C: osromanos e os cartagineses travam duras batalhas para dominar o comércio da região da Península Ibérica;

Sobre os cartagineses:mais experiência naval; Cartago já havia dominado as regiões que hoje são a Espanha e Portugal;

Sobre os romanos: melhores tropas de infantaria.

a segunda guerra p nica1
A Segunda Guerra Púnica

Guerra: cartagineses invadem Sagunto;

Os romanos tomam isso como desculpa para atacar;

Tropas cartaginesas: General Aníbal; 50 mil soldados; 37 elefantes.

Parte da tropa não resistiu, mas Aníbal entrou na Península Itálica em 217 a.C.

Percurso: caminharam 190 quilômetros cruzando os Alpes no inverno.

a segunda guerra p nica2
A Segunda Guerra Púnica
  • Roma: atraca sessenta e nova embarcações no porto de Ampúrias, atual Tarragona e estabelecem seu centro de operações. O s habitantes da Península dividem-se entre Cartago e Roma;
  • Roma não esperava por esse ataque;
  • Os romanos perderam a batalha;
  • Aníbal não conseguiu invadir Roma;
  • A cidade teve condições de se reerguer e contra-atacar.
a segunda guerra p nica3
A Segunda Guerra Púnica

Em 212 a.C, o cônsul Marcelo toma Siracusa e expulsa os cartagineses das terras de Cápua e Campânia;

O General Públio Cipião, o Africano, passa a comandar novas legiões em nova incursão;

Em menos de dez anos derrota completamente os cartagineses;

Uma coisa era vencer a Cartago e outra bem distinta era conquistar a Península, o que somente ocorreu após quase dois séculos.

a segunda guerra p nica4
A Segunda Guerra Púnica

Cartago não estava completamente exterminada e recuperava-se aos poucos;

Tornava-se novamente um incômodo para Roma.

a terceira guerra p nica
A terceira Guerra Púnica
  • Ano de 149 a.C inicia-se a III Guerra Púnica;
  • Em cerca de três anos, os habitantes do norte - africano

foram massacrados pelas legiões comandadas por Cipião

Emiliano, filho adotivo do lendário Cipião, o Africano;

  • Com essa derrota Cartago passa a ser apenas mais

uma província da Península Ibérica;

  • Os romanos provam que não admitem derrota e são

implacáveis contra seus inimigos.

guerras internas na pen nsula
Guerras internas na Península
  • Houve outras guerras internas, por exemplo, a resistência
  • Lusitânia (atuais Espanha e Portugal);
  • Roma inicia uma guerra sangrenta para expandir seus
  • domínios na Península Ibérica;
  • Queria consolidar seus territórios;
  • A Lusitânia parecia ser um local estratégico para evitar
  • Invasões africanas à Europa;
  • Os lusitanos contavam com o General Viriato,
  • homem decidido a barrar as legiões romanas;
guerras internas na pen nsula1
Guerras internas na Península
  • Viriato liderou os exércitos locais no período entre 147 a 139 a.C;
  • Venceu muitas batalhas sobre Roma;
  • Os nativos tinham um modo próprio de lutar;
  • Preferia as guerrilhas e emboscadas às batalhas em campo;
guerras internas na pen nsula2
Guerras internas na Península
  • Era um grande obstáculo para os generais romanos;
  • Tornou-se uma lenda para seu povo;
  • Os romanos derrotaram a Viriato, contratando um assassino e traidor lusitano.
guerras internas na pen nsula3
Guerras internas na Península

Em 58 a.C a tentativa de ocupação do território de Gália (atual França);

Os hélvicos comandados por Vercingetórix principal (líder das tribos celtas), e os romanos por o general Júlio César (100 a.C a 44 a.C).

Uma das mais sangrentas guerras;

Derrotas célticas;

Os romanos cercam e invadem a cidade de Avericum;

guerras internas na pen nsula4
Guerras internas na Península
  • Morreram mulheres, crianças e idosos;
  • De um povo de 40.000,00 restaram apenas 800.
  • O General Vercingetórix, agrupou inúmeros rebeldes celtas e fez para si um exército que tinha por objetivo destruir Roma.
  • Grandes combates seqüenciaram-se;
  • O alimento da esquadra de Vercingentórix acabara;
  • Ele entregara as armas e se rendera;
guerras internas na pen nsula5
Guerras internas na Península
  • Ele foi levado para Roma como troféu de guerra. Isso ocorreu no período de 58 à 51 a.C.
  • No ano de 56 a.C, as províncias estavam divididas administrativamente assim:
  • HISPÂNIA CITERIOR E HISPANIA ULTERIOR
  • OBSERVAÇÃO: AINDA ERA ÉPOCA DA REPÚBLICA ROMANA
hispania
Hispania

Hispania: nome dado

pelos antigos romanos a

toda a Península Ibérica

e às duas provícias criadas

posteriormente durante a

República Romana:

Hispânia Citerior;e

Hispânia Ulterior.

Hispania – Primeira divisão provincial

slide49

HISPANIA ULTERIOR: compreendia a atual Andaluzia, Portugal, a Extremadura, a província de Leão, grande parte da antiga Castilla la

Vieja, a Galiza, Astúrias, Catábria e o País Basco.

slide50

HISPANIA CITERIOR: compreendia a parte oriental da antiga Castilla la Vieja e as atuais Aragão, Valência, Catalunha e a maior parte da antiga Castilla la Nueva.

slide51
Ano de 27 a.C:
  • General Marcus Vipsanius: reorganizou a Península em três partes:
  • Hispania Citerior
  • Hispania Ulterior
  • Tarraconense
  • Essa reorganização foi consagrada pelo Imperador Cesar Augusto.
hispania ulterior
Hispania Ulterior
  • Hispania Ulterior Baetica;
      • capital : Córdoba.
      • O rio Anas, ou Annas (atual Guadiana, de Wadi-Anas) separavam a Hispânia Bética da Lusitânia;
  • Hispania Ulterior Lusitania:
      • Capital:Emerita Augusta (atual Mérida);
      • Excluídas a Galécia e as Astúrias;
hispania citerior
Hispania Citerior
  • Hispania Citerior:
    • Capital: Tarraco (atual Tarragona).
    • Com o tempo, a província ganharia importância e seria conhecida apenas porTarraconensis (Tarraconense);
    • Compreendia a Galécia (atual Galisa);
    • Compreendia norte de Portugal e Astúrias.
segunda divis o divis o provincial de augusto
Segunda Divisão - Divisão provincial de Augusto
  • Províncias imperiais: governador nomeado pelo Imperador;
    • Províncias Tarraconense

e Lusitânia;

  • Província senatorial: governador nomeado pelo Senado;
    • Bética: região menos conflituosa.
terceira divis o divis o provincial de diocleciano
Terceira divisão - Divisão provincial de Diocleciano
  • A parte ocidental

da Tarraconense foi

desanexada:

    • Primeiro como Hispânia Nova;
  • Depois recebeu o nome de Gallaecia (ou Galécia, hoje Galiza),durante a tetrarquia.
o processo de romaniza o
O processo de romanização
  • Na península Ibérica, a Romanização iniciou-se no século III a.C. e ocorreu concomitantemente com a conquista.
  • Essa romanização dá-se mais fortemente em locais acerca de Tarragonia do que no norte da Península.
  • Não se deu de igual forma em todas as regiões.
  • Para esse processo de aculturação foram determinantes a fundação de inúmeras cidades e a expansão do latim.
slide57

Romanização - língua

  • PROCESSOS:
  • O povo conquistado é obrigado a aceitar a língua de seus conquistadores como oficial;
  • Assim, o Latim expandiu junto com as conquistas das legiões romanas;
  • Mistura da língua local com o Latim;
  • Após certo tempo o Latim do Lácio já não era igual ao do Sul da Península Ibérica.
fatores de diferencia o
Fatores de diferenciação

Verificações de alguns fatores:

a cronologia da romanização: início no século III a.C;

2. o tipo de romanizador: soldados, mercadores, empregados do Estado como membros e escravos capturados em guerras;

  • Essas classes eram menos instruídas e por essa razão foi o latim vulgar e não o literário a ser expandido.
slide59

Fatores de diferenciação

  • Verificações de alguns fatores:
  • 3. As línguas pré-românicas: em cada região conquistada havia uma língua anterior:
    • Celtas: falavam-se o idioma céltico;
      • o povo celta deixou uma grande contribuição vocabular;
      • ainda hoje usamos palavras de substrato céltico como: “cabana (cappana ), cerveja (cervisia), etc.
slide60

Fatores de diferenciação

  • Comentários: Francisco da Silveira Bueno, A Formação Histórica da Língua Portuguesa, diz que: “Em documentos antiqüíssimos encontra Leite de Vasconcelos os antroponômios Cominius, Gallus, Lobesa, (...)Lovesa, Cantius, Tonquios, Reburrus, Adminius, Viriatus, Medamus, Rectygenus, embora pareçam latinos pela terminação, encerram todos em elementos celtas de formação.”(p.5)
slide61

Fatores de diferenciação

  • Fenícios e cartagineses: quase há contribuições fenícias ou cartaginesas, já que ambas centravam-se na região da costa do Atlântico de Espanha e não certamente não mantinham comércio com Algarves. Poucas, pois, são as palavras dessas origens que contribuem para a comunicação cotidiana dos falantes de português.
slide62

Fatores de diferenciação

  • Gregos: o latim incorporou inúmeras palavras recebidas da Magna Grécia.
  • Esses empréstimos ocorreram em três fases:
    • Primeira: os latinos transcreviam algumas consoantes gregas aspiradas como surdas simples;
    • Segunda: o latim adequou às aspiradas gregas segundo a roupagem da Grécia;
    • Terceira: o triunfo do cristianismo; o grego atinge as línguas românicas por meio do latim. Caracteriza-se: o valor do i atribuído ai ditongo ei, oi às vogais ê, y.
forma o de portugal
Formação de Portugal
  • Portugal está situado na faixa ocidental da Península Ibérica;
  • Formação:
    • conseqüência da Reconquista (processo de retomada pelos cristãos das terras que foram conquistadas pelos mouros na Península Ibérica no século VIII);
    • Mouros: nome genérico dado aos povos: sírios, árabes, mouros (da Mauritânia) e turcos; todos convertidos à Fé Islâmica;
slide65

Formação de Portugal

  • Os povos que antes habitaram a Península Ibérica deixaram suas marcas:
    • Na cultura;
    • No idioma;
    • Na religião.
      • Por exemplo os romanos, como o idioma latino.
      • Latim como base do galaico-português,
  • falado nas regiões ao norte e ao sul do Rio Minho.
slide66

Formação de Portugal

  • Inicia-se um período de inúmeras batalhas da guerra de reconquista e assim inúmeros reinos foram-se:
  • Reinos:
    • Leão;
    • Castela;
    • Navarra;
    • Aragão.
slide67

Formação de Portugal

  • Reino de Leão: pertencia o Condado Portucalense, território que se estendia do Rio Lima, ao norte, até a região de Coimbra, ao sul, tendo ao centro as terras banhadas pelo Rio Douro.
hist ria de portugal
História de Portugal
  • A origem de Portugal está ligada à história de dois casamentos e ao condado Portucalense.
  • Final do século XI: o norte da Península era governado pelo rei Afonso VI;
hist ria de portugal1
História de Portugal
  • As ações do Rei:
    • Luta pela expulsão dos muçulmanos;
      • Cavaleiros para lutar contra os mouros:
        • Dois nobres do ducado de Borgonha: Raimundo e seu primo Henrique.
    • D. Afonso VI tinha duas filhas: Urraca, filha legítima e única herdeira, e Teresa, filha bastarda.
hist ria de portugal2
História de Portugal
  • Casamentos:
    • Raimundo com Urraca: dote o governo da Galiza (que incluía o Condado Portucalense)
    • Teresa com Henrique: dote o governo do Condado Portucalense. (após muitos fracassos militares de D. Raimundo contra os mouros, Afonso VI decidiu dar em 1096 ao primo deste, o Conde D. Henrique, o governo das terras mais a sul do Condado da Galiza, fundando assim o Condado Portucalense).
hist ria de portugal3
História de Portugal
  • D. Henrique de Borgonha:
    • Lutou contra os mouros;
    • E anexou novos territórios a

seu condado.

    • Morreu em 1112;
    • A regência passa para D. Teresa, durante a menor idade de seu filho D. Afonso Henriques.
hist ria de portugal4
História de Portugal
  • Independência do Condado Portucalense: em 1128, Afonso Henriques;
  • Início de um longo período de lutas com as forças do reino de Leão;
  • Em 1143, pelo convênio de Zamora, Afonso VII, filho de D. Raimundo e Urraca, rei da Espanha, concedeu a Afonso Henriques o título de rei de Portugal.
o primeiro rei de portugal
O primeiro rei de Portugal
  • D. Afonso Henriques VII ( 1109- 1185):
  • Filiação: D. Teresa e Conde D. Henrique;
  • Nasceu em 1109;
  • 1132 e 1135: invasão da terra galega;
  • Mandou na Galiza to castelo de Celmes,
  • Afonso Henriques: defendeu o sul da Leiria, cercada pelos Mouro.
o primeiro rei de portugal1
O primeiro rei de Portugal
  • Acordos de paz sob pesadas condições, pactuada com o rei de Castela;
  • Foi aclamado imperador em Leão.
  • Morreu em 1185, aos 75 anos e foi sepultado em Santa Cruz de Coimbra;
  • No século XII, os muçulmanos dominavam somente o sul de Portugal;
  • Assume o trono, D. Sancho I, o seu segundo filho.
d sancho i
D. Sancho I
  • D. Sancho I
hist ria de portugal5
História de Portugal
  • Mapa das consquistas de Afonso Henriques e sucessores:
hist ria de portugal6
História de Portugal
  • O Reino de Portugal estabelece-se ao sul;
  • 1255: instalação do centro cultural em Lisboa e Coimbra;
  • 1290: Fundação da Universidade de Lisboa;
  • 1308: Transferência da Universidade para Coimbra.
hist ria de portugal7
História de Portugal
  • D. Afonso VI e seus cinco sucessores anexaram terras que juntas perfazem cerca de 3 vezes o território inicial.
  • Em 1249-1250, o domínio de Algarve;
  • Conquista da área costeira que se estende até o rio Minho:
    • obtenção das terras de Ribacoa e dos castelos da margem esquerda da Guadiana;
    • D.Dinis alcançou esse território em 12 de setembro de 1297 com a assinatura do Tratado de Alcanices.
o surgimento e etapas da l ngua portuguesa

O SURGIMENTO E ETAPAS DA LÍNGUA PORTUGUESA

Conforme a formação e contexto histórico de Portugal.

o per odo do romance 600 1000
O período do Romance (600 – 1000)
  • O romance loqui, expressão utilizada pelos romanos para designar o latim vulgar;
  • Romance: língua intermediária entre o Latim Vulgar e as futuras línguas românicas;
  • Não há conhecimentos detalhados sobre esse período, sabe-se apenas que:
    • Variava conforme a região;
    • Não podia ser considerado Latim, já que era diferente daquela língua falada em Roma;
slide83

O período do Romance (600 – 1000)

    • Variava quanto ao tempo:
      • Na França ficou até cerca de 800, data do surgimento do primeiro documento francês;
      • Na Ibéria, permaneceu até 1100, por razão não sabida;
  • Romance da Alta Idade Média: divide-se em dois grupos:
    • România Oriental;
    • România Ocidental;
slide84

O período do Romance (600 – 1000)

  • Romance Oriental: desenvolvido na região da Itália, Romeno e Sardo;
  • Romance Ocidental: falado na região da França, (...) e Portugal;
  • Este está subdivido em:
    • Galo-România: de onde provêm, por exemplo, o Francês;
    • Íbero-România: a que deu origem ao Português; Castelhano e Galego;
slide85

O período do Romance (600 – 1000)

  • Segundo Ataliba Teixeira de Castilho (lingüísta e professor da Universidade de São Paulo:
o per odo do romance 600 10001
O PERÍODO DO ROMANCE (600 – 1000)

“O século V marca o início do Romanço- período que se estende até o começo do século IX, em que ocorre a grande diferenciação do latim em uma multidisciplinaridade de falares. Trata-se de uma fase de transição, que resulta no aparecimento de textos escritos nas diversas línguas românicas. Dentre esses falares intermediários, é o romanço Lusitânico, bastante inovador, o que nos interessa principalmente”.

(Mattoso Câmara)

slide87

O período do Romance (600 – 1000)

Final do Romance: movimento da Reconquista. Objetivo: expulsão dos mouros, o que só ocorreu no século XV.

1000 d c o surgimento do galego portugu s
1000 d.C - O surgimento do galego - português
  • Segundo a autora Mattos e Silva o Português Arcaico passa por duas fases:
    • Primeira fase: o Galego Português – 1110 a 1350;
    • Segunda fase: Português Arcaico – 1350 a 1540.
1000 d c o surgimento do galego portugu s1
1000 d.C - O surgimento do galego - português
  • No Reino Portucalense falava – se o galego – português, que deu origem à língua portuguesa.
  • O galego-português apareceu durante o século XII e XV;
  • Em documentos oficiais da região de Galiza como em obras poéticas;
  • Os primeiros documentos em galego datam do século VIII, o testamento de Afonso II, em cerca de 1214.
documentos do galego portugu s
Documentos do galego - português
  • As primeiras obras literárias também datam do início do século VIII, são cantigas e estão dividias em quatro partes:
    • Cantigas de amor: eu-lírico masculino;
    • Cantiga de amigo: eu-lírico femino;
    • Cantiga de escárnio: sátirica e grosseira;
    • Cantiga de mal dizer: maledicente e grosseira.
d dinis
D. Dinis
  • Foi o sexto rei de Portugal;
  • Filiação: D. Afonso III e da infanta Beatriz de Castela;
  • Em 1279: aclamação em Lisboa;
  • Foi chamado:
    • O Lavrador ou O Rei-Agricultor;
    • O Rei-Poeta ou O Rei-Trovador;
      • Compôs Cantigas de Amigo e de Amor ;
      • Desenvolveu a poesia trovadoresca.
d dinis1
D. Dinis
  • Distribuição de suas cantigas em:
  • 73 cantigas de amor;
  • 51 cantigas de Amigo;
  • 10 cantigas de escárnio e maldizer;
  • Músicas.
cantiga de amigo d dinis
Cantiga de amigo – D. Dinis

Ai flores, ai flores do verde pinho

se sabedes novas do meu amigo,

ai deus, e u é?

Ai flores, ai flores do verde ramo,

se sabedes novas do meu amado,

ai deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amigo,

aquele que mentiu do que pôs comigo,

ai deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amado,

aquele que mentiu do que me há juradoai deus,

e u é?

(...)

m sica de d dinis

.

Música de D. Dinis

Praz-m' a mi, senhor, de moirere praz-m' ende por vosso mal,ca sei que sentiredes qualmíngua vos pois hei-de fazer;ca nom perde pouco senhorquando perde tal servidorqual perdedes em me perder.E com mia mort' hei eu prazerporque sei que vos farei talmíngua qual fez homem lealo mais que podia seera quem ama, pois morto for;e fostes vós mui sabedord'eu por vós a tal mort'haver.

E, pero que hei-de sofrera morte mui descomunal,com mia mort'oimais nom m'em cha,por quanto vos quero dizer:ca meu serviç'e meu amorserá-vos d'escusar peiorque a mim d'escusar viver.E certo podedes saberque, pero s‘ o meu tempo sal per morte, nom há já i alque me nom quer end'eu doerporque a vós farei maiormíngua que fez Nostro Senhorde vassal'a senhor prender

d afonso sanches
D. Afonso Sanches
  •   Trovador do final do século XIII e início do século XIV;
  • Filho bastardo do rei D. Dinis com sua amante favorita, D. Aldonça Rodrigues da Telha;
  • Como trovador, deixou-nos 15 cantigas, em galego-português;
  • No século XV, dará origem a duas línguas distintas: o galego e o português.
slide97

Documentos do galego - português

1214 Junho 27Testamento de D. Afonso II.

Linha 1

En'o nome de Deus. Eu rei don Afonso pela gracia de Deus rei de Portugal, seendo sano e saluo, temëte o dia de mia morte, a saude de mia alma e a proe de mia molier raina dona Orraca e de me(us) filios e de me(us) uassalos e de todo meu reino fiz mia mãda p(er) q(ue) de

slide98

Documentos do galego - português

Linha 2pos mia morte mia molier e me(us) filios e meu reino e me(us) uassalos e todas aq(ue)las cousas q(ue) De(us) mi deu en poder sten en paz e en folgãcia. P(ri)meiram(en)te mãdo q(ue) meu filio infante don Sancho q(ue) ei da raina dona Orraca agia meu reino enteg(ra)m(en)te e en paz.E ssi este for

slide99

Documentos do galego - português

Linha 3

morto sen semmel, o maior filio q(ue) ouuer da raina dona Orraca agia o reino entegram(en)te e en paz. E ssi filio barõ nõ ouuermos, a maior filia q(ue) ouuuermos agia'o ...

slide102

Cantiga de Amor em galego

A dona que eu am’ e tenho por senhor

amostrade-mh-a, Deus, se vos em prazer for,

se non dade-mh-a morte.

A que tenh’ eu por lume d’ estes olhos meus

e por que choran sempr’ , amostrade-mh-a, Deus,

se non dade-mh-a morte.

Essa que vós fezestes melhor parecer

de quantas sey, ay Deus!, fazede-mh-a veer,

se non dade-mh-a morte.

Ai, Deus! qui mh-a fezestes mays ca mim amar,

mostrade-mh-a u possa com ela falar,

se nom dade-mi-a morte.

o cancioneiro da ajuda
O cancioneiro da Ajuda

Foto tirada no museu da Língua Portuguesa

Tradução

o decl nio do galego portugu s
O declínio do galego-português
  • A partir do século VXI, com o domínio de Castela, introduz-se o castelhano como língua oficial;
  • O galego tem sua importância relegada ao plano secundário.
origem da l ngua portuguesa o portugu s arcaico
Origem da Língua Portuguesa - o Português arcaico

O português nasceu no noroeste da Península Ibérica;

No século VIX separa-se do galego;

Inicia-se com a independência de Portugal (1185) e consolidar-se-á com a expulsão dos mouros em 1249 e com a derrota em 1385 dos castelhanos que tentaram anexar o país.

a demanda do santo graal
A Demanda do Santo Graal

Um dos textos mais antigos conhecidos do português medieval ou arcaico.

d duarte de portugal
D. Duarte de Portugal
  • Filiação: João I de Portugal e Filipa de Lencastre.;
  • Sucedeu a seu pai em 1433;
  • Foi chamado O Eloquente ou O Rei-Filósofo;
  • Interessava-se por cultura e conhecimento;
  • Escreveu vários livros de poemas e sobre caça e também o tratado político O Leal Conselheiro.;
  • Seu reinado durou apenas 5 anos;
  • Convidou Fernão Lopes para se guarda mor da
  • Torre do Tombo.
slide110

D. DuartedePortugal

  • Fez dele cronista maior do Reino;
  • Estava preparando uma revisão do código civil português quando a doença o vitimou.
as cr nicas de fern o lopes
As crônicas de Fernão Lopes
  • Em 1418, Fernão Lopes foi designado pelo Rei D. Duarte para o cargo de guarda-mor da Torre do Tombo;
  • Escreveria crônicas sobre os reis a primeira dinastia;
  • Executou esse trabalho com afinco:
    • Interrogou testemunhas;
    • Levantou documentos, etc.
as cr nicas de fern o lopes1
As crônicas de Fernão Lopes
  • Tinha estilo espontâneo, quase coloquial;
  • Apresenta-se como um historiador seguro;
  • Da vasta obra que redigiu, restaram apenas três:
    • Crônica d’El Rei D. Pedro;
    • Crônica d’El Rei D. Fernando;
    • Crônica d’El Rei D. João I.
as cr nicas de fern o lopes2
As crônicas de Fernão Lopes
  • Abaixo trecho da Crônica de D. João I;

“Em outro dia pela manhã partiu o mestre daquela aldeia u dormira, e começou de andar seu caminho, sem trigança alguma desacostumada; e no caminho dizem que descobriu o Mestre esta cousa a alguns seus, convém a saber: o Comendador de Jerumenha, e a Fernando Álvares (...)” p.49 PINHEIRO, Everaldo José de Campos – Literatura Portuguesa, das origens ao Arcadismo.

gil vicente
Gil Vicente
  • Nesse período surgem autores como Gil Vicente;
  • Nasceu entre os anos de 1470 e 1475, em local desconehcido;
  • Trabalhou na Casa da Moeda, como mestre de balança;
gil vicente1
Gil Vicente
  • No ano de 1503, nasce o D. João III:
    • Monólogo do Vaqueiro ou Auto da Visitação;
      • visitação: idéia Teocentrica (a visita de Deus na Terra trazendo o Rei);
      • Primeira vez que o Teatro sai da Igreja;
    • Auto Pastoril Castelhano:
      • Apresentação em castelhano em homenagem a Rainha;
      • Os reis passaram a ser seus mecenas;
gil vicente2
Gil Vicente
  • Faz o balanço de duas épocas:
    • Sociedade regida por normas inflexíveis;
    • Sociedade subversora da antiga norma;
    • Faz críticas sociais por meio de sua obra.
slide117

Gil Vicente

  • Sua obra divide-se em três fases:
  • A primeira, 1502 a 1509: predominantemente religiosa e com tendência para o lirísmo;
  • A segunda: apresenta o teatro, crítica social, mas ainda um pouco ligado à religiosidade;
  • A terceira: maturidade e grandes definições de qualidades artísticas do poeta, sendo que suas obras mais representativas são:
gil vicente3
Gil Vicente
  • Principal autor anterior a Camões;
    • Incorpora em sua escrita elementos populares;
  • Tinha prestígio na corte, que manteve o teatro vicentino durante 34 anos.

Gil Vicente como normalmente é representado

slide121

Gil Vicente

  • Deve-se levar em consideração que nessa época:
    • A poesia torna-se popular graças à imporensa;
    • A poesia perde a música, mas não a musicalidade;
    • Acaba-se o distanciamento: NÃO se escreve mais para a nobreza;
    • O sentimento não tem seletividade social, ou seja, as classes não interferem;
    • A primeira vez que o Teatro sai da Igreja.
fim do portugu s arcaico
Fim do português arcaico

No século XIV surge a prosa literária em português, com a Crónica Geral de Espanha (1344) e o Livro de Linhagens, de dom Pedro, conde de Barcelos.

1400 as grandes navega es1
1400 – As grandes Navegações

Portugal ascende com as grandes navegações;

Expande a Língua Portuguesa.

1400 as grandes navega es2
1400 – As grandes Navegações

Portugal investe nas navegações;

O mar já não o separa de canto algum.

1400 as grandes navega es3
1400 – As grandes Navegações

Carta de poder concedida a Cabral como capitão-mor da armada de 1500.

1400 as grandes navega es4
1400 – As grandes Navegações
  • Descobrindo novas terras, palavras foram incorporadas ao léxico;
o portugu s moderno
O Português Moderno

Século XVI: aparecimento das primeiras gramáticas:

Definem a morfologia e a sintaxe;

A língua entra na sua fase moderna:

Os Lusíadas, de Luis de Camões (1572):

O português já é muito próximo do atual;

Após isso, as mudanças serão menores.

o portugu s moderno1
O Português Moderno
  • 1580-1640: Portugal foi governado pelo trono espanhol;
  • O português incorpora palavras castelhanas, como bobo e granizo;

Sobre essa passagem do português arcaico para o português moderno, assim escreve Clarinda de Azevedo Maia:

o portugu s moderno2
O Português Moderno

"... é costume tomar alguns acontecimentos de caráter extralingüístico para assinalar o fim do período arcaico da língua portuguesa: o aparecimento do livro impresso, em finais do século XV, que teve profundas conseqüências culturais e lingüísticas, ainda não suficientemente avaliadas; a expansão ultramarina, que converte o português em língua de outros territórios, depois de superadas as situações de conflitos de línguas que se criaram paralelamente a situações de conflitos culturais; o início da reflexão lingüística sobre o português, empreendida por gramáticos, a partir de Fernão de Oliveira que, em 1536, publica a Grammatica da lingoagem portuguesa".

primeiras gram ticas fern o de oliveira
Primeiras Gramáticas – Fernão de Oliveira
  • Por ordem cronológica, foi Fernão de Oliveira, o primeiro a publicar, em 1536, a Grammática da língoagem portugueza;
  • Forrava-se com citações de Varrão, Cícero, Quintiliano;
  • Observador da pronúncia, notando já várias diferenças dentro do país.
primeiras gram ticas
Primeiras Gramáticas
  • Foi publicada em 1536 por Fernão de Oliveira;
  • A obra apresentava 50 capítulos:
    • A história da linguagem;
    • Noções de sintaxe;
    • Destaque para os aspectos sonoros.
  • O seu conceito de gramática era clássico: "a arte de falar e escrever corretamente".
primeiras gram ticas1
Primeiras Gramáticas
  • Há plágio;
  • Fernão de Oliveira cita o próprio João de Barros em sua gramática: “vem o fidalgo, reproduz a doutrina do antecessor ampliando-a, certamente, mas nem sequer faz alusão ao trabalho dele. Ao contrário, diz que é o primeiro a publicar uma gramática. Assim farão depois os que se forem servindo do trabalho de seus antecessores, mas calando-lhes os nomes.”
primeiras gram ticas jo o de barros
Primeiras Gramáticas – João de Barros
  • João de Barros publica a sua Grammatica da língua
  • Portugueza em 1540;
  • Trata da ortografia;
  • Capítulo especial dedicado à “declinação dos nomes”,
  • como em latim;
  • Está ligado ao passado.
lu s vaz de cam es
Luís Vaz de Camões
  • Nasceu entre 1524 e 1525 (não se sabe ao certo) , na cidade de Lisboa (outros afirmam que pode ter nascido em Alenquer, Coimbra ou Santarém);
  • Filho de um nobre decaído;
  • Hipoteticamente, um nobre;
  • Freqüentador da corte de D. João III;
  • Isso contribuiu para sua formação intelectual;
  • Leu Petrarca;
  • Aprendeu a fazer um tipo de composição poética com Ariolso;
lu s vaz de cam es1
Luís Vaz de Camões
  • Engajou-se no exército por nutrir um amor proibido pela princesa D. Caterina;
  • Em 1547 partiu como soldado raso para Ceuta;
  • Alguns dizem que ele perdeu um olho:
    • Em combate;
    • Em duelo defendendo a honra de uma dama;
    • Olhando uma dama pelo buraco da fechadura e ela percebendo cutucou o olho dele com um palito de cabelo.
lu s vaz de cam es2
Luís Vaz de Camões
  • Fez o percurso de Vasco da Gama, chegando a Macau (China);
  • Conheceu Dinamene e por ela se apaixonou;
  • Foi enviado para a Índia (Dinamene foi junto);
    • Em Goah, cuidava dos atestados de óbito;
    • Começou a escrever os Lusíadas;
    • Não queria voltar para Portugal;
lu s vaz de cam es o retorno para portugal
Luís Vaz de CamõesO retorno para Portugal
  • O navio naufragou;
  • Morre Dinamene, sobre esse caso existem algumas versões:
    • Primeira (mais conhecida): Camões preferira salvar Os Lusíadas a Dinamene;
    • Segunda: Camões colocara a obra dentro de uma bolsa de couro impermeável, pois a maresia poderia estragar o livro. O navio naufragou e a bolsa com a obra boiou. O autor agarrara-se á bolsa e assim pudera se salvar.
lu s vaz de cam es3
Luís Vaz de Camões
  • Ele escrevera um soneto para a amada: Alma minha gentil que te partiste;
  • Desertou à Marinha;
  • Completou Os Lusíadas em Portugal;
  • Dedicou a obra ao Rei D. Sebastião;
  • Recebe mesada do Rei, a qual mal lhe sustentava.
  • Foi o primeiro sonetista;
  • Maior poeta épico da Língua Portuguesa;
lu s vaz de cam es a l ngua sob modifica es
Luís Vaz de CamõesA língua sob modificações
  • Na época em que Os Lusíadas foi escrito a língua portuguesa passava por grandes modificações.
  • Tentava-se aproximar o português do latim literário;
  • Mexeu-se me todos os vocábulos latinos que se pode, “dando assim ao português literário um cunho inteiramente artificial e desusado, ao ponto de não se mais reconhecido como língua materna pelo povo que o não compreendia.” (Francisco da Silveira Bueno).
lu s vaz de cam es a l ngua sob modifica es1
Luís Vaz de CamõesA língua sob modificações
  • “Nem era só vocabulário, mas toda a sintaxe, o estilo com figuras, com seus recursos muito bem regulados pelos tratados de retórica já então conhecidíssimos, tudo fazia do português literário de quinhentos, uma língua muito diversa daquela, por exemplo, em que Gil Vicente havia composto todo seu teatro popular.” (Francisco da Silveira Bueno).
  • (...) lingoa, na qual quando imagina,
  • com pouca corrupção crê que he a Latina.
  • (Lus. I – 33)
lu s vaz de cam es a l ngua sob modifica es2
Luís Vaz de CamõesA língua sob modificações
  • Obediência ao princípio latino da luta contra a rusticidade do povo;
  • Aparecimento de dois tipos de português: o popular e o literário.
o portugu s antes e depois de lu s de cam es
O português antes e depois de Luís de Camões
  • O estudo camoniano é de suma importância para a compreensão da língua portuguesa;
  • Camões: um dos primeiros a escrever no que é classificado como “português moderno”;Ele é o divisor entre a época arcaica e moderna;
  • Em Os Lusíadas, estrofe 33 do Canto I, destaca-se a íntima relação entre o português que se estruturava e o latim;
  • Comparação à Cantiga da Ribeirinha, de Paio Soares de Taveirós.
o portugu s antes e depois de lu s de cam es1
O português antes e depois de Luís de Camões

Os Lusíadas

Cantiga da Ribeirinha

Escrito em 1572;

Português moderno;

Vocabulário muito parecido com o contemporâneo;

Escrito em 1189 - 1198

Galego-português;

Léxico completamente diferente;

o portugu s antes e depois de lu s de cam es2
O português antes e depois de Luís de Camões

Os Lusíadas, estrofe 33 do Canto I

Cantiga da Ribeirinha, de Paio Soares de Taveirós

Vênus bela,Afeiçoada à gente Lusitana, Por quantas qualidades via nela Da antiga tão amada sua Romana,(...)E na língua, na qual quando imagina, Com pouca corrupção crê que é latina.

"No mundo nom me sei parelha,

 mentre me for' como me vai, ca ja moiro por vos - e ai mia senhor branca e vermelha,

queredes que vos retraia quando vos eu vi em saia! Mao dia que me levantei, que vos enton nom vi fea! "

"E, mia senhor, des aquel di' , ai!  me foi a mim muin mal, e vós, filha de don Paai Moniz, e ben vos semelha d'aver eu por vós guarvaia, pois eu, mia senhor, d'alfaia nunca de vós ouve nem ei valia d'ua correa".

nomes
Nomes
  • Berenice Medeiros;
  • Carolina Dzimidas Alvarenga;
  • Ilana Neves Gonçalves;
  • Janierk;
  • Priscila Piccirillo Leite;
  • Vanessa Lucatto da Silva;
  • Viviane Baroni Luttke.