slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
CAP. 17 No Limiar das Cavernas PowerPoint Presentation
Download Presentation
CAP. 17 No Limiar das Cavernas

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 27

CAP. 17 No Limiar das Cavernas - PowerPoint PPT Presentation


  • 78 Views
  • Uploaded on

CAP. 17 No Limiar das Cavernas. 17 No Limiar das Cavernas. Calderaro e André se juntam ao grupo de Cipriana que iria a s cavernas de sofrimento .

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'CAP. 17 No Limiar das Cavernas' - thisbe


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide2

CAP. 17

No

Limiar

das

Cavernas

17 no limiar das cavernas
17 No Limiar das Cavernas
  • Calderaro e André se juntamaogrupo de Ciprianaqueiriaas cavernas de sofrimento.
  • Questionadosquanto a idade André as cavernas, foiesclarecidoqueeleestavainteressadoemobterinformes da vidanasesferasinferiores, paraosrelataraoscompanheirosencarnados, auxiliando-osnapreparaçãonecessária à ciência de bemviver.
  • Cirprianaporém, comoresponsável, pelosserviçosdiretos da expedição, nãoaceitouadmiti-lo nessaexpediçãopois André nãopossuia o curso de assistênciaaossofredoresnassombrasespessas.
  • E disseque se Eusébiofoilevado a sugerirestaoportunidade, é que André Luiz tem nestessítiosurgenteserviço a prestar.
17 no limiar das cavernas1
17 No Limiar das Cavernas
  • ConvidouCalderaroa permanecer, emcompanhiade André, no limiar das cavernas, semdesceremcom eles; mesmoaí, estudiosoque é, eleencontraráinesgotável material de observação, semnecessidade de enfrentarsituaçõesembaraçosas, para as quaisaindanão se aprestouconvenientemente.
  • Seguiramentãoàcaminho da zonasombria. E começava a divisartremendosprecipícios, ondeentidadesculposasse interpelavamumasàsoutrasemdeploráveisatitudes; virachoverfaíscaschamejantes do firmamentosobreos vales da revolta.
  • Laceravam-me o coração as vozeslamentosasdispersas. Nãoeramlamentaçõesapenas; à proporçãoquenosadiantávamos, descendo, modificava-se a gritaria; ouvíamostambémgargalhadas, imprecações.
17 no limiar das cavernas2
17 No Limiar das Cavernas
  • Estacamosemenormeplaníciepantanosa, ondenumerososgrupos de entidadeshumanasdesencarnadas se perdiam de vista, emassombrosadesordem, à maneira de milhares de loucos, separadosuns dos outros, ouaosmagotes, segundo a espécie de desequilíbrioquelhes era peculiar.
  • Percorremosalgunsquilômetrosemplano horizontal e, quandoo terreno se inclinou, de novo, abrindooutrasperspectivasabismais, Irmã Cipriana e oscolegasse despediramde nós, deixando-nos, com o aviso de quevoltariam a buscar-nosdentro de seishoras.
  • Analisando a situaçãoaoredor, pareceu-me queaquelepovodesencarnadonão se davaconta da própriasituação
17 no limiar das cavernas3
17 No Limiar das Cavernas
  • Enquantodensasturbas de almas torturadas se debatiamemsubstânciaviscosa, no solo ondeandávamos, assembléias de Espíritosdementesenxameavamnãolonge, emintermináveiscontendasporinteressesmesquinhos.
  • Video: http://youtu.be/HwrmILnrzbk

Certosgruposvolitavam a pequenaaltura, comobandos de corvosnegrejantes, maisescurosque a própriasombra a envolver-nos, aopassoquevastoscardumes de desventuradosjaziamchumbadosao solo, quaisavesdesditosas, de asaspartidas.

17 no limiar das cavernas4
17 No Limiar das Cavernas
  • Impressionado, André questionouCalderaro se elespermaneciamdesamparados, entregues a simesmos.
  • Calderarorespondequeinúmerospostos de socorro e variadasescolas, emquemuitagentepratica a abnegaçãofuncionamnaárea. Ospadecentes e as personalidadestorturadassãoatendidas, de acordo com as possibilidades de aproveitamentoquedemonstram.
  • Quantoàvolitaçãoexplicouquedepende, fundamentalmente, da força mental armazenadapelainteligência; importa, contudo, considerarqueosvôosaltíssimos da alma só se fazempossíveisquando à intelectualidadeelevada se alia o amor sublime.
17 no limiar das cavernas5
17 No Limiar das Cavernas
  • Jáviste, emnossacoloniaespiritual, irmãossofredoresconvenientementeamparados; algunsaindasofremestranhasperturbaçõesalucinatórias, outros sãoguardados à maneira de múmiasperispiríticasemletargiaprofunda, aguardando-se-lhes o despertar; outros povoamvastasenfermariaspara se reergueremespiritualmentepouco a pouco.
  • Aqui, no entanto, se congregamverdadeirastribos de criminosos e delinquentes, atraídosunsaos outros, consoante a natureza de faltasqueosidentificam.
  • Retardam-se, àsvezes, anos a fio, obstinando-se noserros a que se habituaram, e, vigorandoimpulsosinferiorespelaincessantepermuta de energiasuns com os outros, passam, emgeral, a viver, não só a perturbaçãoprópria, mas também o desequilíbrio dos demaiscompanheiros de infortúnio.
17 no limiar das cavernas6
17 No Limiar das Cavernas
  • Prisioneiros de simesmos, cerram o entendimentoàsrevelações da vida e restringemoshorizontesmentais, movimentando-se emseupróprio interior, emaçãoexclusiva, nosimpulsosprimários, a cultivar o pretéritoquedeveriamexpungir.
  • Emmelhorando, sãoassistidosporativas e abnegadascongregações de socorroqueaquifuncionam.
  • Destevastíssimo arsenal de alienação da mente, ensombrada de culpas, sai o maiorcoeficiente das reencarnaçõesdolorosasquepovoamoscírculoscarnais.
18 velha afei o
18 VelhaAfeição
  • Nãohavíamosatravessadograndedistância, quando curiosa assembléia de velhinhos se postouaonossolado.
  • Esfarrapados, esqueléticos, traziam as mãoscheias de substâncialodosaquelevavam de quandoemquandoaopeito, ansiosos, aflitos.
  • Um deles comentou: Precisamos de algumasalda. Nãopodemos com delongas. E nossosnegócios? nossas casas? Incalculável é a riquezaquedescobrimos..
  • E indicava com ufaniaospunhados de lodo a escorregar-lhe das mãos.
18 velha afei o1
18 VelhaAfeição
  • Calderaroexplicouqueeramusuráriosdesencarnados há muitosanos. Desceram a tãoprofundograu de apego à fortuna material transitória, que se tornaramineptosaoequilíbrionazona mental do trabalhodigno.
  • Menosprezavamdireitosalheios e escarneciam das aflições dos outros. Armavamverdadeirasciladas a companheirosincautos, no propósito de sugar-lhes as economias
  • Tantossofrimentosdifundiram com as suasirrefletidasações, que a matéria mental das vítimas, emmaléficasemissões de vingança e de maldição, lhesimpôsetéreacouraçaao campo das idéias; assim, atordoadas, fixam-se estasnosdelitos do pretérito.
  • Nãopodemospredizerquandodespertem, dada a situaçãoemque se encontram.
18 velha afei o2
18 VelhaAfeição
  • Foientãoque um dos velhinhosfalou: - Amigos, nãoseremosvítimasdumpesadelo? Às vezes, chego a suporqueestamosequivocados. Há quanto tempo deambulamosfora do lar? Ondeestamos? Nãoteríamosenlouquecido?
  • André reconheceuaquelavoz e umadúvida se apoderou dele.
  • Fixei-lheostraços. Oh! seriapossível? AqueleEspíritodesventuradorecordavameuavôpaternoCláudio, que era afeiçoado a mimdesdeosmeusmaistenrosanos.
  • Nãome lembrava da história dele, com particularidadesespeciais; entretanto, nãoignoravaquefizeraconsiderávelfortunaemágiosescandalosos, curtindoespinhosavelhicepeloexcessivoapegoaodinheiro. Nosúltimosanos do corpo via delatores e ladrõesportoda parte.
18 velha afei o3
18 VelhaAfeição
  • Foientãoque um dos companheirosfalou: - Pesadelo? nunca, nunca! Ó Cláudio, nãotesensibilizestanto!
  • A confirmaçãodeixou André estarrecido, quisgritar mas nãopode.
  • Calderarocomentouque agora entendia a significaçãoda vinda de André a estasparagens. E dissequenãotinhamtempo a perder. O velhorevela-se receptivo. Começou a entenderqueprovavelmenteestaráemerro, quetalvez respire atmosfera de pesadelo cruel. Ajudemo-lo. Urge auxiliar-lhe a visão, paraquenosenxergue.
  • O instrutorpassou a aplicarrecursosfluídicossobreosolhosdo ancião.
18 velha afei o4
18 VelhaAfeição
  • A entidadeganhouprovisórialucidez, viu-nos e assustadogritou: - Oh! queluzdiferente!
  • Desdemuitoestoupresonestaregiãomisteriosa, referta de perigos e de monstros, mas abundante de ouro, de muitoouro... Oh! porpiedade! ajudai-me a sair... Querovoltar.
  • E, ajoelhado, de braçosestendidos, repetia: - Voltar..., reverosmeus, sentir-me em casa novamente!
  • Aproveitando-se dessalucideztemporária, André comentaqueelejahaviadesencarnadoa mais de quarentaanos e lhemostraquetodo o ouroqueeleacreditavaestarcarregando era naverdade lama.
18 velha afei o5
18 VelhaAfeição
  • Cláudioentãoconfessasuahistória.
  • Aomorrer, meupaiconfiou-me umairmã, quenão era filhalegítima de nossa casa. Minhamãe, dedicada e santa, criou-a com o mesmoinfinitodesveloque a mimmesmo. Quando me vi, porém, sozinho, escorracei-a do ambientedoméstico. Proveiquenãopartilhavameuslaçosconsanguíneos, paramelhorassenhorear-me da fortunaquemeupainoslegara. A pobrezinhaimplorou e sofreu; no entanto, releguei-a a miseráveldestino.
  • E questiona: Onderespiraráminhairmã, a quemdespojei de todososrecursos? Porquenão me ensinaram, na Terra, que a vidaprosseguiriaparaalém do sepulcro?
  • Só umapessoano mundo se recordaráde mim e me estenderiamãosprotetorasse soubesse do meuparadeiro. Meuneto André Luiz.
18 velha afei o6
18 VelhaAfeição
  • Consolava-me com a idéia de que o neto do meucoração, de algummodo, gastaria o dinheiroqueeuindebitamenteaferrolhara, educando-se, comoconvinha, parabeneficio de todos... Seria o benfeitor dos pobres e dos doentes, espargiriasementesdadivosasondeminhaexistênciainútilespalharapedras e espinhos de insensatez.
  • André pensounoslongosanosque o míseroteriagasto, ali, agarradoàsidéias de posse financeira; compreendeua extensãodo débitopara com ele, relativamenteaodiploma de médicoquenãosouberahonrar no mundo.
  • Ajoelhou-se entãoaospés do ancião, beijando-lhe as mãos e perguntou: - VovôCláudio, pois o senhornão me reconhecemais?
  • E, com o apoio de Calderaro, transportaCláudiopara a entrada das cavernas.
19 reaproxima o
19 Reaproximação
  • Com o retorno de Cirpiana, ficouacordadoqueCláudioseriainternadoem um recollhimentoporalimesmopoisnãopossuia a capacidade de acompanhá-los.
  • Cláudionãoguardavarazoávelequilíbrio: pronunciavafrasesdesconexas, emque o nome de Ismênia era repetido a cadapasso.
  • Ciprianacomentouqueparamelhorar com maisrapidez e eficiência, deveriaretornar à experiência carnal.
  • E entãopassa a ouvir a história de Cláudio e Ismênia. E queelafoicompelida a aceitaremresidênciade famíliaabastada, um lugar de copeira com remuneraçãodesprezível.
19 reaproxima o1
19 Reaproximação
  • Ismêniadesposara um analfabeto, homem rude e cruel, que a seviciara e lhederaalgumasfilhasemdolorosascondições de miserabilidade.
  • Ciprianaentão, verifica a necessidade da reaproximação com Ismênia, quenãosabemosonde se encontra, se encarnadaounão, e o imperativoda pobrezaextrema, com trabalhointensivo, paraquereeduque as própriasaspirações.
  • Ésolicitado a investigaçãonaCrostaTerrestre a fim de descobrir o paradeiro de Ismênia.
  • Emissáriostrouxeram a informação de queelareencarnara no mesmotroncodoméstico e quevivianafasejuvenil das forçasfísicas.
19 reaproxima o2
19 Reaproximação
  • CiprianacomentaqueCláudioficariainternadona casa de assistênciafraternaporaproximadamentedoisanose queiriambuscarIsmêniaparaostrabalhospreparatórios de reaproximação.
  • Em plena madrugadaentramrespeitososnahumilderesidênciaemqueIsmênia se encontra.
  • Ela e agora a sextafilhadaquelasenhoraque, naexistênciafísica, era conhecidaporneta da velhaIsmênia, cujapersonalidade, para a famíliaterrena, se perdera no tempo e quenão era outrasenão a menina e moça, sob nossosolhos, de voltaàstarefasaperfeiçoadoras da luta carnal.
19 reaproxima o3
19 Reaproximação
  • Ciprianacolocoua destrasobre a fronte da jovemadormecida, como a chamá-la até nós. E passadoalgunsminutos, veio a terconosco.
  • E apósrápidaconversa, pergunta a ela: - Precisamos de tuacolaboração e nãodesejamosser amigos inúteis. Emquetepodemosservir?
  • IsmêniarogaauxilioparaNicanor. Somosnoivos, há quasedoisanos, mas somospobres. Temossonhado com a organização de um larpequeno e modesto, sob a proteção da DivinaProvidência. Poderemosaguardar a aprovação de Deus?
  • CiprianarespondequeNicanorteránossoamparo e tuasesperançasnossa viva contribuição. Esperamos, porém, algo de teuconcurso...
19 reaproxima o4
19 Reaproximação
  • Ismêniaéentãolevadaaoencontro de Cláudio, mas paraquenão se impressionasse com as paisagensporondepassariam, seurosto e cobertopor um véu.
  • Cláudio a reconhece de imediato, Ismêniaporémficaconfusa com a situação.
  • Ciprianaaplicairradiaçõesmagnéticas, provocandoa emersão da memóriaemseusmaisimportantescentrosperispiríticos.
  • André nota, assombrado, quealgo de anormalsucederanamente da jovem, porqueseusolhos, dantesdoces e tranquilos, se tornaramdilatados e inquietos.
19 reaproxima o5
19 Reaproximação
  • Ismêniarelembra o passado, mas o amor, sempredivinonamulher de aspiraçõeselevadas, triunfou no olharenternecido de Ismênia, que, plenamentemodificada, se abraçouaodoente.
  • Ciprianapergunta se elapoderiaauxiliarCláudio, emfuturopróximo. Cooperandoconoscoem favor dele, recebendo-o nosbraçosabnegados de mãe, se a Lei Divinaautorizar o matrimônio.
  • Respondeque se o Céuconceder a felicidade de com algocontribuirembenefício de Cláudio, essebenefício será feito a mimmesma; e, se um diaeureceber a ventura conjugal, será nossoprimeiro e bem-amadofilhinho. De antemão, seiqueNicanor se regozijarácom o meucompromisso.
slide25

Cap. 20

No Lar de Cipriana

20 no lar de cipriana
20 No Lar de Cipriana
  • A maioria dos companheirosqueaitrabalhavamnãoeramportadores de luminosaexpressão, mas típicaspersonalidadeshumanasemprocessoregenerador.
  • Irmã Ciprianaidealizouesteamorávelreduto de restauraçãoespiritual e concretizou-o, usandoosprópriosirmãossofredores e perturbadosquevagueiamnasregiõescircunvizinhas.
  • A organizaçãofunciona sob a vigilância dos próprioscompanheirosquevãomelhorando.
  • Quantos se nosdeparavam, exibiamatitudeiniludível de trabalho e de renovação; aindamesmoosaleijados e doentesqueaíestacionavam, emgrandenúmero, mostravamdisposições de otimismotransformador.