Módulo de Procedimentos de Emergência – AULA 3 Prof.ª Andréa de Vasconcelos Freitas Pinto - PowerPoint PPT Presentation

m dulo de procedimentos de emerg ncia aula 3 prof andr a de vasconcelos freitas pinto n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Módulo de Procedimentos de Emergência – AULA 3 Prof.ª Andréa de Vasconcelos Freitas Pinto PowerPoint Presentation
Download Presentation
Módulo de Procedimentos de Emergência – AULA 3 Prof.ª Andréa de Vasconcelos Freitas Pinto

play fullscreen
1 / 48
Módulo de Procedimentos de Emergência – AULA 3 Prof.ª Andréa de Vasconcelos Freitas Pinto
177 Views
Download Presentation
terra
Download Presentation

Módulo de Procedimentos de Emergência – AULA 3 Prof.ª Andréa de Vasconcelos Freitas Pinto

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Módulo de Procedimentos de Emergência – AULA 3 Prof.ª Andréa de Vasconcelos Freitas Pinto FTSTFormação Técnica em Segurança do Trabalho

  2. Primeiros Socorros • Objetivo dos Primeiros Socorros • Transporte de vítimas • Biossegurança • Acessórios e Materiais Usados no APH

  3. Objetivo da disciplina Desenvolver competências para prestar auxílio imediato à vítimas de acidentes e mal súbitos, mantendo-a com vida até a chegada de auxílio competente, reduzindo complicações por atendimentos totalmente leigos.

  4. Primeiros Socorros • Identificar enfermidade ou estado fisiológico, com base nos sinais vitais, visando nortear ações e condutas no ambiente pré-hospitalar.

  5. Primeiros Socorros Objetivo específico: saber aferir e interpretar os sinais vitais. • Frequência respiratória, • Frequência cardíaca, • Pressão arterial, • Temperatura corporal, • Coloração da pele, • Estado das pupilas, • Estado de consciência, • Capacidade de movimentação e reação à dor.

  6. Sinais • São informações que o examinador poderá obter fazendo uso dos sentidos – visão, tato, audição e olfato.

  7. Exemplo ESTADO DE CHOQUE SINAIS- Pele fria, sudorose, palidez de face, respiração fraca, visão turva, pulso fraco, semi consciência, vertigem ou queda ao chão.

  8. Sintomas São sensações que a vítima experimenta e é capaz de descrever. • Exemplo: dores, febre, vômitos, etc.

  9. Pulso • É uma onda de pressão gerada pelo batimento cardíaco e propagada ao longo das artérias. • O pulso é palpável em qualquer área onde uma artéria passe sobre uma proeminência óssea ou se localize próxima à pele.

  10. Pulso Alterações na frequência e volume do pulso representam dados importantes no atendimento pré-hospitalar. • Bebê 100 a 160 bpm • Criança 75 a 120 bpm • Adulto 60 a 100 bpm

  11. Respiração • No estado de choque observam-se respirações rápidas e superficiais. • Respiração profunda, difícil e com esforço pode indicar uma obstrução nas vias aéreas, doença cardíaca ou pulmonar.

  12. Frequência respiratória • Adulto 10 a 20 Inc/min • Criança 15 a 30 Inc/min • Bebê 20 a 40 Inc/min

  13. Pressão arterial • É a pressão que o sangue circulante exerce sobre as paredes internas das artérias.

  14. Pressão arterial Volume sanguíneo  Adulto 7% massa corporal • Um indivíduo com 70 Kg possui aproximadamente 5 litros de sangue. • Volume = 70x7/100=4,9 litros  Criança 9% do massa corporal. • Uma criança com 10 Kg tem aproximadamente 900ml de sangue. • Volume = 10x9/100=0,9 litros

  15. Temperatura A temperatura normal do corpo é de 37º C, com uma variação próxima de 0,5ºC para mais ou para menos.

  16. Pupilas As pupilas quando normais são do mesmo diâmetro, possuem contornos regulares e reagem a luz, denominam-se isocóricas. • Pupilas isocóricas • Pupilas dilatadas – midríase

  17. Pupilas • Anisocóricas  pupilas desiguais. • Encontradas nas vítimas que apresentam traumatismo crânio encefálico (TCE) ou acidente vascular encefálico (AVE).

  18. Cor da pele • Uma pele pálida Choque • A cianose, pele azulada  Insuficiência cardíaca • Pele ruborizada Insolação • Pele com tonalidade vermelho framboesa  Envenenamento por monóxido de carbono.

  19. Estado de Consciência • Em condições normais o indivíduo apresenta-se alerta, orientado e respondendo a estímulos verbais e físicos.

  20. Capacidade de Movimentação • Incapacidade de uma pessoa consciente em se mover, é conhecida como paralisia e pode ser o resultado de uma doença ou traumatismo.

  21. Transporte de Vítimas O transporte de vítimas pode ser feito pelos meios a seguir: • Utilizando o próprio corpo com técnicas e táticas de remoção;

  22. Transporte de Vítimas • Utilizando meios de fortuna, improvisando equipamentos e materiais; • Utilizando equipamentos e materiais técnicos e específicos industrializados.

  23. Biossegurança Definição • Biossegurança deve ser entendido como o conjunto de condutas que visam proteger todo aquele que auxilie ou preste socorro ao vitimado, do contato direto com agentes biológicos, microorganismos patogênicos.

  24. Biossegurança • Portas de entrada dos Microorganismos: Olhos; ouvidos; nariz; boca; uretra; ânus e ferimentos, dentre outras.

  25. Biossegurança Medidas de prevenção e controle de infecção: • Utilizar todos os equipamentos de proteção • Trocar o uniforme se for necessário • Todos os socorristas que vierem a manusear a vítima deverão usar no mínimo luvas • Cuidar da higiene pessoal.

  26. Biossegurança • Lavar as mãos e antebraços até os cotovelos • Descontaminar o compartimento de transporte • O lixo produzido no atendimento pré-hospitalar é classificado como lixo hospitalar, • Depositar pérfuro-cortantes em recipientes apropriados • Destinar especialmente atenção quando se fizer presentes fluidos corpóreos ou secreções • Acondicionar materiais e equipamentos

  27. Biossegurança Biossegurança Objetivo • Proteger todo aquele que auxilie ou preste socorro ao vitimado; • Resguardar a saúde dos profissionais; • Resguardar a saúde do vitimado; • Adotar medidas que excluam a possibilidade de infecção cruzada.

  28. Biossegurança Biossegurança Materiais de Biossegurança necessários a proteção da equipe: • Reanimador manual (AMBU); • Luvas de látex; • Óculos de proteção;

  29. Biossegurança Biossegurança • Avental de mangas longas, impermeável e descartável, de plástico transparente; • Semimáscara descartável, prendedor rápido em elástico para fixação nas orelhas, fabricada em material semi-absorvente.

  30. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH • Vias aéreas - Cânulas orofaríngeas

  31. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH Colocação • Adulto – concavidade voltada para cima associada a giro de 180º; • Criança – concavidade voltada para baixo fazendo uso de abaixador de língua

  32. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH • Máscaras para ventilação com válvulas unidirecionais Os balões do AMBU são auto-infláveis e permitem praticar ventilação artificial através de máscara, tubo traqueal ou cânulas de traqueostomia.

  33. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH Imobilização Colar cervical • Dispositivo que permite imobilizar a coluna cervical, principalmente os movimentos de flexão e extensão;

  34. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH • Colete de imobilização dorsal - KED Destinado a imobilização da coluna cervical, torácica e lombar superior, utilizado comumente em acidentes automobilísticos;

  35. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH • Prancha longa Utilizada na imobilização e transporte de vitimados

  36. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH • Imobilizador lateral de cabeça - coxim Dispositivo colocado na prancha longa, adjuvante do colar cervical na imobilização da coluna cervical.

  37. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH • Maca retrátil Maca retrátil sobre rodas para transporte de acidentados, com fecho de engate e fixação a viatura.

  38. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH • Estabilização Cobertor aluminizado Cobertor isolante térmico para uso preventivo de hipotermia;

  39. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH • Cortador de anéis Instrumento em aço inoxidável, com disco de corte serrilhado, utilizado para cortar anéis.

  40. ACESSÓRIOS E MATERIAIS USADOS NO APH • Tesoura de cortar vestes Tesoura de ponta romba para cortar vestes, autoclavável, de lâmina serrilhada com cabo anatômico

  41. ATIVIDADE 1ª PARTE – Reúna argumentos a partir do conteúdo abordado em aula para explicar a importância da Biossegurança na realização dos Primeiros Socorros. (1,5 pontos). 2ªPARTE – Elabore uma situação fictícia de acidente ou mal súbito relatando os sinais, sintomas e que acessórios e materiais do APH será utilizado para salvar a vítima(1,5).

  42. ATIVIDADE FORMATAÇÃO! Mínimo de 01 folha e máximo de 03 folhas. Fonte: Arial ou Times New Roman, tamanho 12, espaçamento entre linhas de 1,5. Justificado, com alinhamento de ambos os lados do texto. Utilize margens no padrão do word (direita = 3,0; esquerda = 3,0; superior = 2,5 e inferior = 2,5). Não se esqueça do cabeçalho, no início do trabalho, contendo o seu nome, o do curso, nome da disciplina, do professor pesquisador, a cidade e a data.

  43. ATIVIDADE • Abertura dia 04/06/2014 • Fechamento dia 12/06/2014 às 23h55mim.

  44. Dúvidas • Acesse o Fórum • Chat – Quinta de 19:30 às 21h

  45. Bons estudos e até a próxima aula!