aliena o
Download
Skip this Video
Download Presentation
ALIENAÇÃO

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 22

ALIENAÇÃO - PowerPoint PPT Presentation


  • 185 Views
  • Uploaded on

ALIENAÇÃO. Natureza e cultura. SER HUMANO: aprende a ser humano Inteligência concreta; Linguagem; Trabalho; Lazer; Cultura. Produz sua própria história e se torna sujeito de seus atos.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'ALIENAÇÃO' - sierra


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide3
Natureza e cultura
  • SER HUMANO: aprende a ser humano
  • Inteligência concreta;
  • Linguagem;
  • Trabalho;
  • Lazer;
  • Cultura.
  • Produz sua própria história e se torna sujeito de seus atos.
slide4
“Para Marx, a pessoa deve trabalhar para si - o que não significa trabalhar sem compromisso com os outros, pois todo trabalho é tarefa coletiva - no sentido de que deve trabalhar para fazer-se a si mesmo um ser humano.”
  • O trabalho alienado desumaniza.
etimologia
Etimologia

Alienação – latim – alienare, alienus

Afastar, distanciar, separar

Que pertence a um outro

Alius: é o outro

  • Portanto: alienar é tornar alheio, transferir para outro o que é seu.
conceitos de aliena o
Conceitos de alienação
  • Jurídico: perda do usufruto ou posse de um bem ou direito;
  • Psiquiatria: alienado mental é aquele que perde a dimensão de si na relação com os outros;
  • Rousseau: a soberania do povo é inalienável, isto é, pertence somente ao povo, não deve perder o poder;
  • Linguagem comum: pessoa desinteressada de assuntos importantes, como questões políticas e sociais.
no trabalho
No trabalho
  • Quando segmentos dominantes exploram o trabalho humano, ou ainda quando para sobreviver o indivíduo precisa vender sua força de trabalho em troca de um salário, o homem perde a posse daquilo que ele produz. O produto do trabalho e seu produtor são separados, alienando quem o produziu.
  • O homem não mais se pertence: não escolhe o horário, o ritmo, nem decide sobre o salário. Deixa de ser o centro de referência para si mesmo
slide9
Para Marx: a alienação manifesta-se na vida real, a partir da divisão do trabalho, quando o produto do trabalho deixa de pertencer a quem o produziu.
  • A mercadoria (inanimado) passa a ser considerada como se tivesse vida.
slide10
A mercadoria adquire valor superior ao indivíduo – relações materiais e não humanas.
  • Assume formas abstratas: dinheiro, capital e se convertem em realidades soberanas e tirânicas.

Ou seja,

A “humanização” da mercadoria leva a “desumanização” da pessoa.

  • A própria pessoa transformada em mercadoria
consumo
Consumo
  • Aumento da classe média;
  • Multiplicaram-se as profissões;
  • Individualismo: interesse pela vida privada e menos envolvimento público e político;
  • Busca imediata pelo prazer e lazer.

Sociedade do consumo: ato humano por excelência. Não apenas para a subsistência.

slide12
O ato do consumo requer sensibilidade, imaginação, inteligência e liberdade.

- Consumo Alienado: necessidades artificialmente estimuladas.

- Desejos nunca satisfeitos.

  • Consumo consciente: escolha autônoma
lazer
Lazer
  • Pessoas submetidas a trabalhos mecânicos e repetitivos: tempo livre ameaçado pela fadiga;

“O tempo livre não é ocioso e sim um prolongamento de alguma atividade criativa ou inclusão de outras atividades.”

slide14
Procuram compensações estimulantes e até violentas que as recuperem;
  • Propaganda: manipula, orienta escolhas, modismos;
  • Atividades da “moda”: exigem tempo e dinheiro
  • Massificação: meios de comunicação
a sociedade p s moderna a revolu o da inform tica
A sociedade pós-moderna: a revolução da informática
  • A sociedade atual é um SISTEMA que está passando por transformações muito rápidas e sucessivas no campo científico e tecnológico englobando todas as esferas da vida social.( Segunda Revolução Industrial)
slide16
TRANSFORMAÇÕES

Produto das relações sociais: valores, cultura, formação histórica, etc.

INDIVÍDUO SOCIAL

slide17
Cibernética: alterou significativamente as relações de trabalho;
  • Predominância do setor de serviços (terciário), envolvendo atividades tanto de comunicação e informação como de comércio, finanças, saúde, educação, lazer, etc.
  • A robotização e a automação trará mudanças bruscas para a massa.
  • Máquina entre o homem e o mundo
slide19
Realidade: transformada em simulacro, meios tecnológicos e de comunicação simulando a realidade;
  • Simulacro: hiper-real, intensifica e embeleza o real;
  • Ilusão de conhecimento: conhecer por fragmentos, sem integração das partes e a reflexão sobre as informações recebidas;
  • Empresas: dar a ilusão que a máquina livra o homem do duro conflito patrão-empregado, libera seu tempo para outras atividades, mais prazerosas;
  • Mecanismos de exploração: estão menos evidentes;
slide20
Mundo de opulência: contrapõe-se à miséria e a fome
  • Cultura hedonista (de busca do prazer imediato) e narcisista (egocêntrica);

O avanço da tecnologia não exclui a possibilidade de modos de vida alienados.

cr tica a sociedade
Crítica a sociedade
  • PRODUÇÃO HUMANA: Libertadora???

Usada em função de nossos interesses?

  • Resgatar o que foi perdido em termos de humanização, quando a razão técnica sobrepõe à razão vital;
slide22
HOJE: necessidade da reflexão moral e política sobre os fins das ações humanas no trabalho, no consumo, no lazer, nas relações afetivas, observando se estão a serviço do humano ou da sua alienação.

“O certo é que quanto mais sabemos sobre a realidade, mais claro será o horizonte de nossa ignorância”(SCHAFF)