INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA - PowerPoint PPT Presentation

shel
introdu o cartografia n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA PowerPoint Presentation
Download Presentation
INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA

play fullscreen
1 / 137
Download Presentation
INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA
104 Views
Download Presentation

INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA

  2. Breve Histórico • Desenhos em Rochas, Argila e Papiro • Mapas em 5.000 a.C. => Feições na Mesopotâmia

  3. Breve Histórico • Filósofo Grego Pitágoras (600 a.C.): terra redonda, através de eclipses.

  4. Breve Histórico • 200 a.C. sistema de coordenadas de latitude e longitude já eram bem conhecidos. • Retrocesso na Idade Média, caça as bruxas.

  5. Breve Histórico • Renascentismo

  6. Conceitos “Conjunto de estudos e operações científicas e técnicas, baseado nos resultados de observações diretas ou de análise de documentação...” segundo a Associação Cartográfica Internacional (ACI)

  7. Conceitos “Ciência e a arte de expressar graficamente, por meio de mapas e cartas, o conhecimento humano da superfície da Terra...” BAKKER (1965) “Arte de conceber, de levantar, de redigir e de divulgar os mapas...” JOLY (1990)

  8. Formas de Representação do Espaço Todo mapa, carta ou planta constitui a representação esquemática da realidade, dando-se segundo proporções entre o desenho e a medida real. TRAÇO (vetorial) IMAGEM (raster) Tipos

  9. Representações: TRAÇO 1) GLOBO • Representação cartográfica de uma superfície esférica • Escala pequena. • Aspectos naturais e artificiais de uma figura planetária. • Finalidade cultural e ilustrativa

  10. Representações: TRAÇO 2) MAPA • Documento simples, com fins ilustrativos. • Escala empregada geralmente é pequena. • Propicia uma visão global aproximada e a simbologia aparece em destaque. • Área delimitada por acidentes naturais (bacias, planaltos, chapadas, etc.,) ou político administrativos

  11. Representações: TRAÇO 3) CARTA • Representa parte da superfície terrestre, objeto da Geodésia, onde a forma da Terra é considerada • Representação plana • Escala média ou grande • Desdobramento em folhas articuladas de maneira sistemática • Destinada à avaliação precisa de distâncias e localização de pontos, áreas e detalhes com precisão compatível à escala

  12. Representações: TRAÇO 4)PLANTA • Representação de parte da superfície terrestre, objeto da Topografia, onde a curvatura da Terra não é considerada. • Representação de área muito limitada e a escala é grande, conseqüentemente o número de detalhes é maior.

  13. Classificação dos MapasQuanto a Área Representada 1) CADASTRAL • Escala grande com maior nível de detalhamento • Grande precisão geométrica • Usado para representar cidades e regiões metropolitanas, com muitas ruas e edificações • Escalas mais usuais: 1:1.000, 1:2.000, 1:5.000, 1:10.000 e 1:15.000

  14. CaRTA Cadastral

  15. Classificação dos MapasQuanto a Área Representada 2)GEOGRÁFICO • Representaçãoplanimétrica por símbolos que ampliam os objetos correspondentes • Representação altimétrica através de curvas de nível, cuja eqüidistância dá uma idéia geral do relevo • Escalas usuais 1:500 000 a 1: 1 000 000 • Escala pequena com poucos detalhes mas com uma grande área representada (países, continentes e o mundo)

  16. Mapa Geográfico

  17. Classificação dos MapasQuanto a Área Representada 3)TOPOGRÁFICO • Elaborado a partir de levantamentos aerofotogramétricos e geodésicos • Inclui acidentes naturais e artificiais, em que os elementos planimétricos e altimétricos são geometricamente bem representados • Escalas usuais: 1:25.000, 1:50.000 e 1:250.000

  18. Mapa Topográfico

  19. Classificação dos MapasQuanto à Finalidade 1) GERAL • Documentos cartográficos elaborados sem um fim específico com possibilidades de aplicações generalizadas. • Atende a uma gama imensa e indeterminada de usuários. • Exemplo: mapa do IBGE na escala de 1:5.000.000, representando o território brasileiro.

  20. Mapa Geral

  21. Classificação dos MapasQuanto à Finalidade 2) TEMÁTICO • Apresenta um tema específico, necessário às pesquisas socioeconômicas de recursos naturais e estudos ambientais. • Exemplo: Mapas geomorfológicos, de vegetação, de relevo, demográficos, econômicos, agrícolas, etc.

  22. Classificação dos MapasQuanto à Finalidade 3)ESPECIAL • São documentos específicos e técnicos para representar fatos, dados ou fenômenos típicos. • Atende uma determinada faixa técnica ou científica. • Exemplo: Cartas Náuticas e Aeronáuticas para o planejamento de operações.

  23. Recursos utilizados para elaboração de mapas • Aerofotogrametria • Sensoriamento Remoto • GIS- Sistema de Informações Geográficas • GEOPROCESSAMENTO

  24. Aerofotogrametria Elaboração de cartas através de fotografias aéreas.

  25. Sensoriamento Remoto • Conjunto de técnicas que permitem obter informações sobre a superfície terrestre através de sensores instalados em satélites artificiais. • As informações captadas pelos sensores são processadas digitalmente por modernos equipamentos para a geração de imagens.

  26. Geoprocessamento Conjunto de tecnologias que permite a coleta de dados e a análise de informações através de um SIG. O SIG permite integrar, em uma única base, informações diversas (imagens, dados cartográficos, dados de censo, etc.), de forma que seja possível consultar, analisar e comparar as informações e produzir mapas.

  27. MOSAICO FOTOCARTA ORTOFOTOCARTA ORTOFOTOMAPA FOTOÍNDICE CARTA IMAGEM Representação por Imagem

  28. Representação por Imagem 1) MOSAICO Conjunto de fotos de uma área, recortadas e montadas técnica e artisticamente, dando a impressão de que todo o conjunto é uma única fotografia.

  29. Classificação dos Mosaicos • CONTROLADO • Fotografias submetidas a processos de correção • Uso de pontos de controle • Alta precisão • NÃO-CONTROLADO • Ajuste de fotografias adjacentes • Sem pontos de controle • Montagem rápida • Sem precisão • SEMI-CONTROLADO • Pontos de controle e fotos não corrigidas OU • Fotos corrigidas sem pontos de controle

  30. Representação por Imagem 2) FOTOCARTA Mosaico controlado, sobre o qual é realizado um tratamento cartográfico (planimétrico) 3) ORTOFOTOCARTA Resultante da transformação de uma foto original (perspectiva central do terreno) em uma projeção ortogonal sobre um plano, contendo símbolos, linhas e georreferenciada, legenda e informações planimétricas.

  31. Ortofotocarta

  32. Representação por Imagem • 4)ORTOFOTOMAPA • Conjunto de várias ORTOFOCARTAS ADJACENTES de uma determinada região.

  33. Representação por Imagem • 5) CARTA IMAGEM • Imagem georreferenciada • Uso de pontos de controle identificáveis e de coordenadas conhecidas • Superposta pelo reticulado do Sistema de Projeção • Pode conter simbologia e toponímia

  34. FORMA DA TERRA

  35. FORMA E DIMENSÃO DA TERRA • Pitágoras (sec. 6 ac) e Aristóteles (sec. 4 ac) definiram a Terra como ESFÉRICA • Newton (sec. XVII) considerou-a ELIPSOIDAL • GAUSS (1777–1855) definiu que a forma do planeta é GEOIDAL

  36. DEFINIÇÃO DE GEÓIDE • Superfície ao nível médio do mar homogêneo (sem correntezas, ventos, variação de densidade da água, etc.) supostamente prolongado sob os continentes. • Superfície Equipotencial.

  37. GEÓIDE – MODELO FÍSICO Não possui forma matemática ou geométrica conhecida.

  38. FORMA E DIMENSÃO DA TERRA • A superfície terrestre sofre alterações devido a natureza (placas tectônicas, condições climáticas, erosões, etc.) • Portanto, não serve para definir a forma sistemática da Terra.

  39. ELIPSÓIDE – MODELO MATEMÁTCO • Para obter um modelo mais simples usado para representar o nosso planeta, adotou-se a figura geométrica ELIPSE – ELIPSÓIDE DE REVOLUÇÃO • O Elipsóide é a referência usada nos cálculos que fornecem subsídios para a elaboração das representações cartográficas.

  40. ELIPSÓIDE DE REFERÊNCIA • Cada país ou grupo de países adotou um elipsóide de referência para os trabalhos geodésicos e topográficos. • O elipsóide tem de estar adequado ao geóide na região considerada.

  41. ELIPSÓIDE DE REFERÊNCIA - DATUM • A forma e o tamanho de um elipsóide, bem como sua posição relativa ao geóide define um sistema geodésico (designado por DATUM Geodésico). • Ponto de referência para determinar o “desenho” da superfície terrestre.

  42. ELIPSÓIDE DE REFERÊNCIA - DATUM • Superfície de referência geodésica. • Base para levantamentos planimétricos e altimétricos. • Todas as cartas ou mapas obedecem um ponto de referência

  43. ELIPSÓIDE – MODELO MATEMÁTCO

  44. MODELOS ADOTADOS NO BRASIL (DATUNS) • Córrego Alegre – MG • SAD 69 (South American Datum 1969) • WGS 1984 • SIRGAS 2000

  45. ELIPSÓIDE – MODELO MATEMÁTCO • PARÂMETROS DO ELIPSÓIDE: • a = semi-eixo maior • b =semi-eixo menor • α = (a-b)/a • f (achatamento) = 1/α

  46. PARÂMETROS DO ELIPSÓIDE Fonte: Rocha, 2000.

  47. DATUM GLOBAL WORLD GEODETIC SYSTEM - WGS 84

  48. PARÂMETROS DE TRANSFORMAÇÃO Fonte: Rocha, 2000.