slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
SOFTWARE LIVRE COMO OPÇÃO METODOLÓGICA PowerPoint Presentation
Download Presentation
SOFTWARE LIVRE COMO OPÇÃO METODOLÓGICA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 15

SOFTWARE LIVRE COMO OPÇÃO METODOLÓGICA - PowerPoint PPT Presentation


  • 88 Views
  • Uploaded on

SOFTWARE LIVRE COMO OPÇÃO METODOLÓGICA. OU. Livrando-se dos pacotes de fora e do caos de dentro. Luiz Maria Esmanhoto LinuxCorp/2003. Planejamento estratégico das empresas e os requisitos de sistemas. Fundamentos do pensamento estratégico. Modelo clássico

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'SOFTWARE LIVRE COMO OPÇÃO METODOLÓGICA' - santos


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

SOFTWARE LIVRE COMO OPÇÃO

METODOLÓGICA

OU

Livrando-se dos pacotes de fora

e do caos de dentro

Luiz Maria Esmanhoto

LinuxCorp/2003

planejamento estrat gico das empresas e os requisitos de sistemas
Planejamento estratégico das empresase os requisitos de sistemas

Fundamentos do pensamento estratégico

  • Modelo clássico
    • relações determinísticas entre causa e efeito
    • “visão” como um ponto de equilíbrio futuro
    • paradigma: Sistemas Fechados
  • Modelo contemporâneo
    • relações entre agentes com resultados inesperados
    • “disposição emocional” em se adaptar ao desequilíbrio permanente
    • paradigma: Sistemas Adaptativos Complexos
sistemas adaptativos complexos
Sistemas Adaptativos Complexos
  • Definição
    • Complexidade: multitude de agentes diferenciados
    • Adaptação: repertório de regras em evolução
  • Características
    • Sitemas abertos, dinâmicos
    • inexistência de controle/inteligência central
    • expontaneidade e auto-organização
    • aprendizado por feed-back externo
    • muitos níveis de organização
estrat gia e organiza o como evoluir e competir ao mesmo tempo
Estratégia e Organização:como evoluir e competir ao mesmo tempo
  • Estratégias focadas x robustas
    • Foco necessário para a sobrevicência do dia-a-dia
    • Robustez para responder à variações de ambientes futuros
  • “O paradoxo da Rainha Vermelha”
    • dificuldade de manter vantagens competitivas por muito tempo
    • empresas que criam vantagens competitivas continuamente
  • O Papel de agentes conservadores x radicais inovadores
    • equilíbrio dinâmico à beira do caos
empresas beira do caos
Empresas à beira do caos

Estrutura organizacional em rede

  • relacionamento intrincado de interesses equipotentes
  • hierarquias fluidas e momentâneas
  • fronteiras amorfas e permeáveis
  • desacoplamento progressivo entre atividades núcleo e periféricas
  • conectividade plug-and-play para empresas
o requisito fundamental para sistemas
O requisito fundamental para sistemas

“Como construir e operar sistemas para um conjunto dinâmico de empresas, nervosamente à beira do caos?”

Axioma

Para empresas à beira do caos, sistemas à beira do caos!

escolha do processo de desenvolvimento
Escolha do processo de desenvolvimento
  • Aquisição de pacotes
  • Desenvolvimento de Aplicativos
  • Desenvolvimento pelo método de código-fonte aberto (Open-source software – OSS ou Software Livre)

Aspectos críticos dos Sistemas Adaptativos

Complexos

  • Variedade
  • Interação
  • Evolução
pacotes
Pacotes
  • a busca da “classe de todas as classes”
  • as camadas funcionais e restrições impostas à variedade
  • interação por middleware ou EAI
  • evolução comandada pelo fornecedor
  • a imobilidade como perspectiva
slide9

Desenvolvimento in-house

  • a maldição dos projetos de software
  • o enquadramento no PMI e CMM
  • as tentativas fracassadas de controle de variedade
  • a interação como continuidade natural
  • a evolução estagnada pelo caos
slide10

Desenvolvimento com código-fonte aberto

  • O que é isto?
  • Tipos de licença (www.opensource.org)
  • Exemplos (www.freshmeat.net e www.osdn.com)
  • O processo

Equipes de desenvolvimento

Criação e eliminação de variedades

Paralelismo para desenvolvimento e debugging

Resolução de conflitos e motivação

Interação pela estruturação e acesso ao fonte

Evolução

slide11

Lista básica de software livre

LINUX – Sistema operacional

PostgreSQL, MySQL – Bases de dados relacionais

Apache, Tomcat – Servidores web

Snort – Identificação de intrusão

IP-Filter – Filtragem de pacotes

Squid – Servidor Proxi

Nagius (ex-Netsaint), MRTG – Monitoração

Sarg – Relatórios de auditoria

Mailmgr – Adminisração de e-mails

Sendmail, Q-Mail – Servidores de e-mail

Open Webmail – Cliente de correio

OpenOffice – Conjunto Office

KDE – Interface gráfica

Compiere – ERP

Desenvolvimento – PHP, Pearl

OS-Commerce – para B2C

slide12

Fatores de sucesso para o software livre

  • problemas de longo prazo e/ou de interesse geral
  • problemas cuja solução dá um feed-back imediato e confiável
  • problemas cuja solução pode ser explorada a custo baixo e sem risco de causar catóstrofes
  • problemas que se resolvidos evitam um desastre anunciado
slide13

Uma nova metodologia

  • Combinação software livre + pacotes
  • Regras

Escolha de padrões (W3C)

Arquitetura modular com regras definidas de interação

Critérios para escolha de módulos a serem cobertos por pacotes

Interfaces e outros módulos por OSS

  • “Déspota esclarecido” e sua “equipe”
slide14

Conclusão 1

Você pode confiar: software livre está aí para ficar

Ou como diz, atravessadamente, relatório do Grupo Gartner: “o software livre moveu-se para a periferia do fluxo principal”

slide15

Conclusão 2

Como diria Polonius (Hamlet):

“existe um certo método em sua loucura”