SEGURANÇA AGROPECUÄRIA - PowerPoint PPT Presentation

seguran a agropecu ria n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
SEGURANÇA AGROPECUÄRIA PowerPoint Presentation
Download Presentation
SEGURANÇA AGROPECUÄRIA

play fullscreen
1 / 148
SEGURANÇA AGROPECUÄRIA
128 Views
Download Presentation
salvador-macias
Download Presentation

SEGURANÇA AGROPECUÄRIA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. SEGURANÇA AGROPECUÄRIA

  2. CAPÍTULO I: Considerações Gerais • A finalidade de tratar de riscos profissionais: identificá-los e promover meios para diminuir tais riscos. • O conceito de Segurança e Saúde Ocupacional no meio Rural é relativamente novo. Importância maior era dada à Medicina Industrial. • Sabe-se que esta exploração situa-se juntamente com a construção civil e petrolífera, entre as mais perigosas. • As medidas de prevenção para o trabalho rural: princípios fundamentais de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho. • A supervisão do trabalho agrícola é muito difícil. Daí a importância da educação e do treinamento prevencionista no trabalho agrícola.

  3. 1. Aspectos Sócio-econômicos do Trabalhador Rural • O trabalho Agrícola engloba a produção de gêneros alimentícios até a produção de matérias primas industriais. Características particulares determinarão as condições de Segurança e Higiene: • Caráter sazonal e cíclico; • Longas jornadas de trabalho e com grande esforço físico; • Trabalho realizado ao ar livre; • Variabilidade do tipo de trabalho executado por uma pessoa; • Contato com meio contaminante; • Longas distâncias percorridas pelo trabalhador para alcançar seu local de trabalho; • Mão de obra temporária e não qualificada; • Condição precária de vida.

  4. 1. Aspectos Sócio-econômicos do Trabalhador Rural Atividades da Exploração Agrícola • Do preparo do solo à colheita, transporte e armazenamento; • Simultaneamente, tratamentos de sementes e partes vegetativas, canais de irrigação e drenagem, estradas, cercas, controle de doenças, aplicação de corretivos, etc. Ferramentas utilizadas • Manuais, máquinas, implementos, veículos, produtos químicos e inflamáveis.

  5. 1.1. População e Faixa Etária

  6. 1.2. Educação Fatos: • Ensino elementar do país é ineficiente; • Deficiência no transporte escolar; • Carência nutricional; e • Habitação precária. Conclusão: • Alta evasão escolar; e • Alto índice de abandono escolar. • O nível educacional no meio rural é muito baixo.

  7. 2. Acidentes do Trabalho Rural Definições • Conceito Prevencionista: “Qualquer ocorrência não desejada que modifica ou põe fim à um trabalho ocasionando perda de tempo, danos materiais, danos físicos ou morte, ou ainda as três coisas juntas.” • Conceito Legal: está no decreto nº 76.022 de 24 de Julho de 1975 (art. 2º), que aprova o Regulamento do Seguro de Acidentes do Trabalho Rural, instituído pela Lei nº 6.195 de 19 de Dezembro de 1.974 e que diz: “O acidente do Trabalho Rural é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho rural, a serviço de empregador, provocando lesão corporal, perturbação funcional ou doença, que cause morte ou a perda ou a redução permanente ou temporária de capacidade para o trabalho e que embora não tenha sido causa única, contribua diretamente para a morte ou perda ou redução da capacidade para o trabalho, equiparando-se ao acidente à doença profissional inerente à atividade rural e definida em portaria ministerial”.

  8. 3. Causas de Acidentes do Trabalho • Em 98% dos casos, as causas dos acidentes podem ser previstas e eliminadas. Tipos de Causas • Condições inseguras; • Ato inseguro; e • Fator pessoal inseguro.

  9. CAPÍTULO II: Riscos do Trabalho Rural • Meio nocivo; • Necessidade de transporte; • Presença de animais; • Produtos químicos e inflamáveis; • Ferramentas e máquinas de alto risco;

  10. 1. Tratores Agrícolas Dados estatísticos: • Acidentes fatais ocorridos com tratoristas: 80% devido à falhas humanas. 40% incapacidade ou ignorância do perigo; 22% velocidade excessiva; 21% falta de atenção do tratorista; 13% inexperiência ou falta de treinamento do tratorista; e 4% outras causas. • Acidentes mais comuns: 70% queda lateral do trator; 15% queda para trás; 5,5% queda do tratorista; 3% choque com outro veículo; e 6,5% outros fatores.

  11. 1. Tratores Agrícolas • Causas de acidentes Condições inseguras: Referentes à constituição física dos tratores agrícolas e seus dispositivos de segurança Atos inseguros: Excesso de velocidade; Uso incorreto das marchas; Manejo incorreto dos implementos; Atolamento; Tracionamento de carretas; Obstáculos ocultos; Riscos em manobras; Trabalhos inadequados; Trânsito em estradas; Brincadeiras; Estacionamento incorreto no final do trabalho.

  12. 1. Tratores Agrícolas Medidas de segurança • Local de armazenamento do trator deve permitir boa ventilação; • O operador deve subir no trator pelo lado esquerdo; • Não ultrapassar o limite máximo de velocidade; • Utilização correta das marchas como freio motor; • Em caso de atolamento, procurar outro ângulo para tracionar o implemento; • Abastecer o veículo longe de depósitos combustíveis, utilizando um funil; • Verificar a solução da bateria com o veículo desligado; • Abrir lentamente a tampa do radiador com o motor aquecido; • Respeitar o peso máximo das cargas transportadas; • Calçar os implementos antes de seu desacoplamento; • Redobrar a atenção quando rebocar veículos e máquinas em terrenos acidentados;

  13. 1. Tratores Agrícolas Medidas de Segurança (continuação): • Alargar as rodas em terrenos acidentados; • A marcha utilizada em declives deve ser a mesma utilizadas em aclives; • Em risco de empinamento, utilizar contrapesos na parte dianteira do trator; • Evitar o transporte de pessoas sobre o trator; • No tracionamento de qualquer elemento, verificar a fixação dos cambões; • Utilização de roupas adequadas, sem pontas soltas; • Antes de descer do trator, desligar o trator e freiá-lo; • O operador do trator deve ser habilitado e treinado; • Trafegando em auto estradas, unir os pedais de freios; • Manter a higiene na plataforma, estribo e pedais do trator; • Não retirar os dispositivos de segurança do trator; • No final do trabalho, desengatar o implemento;

  14. 1. Tratores Agrícolas Medidas de Segurança (continuação): • Utilizar a embreagem de forma suave e gradual; • Acoplar equipamentos no ponto mais baixo possível e com barras; • Dirigir sentado, não transportar pessoas no para-lama, barra de tração, etc; • Em caso de acidente, desligar imediatamente o motor; • Ao acoplar o implemento não ficar entre este e o trator; • Antes de iniciar o trabalho, demarcar a área a ser trabalhada; • Para desatolar o trator, não utilizar madeira, toras ou outro objeto; • Calçar e frear o trator quando parado ou em declive; • Manter a conservação do trator para que este apresente bom funcionamento;

  15. RISCO NO USO DO TRATOR AGRÍCOLA • O trator presta serviços inestimáveis ao homem do campo mas também é fonte de muitos acidentes, alguns dos quais conduzem a morte do operador e de terceiros. • O uso indevido do trator agrícola pode ocasionar riscos de acidentes de três naturezas: • relacionados ao terreno onde opera (AMBIENTE); • provocados pelo trator em si (AGENTE); e/ou • pela imperícia ou desconhecimento do operador (HOMEM)

  16. FATORES HUMANOS NOS ACIDENTES Na maioria das ocorrências o acidente é a evidência do erro humano. Quase sempre o erro humano resulta em custosos danos ao equipamento e na perda de tempo para os reparos. Uma máquina pode ser reparada ou substituída; o que nem sempre é possível quando o erro causa um dano ao corpo humano. Os principais fatores que causam esses erros são: • fadiga • preocupação • falta de atenção • falta de treinamento • incompatibilidade homem-máquina • outros

  17. As limitações humanas que influem nos acidentes podem ser classificadas em: • Físicas • Fisiológicas e • Psicológicas. Fatores Físicos: As características físicas ou as limitações de uma pessoa, podem ser comparadas às especificações de projeto de uma máquina --- seu tamanho, peso, potência, voltagem, etc. --- coisas que não são mudadas facilmente. Se você reconhece as suas limitações físicas e trabalha dentro delas, você terá menos acidentes do que alguém que tenta trabalhar além dos seus limites. Assim você terá melhor controle do ambiente e da máquina que você opera. Você será capaz de evitar acidentes mais facilmente.

  18. Força Algumas pessoas são mais fortes do que outras. Um homem pode ser capaz de mover uma escada pesada com segurança, mas isso pode ser perigoso para alguém mais baixo ou mais fraco, com o risco de atingir uma segunda pessoa. Conheça os seus limites de força e peça ajuda se precisar ! Os músculos representam cerca de 45% do peso do corpo. Quando em trabalho, eles convertem a energia química dos alimentos em energia mecânica. A quantidade de energia utilizada, depende do tamanho e estado atual dos músculos, do suprimento de sangue, temperatura, respiração e do tipo de trabalho executado.

  19. Uma estimativa prática da habilidade humana de trabalhar continuamente é de cerca de 1/10 a 1/5 HP (cavalos de força = Horse Power, em Inglês). Precisa-se de 1/10 HP para acender uma lâmpada incandescente de 75 watt. 1 - Trabalhe em posição confortável. Quando o assento está alto, a pressão nos músculos da coxa podem provocar câimbras. 2 - Opere dentro das suas limitações. Não exija demais dos seus músculos. As máquinas simples, como as alavancas e chaves de boca, foram criadas justamente para multiplicar a força do homem: use-as sempre que precisar. 3 - Mantenha-se em movimento constante. O movimento do corpo no trabalho dinâmico ajuda a circulação sanguínea, exercita uma grande variedade de músculos e é mais indicado do que o trabalho parado ou com menos movimento. 4 - Faça pausas freqüentes e curtas. Elas são mais eficazes na recuperação das energias, do que as longas e raras. Para trabalhar com segurança, evite a fadiga muscular:

  20. Tempo de reação O tempo de reação ou reflexo do indivíduo tem início com uma mensagem enviada ao cérebro e termina quando o corpo executa uma resposta ou reação física. Por exemplo, quando o tratorista avista um obstáculo (a mensagem), isso é registrado no cérebro e resulta numa reação ao perigo: numa freada, desvio do obstáculo ou outra manobra apropriada. Para que o cérebro receba a mensagem e diga ao corpo para executar uma ação leva tempo --- o tempo de reação. O melhor tempo de reação do homem é lento, quando comparado com a alta velocidade da máquina. O tempo de reação humana é de cerca de 1/3 de segundo, sob condições ideais. Vide a figura abaixo:

  21. Da ilustração acima concluímos que: a) a reação do tratorista sóbrio dará tempo para evitar o perigo, parando à tempo; b)no caso do tratorista cansado, o longo tempo de reação, fará com que pare o trator quase em cima do obstáculo; e c)o tratorista doente, embriagado ou intoxicado, não evitará um acidente (às vezes) grave. Pense em como você reagiria às várias situações de emergência, antes que seja submetido a elas. Isso pode ajudá-lo a reagir mais rápido nessa emergência. Sabendo que o cansaço e o álcool, por exemplo, diminuem o seu tempo de reação, evite-os quando for dirigir o trator.

  22. Peso e tamanho A estatura de uma pessoa geralmente determina os tipos de trabalho que ela pode realizar com segurança. Considere as diferenças em tamanho do corpo de um jóquei e de um jogador de basquete. Embora esses sejam os casos extremos, ninguém se ajusta exatamente às dimensões médias. É por isso que os assentos de muitas máquinas são ajustáveis. Esteja certo de manter o seu ajustado --- para você. Assim você ficará mais confortável, eficiente e alerta. O painel de controle e a localização dos comandos têm um efeito significativo no seu desempenho e segurança na condução da máquina.

  23. Idade Em estudo realizado nos Estados Unidos, ficou provado estatisticamente que, entre os jovens menores de 16 anos e os idosos maiores de 65 anos de idade, ocorrem a maioria dos acidentes com equipamento agrícola. As habilidades físicas variam com a idade, atingindo geralmente o ideal entre 25 e 30 anos e, a partir daí, diminuindo progressivamente. Assim, a visão, a audição e a força física diminuem com a idade.

  24. Visão • Mais de 90% do nosso trabalho é controlado pelos olhos. Contudo ela tem as suas limitações e necessita de proteção e de cuidados. A boa visão depende: • da intensidade de luz adequada ao tipo de trabalho • do tamanho visível do objeto focalizado • da cor e contraste do objeto e o fundo • da estabilidade do objeto focalizado e • da claridade e nitidez do objeto.

  25. Fatores Fisiológicos: Nosso corpo tem certas características e limitações de ordem fisiológica. Algumas delas são: tono muscular e força; eficiência metabólica (quanto de alimento é usado para fazê-lo funcionar); sua resistência a certas doenças; e as horas de sono e de descanso que são exigidos pelo seu corpo. Limitações fisiológicas como essas são comparáveis ao desempenho de uma máquina: quanto de combustível ela consome; a temperatura de operação; as ligações do sistema elétrico; etc. Estas limitações variam muito entre as diferentes pessoas e podem variar, na mesma pessoa, de dia para dia. Os limites fisiológicos são afetados por: • fadiga • drogas, álcool e fumo • produtos químicos (agrotóxicos) • doenças e • condições ambientais: temperatura, umidade, vibração, ruído, poeira, etc.

  26. Fatores Psicológicos: • A segurança e o desempenho pessoal dependem grandemente dos fatores psicológicos. Neste aspecto, as pessoas são muito diferentes das máquinas. O homem tem emoções e sentimentos --- as máquinas não. • conflitos pessoais --- confusão e incerteza na mente do indivíduo • tragédia pessoal --- a perda de um amigo ou parente • problemas interpessoais --- problemas em casa, atrito entre pessoas • problemas profissionais --- dificuldades no serviço • dificuldades financeiras • a insegurança (ou introversão) --- impede o indivíduo de solicitar informações que seriam úteis à prevenção de acidentes. Os problemas psicológicos resultam de uma série de situações: Os resultados dos problemas emocionais --- que causam reações de cólera, retaliação, desatenção a detalhes, como não observar avisos importantes (as placas de sinalização, por exemplo) --- criam situações de acidentes.

  27. 2. Máquinas e Implementos Agrícolas Descrição das máquinas e implementos • Arados: Promove a inversão da leiva de terra e cobre parte da vegetação e restos de cultura. Arado de disco: de arrasto; de levante hidráulico; arados gradeadores. Arado de aiveca: de arrasto; de levante hidráulico.

  28. 2. Máquinas e Implementos Agrícolas • Grades: Desagregar os torrões, nivelar a superfície do solo para facilitar a semeadura, e adensar o solo. Grade de disco; Grade de dentes; Grade de molas; • Semeadoras e plantadoras: São máquinas projetadas para realizar o plantio de sementes e de vegetativos, além da adubação. de levante hidráulico; de arrasto; • Cultivadores: São utilizados para uma movimentação superficial do solo, escarificando os restos de culturas e misturando fertilizantes e defensivos. de levante hidráulico; de arrasto;

  29. 2. Máquinas e Implementos Agrícolas • Aplicadores de defensivos: São aparelhos utilizados na aplicação de produtos químicos para combater as pragas, doenças e ervas indesejáveis. Podem ser apresentados em pó, líquido ou granulado. Polvilhadeiras; Granuladeiras; Pulverizadores; Nebulizadores. • Outros implementos utilizados na Agricultura: • Roçadeira: Utilizada para eliminar o mato de pastos e destruir o resto de culturas. Podem ser de levante hidráulico ou de arrasto. • Enxadas rotativas: Utilizada para destruir o resto de culturas.

  30. 2. Máquinas e Implementos Agrícolas Tipos de Riscos • Lesões traumáticas; • Lesões aos órgãos dos sentidos; • Outros danos à saúde. Medidas Gerais de Segurança • Condições seguras; • Medidas de segurança aos implementos em geral.

  31. 3. Ferramentas Manuais Tipos: facas, facões, enxadas, enxadões, foices, machados e martelos. Riscos • Bordas cortantes: cortes, contusões e dilacerações; • Instrumentos não ergonômicos e pesados: efeitos acumulativos danosos à saúde do trabalhador. Medidas de Segurança • Ferramenta adequada ao uso que se destina; • Não utilizar ferramentas com defeitos; • Devem ser utilizadas as bainhas para guardar e transportar as ferramentas; • Manter as ferramentas de corte afiadas; • Utilização de EPI quando a tarefa necessitar;

  32. 3. Ferramentas Manuais Medidas de Segurança (continuação) • Não atirar cigarros “acesos” ao chão; • Os trabalhadores devem manter uma distância segura um do outro; • Verificar o corte das ferramentas antes de utilizá-las; • As ferramentas que não estiverem sendo utilizadas devem ser guardadas; • Não atirar as ferramentas de um trabalhador a outro, estas devem ser entregues; • Cuidado especial ao se transportar em um veículo trabalhadores com suas ferramentas; • Após a utilização, as ferramentas deverão ser guardadas em local apropriado; • Este local deve oferecer segurança e ser de fácil acesso;