bot nica l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
BOTÂNICA PowerPoint Presentation
Download Presentation
BOTÂNICA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 20

BOTÂNICA - PowerPoint PPT Presentation


  • 442 Views
  • Uploaded on

BOTÂNICA. Parênquima. Fisiologia vegetal. Tecidos de condução. Xilema ou lenho conduz seiva bruta/inorgânica células mortas localização central traqueídeos e elementos do vaso. Floema/líber. conduz a seiva elaborada/orgânica células vivas localização periférica

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'BOTÂNICA' - salena


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
tecidos de condu o
Tecidos de condução
  • Xilema ou lenho
  • conduz seiva bruta/inorgânica
  • células mortas
  • localização central
  • traqueídeos e elementos do vaso
floema l ber

Floema/líber

conduz a seiva elaborada/orgânica

células vivas

localização periférica

células e elementos crivados

slide7
Raízes subterrâneas
  • Raiz aprumada, raiz axial ou raiz pivotante - apresentam raiz principal, coifa menor do que as demais, seu comprimento é maior que o das outras, e também ramificações ou raízes secundárias. São características de dicotiledôneas. A axial tem a função também de fazer a fotossíntese.
  • Raiz fasciculada ou raiz em cabeleira - Esse sistema de raízes é denominado de raiz múltipla, ramificada ou fasciculada e não surge como os ramos da primeira raiz, como no caso das raízes axiais; em vez disso, consiste de numerosas raízes em feixes que emergem da base do caule e tem tamanho maior do que a folha.
  • Raiz tuberosa - contém grande reserva de substância nutritiva e é muito utilizada na nossa alimentação. Como exemplo dessas raízes, podemos citar a mandioca, cenoura, o cará, a batata-doce e o nabo.
  • Obs.: Não confundir raiz tuberosa com caule tuberoso: a planta com raiz tuberosa possui o caule e as folhas fora do solo, ex: mandioca. Os caules tuberosos são aqueles que possuem o caule e a raiz debaixo da superfície do solo, como por exemplo a beterraba.
slide8
Raízes aéreas
  • As raízes aéreas se desenvolvem no caule ou em certas folhas. Classificam-se em duas categorias: caulógenas (também denominadas normais) e adventícias, ambas de origem endógena.
  • Raiz suporte ou raiz escora - quando uma planta possui um caule ou um conjunto de raízes muito fraco e essas raízes suportes são responsáveis pela ajuda na sustentação da planta.
  • Raiz velame ou raiz cintura - é uma estrutura presente nas raízes aéreas das orquídeas; Tem a função de absorver água da atmosfera.
  • Raiz respiratória ou pneumatóforo - são raízes de algumas plantas que se desenvolvem em locais alagadiços. Nesses ambientes, como os mangues, o solo é geralmente muito pobre em gás oxigênio. Essas raízes partem de outras existentes no solo e crescem verticalmente, emergindo da água; possuem poros que permitem a absorção de oxigênio atmosférico.
  • Raiz sugadora ou raiz haustório - As plantas que possuem esse tipo de raiz são considerados parasitas homeopatas, pois vivem à custa da outra planta. No Brasil, o principal exemplo de planta parasita homeopata é o cipó-pólvora.
slide9
Raízes aquáticas

são raízes que se desenvolvem em plantas que normalmente flutuam na água. Sua função, diferente das subterrâneas, não é de fixação, mas de absorção de água e sais minerais.

slide11
Caules aéreos
  • caules eretos:
        • colmo, exemplos: bambu, cana-de-açúcar e milho;
        • espique, exemplos: mamão e palmeiras;
        • haste, exemplos: rosa e soja;
        • escapo, exemplos: capim-dandá;
        • tronco, exemplos: árvores;
  • caules rastejantes, exemplos: abóbora;
  • caules trepadores, exemplos: videira
  • Nota: O estolho ou estolhão é uma brotação lateral que em intervalos sucessivos forma gemas com raízes e folhas. Logo, o estolho permite a propagação vegetativa da espécie, exemplos: clorofito e morango.
slide12
Caules subterrâneos
  • bulbo:
        • bulbo sólido ou cheio, exemplo: açafrão
        • bulbo escamoso, exemplos: açucena e lírio
        • bulbo tunicado, exemplo: cebola
        • bulbo composto ou bulbilho, exemplo: alho
  • rizoma, exemplos: banana, orquídea
  • tubérculo, exemplos: batata, inhame.
slide13
Caules aquáticos
  • São considerados caules aquáticos todos aqueles que se desenvolvem em meio aquoso, exemplos: elódea, vitória-régia e outras plantas ornamentaisaquáticas.
slide20
Auxinas→ Responsáveis pelos tropismos (foto e geotropismo), desenvolvimento dos frutos, alongamento celular radicular e caulinar. Esse fitormônio é produzido no meristema apical do caule, primórdios foliares, flores, frutos e sementes. Transportado pela extensão do vegetal através dos vasos xilema e floema. Etileno → sua concentração realiza o amadurecimento dos frutos e indução da abscisão foliar. Esse gás é produzido em diversos locais da planta, difundindo-se entre as células. Citocianinas → Hormônio que retarda o envelhecimento das plantas(senescência), estimula as divisões celulares e desenvolvimento das gemas laterais. É produzido nas raízes e transportado para a planta através do xilema. Giberelinas → Atua na floração, promove a germinação, desenvolvimento dos frutos. È sintetizado no meristema de sementes e frutos, transportado pelo xilema. Ácido abscísico → Provoca indução do fechamento dos estômatos, envelhecimento de folhas, dormência de sementes e gemas, inibe o crescimento das plantas. Sua produção ocorre em diversos órgãos da planta: caule, folhas e extremidade da raiz (a coifa). A difusão desse hormônio ocorre através dos vasos condutores de seiva.