aparecida linhares pimenta sms de diadema vice presidente conasems n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
SEMINÁRIO DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE novembro/2010 PowerPoint Presentation
Download Presentation
SEMINÁRIO DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE novembro/2010

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 21

SEMINÁRIO DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE novembro/2010 - PowerPoint PPT Presentation


  • 71 Views
  • Uploaded on

APARECIDA LINHARES PIMENTA SMS DE DIADEMA VICE PRESIDENTE CONASEMS. SEMINÁRIO DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE novembro/2010. SAÚDE NOS MUNICÍPIOS. Os municípios brasileiros assumiram novo papel em relação à Saúde com a Constituição de 1988 e as leis do SUS;

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'SEMINÁRIO DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE novembro/2010' - ross


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
sa de nos munic pios
SAÚDE NOS MUNICÍPIOS

Os municípios brasileiros assumiram novo papel em relação à Saúde com a Constituição de 1988 e as leis do SUS;

Este novo papel vem sendo construído através de um processo político, que envolve inúmeros atores sociais, instituições, recursos tecnológicos e financeiros.

sa de nos munic pios1
SAÚDE NOS MUNICÍPIOS

A proposta de descentralização e municipalização da Saúde pressupõe mudanças de poder nas relações entre o Ministério da Saúde, as Secretarias Estaduais e Municipais;

20 anos de SUS: momentos de maior descentralização e outros de recentralização, tanto por parte do MS como da SES.

comando nico
COMANDO ÚNICO

O comando único previsto na CF de 88 é uma construção permanente, revestido de tensionamentos, visto que tanto o MS como as SES resistem em descentralizar o poder;

Por outro lado, muitos municípios não adquiriram capacidade de governo para assumirem de fato o comando do sistema de saúde de seu território;

porte do munic pio e integralidade
Porte do Município e Integralidade

71% dos municípios brasileiros têm menos de 20.000 habitantes.

1.359 municípios com menos de 5.000 habitantes ( 24%)

2.631 municípios entre 5.001 e 20.000 habitantes ( 47%)

219 municípios entre 20.001 e 100.000 habitantes ( 4%)

34 municípios com mais de 500.000 habitantes (1%)

regionaliza o e integralidade
REGIONALIZAÇÃO E INTEGRALIDADE

Um dos eixos estruturantes do Pacto pela Saúde - as Regiões de Saúde, com serviços de maior complexidade e referência para os municípios de pequeno e médio porte, coordenadas pelas SES, ainda não foram implantadas totalmente;

O SUS garantiu a ampliação do acesso, mas não consegue garantir a Integralidade.

conjuntura pol tica e econ mica
CONJUNTURA POLÍTICA E ECONÔMICA

O SUS vem sendo construído num contexto extremamente desfavorável:

Década de 90: Reforma do Estado- MARE em oposição às propostas do SUS;

Financiamento insuficiente para garantir a saúde como direito de todos os cidadãos.

sa de nos munic pios2
SAÚDE NOS MUNICÍPIOS

Municípios vem construindo seus sistemas municipais de saúde, enfrentando a pressão da demanda, a dificuldade para mudar o modelo de Atenção e as limitações impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal;

Muitos acabaram terceirizando serviços, precarizando as relações de trabalho, inclusive com o apoio e estímulo do MS e das SES.

gest o do trabalho

A expansão dos serviços de saúde nos municípios teve um forte impacto no aumento da força de trabalho nos Sistemas Municipais de Saúde;

Principais problemas hoje:

Gestão do trabalho;

Sub financiamento do SUS

GESTÃO DO TRABALHO
gest o do trabalho1

Condições de trabalho adequadas;

Salários competitivos;

PCCS (Lei 8.080)

GESTÃO DO TRABALHO
gest o do trabalho pccs

Legislação da Administração Pública;

Legislação do SUS;

Responsabilidade interfederativa / tripartite para implantação do PCCS

GESTÃO DO TRABALHO - PCCS
especificidade do trabalho em sa de
ESPECIFICIDADE DO TRABALHO EM SAÚDE
  • Profissionais de saúde : dominam saberes, práticas e modos de fazer atos de saúde;
  • Usuários: portadores de necessidades de saúde e nos seus processos de adoecimento buscam ajuda dos profissionais para recuperarem sua capacidade de viver a vida;
  • Encontro entre trabalhadores de saúde e usuários produz em ato o cuidado.
especificidade do trabalho em sa de1
ESPECIFICIDADE DO TRABALHO EM SAÚDE
  • Gestores: ocupam espaço de governo e mobilizam recursos para garantir o funcionamento dos sistemas de saúde;
  • Micro política da gestão e do trabalho nos serviços de saúde: relações de poder entre os trabalhadores, gestores e usuários, permeadas por negociações, pactuações e conflitos, inclusive entre as várias categorias profissionais;
trabalho em sa de
TRABALHO EM SAÚDE
  • Co gestão: coletivos voltados para a democratização da gestão, para produção do cuidado e da própria equipe;
  • Co gestão das redes regionais de saúde: relações inter federativas - interdependência;
  • Autonomia das equipes e dos usuários para aumentar a capacidade de ser gestor da própria vida.
gest o do sus
GESTÃO DO SUS
  • Gestão democrática pressupõe participação ativa dos usuários nos serviços e no sistema de saúde;
  • Necessidade de qualificar os espaços de controle social: Conselhos Locais ou Gestores, Municipais, Estaduais e o CNS
dispositivos para qualificar a produ o do cuidado

Acolhimento;

Projetos terapêuticos singulares;

Clínica ampliada;

Uso de tecnologia leve para produzir vínculo da equipe com os usuários e responsabilização

DISPOSITIVOS PARA QUALIFICAR A PRODUÇÃO DO CUIDADO
dispositivos para qualificar a gest o
DISPOSITIVOS PARA QUALIFICAR A GESTÃO
  • Qualificar o gestor para tratar das questões referentes a construção do SUS no município e região;
  • Mecanismos para estruturar a Rede de Atenção à Saúde, integrada com as ações de vigilância em Saúde;
  • Tecnologias para reorganizar os processos de trabalho voltados para produção do cuidado e integralidade.
potencialidades

A eficácia e efetividade dos serviços de saúde dependem da capacidade dos trabalhadores de saúde de produzirem cuidado integral ;

Portanto ser gestor em saúde é ser gestor dos processos de trabalho que ocorrem no cotidiano dos serviços;

Gestão eficaz e efetiva é aquela que consegue criar e apoiar processos de trabalho que produzam saúde, autonomia e qualidade de vida.

Potencialidades
dificuldades
DIFICULDADES

Valor elevado da despesa com pessoal nos municípios;

Dificuldade de contratação e fixação de médicos, particularmente para AB/PSF;

Formação inadequada dos profissionais para as necessidades do SMS;

Complexidade da gestão do trabalho em saúde.

desafios do sus
DESAFIOS DO SUS

Implantar o Pacto pela Saúde com mobilização social;

Aprovação da regulamentação da Emenda Constitucional e melhorar o financiamento;

Desprecarização das relações de trabalho e educação permanente;

desafios do sus1
DESAFIOS DO SUS

Consolidar-se como política de estado e não de governos;

Buscar modalidades de gestão dentro do Estado, que garantam agilidade da gestão e não seja terceirização;

Construir novo modelo de Atenção, centrado na Atenção Básica, voltado para o atendimento das necessidades de saúde da população, e com articulação em Rede.